História O Trapezista - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Circo, Jikook, Jimin, Jungkook, Perdido Na Vida, Trapezista
Visualizações 162
Palavras 6.448
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Bolinhos!!!!
Era pra postar segunda-feira, mas meu teclado me odeia e resolveu travar, tipo MUITO!
E aí terça eu descobri que tinha prova Hoje ( domingo ), tive que estudar.
Primeira semana de aula... Ninguém merece!

Enfim, acho que esse capítulo deve tá maiorzinho, espero que compense!

Capítulo 5 - Não vou deixar você, hyung. Só não me deixe também.


Fanfic / Fanfiction O Trapezista - Capítulo 5 - Não vou deixar você, hyung. Só não me deixe também.

Foi tudo muito rápido.


Uma fração de segundos que deixou Jungkook com os nervos a flor da pele.
No momento em que viu os joelhos do Park cederem à gravidade, a primeira reação que teve foi segurar o corpo inerte dele antes que chegasse ao chão.

— Jimin! - deu leves tampinhas pela face pálida, não obtendo resultados o puxou para perto a fim de sentir a temperatura.

Elstava gelado.

Aquilo preocupou o Jeon e algo naquela situação lhe disse que precisava agir rápido.

— Taehyung! - gritou pelo outro que fez uma cara de estranhamento ao ver ambos no chão - Peça ajuda!

Depois daquilo a palavra que descrevia todo o processo de chegada da ambulância até a entrada no hospital se resumia à desordem.

Quando todos viram Jungkook carregando Jimin desacordado no colo e um Taehyung desesperado pedindo por ajuda pelo celular a festa acabou e a angústia tomou conta de todos.

Jimin não acordava por mais que recebesse estímulos externos, eles tentaram de tudo, mas o Park apenas perdia a cor e continuava inconsciente.
 
Para alguns era como reviver um pesadelo, para outros, como o Jeon, algo tão assustador que sentia seu peito apertar e a adrenalina correr por suas veias.

O barulho ininterrupto da ambulância, a luz  vermelha incômoda e as vozes de todos os artistas juntos deixaram Jungkook em órbita. Tudo em que conseguia pensar naquele momento era em seu hyung.

— Não quero perder você. - ditou quando via os paramedicos colocarem o mais velho na maca, a voz entrecortada.

— Não vamos perdê-lo,Jeongguk. O Jiminie é mais forte do que parece. - Jin disse baixo para o mais novo, ele mesmo não tendo certeza de suas palavras.

Na sala de espera do maior hospital daquela cidade, os sentimentos de todos permaneciam os mesmos. 

Taehyung não conseguiu segurar e agora chorava quieto no ombro de Yoongi que o apertava a fim de acalma-lo, não que estivesse dando certo, afinal ele estava tão assustado quanto o outro.

O esverdeado fitou o teto e soltou a respiração de uma vez.

Tudo o que podia fazer era esperar por notícias.

— Droga, Jimin.

                                 
                                        [...]

Aquela salinha em tons pastéis parecia ser um poço de agonia, desespero e silêncio. Todos alí esperavam por algo, alguns por um milagre, outros informação ou até mesmo a notícia de que finalmente o sofrimento tinha chegado ao fim.

Os integrantes do circo aguardavam Park Jimin.

Jungkook estava aflito e por isso resolveu caminhar um pouco, sua cabeça estava cheias demais naquele momento.

Corredores brancos como esses sempre lhe davam certa claustrofobia, ele já devia estar acostumado, não? Afinal, sua mãe era uma médica e cirurgiã renomada. Grande demais para aquela pequena cidade, então tinha parado de visitar locais como aquele a algum tempo, pois a Senhora Jeon costumava sempre ir a capital ou até mesmo outros países para fazer palestras e coisas do gênero, ensinando sobre seu trabalho.

Naquele dia em questão, o hospital parecia realmente cheio, poderia dizer que estava quase em sua capacidade máxima. Havia socorristas entrando com macas e  macas, sem parar, por um momento quis saber o que estava acontecendo.

Mas, sua preocupação com o Park falava mais alto.

Os Jeons tinham grande parte em ações naquele hospital e por isso conseguiu que Jimin fosse colocado em primeiro lugar na fila de emergência, com absoluta discrição é claro, um atendimento rápido em um hospital que já era eficiente por natureza.

Estavam todos muito ocupados, o que de certa forma foi bom, assim, ninguém parecia notar o filho do prefeito e da ex diretora geral do hospital circulando pelos corredores.

Ansioso para ver se já tinham alguma notícia de Jimin, voltou para a sala de espera.

Cerca de 45 minutos se passaram desde a entrada dos artistas alí e pessoas com jalecos brancos corriam de um lado para outro no corredor, o movimento era visível devido a porta opaca, porém nenhuma delas sabia sobre o trapezista.

— Aish! Isso está demorando mais do que deveria! Qual o problema desse otários de branco? Não ensinam na faculdade de medicina que se deve atualizar a família?

— Yoongi, eles estão fazendo o trabalho deles. Esse hospital provavelmente atende a maior parte da população. - Hoseok falou, sensato como sempre.

