História O sorriso de Kihyun 2 -Alguem Segure a Jaemim! - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Monsta X
Personagens I'M, Ki Hyun
Tags Comedia, Filhos, Pais, Temporada Romance, Travessuras, Viagens
Visualizações 77
Palavras 3.404
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Saga
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Fico grande de novo...Sorry ;-;

Boa leituraaa <3

Capítulo 23 - Eu escolho você.


Fanfic / Fanfiction O sorriso de Kihyun 2 -Alguem Segure a Jaemim! - Capítulo 23 - Eu escolho você.

Depois de todo aquela emoção que os meninos prepararam para nós, as duas moças disseram para nós irmos até uma outra sala para nos trocarmos, nós as seguimos, tirei a roupa das meninas da mochila e agradeci a todos os deuses por não ter amassado, enquanto eu arrumava Jaemim, Gau E keke arrumavam Bella, depois das duas estarem lindas e prontas, era a vez das crianças grandes, coloquei o vestido, e fiquei boquiaberta ao ver como o mesmo me serviu perfeitamente, Kihyun sabia melhor meu número do que eu, o de Gau e Keke também serviram como uma luva. 

-Caramba – Exclamei – Eu sempre erro minha numeração e eles acertam de cara...Gente isso ta certo? 

-Minha filha – Keke se virava para Gau fechar o vestido dela – Aquelas mãos e olhos já passaram tanto pelos nossos corpinhos, que se eles errassem eu ia dar na cara deles. 

''E como passou a mão de Kihyun aqui...Sai pra la pensamentos errado'' 

 Começamos a rir igual duas bobas, até percebemos a cara de espanto de Bella. 

-È serio gente? -Ela nos olhava com reprovação - Eu só tenho 12 anos e vocês estão falando coisas indevidas para minha idade! 

-A larga a mão Bella, quer pagar de santa logo pra sua mãe - Gau revirava os olhos – Acha que não vi aqueles hentais que você lê não é? Enquanto você esta com a farinha eu ja fiz o bolo minha filha! 

-MAEEEEE! 

 -Mãe o que? Eu não quero você fazendo nada por que de fato você não tem idade, mas não vem dar uma santa não dona Bella 

-Toma distraída! - Zombei da menor  

 Bella revirou os olhos, e foi dar atenção a Jaemim que já estava quase tirando as unhas postiças de tanto que mexia, terminamos de nos arrumar e não demorou muito para as duas moças dizerem para nós que logo a ''limusine'' chegaria para nos buscar, nos três trocamos olhares surpresos, não vou mentir que fiquei empolgada e muito feliz com tudo isso, mas comecei a me preocupar com nossas economias, eu sabia que tínhamos uma boa grana guardada, mas será que Kihyun não tinha extrapolado de mais? comentei com as meninas que só faltaram me agredir e me chamar de ingrata. 

-Porra Lay! - Keke segurava em meu rosto – Dinheiro foi feito pra isso mona...pra gastar! 

-E outra Lay – Gau se juntava – O hotel esta tendo um bom retorno, fica tranquila que vocês não irão a falência. 

-Não fale em falência! – Bati três vezes em uma pequena mesa de madeira que tinha ao nosso lado – Eu quero distancia dessa palavra...Mas sabe – Me encostei nessa mesma mesa – Eles fizeram tudo isso pra gente, o que iremos fazer pra eles? 

-Eu ia comentar, mas temos uma criança de 12 anos pura e inocente no recinto – Keke olhava com deboche para Bella que fingiu que nem ouviu. 

-Idiota! - Comecei a rir – Eu estou falando serio! Poderíamos preparar uma surpresa para eles!  

''O que fazer?...O que fazer?...Ai que inferno como eu odeio não ser criativa!'' 

-Lay? -Keke parecia ter tido uma ideia - Você ainda sabe tocar violão? 

-Sei sim por que? 

 Keke me deu um sorriso travesso, puxou Gau e eu para mais próximo dela e nos contou seu plano, que para mim pareceu a coisa mais fofa do mundo, o plano de Keke deu Ideia a Gau, e a ideia de Gau deu ideia a mim, planejamos como iriamos colocar nosso plano maligno em ação, e chamamos as duas ''boazudas'' iriamos precisar da ajuda delas para isso. 

Kihyun on. 

