História O sol, A Lua e Sterek - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Aiden, Alan Deaton, Cora Hale, Corey Bryant, Danny Mahealani, Derek Hale, Ethan, Hayden Romero, Isaac Lahey, Jackson Whittemore, Jordan Parrish, Kate Argent, Liam Dunbar, Lydia Martin, Malia Tate, Mason Hewitt, Melissa McCall, Peter Hale, Scott McCall, Sheriff John Stilinski, Stiles Stilinski, Theo Raeken
Tags Sterek
Exibições 87
Palavras 1.992
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Fantasia, Festa, Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Alguém mais sente saudades do Stiles?
Alguém mais sente aquele aperto forte? Aquela sensação de que seu coração está diminuindo gradativamente a cada instante, depois da morte dele?
Alguém mais sente a dor do Derek? Eu sinto. E sempre que me lembro que Stil se foi, e que Der está sofrendo, me lembro da Musica: Dont You Worry . Especificamente dessa estrofe.

...Aqueles dias se foram.
Agora as memórias estão na parede.
Ainda ouço as canções do lugar onde nasci.
Lá na colina, do outro lado do lago azul,
Foi lá que meu coração se partiu pela primeira vez.
Eu ainda me lembro como tudo mudou.
Meu pai me disse: não se preocupe, não se preocupe, criança.
Veja, o céu tem um plano pra você...

Boa Leitura

Capítulo 13 - Brother


Fanfic / Fanfiction O sol, A Lua e Sterek - Capítulo 13 - Brother

De todas as coisas horríveis que procedem a perda, a dor e o vazio são os piores. Os mais destrutivos e corrosivos de todos.

A dor vai te matando aos poucos. Consumindo tudo de bom que á dentro de você, te levando a loucura, porque apesar de estar doendo não existe um remédio que a faça parar. Ela continua lá. Você pode fechar os olhos e tentar dormir, mas não vai adiantar ela te acompanhará nos seus sonhos. Isso por que ela não é algo palpável. Algo que se possa tocar ou que se possa exorcizar.

Já o vazio, ele te deixa deprimido. Desanimado, abatido. Sem reação. Um fraco e covarde vivendo e se alimentando de seu próprio silêncio e dor. É como se você fosse um imenso saco de nada rastejando pela casa, bêbado, fedendo a uísque barato e a vômito. Um rato sem vontade de viver ou de comer. Ele te faz se isolar de tudo e de todos lá fora. Você não suporta nada e nem ninguém.

E é assim que Derek Hale se sentia. Bêbado, fedido, vazio e anestesiado por sua própria dor. Ela o havia endurecido. De alguma forma, ela havia conseguido matar algo dentre dele , no entanto ele não sabia dizer ao certo o quê.

Então novamente ele voltava para sua garrafa de uísque e tentava se embebedar. Foram quatro semanas de dor e lágrimas e um total de 100 garrafas de uísque que não deram resultado. Também foram quatro semanas de telefonemas e recados. De batidas na porta e de tentativas de fazê-lo abri-la. Mas ele não queria ver ninguém. Não queria falar com ninguém. Ele só queria ficar sozinho consigo mesmo e se lembrar de que um dia ele pode realmente ser feliz.

Se lembrar de que tudo estava se perdendo. Não havia mais ligações, nem telefonemas no meio da noite (não dele). Não havia mais risadas ecoando pela sala, e nem roncos vindo do quarto. Que o cheiro dele que impregnava o loft e suas roupas, estava se dizimando, se apagando mais rápido do que ele podia imaginar.

Ele tentou. Ele tentou não pensar nele. Ele tentou muito e foram os piores 10 minutos de sua vida. Neste meio tempo a dor o acoitou mais forte, e mais nociva. E com a dor da lembranças ele percebeu que...

“Eu não posso deixar de pensar nele. Ele está na minha vida. Colado em minha alma. A presença dele e como respirar... Sem ele minha cabeça explode e não tenho controle do meu corpo e do meu ser.” _ pensou Derek olhando a si mesmo diante da grande janela do loft.

Pelo tempo lá fora, já estava anoitecendo. Fazia menos de duas horas que Lydia havia desistido de convencê-lo a deixa-la entrar. E então bateram na porta de novo.

- Vai embora  Lydia._mas as batidas continuaram, mais altas e mais violentas.

- Lydia já falei. Quer dá o fora._ novamente bateram na porta. E de novo... E de novo... E de novo... E de novo.

- Lydia, a lua cheia é daqui a menos de 28 horas... Tenho certeza que não vai querer me ver irritado, então vá embora._ Derek já estava começando a ficar aborrecido. E as batidas não pararam. Só aumentaram. Aumentaram em um nível desgovernado.