 
O Min apenas bufou se recostando melhor a cadeira para ajeitar o corpo de Taehyung ao seu, já que ele tinha pego no sono depois de tanto chorar.

Jungkook agora estava ao lado da mãe de Tae. A cabeça enfiada entre os joelhos e mãos nervosas que passeavam pelo cabelo liso tornando tudo uma completa bagunça.

Sua mente angustiada pojetava cenas das duas semanas intensas ao lado do mais velho: o dia  que o reencotrou​; Jimin brigando com ele por ter comido seus chocolates; as chamadas que sempre levava para checar se tinha escovado os dentes antes de ir dormir ou o momento em que achou os pijamas que ele nunca usava, todos com estampas que denunciavam a obsessão com gatinhos fofos do rosado.

Nunca se deve fazer graça ou mexer com eles, os gatinhos não são algo a ser levado levianamente, o  inchaço no lado esquerdo de sua cabeça sempre fazia questão de o lembrar.

A convivência a todo o momento fez os dois se aproximarem. Ele tinha se acostumado com o hábito excessivo de limpeza de Jimin, as coisas estranhas que ele gostava de comer e todas as outras manias dele, assim como sabia  que o rosado também estava se habituando as dele.
O Park  compreendeu cedo sua fome incontrolável e até mesmo abriu mão de suas preciosas etiquetas alimentícias para que pudessem compartilhar toda a comida disponível entre eles. Jeon ficou muito agradecido.

Não estava pronto para ficar sem tudo isso, ainda tinha muito o que aprender sobre si mesmo. Além disso...

Precisava desvendar o caso ChimChim por completo. 

Sem saber o que estava acontecendo, torcia para que Jimin continuasse reclamando consigo, rindo de suas piadas, o provocando e dando seus maravilhosos sorrisos.

Um leve afago da senhora Kim em seu cabelo fez com que ele saísse de seus devaneios.

— Ele vai ficar bem. Não se preocupe, Jeongguk. - o Jeon assentiu fraco, estava abalado.

Foi apenas o tempo para o médico perguntar pelo responsável por Park Jimin que boa parte das pessoas na sala de espera se levantou o cercando e o enchendo de perguntas.

— Façam silêncio! Estamos em um hospital - disse a Senhora Kim  acalmando os garotos - Eu ajudo a cuidar dele desde que nasceu! Portanto sou a responsável por aqui. Como ele está doutor?

— Estável. Também não corre perigo. Mas eu gostaria de mantê-lo aqui em observação até amanhã e se possível fazer alguns exames. - a senhora  assentiu aflita

— Já sabem o motivo do desmaio? É algo grave?- Tae perguntou receoso pela resposta, não sabia o que seria dele se acontecesse algo mais a Jimin, pois prezava muito o melhor amigo e vê-lo mal o deixava  também. O médico pareceu tomar fôlego.

— Não posso afirmar sem os resultados  com  toda a certeza, mas pelos sinais de desidratação eu diria que ele passou longas horas sem se alimentar. Vocês podem vê-lo agora, mas ele está dormindo e precisa repousar, então mantenham o silêncio, tudo bem?

Assim, eles se dividiram em duplas. Jin e Taehyung foram os primeiros, esse último pareceu apenas se acalmar quando viu o melhor amigo respirando e aparentemente bem, em seguida Yoongi e Hoseok, sobrando apenas Jungkook e a senhora Kim, já que Namjoon teve que ficar e procurar os documentos do Park para o preenchimento da ficha médica e até agora não tinha chegado.

— Agora que estão calmos quero que voltem para casa e avisem a todos que ele está estável. Fale para o Joon achar os documentos e trazê-los  quando vocês vierem visitá-lo. Descansem, certo? Ficarei aqui como acompanhante dele. - os quatro assentiram nervosos por deixarem um amigo naquela situação, mas precisavam descansar e avisar aos outros que estavam igualmente preocupados sobre o estado de Jimin.

Jeongguk já estava inquieto por achar que não veria seu hyung até o dia seguinte, quando a senhora Kim segurou seu pulso e questionou se ele queria passar a noite alí também para não ficar naquele trailer enorme sozinho.

Assentiu sem ao menos pensar e ambos foram até o quarto de Jimin.

O Jeon não conseguiu conter todo o ar que escapou de seus pulmões em alívio quando viu que ele dormia sereno naquela cama de hospital. 
A palidez aos poucos deixava seu rosto  a medida que o soro pingava e os batimentos cardíacos ecoavam pelo cômodo.

Tinha necessidade de tocá-lo, então sem pestanejar foi em direção ao mais velho para  segurar os dedos gordinhos entre os seus, sua mão fazendo um carinho gostoso e reconfortante alí, queria que ele soubesse que estava com ele, tal qual havia dito quanto tentava o acalmar.

Não vou deixar você, hyung. Só não me deixe também.

Não percebeu o quanto precisava desse contato até fazê-lo.

— Obrigado - olhou para a senhora Kim, estava realmente agradecido - por me deixar ficar aqui.

                                [...]


Os raios de sol entravam pela cortina clara anunciando o começo de um novo dia. Jeongguk já estava se sentindo  incomodado pela claridade quando percebeu um leve afago em sua mão e se remexeu na cadeira desconfortável destinada ao segundo acompanhate, esse que pelas normas do hospital nem deveria existir.