 Depois que passamos em uma loja de ternos e compramos os que nos agradaram, escolhi um para Joni, que só aceitou usar depois que quase puxei as orelhas dele. 

-Mas senhor, eu estou sujo...vou acabar estragando o terno, e ele é tão caro ! Joni me olhava envergonhado. 

-Nós vamos passar no hotel ainda Joni, você toma banho la não se preocupe com isso! 

-Eu irei devolver tudo que o senhor gastou comigo eu prometo...só não sei como!  

''Eu devo jogar ele na parede ou chorar em posição em fetal?'' 

-Não quero que me devolva nada! Já compramos tudo, vamos logo se arrumar por que se não elas chegam primeiro que a gente no Elvis. 

 Voltamos para o Hotel, cada um seguiu para seu devido quarto, levei Joni para o meu, dei uma toalha para ele e ele foi todo sem jeito tomar banho, arrumei algumas coisas enquanto o mesmo tomava banho, fiquei batendo cabeça com o que faria com ele depois que esse dia acabasse, mas parece que tomar decisões como essa era mais fácil para Lay do que para mim, não por que eu não preocupava com o garoto que logo estaria nas ruas de novo, mas por sempre pensar no lado ruim das coisas, de ser desconfiado, Lay já conseguia ver o lado positivo, as coisas boas de todas as situações, talvez por sermos assim que nos completamos respirei fundo e entreguei a sorte...sorte essa que estava nas mãos de Lay, e o que ela decidisse fazer eu a apoiaria. 

''Mas ela nem passou o dia com ele...e se ela o ignorar? Eu deveria fazer alguma coisa? Aish como e difícil ser indeciso!'' 

 Afastei os pensamento quando Joni saiu do banheiro ja vestido com o terno de linho preto, e uma camisa branca, eu também havia comprado os sapatos dele, ele estava bem arrumado, e sua aparência estava mais agradável, já que não havia mais vestígios de sujeira em seu rosto, apenas seus cabelos que estavam parecendo folhas de repolho sobre a cabeça, peguei a tesoura, minha pequena maquina de cabelo e meu gel de cabelo e o arrastei novamente para o banheiro, não precisei falar muito, pois quando joguei a toalha por seus ombros ele entendeu qual seria a arte que eu faria, passei a maquininha n° 1 na lateral do cabelo e aparei bem os fios de cima deixando uns tres dedos mais alto que a lateral, Joni tinha os cabelos bem liso, passei o gel no fios do menino e arrepiei os mesmos, ao ver minha obra de arte fiquei orgulhoso do meu feito 

-Uau – O menino se olhava no espelho – O senhor e cabelereiro? 

-Não!...Agora va assistir TV enquanto eu tomo banho 

-O senhor não se importa em me deixar sozinho no seu quarto – O menino me olhava curioso. 

-Deveria? 

-Deveria senhor, querendo ou não sou de rua, o senhor deveria ser mais precavido, afinal...o senhor se quer me conhece! 

-Você não ira fazer nada de errado Joni, pessoas maldosas, se aproveitam ao invés de avisar! 

-Obrigado pela confiança senhor!  

 Sai com Joni do banheiro e liguei a Tv joguei o controle na mão do mesmo e peguei as minhas coisas para ir tomar o meu banho, não demorei muito no mesmo, demorei mais para arrumar meus cabelos do jeito que Lay gostava, arrepiado com a testa a mostra, quando voltei para o quarto Joni continuava sentado na cama concentrado em um filme ao qual eu não sabia o nome, mas tinha haver com a primeira guerra, peguei as chaves do apartamento e a carteira, chamei Joni e saímos do quarto indo de encontro ao outros dois que já estavam prontos e ansiosos dando voltas no quarto de Hoseok. 

-Vão criar um buraco no chão! 

-Fala isso por que já se casou – Hoseok falava em tom de desespero – E se ela fugir? Keyla e meio louca! 

-Ela não vai! - Revirei os olhos – Vamos ? 

 Saímos do hotel e pedimos um taxi, não demorou muito para chegar ao local que marcamos ''os casamentos'' o local não era uma igreja e nem tinha nada parecido com uma, era um grande sala com alguns bancos em madeira, suas paredes tinham um dom de branco com desenhos de corações e taças em dourado, tinha uma pequena mesa branca no fundo da sala, alguns vasos de flores, e um homem de terno sentado atrás dela, seria ele quem faria o casamento. 

