História O Sequestro - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Visualizações 66
Palavras 1.017
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Desculpem pelo sumiço, mas eu estou de volta. Espero que gostem!
Desculpem por estar tão curto

Capítulo 10 - Papai?


“Ele mentiu para mim.

Eu sabia ele é um mentiroso. Por que eu me entreguei a ele? Nossa noite de paz havia fracassado miseravelmente.”

Natan

Fui para cima de Simon antes que ele pudesse desviar e lhe acertei um soco no queixo. Eu iria mata- ló! Por que diabos eles haviam aparecido aqui?

Ana minha Ana, agora nem nunca mais confiaria em mim eu lhe disse que esse era um jantar para apresenta- lá aos meus sócios. Eu admito que sim eu faço negócios ilegais com eles, mas hoje era a noite minha e da Ana. Depois que tudo isso acabasse eu iria leva- la para o bosque onde uma tenda nos aguardava para ficarmos ali a noite inteira fazendo amor a luz da lua.

Eu não iria perder meu tempo ali com aqueles patetas. Eu iria atrás dela e imploraria por seu perdão. Eu queria mais que tudo em minha vida que ela confiasse em mim e agora que consegui 1/10 disso, esses idiotas conseguem estragar tudo com medos de vinte palavras.

- Não fiquem parados vão atrás dela!- Gritei olhando para os seguranças.

Todos saíram correndo porta a fora e se separaram indo para todas as direções possíveis, eu não iria ficar parado corri na mesma direção aproximada que ela. Ana tentou ao máximo se afastar da mansão, mas seus rastros pela mata me indicavam claramente sua direção. Segui mais um pouco e quando ouvi um grito não perdi tempo em correr como se minha vida dependesse disso.

Quando cheguei ao local me arrependi amargamente de não ter corrido atrás dela a tempo.

Ana

O homem que estava ali chegou próximo a mim eu estava preparada para qualquer coisa principalmente para gritar ou correr. Assim que me levantei o homem que até agora não tina visto seu rosto saiu das sombras, e devo dizer que fiquei horrorizada com o que eu vi, parte de seu rosto estava todo queimado, mas não parecia um acidente e sim por uma coisa que Natan me fez conhecer tão bem. Tortura.

- Quem é você? – Perguntei me surpreendendo por minha voz sair firme.

- Nataniel. – Respondeu com uma voz grossa.

Me afastei dele eu estava com medo, e quem não estaria? Caramba eu estava em uma mata sozinha no escuro, quem não faria o mesmo que eu?

- Aonde pensa que vai? – Perguntou tombando a cabeça para o ado.

- Embora. – Respondi.

- Não vai não. – Disse.

E não sei da onde retirou uma arma, e ela estava apontada para a minha cabeça.

- Vai em frente me mate! – Gritei abrindo os braços.

Não sei o que deu em mim, mas se essa for a minha hora não quero nem saber só quero morrer.

- Não. – Disse e olhou para meus pulsos. – Não vou te dar esse prazer.

- Então o quê? – Gritei.

Ele fixou seu olhar em algum ponto atrás de mim, escutei o barulho de galhos se quebrando, olhei para trás, mas não antes de sentir uma dor aguda pouco abaixo das costelas, dei um grito pressionando o local que não parava mais de sangrar.

- Ana!- Alguém gritou antes de eu desabar no chão de joelhos.

Olhei para cima e vi Natan parado encarando o homem que atirou contra mim, eles se encarravam de um jeito muito estranho, mas espere ai. Dei um minuto para mim mesma e analisei ambos os homens, tirando a cicatriz e a idade o homem de preto era Natan escrito tirando pela cor dos olhos, os dele eram verdes e o do homem castanhos.

- Papai? – Natan parecia horrorizado com o que estava vendo ali.

Eu até ficaria também, mas essa dor não me deixava concentrar em nada que não fosse ela.

- Natan. – Disse. – Bom te ver.

- Pai. – Natan andou para frente, mas o homem foi mais rápido sumindo na escuridão da mata.

- Natan. – Guinchei de onde estava ajoelhada no chão pressionado meu ferimento.

Ele pareceu sair de seu transe e correu até mim, não hesitando em me pegar no colo, minha visão já começava a embaçar devido a perda de sangue. Não sabia se ele corria ou caminhava, só sabia que a dor que eu estava sentindo era bem real e doía demais muito era horrível.

- Aguente bebê. – Disse em meu ouvido foi a ultima coisa que eu escutei antes de desmaiar.

***

Caramba eu tenho que parar com essa de desmaiar! Qual é? Deve ser a decima vez que isso já aconteceu comigo desde que me trouxeram para cá. Eu sabia onde estava exatamente antes mesmo de abrir meus olhos, na cama onde eu e Natan dividíamos, bastava saber por quanto tempo fiquei ali. Abri meus olhos lentamente e olhei para o lado, em uma poltrona preta Natan olhava atentamente para alguns papeis, não sabia o que fazer então tentei:

- Eu estou ficando boa nisso não acha? – Brinquei.

Ele imediatamente veio para perto de mim, tentei me levantar, mas minhas costelas não queriam colaborar.

- Calma, você perdeu muito sangue. – Disse e beijou minha testa.

- Quanto tempo fiquei desacordada?

- Umas quatro horas. – Disse olhando para meu rosto. – Você esta bem?

Assenti para ele e sorri para aliviar sua tensão que era palpável no ar.

- Para alguém que vivia só para dormir e ir a escola acho que estou ótima. – Falei rindo e gemendo aquilo doía.

Ele também riu, mas ainda estava tenso.

- Ei, vão precisar de muito mais do que armas e torturas para me separar de você e mesmo que isso acontecer eu nunca, nunca deixaria de gostar de você. – Bom saiu sem nem ao menos eu mesma ver.

Natan me encarrava perplexo. Foi ai que me dei conta do que eu havia falado, tapei minha boca e comecei a me desculpar. Ele nem ao menos me deu a oportunidade de falar simplesmente me abraçou do jeito mais delicado possível e me beijou como se eu porcelana e murmurou em meu ouvido:

- Eu amo você Ana.

Sorri boba com sua declaração eu ainda não tinha certeza se eu o amava, mas faltava pouco muito pouco para isso acontecer.


Notas Finais


Eu gostaria de saber se querem que eu comece a postar outra fanfic, esta seria sobre a vingança de uma garota contra seus antigos amigo. Deem opiniões se quiserem me avisem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...