Jamais deixaria a Kim dormir de maneira desconfortável, então ele estava na cadeira de plástico, enquanto ela ficava na poltrona do lado oposto do quarto.


Coçou os olhos e os apertou devido a claridade no local completamente branco, bocejando em seguida. Uma risada sonolenta denunciou que ele estava sendo observado.

— Bom dia, pirralho. - disse baixo, era Jimin quem acariciava sua mão, provavelmente devia tê-lo incomodado ao ficar a noite toda mantendo ambas juntas.

— Bom dia, Jimin-ssi. - Com cuidado soltou sua mão da dele, já Jimin saiu de sua posição de lado para encarar o teto soltando o ar aos poucos e franzino o cenho como se estivesse com dor. - Quer que eu chame um médico?

O Park não precisou responder, pois segundos depois, o Doutor Gae, responsável pelo caso de Jimin, entrou no quarto com cuidado para não acorda a senhora  que ainda repousava, ele estava com alguns papéis em mãos.

— Que bom que acordou, Park Jimin-ssi. Sente algo?

— Parece que fui atropelado por um  caminhão. - riu desgostoso - Meu corpo está mole, sinto dor de cabeça e um pouco de ...

— Ânsia ? - Jimin confirmou com a cabeça. Já era de se esperar pelo resultado dos seus exames.

— E-exames? - o rosado parecia preocupado, o olhar nervoso alternando entre os papéis na mão do doutor e a Kim adormecida.

— Creio que já saiba que a causa maior do seu desmaio seja o estresse e o jejum prolongado, certo? - assentiu - Mas, não sabe que no caminho para cá, os paramedicos controlaram uma convulção sua. - o Jeon abriu os olhos surpreso - Eu realmente não estava entendendo seu quadro, até acharmos isso no seu casaco - o médico mostrou uma cartela de comprimidos pequenos - quando fizemos o procedimento essa manhã tive a confirmação de que precisava. Desde quando toma a medicação controlada?

Jungkook estava confuso

Convulção? Tinha visto seu hyung tremer, era verdade, mas nada que se comparasse a uma convulção. E aquela cartela de comprimidos vermelha? Nunca a tinha visto. Esses eram diferentes do comprimido branco que ministrou de madrugada ao rosado .

Jimin suspirou desconfortável, mas ele parecia entender bem do que outro falava, ao contrário de Jungkook.

— Pouco menos de dois anos.- disse convicto.

— Essas coisas fazem você ficar sem vontade de se alimentar, provocando anorexia. - alertou mexendo a cartela vermelha  - Presumo que não voltou para que o médico pudesse reavaliar seu caso, não é? - o Park assentiu - O que teve foi uma reação a mistura da medicação mais forte com essas benzodiazepinas, esses comprimidos para controle de ansiedade e do sono que eu presumo que tenha comprado ilegalmente e sem receita médica, estou certo?

Jimin engoliu em seco e Jungkook o encarou descrente. Era por isso que o Park tinha levantado tão cedo? Para comprar aquilo? O único tempo que ficou longe dele foram os banhos e quando ainda dormia de manhã cedo, não tinha como o rosado ter saído durante os outros períodos e ele não notar.

— E-eu não sabia que isso podia acontecer. - confessou - Os remédios que eu costumava tomar acabaram. Eu só...

— Resolveu complementar com outros medicamentos com medo de ter mais um surto? - assentiu - Escute,  a medicação que costumava usar está em uma dose muito alta pra você, é uma droga para ser usada apenas no começo do tratamento e que deve ser trocada depois disso. Ao menos começou a psicoterapia quando recebeu seu diagnóstico? - Jimin negou - Vou recomendar o contato de uma amiga que é especializada em casos como o seu e espero que comece as sessões imediatamente. Fique sabendo que apenas os remédios não resolverão.
Aqui está.

Jimin virou o rosto para o lado oposto, deixando que o médico continuasse segurando o cartão no ar. Uma lágrima escorreu de fininho e o Park tratou de limpá-la rapidamente.

Percebendo a relutância do mais velho em aceitar aquilo, Jeongguk se dispôs a pegar o papel, mas a Kim, até então adormecida, foi mais rápida.

— Obrigada, doutor. - o médico se despediu brevemente e deixou a sala. Dava para sentir o clima tenso que se instalou alí entre o Park e a Kim- Quando pretendia me falar que tinha voltado a ter crises? - ela parecia furiosa, mas a mágoa era ainda maior em sua fala.

— Eu não pretendia. - respondeu o Park, seco, ele continuava mirando o abajur como se fosse a coisa mais interessante do mundo.

— Achei que tinha sido clara da última vez, Jimin. Você não se cansa de  nós dar sustos? Somos a sua família! Podemos não ser de sangue, mas você também é meu filho! Seus irmãos se preocupam com você e provavelmente estão naquela sala de espera aguardando notícias boas suas. - ralhou - Não vou falar da terapia, porque sei que não vai me escutar, mas saiba que estou cansada disso.

— Desculpe por ser um peso pra você.- a fala saiu baixa, finalmente Jimin tinha abaixado o tom indiferente, a Kim suspirou.