-Olha só os noivos chegaram – Ele se levantava e vinha nos cumprimentar – E as noivas? 

-Já devem estar chegando! - Confirmei. 

 O homem sorriu e voltou para seu lugar, Hoseok, Changkyun e eu começamos a conversar com Joni, voltando a fazer perguntas a ele, mas essas perguntas eram apenas para saber como ele havia se sentindo hoje, se ele estava bem, fiquei feliz ao saber que ele havia gostado de tudo, e se sentia grato. 

-Oi rapazes – Uma das moças do salão entrava na sala –Nossa vocês estão lindos! 

-Cadê elas –Hoseok perguntou preocupado. 

-Então...Elas não vem!  

-O QUE? -gritamos juntos fazendo a mulher se assustar. 

-Elas não vem! - Ela começava a rir – Elas pediram para entregar isso a vocês - A mulher nos entregava um cartão. 

 ''Já que vocês estão tão empolgados em gastar dinheiro, alugamos um outro salão na conta de vocês, sigam a Elise e tragam o ''padre'' com vocês'' 

Nos olhamos preocupados com aquele bilhete, avisamos o homem que o casamento seria em outro local, ele não fez muita cena para nos acompanhar, apenas pegou sua pasta preta sorriu e nos acompanhou, seguimos Elise a mulher que veio trazer o bilhete até a limusine que nós mesmos tínhamos alugado para as buscar as meninas, entramos e não levou dois minutos para chegarmos a um lugar que mais parecia uma boate. 

''Lay do céu...o que você esta aprontando?''  

 Saimos do carro e seguimos a entrada do lugar, fomos revistados por um cara que mais parecia o Maguila, entramos no local que não tinha muita gente, apenas algumas mulheres sentadas nas pequenas mesas redondas, alguns garotos que correram para cumprimentar Joni, mas esses mesmos garotos eram mais velhos e usavam roupas de marca que valiam um rim meu, um pequeno palco com luzes coloridas clareando o mesmo, o lugar não era muito grande, Hoseok levou um susto ao ouvir a porta de ferro se fechar atrás dele e o Hulk versão humana parar atrás de nós com os braços cruzados. 

 -Vem! 

Elise gesticulava para que a seguíssemos, e assim fizemos até pararmos em frente ao pequeno palco, as poucas luzes que haviam no lugar se apagaram deixando só as coloridas do palco, as mulheres, os garotos, o padre o e segurança se juntaram todos atrás de nós, ficamos olhando atentamente para o palco curiosos com o que viria. 

-È eu agora omma?  

Ouvia a voz de Jaemim ecoando em algum som do lugar, e logo minha pequena saiu de trás das cortinas vermelhas do fundo do palco, com um microfone na mão, que conseguia ser maior do que ela, sorri instantaneamente ao ver minha pequena com seu vestido de princesa colorido e um bela tiara de pedrinhas na cabeça, e agradeci por ela ter um corte decente no cabelo. 

-Oi appa – Jaemim sorria e acenava para mim com sua pequena mãozinha - È..a omma, pediu pra eu falar tudo que eu sentia por vocês três..mas eu ainda não conheço bem o tio Joseok..não Hoseok é esse o nome, mas tio, você parece muito legal, tem cara de coelhinho quando ri, e eu acho coelhinhos bonitinhos – Ela sorria para Hoseok que ria bobo para ela – Tio ChanChan...uma vez meu papai falou que quando a gente gosta muito de uma pessoa...gosta tanto que não trocaria ela por nada isso se chama amor, Ti chanchan eu amo você, por que eu também não te troco, sabe por que? Por que eu adoro quando você dança pra mim, você fica esquisito – todos começaram a rir, Changkyun abaixou a cabeça para rir e esconder a vergonha – Appa! ...sabe por que eu te amo muito? Por que você é igual aos heróis que a Bella me faz assistir, você me protege pra eu não fazer dodoi, você conta historinhas pra mim dormir, você ama minha Omma, Appa, eu amo você por que você e o appa mais maluquinho que existe...O melhor appa do mundo!  

 Jaemim colocava o microfone no chão e corria para mim, me aproximei do palco e a peguei no ar, a abracei forte, e enchi aquela pestinha de ''chuva de beijocas''. 

-Para Appa! - Jaemim gargalhava. 

