História O Segundo Anjo (Crônicas de Antuerpéria) - Capítulo 42


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Anjos, Demonios, Fadas, Magos, Romance
Exibições 12
Palavras 1.142
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Bishounen, Fantasia, Ficção, Magia, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Desculpe sumir.
Ontem minha net andou ruim.

Boa leitura!

Capítulo 42 - Parte 2 Aquilo que provém do desejo


Fanfic / Fanfiction O Segundo Anjo (Crônicas de Antuerpéria) - Capítulo 42 - Parte 2 Aquilo que provém do desejo

Parte 2 Aquilo que provém do desejo

 

Tinha levado Shou sem pressa até as terras de Ceres porque queria unicamente se despedir.

Para Jang era a última noite que passariam juntos, ainda que fosse dentro de um paiol quase vazio e úmido, com algumas poucas sacolas de algodão pelos cantos e o som da chuva torrencial dando o tom de adeus, encharcando cada beira, os alqueires cultivados que se estendiam por quilômetros.

Podiam sentir o cheiro da terra molhada, os dois ali encostados na única janela aberta.

E seu corpo estremeceu quando sentiu a mão de Jang deslizar pela beira de seu rosto descendo sutil por seu pescoço.

__E você?__ Shou indagou, erguendo o olhar temperado pela sensação do toque de Jang em sua pele.__ Vai voltar para a casa de Bertrand?

__Embora Bertrand seja o único amigo em que eu confie, o único amigo em vários anos... É melhor que eu vá sozinho às ruínas de Ankh.

__Não... Não pode!__ Shou insurgiu se inclinando sobre o balaio sem mesmo pensar, quase o derrubando do parapeito, conseguiu segurar antes que as frutas caíssem no chão e seu rosto se aqueceu desconcertado.

Mas, Jang segurou em seu rosto de modo que os dois pudessem trocar longos olhares.

__Shou... Não está seguro ao meu lado.

Quando sua voz soava tão baixa e irremediavelmente grave, era um aviso frio e mesmo assim gentil.

__Não importa, Jang... É ao seu lado que ficarei.

Seus olhos verdes flamejavam ao passearem tentados pelo bonito rosto do anjo e foi com pretenso descaso impetuoso que seus lábios cobriram a boca de Shou, nunca o tinha beijado tão demoradamente, tão indecoroso e cheio de despudor.

Se fazendo notável a hesitação, o modo suave como Shou tentava escapar do beijo.

Um gesto absolutamente vão.

Que numa falha tentativa de se apartar do toque repleto daquela volúpia, terminou por derrubar o balaio que estava entre eles.

O único pequeno obstáculo entre seus corpos.

As frutas se espalharam pelo chão, o som da chuva pareceu ficar ainda mais intenso e aquele beijo não tinha fim.

As costas de Shou bateram contra as paredes de madeira do paiol, escorregou por uma delas enquanto bebia a saliva quente do beijo, sentindo sua respiração se descontrolar e Jang sempre tão perigosamente perto, fazendo seus sentidos enlouquecerem feito um bússola que não sabe mais diferenciar os pontos cardeais.

Sentia as roupas molhadas de Jang roçando na sua pele, seus dedos quase se puderam a despi-lo, mas o próprio Shou acabou se censurando enquanto deixava escapar um gemido incongruente.

__Se vai mesmo ficar comigo, Shou... Então, eu quero você.

A confissão saiu num sussurro entrecortado, entre os estalidos de seus lábios.

Eram palavras diferentes do que tinha ouvido dos lábios de Etzel e Shou se perguntava aturdido se este seria um jeito de "gostar"... Do contrário, tudo parecia se resumir a verdadeira lascívia.

O vício oposto a castidade que outrora Shou costumava zelar.

__Por que... Tem que me tentar assim?__ Shou inqueriu a ofegar, os lábios de Jang chupando a pele fina de seu pescoço, uma das mãos caçando sua pele por baixo da blusa.__Jang...