— Não é um peso pra min. É um peso pra você mesmo, mas já sabe disso. - pontuou - Não contarei a eles já que se esforçou tanto pra manter isso em sigilo a ponto de chegar ao hospital.- disse e viu o Park respirar aliviado - Mas, vai parar de tomar essas coisas até resolver consultar a doutora. - Jimin quis discordar, mas ela não deixou margem para isso- Vou revirar sua casa e confiscar cada comprimido suspeito. - o Park bufou - Jungkook, estou contado com você para vigiá-lo - ela apertou as mãos do Jeon e Jimin o olhou de modo incrédulo, ele parecia sério demais quanto aquilo.

— Darei o meu melhor.

— Vocês só podem estar brincando! Eu não preciso de babá! - disse irritado, as veias já saltando de seu pescoço -

— Precisa se vai continuar agindo como um bebê iresponsável e não como o homem adulto que é. - Jimin  se calou, não dava pra discutir com ela quando o modo mamãe super protetora estava ligado - Vou trazer algo pra comer e ver se os meninos chegaram. Tente dormir mais um pouco, o doutor disse que está fraco.

Jungkook deu um tempo para ele se recompor da bronca mantendo silêncio, mas nada desagradável, apenas um silêncio respeitoso e , pouco depois, uma enfermeira veio para mais uma troca do soro de Jimin. Esse que tentou a todo custo esconder o pavor que tinha de agulhas o que fez Jungkook rir e receber um olhar mortal do outro.

Afinal, quem gostava de tomar aquilo?

A enfermeira também aplicou as medicações para ânsia e dor de cabeça no soro, o que acabou provocando um pouco de ardência ao entrar na veia, mas nada insuportável, ainda alertou que talvez o rosado sentisse uma leve sonolência. Porém, Jimin já estava no terceiro sono quando a Kim retornou ao quarto.

— Os rapazes só podem subir no horário de visitas.- disse a Kim bebericando seu café e passando um copo ao Jeon com um pacote de biscoitos pequeno - E o Jimin vai ter que se contentar com a comida de hospital, não é permitido dar nada aos pacientes.

Enquanto comia se permitiu observar as feições de Jimin, o sentimento de alívio quando ouviu sua voz aquela manhã foi tão bom que ele ainda se sentia  anestesiado.

— É bom ver que ele está bem agora. - Jungkook disse.

— Fisicamente sim, ele se recuperará  rápido, mas o que me preocupa não é isso.- Ela iniciou um afago pelos fios rosas - Ele continua fazendo mal a si mesmo e escondendo tudo o que sente até que a pressão seja forte demais para que aguente sozinho, mesmo que estejamos lá pra ele, ainda se cala e se isola, eu diria que Jimin não confia mais em ninguém. - respirou fundo - Tem sido assim desde...- assistiu a Kim cair em um mar de lembranças que não a deixaram nem um pouco confortável, pelo semblante podia dizer que era até  mesmo triste - não importa. - finalizou deixando Jungkook frustado -  Bem, agradeço por você estar lá, Kook-ah. Pode não parecer, mas estava muito difícil de lidar com ele. Jimin está se esforçando para cuidar de você e para isso ele sabe que tem que estar bem. Então, muito obrigada. - ela sorriu pra si e Jungkook se sentiu emocionado.

— Não tem motivos para me agradecer, Noona. Na verdade, Jimin-ssi tem feito muito mais por min do que eu por ele. - sorriu - Ele é muito atencioso. - A Kim assentiu e se abaixou para selar a testa de Jimin, eles pareciam mãe e filho, era nítido todo o amor alí. Jungkook poderia ver isso de longe e ficou feliz por seu hyung ter tanta gente que se importava com ele.

—  Eu só quero que você volte a ser meu garotinho doce, feliz e gentil. Porque é assim que você é, Chim. Fique bem logo. - seu olhar recaiu em Jeongguk e ela iniciou sua fala sorrindo - o horário de visitas está chegando.

                           [...]



Após serem informados da condição do Park, a visita foi liberada para todos. Cortesia de uma conversa ligeiramente rápida do Doutor Gae com Min Yoongi.

— Jejum? Ele é idiota? É melhor que fique de olhos fechados, porque eu mesmo faço questão de matá-lo de verdade dessa vez! - o Min explodiu, Park Jimin tinha que parar de dar sustos nele, podia não parecer, mas seu coração era fraco.

— Shh... Cala a boca, Yoongi! Acho que ele está acordando - Hoseok avisou e a atenção de todos se voltou para Jimin que apertava os olhos desconfortável devido a claridade.

— Bem vindo de volta, Minie. - SeokJin acariciou sua cabeça.

—  Cara, você nos deu um susto! Não faça isso! - disse Namjoon, esse que finalmente tinha encontrado os documentos do outro a tempo para a alta no hospital.

— O que você tem na cabeça, Park? Por quanto tempo ficou sem comer?

— Me desculpem, eu não percebi a fome até sentir a fraqueza. - Jimin disse envergonhado.

— Pessoas normais tem horários pra isso, Jimin! E você vai entrar nos seus, nem que seja à força! - continuou o Min - Vamos ficar tão em cima de você que não vai dar tempo para cogitar esquecer de se alimentar!