Então o lobo foi em direção da porta. Ele iria acabar com isso de uma vez por todas, mas quando abriu a porta seus olhos não acreditaram no que estava vendo. Ele estava tão confuso, e ao mesmo tempo triste e alegre. Enquanto ele estava lá, parado de na porta, olhando quem bateu, seus olhos se encheram de lágrimas novamente. Ele não sabia... Ele... Estava feliz ou triste? Por que estava chorando? Era tanta coisa que ele só se permitiu correr até ela e a abraçar.

- Cora..._suspirou o maior quando sentiu os braços da irmã envolta de seu corpo. Ele se sentia bem outra vez. A vontade de ficar sozinho havia passado. Naquele instante a única coisa que ele queria era estar com a irmã.

- Se me chamar daquela garota irritante de novo, eu te mato._ riu cora quando o irmão se afastou sorrindo pra ela. E quando seus olhos se encontraram, ela também sorriu e sussurrou:

- Oi Der.

- Oi._respondeu ele a abraçando novamente.

Depois de um bom tempo abraçados, Derek e cora se afastaram e o lobo entrou dentro do apartamento, sendo acompanhado pela irmã.

- Por que não me ligou?_ perguntou a loba quando se sentou no sofá e o irmão deitou sobre seu colo. Aquilo a assustou. Derek não fazia aquilo há muito tempo. A última vez foi antes de Page e nunca mais o irmão foi o mesmo. E vê-lo daquela forma a assustava.

- Não sei. Acho que pensei que daria conta sozinho._ respondeu ele dando de ombros,e se aconchegando ainda mais nas pernas da irmã.

- E o que deu errado? Por que você não deu conta? O que te fez cair assim?_ Cora sabia. Desde o momento em que recebeu a mensagem de Lydia, a duas semanas atrás, ela sabia de tudo. Sabia que Derek e Stiles estavam juntos. Sabia que Stiles havia morrido, e que o irmão estava como se tivesse morrido também. Quando Cora recebeu a mensagem da ruiva, ela não acreditou.

“Não. Derek? Derek Hale? Um Bad Boy que se acha e odeia aquele pirralho verborrágico? Não. Lydia está errada.” _ pensou cora ao ler a mensagem da banshe. Mas vendo a situação do irmão naquele momento, ela compreendeu. A raiva, o ódio e toda aquela implicância com o garoto, nada mais era que amor.

Ódio e amor são sentimentos tão intensos, que ao tentar diferencia-los pelos sinais químicos, podem ser facilmente confundidos. E ela havia confundido.

- Ele se foi. Ele me deixou cora._ Derek sussurrou. E a voz dele saiu tão baixa, que foi como se o vento estivesse tocando a janela. Se na fosse pela audição aguçada da loba ela não teria entendido.

- É eu sei. Lydia me mandou uma mensagem._ afirmou a loba acariciando os cabelos negros do irmão, e a sensação dos dois juntos a fez lembrar-se de quando eram pequenos e brincavam em uma clareira perto de casa. Depois de um dia inteiro de brincadeiras, eles deitavam na grama e sentiam o sol sobre seus rostos e logo depois Derek se deitava sobre seu colo e ficava lá por horas. Às vezes até mesmo adormecia.

- Por que não me contou?_ perguntou a loba afastando as memórias de sua infância da mente.

- Eu não sei. Na verdade, nem mesmo eu tinha idea do quanto gostava dele. Não até vê-lo desmaiado naquela cama. Não depois de sentir meu coração sangrar, quando vi que ele... Ele...

- Morreu._completou a Cora se sentindo infeliz e amarga por dizer aquilo, mas era preciso. Derek precisava ouvir aquilo e reagir. Ele era um Hale. Não podia ficar daquele jeito.

- Derek?_chamou a irmão virando o rosto do irmão pra cima. Quando suas mãos tocaram o rosto do maior ele sentiu gotas frias contra sua pele, e quando seus olhos se encontraram, os dele estavam marejados e transbordando. “Merda. Isso é pior que a Page. Isso não é bom. Nunca é.” _ pesou a loba sentindo toda a confusão e o conflito vindo do corpo do irmão.

- Derek, você precisa reagir. Levantar daí e tomar um banho. Trocar essa roupa, fazer essa barba._ falou cora acariciando o rosto do irmão. A barba de Derek estava enorme, ele parecia um mendigo. Estava sujo e fedendo. ― Por pouco que eu o tenha conhecido, sei que o Stiles não iria gostar de te ver assim. Ele se sentiria mal por você estar assim. Ele estaria decepcionado com você._conclui cora.

- Ele me pediu..._sussurrou o lobo fechando os olhos e se lembrando da conversa que teve com o Menor.