-Oi!  

Bella entrava no palco tímida, fiquei com Jaemim no colo e comecei a prestar atenção na minha linda afilhada. 

-Bom..Desculpa eu to um pouco nervosa – Ela suspirava - Então essas malucas armaram um plano bem legal para vocês, o que não é muita novidade né...mas dessa vez eu quis fazer parte dele, não é querendo me gabar ou coisa do tipo, mas estar aqui agora foi ideia minha – Ela ria nasalado – Acho que estou pegando o costume delas de sempre aprontar com vocês, Bom primeiramente eu queria agradecer por vocês sempre me proporcionarem boas risadas, Tio Kihyun, obrigada por cruzar meu caminho e o da minha mãe a 6 anos atrás, por me ensinar coreano corretamente, por me apoiar na escola, por ajudar minha mãe em seus piores dias dos meu tratamentos contra a leucemia, obrigada por amar a Tia Lay, Tia eu sei que você esta ouvindo também –Ela olhava rapidamente para trás, logo voltando a sua posição - Obrigada tia pelo Juju que me acompanha todos os dias, sempre que eu acho que tudo esta ruim, ele me da forças para continuar, vocês dois tio Kihyun, são joias raras...são meus bons e mal exemplo...eu queria que vocês fossem eternos, pena que não são, mas quero ver vocês felizes até o ultimo suspiro 

-Eu amo você mini marrom bom bom – Gritei para ela, Jaemim sorriu e fez um coração com a mão para ela. 

-Changkyun...cara o que falar de você? - Ela pencava um pouco a cabeça para o lado para olhar para Chang – Chegou do nada, ganhou minha mãe, cuidou de mim da minha saúde, eu te dei muito trabalho não é mesmo? 

-E poe Trabalho nisso! -Changkyun ria para ela. 

-Principalmente com as minhas crises com meu pai!  

 Quando Jaemim citou o pai, vi Changkyun engolir o sorriso a cego, não o culpava eu sabia bem o que ele passou com as crises de ciúmes de Bella e com a rejeição da mesmo no início do namoro dele com Gau. 

-sabe Changkyun – Bella voltava a falar – Foi muito difícil aceitar que meu pai me deu as costas, eu demorei muito a entender as coisas, entender por que o casamento da minha mãe com ele ia de mal a pior, entender por que depois de 2 anos ele se casou e construí outra família sem mim, doeu muito saber que meu pai havia me apagado de sua vida, mas mesmo eu brigando com você, pedindo para você sumir da minha vida, você não foi, não me abandonou, brigou com as pessoas que te julgavam por ter relacionamento com uma mulher negra, e pior uma mulher negra divorciada e com uma filha, eu lembro quando você foi na escola me defender das coisas horríveis que eu ouvia sobre meu cabelo e sobre a minha cor, as noites que você passou sem dormir junto a minha mãe com as minhas recaídas da leucemia, e no outro dia você saia cansado para ir trabalhar, mas sempre voltava sorrindo para mim, sabe changkyun...é isso que um pai faz, tudo o que você fez por mim e pela minha mãe, hoje eu não me sinto mais rejeitada, por que você não me permite sentir assim, por que você faz de tudo por mim assim como minha mãe...E hoje changkyun eu tenho orgulho de te chamar de pai!...Por que é isso que você é...você é meu pai!  

 Segurei para não chorar, coloquei Jaemim no chão e apoiei minha mão no ombro de Changkyun que estava em lagrimas e sorrisos olhando para Bella, que desceu do palco e veio de encontro a ele, o abraçando pela cintura, minha filha ao ver a bela cena me abraçou também, eu não tinha palavras para descrever tudo que eu senti ao ouvir minhas crianças falando naquele palco. 

 Enquanto dava apoio moral para meu amigo ouvi um toque alegre de um violão ecoando, e se tem uma coisa que eu conheço e a voz da minha mulher.  

 A vida é curta 
            Mas os sonhos não são 
            '' Eu rio do passado 
            Espero o futuro com a faca na mão 
            Defino cada passo que dou 
          Minhas escolhas revelam o que eu sou ''

 

Olhamos para o palco, e as cortinas se abriram, revelando nossas mulheres vestidas com a roupas que escolhemos para ela, Lay estava tocando um violão no meio das duas, ela sorria e cantava o inicio de uma musica brasileira, que eu conhecia bem,''eu escolho você'' de uma tal de Sandy, fiquei orgulhoso de ver minha pequena se esforçando para não desafinar, e me surpreendi com seu potencial vocal, que soava doce e calmo, logo Gau e Kekeu se juntaram para cantar com ela, e eu fiquei encantado em como alem de perfeito, aquilo soava agradável. 