Um sorriso gengival e diabólico cresceu  nos lábios finos de Yoongi, fazendo o Park ter um arrepio na espinha, assim como Taehyung.

— Jimin - disse o castanho- boa sorte.


                              [...]


— Eu não quero mais isso, hyung! - o rosado negou a colherada bem servida da sopa estranha que Yoongi tinha feito e Hoseok tentava lhe dar - Tem gosto de sapato.

— Desde quando come sapatos, Jiminie? - disse Taehyung  zombando do amigo que estava sendo alimentado como um bebê, já que estava trêmulo e fraco demais pra conseguir tomar sopa sem se sujar inteiro.

Não que ele quisesse tomar aquela água suja e,possivelmente, envenenada que o Suga tinha feito.


Era incrível como alguém com tamanhos dotes culinários conseguia fazer algo tão ruim quanto aquilo apenas para ver o sofrimento tocar as suas preciosas papilas gustativas. Sopa de sofrimento, era isso o que estava tomando.

— Coma tudinho, Park. - disse Yoongi - Os soldados comiam isso na guerra, vai deixar você forte rápido. - Jimin fez uma careta - Ou não quer ficar bom a tempo pro show? Faltam só dois dias... - cantarolou certo da vitória.

Jimin choramingou e abriu a boca para que seu hyung escoasse aquele líquido altamente suspeito inventado por alguém que não habitava o lugar onde os anjos moram. Hoseok por outro lado abriu um sorriso lindo e fez um barulho de aviãozinho até que a colher cheia chegasse à boca do outro.

Mais uma careta.

— Ele fazia igualzinho quando era bebê. - disse a senhora Kim admirando a cena - Acho que eles crescem, mas esse tipo de coisa nunca muda.

— Crescer... sabe o que é isso, Minie? - Jimin fez uma cara raivosa. Taehyung estava adorando provocá-lo, pois o Park não poderia levantar para bater nele como de costume. O médico recomendou repouso absoluto, não que ele tivesse outra opção, seu corpo estava completamente travado por conta das medicações.

—Tae...quando eu puder andar... acho melhor proteger seu traseiro. Vou chutar você com tudo o que eu tenho.

— Não com essas perninhas aí, ChimChim. Não vai alcançar. - Jimin proferiu algo como " moleque, você vai ver só" e tentou se levantar, falhando miseravelmente e arrancando uma gargalhada gostosa do palhaço mais novo.

— Pra min chega! Quero ir pro meu trailer! Não aguento mais esse idiota!- disse com um biquinho chateado .

— Você pode ir quando Jungkook voltar do mercado com o Jin hyung. - falou Taehyung e Jimin bufou, aquele negócio de babá estava sério demais- Ele vai trazer as coisas saudáveis pro Yoongi hyung cozinhar pra você até que fique bom. - disse e Jimin pode ver a sombra do sorriso gengival de Yoongi.

Estava com sérias dúvidas se seu hyung
queria o fazer melhorar ou... o matar de vez.

— É, você pode ir quando ele chegar. Já terminei a faxina que eu disse que faria e joguei todo o lixo fora. - a Kim disse e Jimin suspirou dando "adeus" aos seus preciosos remédios e "olá" àquelas crises infernais.

O ar do trailer ficou frio de repente, a porta tinha sido aberta e a brisa de inverno não deixou que a oportunidade passasse.

— Nossa, que cheiro é esse? - Jin entrou no trailer que Hoseok e Yoongi dividiam seguido de um Jeon munido de várias sacolas plásticas. - mataram alguém aqui?

— Ainda não. Mas, Yoongi hyung quer me matar! - disse Jimin dramático ainda deitado na cama - E esse cheiro maravilhoso?- proferiu sarcástico - Ele pegou os sapatos velhos do Namjoon e ferveu pra me alimentar. - o MC resmungou um "Hey" indignado e todos os outros fizeram uma careta, exceto o Min, que ria. - Está um nojo!

— Poxa, Jimin...seu paladar é mesmo apurado! Até descobriu meu ingrediente secreto. - Jimin arregalou ou olhos e colocou a mão na boca impedindo a ânsia.

— Parem com isso. Jimin estava sem se alimentar e querem que ele coloque tudo pra fora? - A Kim fuzilou Yoongi - Pare você também, Taehyung! O estresse foi parte disso! Esqueceu? - V fez o gesto de passar a  chave na boca e levantou ambas as mãos, rendido.

— Ele precisa aprender a não fazer mais - começou o Min se defendendo - A sensação ruim vai ser auxiliada ao jejum no cérebro dele  e "bam!". Ele nunca mais vai fazer isso de  novo!

— Ei, eu conheço isso! - Tae falou animado - Jin hyung quem me ensinou.

— É, fui eu. É o jeito que se adestra cachorros.- disse risonho

— Digamos que sou como um adestrador nato. - debochou Yoongi.-  O que você trouxe pra min, ou melhor, pro Jimin aí hyung?

— Tem legumes pra fazer sopa, um pouquinho de carne e feijão. - Jin falou entregando duas sacolas a Yoongi .

