História O Segundo Anjo (Crônicas de Antuerpéria) - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Anjos, Demonios, Fadas, Magos, Romance
Exibições 21
Palavras 1.052
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Bishounen, Fantasia, Ficção, Magia, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Saudações de um mundo distante, andarilhos.

Bem vindos a mais um pedacinho dessa nossa jornada em Antuerpéria.

Desfrutem!

Capítulo 21 - Parte 2 O Tabernáculo de Antares e o mago Zessiel


Fanfic / Fanfiction O Segundo Anjo (Crônicas de Antuerpéria) - Capítulo 21 - Parte 2 O Tabernáculo de Antares e o mago Zessiel

Parte 2  O Tabernáculo de Antares e o mago Zessiel

 

Passou pela entrada do templo, sentindo uma atmosfera diferente.

Havia alguém que parecia estar a sua espera, parado enquanto se aproximava.

Shou não conseguia ficar tranquilo, aquele alguém usava uma capa e tinha o rosto ocultado pelo capuz, segurava um cajado.

As nuvens escuras pareciam pairar tão alto.

Era um mal presságio que sentia? O que isso queria dizer?

O que tinha que fazer? O que precisava fazer realmente para tornar a se sentir em paz?

Não sabia mais, Shou caminhava em direção àquele alguém que tinha suas vestes sacudidas pelo vento e parou quando estava apenas a três passos de distância.

O vento fazia o cabelo azulado de Shou ondular por cima de seus ombros, os fios batiam contra sua face, ameaçavam a entrar em sua boca.

A mão daquele alguém pareceu fazer um movimento em câmera lenta, puxando o capuz a descobrir o próprio rosto.

__Você... É o Mago Sacerdote do Tabernáculo?

Direcionou sua pergunta àquele ser que era mais velho do que Etzel, tinha um rosto mais maduro e um tanto despretensioso para um suposto sacerdote, a pele morena. Barba rala por fazer, cabelos cor de chocolate presos numa trança frouxa descuidada, vestes cor de musgo.

__Bem... É verdade que sou Zessiel, Mago Sacerdote do Tabernáculo de Antares.

Terminou de descer o capuz a vislumbrar a criatura que tinha à sua frente, aquele mancebo de aspecto tão suave, remetendo-lhe à doçuras, tão meigo e inseguro, agarrado com frágil decisão a um livro de magias.

__Mas, você... É muito jovem e não pode ser um mago. Me pergunto como atravessou a barreira mágica do Tabernáculo, se somente os destinados a mago conseguem atravessá-la.

Shou sentia-se nervoso, pensou em mentir... Mas, respirou fundo estando sobre o olhar de Zessiel, não podia mentir dizendo que era mago.

Conseguia manipular a água como um mago, mas como havia lhe dito Etzel... Isso não mudava nada e mentira era uma artimanha do demônio.

__Perdoe penetrar assim no templo... Eu não pertenço a esse mundo, estou aqui porque preciso voltar para onde pertenço.

__Quem falou desse lugar para você, meu jovem?

__Li neste livro, na página do feitiço que abre um portal sabendo as coordenadas do mundo onde se pretende ir.

__Você leu?__ Zessiel perguntou surpreendido, levando a mão comicamente ao queixo.__ Isso é surpreendente! Quando o vi de longe achei que era uma linda fada...

__Fada?__ A voz de Shou soou contrariada, um menino contrafeito a enrusbecer.__ Por que todos pensam que sou uma fada?

__Ei, calma... Calma aí, meu jovem.__ Zessiel riu.__ Descanse um pouco e conversaremos... Assim aproveita e me conta um pouco mais sobre você enquanto te mostro o Tabernáculo de Antares.

Shou acompanhou o mago, disse seu nome e pararam próximos a uma fonte com bica de bambu. Tomou um pouco da água que vertia fresca da fonte usando as mãos em concha ao passo que o mago o observava com uma curiosidade crescente.

O livro estava perto de Shou na beira das fonte feita com pedras.

__Tem certeza que você não tem o algorab em seu corpo?__ Zessiel indagou quando a sede do anjo pareceu saciada.

__Algorab? Se refere ao símbolo que os magos carregam na pele?

__Isso mesmo... Seria o selo cabalístico que marca desde o nascimento os seres com destino a serem magos. Posso dar uma olhada neste livro?

__Fique a vontade.

Zessiel tomou o livro em sua mão, esperava encontrar alguma pista sobre a real identidade de Shou, acreditava que o rapaz pudesse estar escondendo algo... Havia qualquer coisa misteriosa e envolvente na aura do anjo.

Não demorou a descobrir a que clã de magos pertencia aquele livro de magias, na página de rosto achou um brasão cuidadosamente desenhado.

__Não creio...__ Zessiel retorquiu com assombro velado.__ Você esteve com Etzel, o mago cego?

__Foi ele que meu abrigo.__ Shou replicou colocando todo seu cabelo para trás de seu corpo a cair numa cascata azul por suas costas, aquele dia estava perturbadoramente quente.__ Mas... O que quer dizer com "mago cego"?

__Foi como ele se tornou conhecido.__ Zessiel redarguiu virando outras páginas do livro.__ Etzel era cego de nascença e por isso trocaram seus olhos pelas córneas de seu avô que estava deixando esse mundo... De modo que seus olhos são muito mais velhos do que seu corpo de jovem mago.

__Etzel...

Cruzando os braços frouxamente sobre o peitoral, Shou desviou seu olhar a pensar em quando estavam juntos nas fontes cálidas da montanha Damion. Então, essa era a história que ele tinha se negado a contar.

Percebendo como Shou havia ficado distante e melancólico, Zessiel tornou a fechar o livro e deixou-o no mesmo lugar de antes. Colocou-se atrás de Shou e começou a juntar-lhe o cabelo longo que cobria toda extensão das costas.

__Jovem Shou... Não quer me dizer como conseguiu chegar ao Tabernáculo?

Zessiel desamarrou uma fita vermelha que antes envolvia seu pulso e tornou a segurar e juntar o cabelo de Shou, segurando a fita entre seus lábios.

__Uma fada foi minha guia... Seu nome era Dawn, era muito gentil.... Ela me pediu para lhe dizer que sente falta do som de sua cítara.

Pacientemente Zessiel passou os dedos pelo cabelo de Shou, foi trabalhoso prender todo aquele cabelo azulado num rabo-de-cavalo. Tirou a fita antes presa entre seus lábios e envolveu-a em torno do cabelo a dar um bom nó.

Inevitavelmente, prender o cabelo de Shou o remetia aos dias que podia prender e acariciar o cabelo de Dawn.

__Ora... Minha pequena Dawn, minha fada exilada.__ Zessiel relembrou bucólico.__ Como é impossível Dawn entrar nesse lugar e a mim impossível deixa-lo... Foi a nossa punição, o jeito que arrumaram para nunca mais nos encontrarmos.

Shou compreendeu de imediato que Zessiel era o mago que o Dawn amava e estava paralizado, ouvia o mago sacerdote mergulhar a mão na fonte, depois espalma-la gentilmente em sua nuca, as gotículas frescas de água corriam para dentro de suas vestes.

__E então, jovem Shou? Sente-se um pouco mais fresco e aliviado do calor?

Mas, não ouviu qualquer reposta do anjo.

Teve a impressão de ver os ombros dele estremecerem de leve.

Deu meia volta algo intrigado e encontrou Shou imensamente calado, os olhos marejados pelas lágrimas miravam ao chão.

O semblante jovem refletindo uma amarga tristeza.

 


Notas Finais


E muito obrigada por estarem aqui!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...