 

Flashback

- Não temos muito tempo então quero que me prometa que será forte, que vai suportar isso. Que vai enxugar essas lágrimas de seu rosto e não vai mais chorar. Você promete? Ótimo. Agora preciso que vá. Que esteja comigo. Que esteja feliz

- Como vou me lembrar de tudo isso?

- Você vai se lembrar, por que EU TE AMO. Eu te amo, Sourwolf.

 

- Então faça isso. Seja forte meu irmão, se levanta. Seja feliz._ incentivou cora levantando rapidamente do sofá, e o arrastando pra cima com ela.

- Chega disso Derek. Eu vim pra te levantar. Te colocar de pé novamente._ disse a menor sorrindo pro irmão.

- Eu não consigo. Depois disso tudo eu não consigo mais respirar. É como se ele tivesse levado tudo com ele. Meu ar, meu chão... Tudo.

- Eu não suporto mais te ver assim, Derek. _ afirmou a menor. Depois de um tempo ela subiu as escadas e foi até o quarto do irmão. Minutos depois ela volta com um violão nas mãos.

Quando os olhos do maior recaíram sobre ele, mais lagrimas caíram de seus olhos. Aquilo era estranho, Derek nunca chorava, nunca se permitia, mas nas ultimas semanas, foi o que ele mais fez. Na verdade o lobisomem deve ter mais chorado do que respirado ou se alimentado.ele estava magro, pálido os lábios rachados, os olhos inchados e vermelhos. Ninguém o reconheceria.

- Escuta isso Derek. Só ouve._ disse cora se sentando no sofá e levando o violão sobre seu colo. E no mesmo instante começa a tocar;

Andando no deserto

Não conseguimos encontra o que precisamos.

Ficamos um pouco inquietos por causa da procura,

Um pouco desgastado entre nós mesmos,

Como um touro perseguindo um toureiro,

E homem deixado aos próprios planos.

Mas todo mundo precisa de alguém ao lado.

Brilhando como a luz vinda do mar.

 

Irmão, me deixe ser seu abrigo.

Nunca o deixarei sozinho.

Eu posso ser aquele que vai te ligar quando você estiver pra baixo.

Irmão, me deixe ser sua fortaleza, quando os ventos noturnos estiverem impelindo.

Ser aquele a iluminar o seu caminho...

Te trazer para casa...

 

E o corpo do maior cedeu. E com isso a promessa de que ele iria se reerguer. Depois dessa queda, ele se reergueria novamente. E com os olhos marcados por lagrimas ele cantou junto com cora...

...Caindo com o rosto no deserto.

Há uma gaiolo envolta do meu coração.

Encontrei uma maneira de deixar as chaves caírem onde meus fracassos estavam,

Agora minhas mãos não conseguem alcançar tão longe.

Não fui feito pra rivalidade e nunca poderia carregar o mundo sozinho.

Sei que na minha fraqueza sou mais forte.

É o amor que me traz pra casa...

Completou cora:

...Irmão, me deixe ser seu abrigo.

Nunca o deixarei sozinho.

Eu posso ser aquele que vai te ligar quando você estiver pra baixo.

Irmão, me deixe ser sua fortaleza, quando os ventos noturnos estiverem impelindo.

Ser aquele a iluminar o seu caminho...

Te trazer para casa...

 

Então a loba largou o violão e se abaixou ao lado do irmão. O abraçou forte e isso foi sua promessa de que não o deixaria cair novamente. Nunca mais. E com um nó sobre a garganta e uma dor queimando o peito, ela cantou sobre os ouvidos do irmão:

... É quando você me chamar,

E precisar de mim perto

Dizendo onde você foi?

Irmão eu estou aqui.

E naqueles dias que o céu começar a cair,

Você é o sangue do meu sangue,

Podemos passar por isso tudo...

E juntos eles cantaram: ambos com a promessa de que haveria um recomeço. Um novo amanhã. Diferente e ainda melhor. Mesmo ambos sabendo que o vazio ficaria lá por muito tempo. Conviver com ele seria o pior, mas as lembranças felizes o tornariam cheio novamente.

 

...Irmão, me deixe ser seu abrigo.

Nunca o deixarei sozinho.

Eu posso ser aquele que vai te ligar quando você estiver pra baixo.

Irmão, me deixe ser sua fortaleza, quando os ventos noturnos estiverem impelindo.

Ser aquele a iluminar o seu caminho...

Te trazer para casa


Notas Finais


Querido, Der. Seu sofrimento e sua dor, estão acabando comigo. Eu sinto cada instante de dor que você sente, então se segura porque seus dias de angustia e lágrimas estão contados. Aguente firme.
~DsHs~

E a vocês que leem minha Fanfict... Obrigado!
E até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...