— Feijão? Chega, me tirem daqui. Agora. - disse Jimin que estava meio verde, ele não era muito chegado ao grão.

— Jeongguk-ssi, pode levá-lo até o trailer de vocês? Eu tenho que carregar parte dessas sacolas pra lá e não vou poder fazer isso. Colocarei algumas coisas no frigobar para que não tenha desculpas pra ficar muito tempo sem se alimentar.

Jungkook disse "Ok" e foi até o Park que notou estar meio relutante em ser carregado, mas que mesmo assim passou seus braços pelo pescoço alheio e se permitiu erguer com facilidade pelo mais novo.

Jimin sabia que era pequeno, ele tinha consciência disso. Mas, levantar e carregar sessenta quilos por um longo percurso, considerando que seu trailer era o mais afastado do acampamento, sem uma gota de suor ou reclamação não era normal. Seus treinamentos não tinham nada a ver com isso, como o mais novo costumava argumentar. A realidade era que aquele garoto tinha uma força extraordinária e de causar inveja.

Finalmente enxergava para onde ia toda a energia provinda da montanha de comida que Jeongguk ingeria o dia todo.

O Jeon era um mostro.

— Está em casa agora, Jimin-ssi. - disse o Jeon o colocando na cama

— Pronto. Tem comida suficiente na geladeira. Mas se precisarem de mais, podem pedir. Entendeu Jimin?

— Sim, Jin hyung.

— Muito bem, agora vou indo crianças.

Jin deixou o trailer de ambos e o Park suspirou, teria que aguentar aquilo se quisesse participar do espetáculo. Ele e Jungkook, já que o moreno só participaria se ele estivesse lá.

E não podia perder uma aposta para Kim Namjoon.

Não Mesmo!

— Você comeu? - perguntou enquanto via o outro beber água em largos goles

— Jin hyung e eu comemos algo na volta. Não se preocupe comigo, Jimin-ssi.

— Eu me preocupo. - disse rápido - Viu como estou agora? - riu nervoso - Já disse que preciso de você inteiro para a apresentação.

— Você tem que estar inteiro também. Ou não vai ter apresentação pra nenhum de nós dois. - rebateu o mais novo

Touché

— Você ainda está bravo comigo?- o rosado perguntou baixinho.

Eles tiveram uma pequena discussão a respeito do excesso de medicamentos que o mais novo achou na gaveta de cuecas do Park. Esse que tinha feito um estoque daquelas cartelas vermelhas que o fizeram passar mal.

" Era só em caso de emergência. - retrucou - Mas é uma pena que a Noona vai jogar todas fora, paguei muito caro nisso"

Na hora o Jeon ficou furioso, saiu do trailer e  avisou seus hyungs para tomarem conta do rosado, pois iria no mercado com o Jin.  Não queria fazer besteira.

Jungkook nada o respondeu, apenas tirou o gorro que usava e o jogou no sofá-cama, caminhando lentamente na direção do baixinho até se ajoelhar na frente dele, ficando na sua altura.

De primeira o Park estranhou a aproximação e engoliu em seco. O mais novo levou as mãos até acima de suas maçãs do rosto e puxou a pele para baixo com os polegares analisando a coloração de suas pálpebras inferiores, depois levantou um pouco e tocou seus lábios na testa nua do rosado.

— O que está fazendo? -Jimin perguntou e Jungkook se afastou rapidamente.

— O tecido dos lábios é o mais sensível -explicou - estou vendo se está com febre, o Doutor disse que seu corpo ainda pode ter algum tipo de efeito colateral por não sabermos a procedência do medicamento. - Jimin torceu a boca, maldita hora que saiu pra comprar  aquelas porcarias - só estou checando.

— Estão frios - disse se referindo aos lábios alheios

— O tempo está frio.- apontou para a janela que deixava a mostra algumas árvores sem folhas e ninguém na rua - Talvez seja como Suga hyung disse. Quem sabe pode nevar hoje.

                                 [...]

Depois de ficar a tarde entre um cochilo e outro o tédio já tinha dominado completamente o corpo do mais velho. Ele era uma pessoa hiperativa e aguentar aquilo era demais .

Jungkook estava deitado também, de olho no Park como a Kim o pedira.

— Pirralho... eu vou enlouquecer se ficar deitado por mais alguns minutos. - Jimin proferiu e Jungkook riu contido.

— Certo, você ganhou, Jimin-ssi.

O Jeon se levantou e colocou um casaco quente, indo até o pequeno armário de Jimin e procurando um pra ele também.
Para garantir ele ficasse aquecido o ajudou a vestir aquilo por cima e se prontificou em adicionar um cachecol.

Park o viu preparar uma bolsa pequena com algo que não conseguia indentificar, depois Jeongguk vestiu um gorro azul, até finalmente se abaixar na frente de Jimin para que ele segurasse em suas costas - tal qual um Koala - O rosado já estava um pouco melhor, seus membros superiores já não doiam tanto e a movimentação deles estava precisa.
Talvez a sopa do sofrimento realmente valesse a pena.

É claro, jamais diria isso a Yoongi.

— Onde está me levando?- perguntou enquanto Jeongguk  o carregava devagarinho pela calçada estreita - Sabe onde está me levando, né?