E ao dizer o nome de Jang sua voz incitiva um prazer tão desregrado e sem proporção, que apenas tornou-se pior quando a mão de Jang, seus dedos compridos tocaram o meio de suas pernas a sentir sua ereção já despontar.

Por outro lado, não estava somente sobre efeito do prazer que culminava fulminante na tez.

Não era como se todo seu ser estivesse de acordo em ser tocado daquela maneira sensual.

O único instante em que se permitira fazê-lo, sentindo o prazer do sexo em sua plenitude fora com Etzel em apenas uma única noite.

Na mesma noite em que o abandonou.

Por isso, num instante que a angústia atravessou seu corpo como uma descarga dolorosa, empurrou Jang colocando todo seu ímpeto que tinha o cuidado de deixar devidamente contido.

Fê-lo se afastar, desequilibrar-se bruscamente, mas não o suficiente para Jang cair de costas.

O rapaz ruivo era ágil e preciso, sabia usar seu corpo sempre a seu favor. Manteve-se firme com a ajuda de um dos braços e logo seus olhares faiscaram ao colidirem novamente.

Shou respirava rapidamente, sinceramente atordoado com as próprias sensações, com o que havia de contraditório em seu espírito. Seu cabelo que estava amarrado com a ajuda de uma das mechas se soltou a se esparramar por seus ombros e estando sob o olhar cerrado e irritado de Jang, o silêncio contrariado dele que exigia respostas, subiu novamente suas costas pelo parede de madeira do paiol, suas mãos buscando apoio nelas.

__Jang... Desde o início você não gostou de mim!... Primeiro disse que tencionou me abandonar à beira do rio, depois confessou que pensou em me matar por eu ter esse signo de asas marcado nas minhas costas... E de repente...

Shou tirou uma parte de seu cabelo que a brisa da janela soprara em seu rosto, alguns fios haviam se colado na beira de seus lábios.

__De repente, vem me provocando com beijos em minhas costas... Essas carícias!... Não gosto do jeito que provoca meu corpo, eu...

Ia continuar, quando moveu sua mão nervosamente encostada na parede e sentiu uma farpa penetrando um de seus dedos. Conteve a interjeição de dor, mas seu gesto entregou o quanto tinha sido desastrado.

Jang não sorriu, ergueu-se do chão da onde antes observara Shou e foi em sua direção.

__Machucou a mão?

__Não foi nada...__ Shou retrucou sentido.__ Foi só uma farpa...

__Deixe-me ver.

Não queria que ele visse, não queria ser tocado por Jang e mesmo assim ele segurou com firmeza em seu pulso e examinou depressa a superfície da pele.

__É uma farpa razoável... Vai doer um pouco para tirar, mas muito menos do que ser rejeitado... Eu suponho.

Já não se olhavam, a voz de Jang era um fio frio conduzido pelo sarcasmo comum.

__Jang, não diz isso... Eu disse que fico ao seu lado, não estou rejeitando sua companhia.

Não rebateu o dito por Shou, pondo-se a espremer a farpa da pele. Não tardou a conseguir expulsar uma ponta para fora do tecido fino do dedo da mão a custa de um pouco de dor para Shou.

Aliás, Shou mordiscou o próprio lábio mais pela expectativa, do que propriamente pela dor sentida.

Sentia-se enervar porque era essa mão agora quente e hábil de Jang, tocando a sua, que a pouco afagara safadamente sua ereção.

__Francamente...__ Jang retrucou tentando alcançar a ponta minúscula da farpa com sua unha.__ Se tive o trabalho de ser sincero com você desde o início, é porque desde o início estou atraído por você.__ Ele admitiu quase a rosnar.

Conseguiu puxar a farpa num único movimento, Shou mal sentiu.

Mirava-se em Jang algo estupefato, com a superfície do dedo ardendo enquanto uma bolha de sangue minava pelo caminho percorrido pela farpa.

 


Notas Finais


Obrigada por lerem.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...