''E eu escolho você com todos seus defeitos
           E esse jeito torto de ser 
             Eu escolho você, destino imperfeito 
         Todo carne, osso e confusão 

Quem vive de princípios 
Não tem meios, nem fins 
Eu quebro as minhas leis 

Pois só assim elas pertencem a mim 
E eu que sempre fui da turma do talvez 
Me joguei sem paraquedas no sim 

E eu escolho você com todos seus defeitos 
E esse jeito torto de ser 
Eu escolho você destino imperfeito 
Todo carne, osso e confusão 

Não tem por que tentar se justificar 
Se foi meu coração que decidiu por mim 
Mas se a escolha fosse minha 
Eu escolheria você mesmo assim ''

 

Quando elas terminaram de cantar subimos no palco e ficamos de frente a elas, olhei para os olhos de Lay que brilhavam, seu sorriso bobo no rosto, como eu podia ser tão apaixonado por esse projeto de anã? Que pergunta boba essa minha, nós éramos duas partes de quebra cabeça que se completavam perfeitamente. 

-Vou começar o casamento – O ''padre'' se aproximava do palco. 

Depois dele falar todas aquelas coisas clichê de todo casamento e todos nós darmos nossos singelo sim, beijei minha pequena mulher, mesmo já sendo casado, a sensação que tive foi a mesma de quando nos casamos pela primeira vez. 

-Eu te amo Kihyun! 

-Eu sei..- gargalhei e levei um tapa leve no ombro, a puxei pela cintura deixando mais colada a mim – Eu te amo anã!  

-Senhor...Senhora? -Joni subia no palco e vinha até nós - Eu desejo felicidades aos dois, senhor Kihyun obrigado por tudo o que fez por mim hoje, mas já esta tarde, e eu tenho que ir 

-Ir para onde? – Lay se soltava de mim e olhava curiosa para Joni. 

-Para a biblioteca senhora, se ficar muito tarde o segurança ira embora, e eu ficarei sem lugar para dormir, foi um prazer conhece-los 

-KIHYUN! - Lay olhava desesperada para mim  

-Joni..é 

-Aish Kihyun como você é lento meu filho...- Lay voltava seu olhar para Joni que parecia não entender nada – Joni, você vai ficar conosco hoje, nossa cama no hotel é bem grande, aproveite a festa, seu amigos, você tera um lugar para dormir...e quando chegarmos no hotel conversamos melhor tudo bem ? 

-Senhora... 

-Senhora ta no céu, é Lay...eu ja lhe disse para ficar, ou você acha que eu andei Las vegas inteira atras de informações sobre você, atras de seus amigos...Até mesmo o segurança da biblioteca que vai chegar daqui a pouco atoa? Não meu filho, aproveite a noite criança. 

Joni subitamente abraçou Lay, o garoto tinha 14 anos mas conseguia ser maior que ela que ficou desnorteada com a atitude do rapaz. Logo Joni a soltou e correu para perto do grupo de garotos que estavam sentados em uma mesa. 

-Você foi atras de informações dele? Como teve tempo –Perguntei. 

-Ele é bem conhecido aqui Kihyun, a própria Elise me ajudou com isso, ele é um bom menino querido, não tem envolvimento com nada errado, trabalha varrendo calçadas e lavando pratos de restaurantes, o dinheiro que ganha ele usa para comer até conseguir mais trabalho, ele já trabalhou algumas vezes para o salão de Elise...Kihyun eu estou pensando... 

-Não pense querida...faça! 

-Tem certeza disso? Sabe que é vamos ter algumas dores de cabeça né? 

-Nada que um bom advogado e muita paciência não resolvam! 

 Olhamos para Joni que conversa e ria animado com os garotos, eu sabia que Lay iria pensar em algo para ele, e fiquei feliz por ela ir atrás de algumas verdades sobre o jovem, tirando de mim o pessimismo de Joni não ser um garoto de bem. 

''Bem vindo a família Joni''  



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...