— Eu sei sim. - riu - Pode deixar. - Jimin esperou alguns segundos para que ele respondesse, recebendo apenas o silêncio em troca.

— Certo, não vai me falar? - cutucou a bochecha do mais novo com o indicador.

— Não. É surpresa!

— Aish! Como você é chato!

— E você é muito impaciente, hyung! - aquilo saiu com tanta espontaneidade  que o Park nem tinha notado o jeito que o outro tinha o chamado, até ele se corrigir.- Quer dizer, você é muito ansioso, Jimin-ssi.

— Eu sei. - ele admitiu

— Aguente mais um pouco, é logo naquela clareira alí. - disse indicando uma trilha mal vista entre as árvores com a cabeça.

Uma clareira

 De noite

No meio de uma floresta 

Com a vítima impossibilitada de correr.

Isso está parecendo filme de terror.

— Hey - Jimin cutucou a cara alheia mais uma vez - Você não pretende me assassinar aí, né?

— Se eu quisesse matar você eu poderia ter feito isso enquanto você dormia, ou simplesmente não o socorrer quando  desmaiou. - O Jeon falou sem se abalar muito, já estava acostumado com as coisas aleatórias dele. - Jimin sibilou algo como "você tem razão" e eles continuam o caminho sem mais interrupções.

Jungkook estava, de certo modo, tão ansioso quando o Park. Nunca tinha trazido ninguém alí além de seu irmão, o único que também conhecia o lugar já que era bem afastado do centro da cidade, mas próximo o suficiente do circo para que ele tivesse essa ideia.

Seguiu o caminho que não fazia a algum tempo, principalmente acompanhado, pedindo aos céus para que aquilo ainda estivesse alí. Pisou em alguns galhos e confirmou se não havia ninguém os seguindo, pois gostaria de manter seu segredo. Seu refúgio.

O sol já tinha se posto, envolta da clareira restava apenas mata densa e fechada. Gostaria de dizer que não, mas Jimin estava apavorado.

— Chegamos! - disse o Jeon com animação - acha que consegue ficar em pé? - Jimin assentiu e o outro o desceu de suas costas para depois pegar o celular e ligar a lanterna deixando à mostra algo que se parecia com um gerador.

— Pirralho... Não tem nada aqui, vamos embora! - puxou o casaco do Jeon tentando enxergar ao redor, mas estava um perfeito breu- O que está tentando fazer com esses fios?

— Achei! - exclamou vitorioso por encontrar o interruptor improvisado. Ainda não tinha perdido o jeito - Tem certeza  que não tem nada? Porque não olha atrás de você?

Uma música começou a soar bem baixo no ambiente atraindo a atenção do trapezista e tudo se iluminou como um passe de mágica. Alí em sua frente havia um carrossel, uma tímida roda gigante, carrinhos bate bate e uma casa de espelhos.

— Um parque de diversões?

— Correção: um parque de diversões abandonado. - Jeon se colocou ao seu lado - Montaram isso a alguns anos, mas era a administração antiga da cidade e quando o prefeito atual foi escolhido não quis dar continuidade a abertura do Parque.

— Aigo, que pena. Parecia ser muito promissor. - Jungkook assentiu, mesmo que o outro não olhasse pra si, encantado demais com todas as luzes.

— Então...em qual quer ir primeiro? - Jeongguk abriu um sorriso arteiro e Jimin o encarou surpreso.

— Eles funcionam?

— É claro que sim! Qual a graça de vir em um desses e não usar?

— Bem, a vista aqui é bem bonita.

O Jeon se deu conta de que era verdade. Aquela clareira era natural e a grama alí não crescia muito, a lua estava cheia e brilhante contrastando com as luzinhas artificiais.

No entanto, se lamentou, pois estaria ainda mais bonito se fosse primavera e as cerejeiras ao redor estivessem carregadas com flores.

— Tem mais potencial depois do inverno - comentou - e Jimin arqueou a sobrancelha não acreditando que poderia ficar mais bonito, " se você diz" ele falou.

Foram na Casa de Espelhos primeiro, onde passaram um bom tempo rindo um da aparência do outro em frente aos espelhos desfiguradores.
Depois foi a vez de apostar uma corrida nos carrinhos, tendo Jimin como vencedor na décima volta.
E por último: o carrossel, até o trapezista perceber o que estava escondido ao lado da casa de espelhos, por acaso algo que gostava muito.

— Aquilo é o que estou pensando?

— Se está pensando em uma máquina de algodão doce, então sim é. Você quer um?

— Nós podemos?- Jimin tinha os olhos brilhando e Jungkook apontou para a mochila esquecida, tirando de lá um saquinho rosa.

Açúcar

— Eu achei isso no mercado e pensei.. Porque não? - o Jeon abriu um sorriso e eles caminharam devagar até o carrinho, pois Jimin ainda estava meio mole.

— Tem certeza de que sabe mesmo fazer isso?

— Hã... já faz um tempo, vamos ver se ainda me lembro. - Jeongguk limpou o equipamento e colocou o açúcar colorido na abertura central pegando dois palitos para auxílio, em seguida, ligou a máquina.

Logo a nuvenzinha rosa surgiu e Jimin gargalhou com a falta de jeito do outro pra fazer aquilo. Foi uma tremenda bagunça até eles estarem com aqueles dois palitos preenchidos com o doce.

Lambendo os dedos, Jeon parou de fitar o céu estrelado pela falha na parte de cima do brinquedo em que estavam deitados e olhou para Jimin, esse que tentava prolongar a todo custo o sabor doce na boca. Riu por ele não ter comido nem a metade.

— Está rindo de que?

— Vai derreter se não comer logo. Você gosta mesmo disso, não? - Jimin acenou com a cabeça diversas vezes, colocando mais um algodãozinho na boca até que ele se dissolvesse  por completo. - Por isso o cabelo?

— O que? Ah, isso? - tocou os fios rosas - Eu diria que está mais pro tom das flores de cerejeira, mas respondendo à sua pergunta: Não, isso foi ideia do V. Eu só fui idiota o suficiente pra deixar que ele pintasse o meu cabelo sem conferir a cor antes. - Jeongguk gargalhou -

— É por isso? Eu não imaginava. - secou as lágrimas dos olhos, Jimin também ria com ele - Mas...está bonito assim. É bem diferente do castanho de antigamente.

— Como sabe que meu cabelo era castanho? - Jimin questionou curioso e o Jeon mordeu os lábios.

— Digamos que... bem...hã talvez eu tenha assistido a uma das suas apresentações quando era mais novo. - o Park abriu os olhos surpreso e se virou de lado.

— Faz quanto tempo?

— Oito anos.

— Nossa... Isso é bastante. - Jungkook assentiu - Mas, me diz uma coisa, porque o circo?

— C-como assim?

— Você não me engana.- o mais novo sentiu o medo tomar conta de si, Jimin tinha descoberto seu segredo?-  Sei que tinha uma condição de vida melhor que qualquer um naquele picadeiro. Sabe, dá pra ver pelas roupas que usa.- Jungkook respirou aliviado - Você morava com um tio rico ou algo assim?

— É, algo assim. - Não pretendia aumentar sua lista de mentiras, principalmente com Jimin, pelo que conhecia do mais velho podia dizer que ele não reagia muito bem a coisas do tipo. - Eu meio que me encantei com o circo na primeira vez que fui em um. - comentou - Não estava na minha lista entrar para a companhia ou algo do gênero, só estava... procurando por algo.

— O que?

— Um pouco de min mesmo, eu acho - deu de ombros - e...bem, você. - Jimin arqueou a sobrancelha.

— Eu? - riu nervoso - Que maluco em sã consciência me procuraria depois de me ver apenas uma vez oito anos atrás? - questionou divertido tentando cortar aquele clima tenso.

— Esse maluco sou eu - Jeongguk agora voltava a encarar as constelações, os braços atrás da cabeça - Não sei... acho que só queria ver a pessoa que fez com que eu me apaixonasse pela primeira vez.

As palavras morreram na garganta de Jimin, seu sorriso se desmanchou e ele sentiu algo incômodo formigar em sua bochechas.

Jungkook não podia acreditar no que estava vendo.

Tinha feito Park arrasa quarteirão Jimin corar. - sorriu com a língua entre dentes.

— Pelo circo, Jimin-ssi. Não me entenda mal. - o Park bufou escondendo o rosto vermelho com as mãos e ao escutar as risadas de Jeongguk desatou a bater nele até que ele parasse.

— Ai! Já está bom pelo jeito. Vou deixar você voltar andando pra casa! - se levantou dando três passos para trás.

— Não, é muito longe! Me carregue, por favor. - Jimin fez aquela carinha que ele não conseguia dizer não .

— Já está mal acostumado? - o rosado assentiu, e o Jeon olhou para cima contemplando os flocos de neve tímidos caindo- Vamos logo, já está muito frio e tarde , temos que fazer uma refeição decente.

Eles voltaram pra casa em passos lentos. O queixo do Park apoiado no tecido azul do gorro de Jungkook enquanto as mãos, agora quentes, eram aquecidas pela temperatura corporal do mais alto, uma vez que as tinha enfiado alí, entre a gola do casaco e o pescoço dele.

Chegando ao acampamento, um pequeno alvoroço parecia ter se formado, especificamente em frente ao trailer deles. O primeiro que avistaram correndo em sua direção foi Taehyung, que não mediu forças para apertar seu hyung nos braços.

— Jimin, onde estava? Ficamos preocupados.

— Ei, calma aí Tae - se desvencilhou do aperto alheio e o fitou, vendo que a pele morena tinha dado lugar a um tom incrívelmente pálido.- O que aconteceu? Parece que viu um fantasma! - V assentiu várias vezes mudo -

— Ele voltou, Jiminie.

Jungkook estava achando aquele papo todo muito estranho, tanto que nem percebeu a figura alta se aproximando dos três.

— É muito bom ver você de novo, Jimin. - o Park encarou o dono do timbre rouco, a surpresa nítida nas mãos trêmulas e olhos bem abertos.




— J-Jihyun?


Notas Finais


Foi isso...
Mano, corrigir isso demora muuuuuito! Desculpa os erros, tô com sono. Rsrsrs
O que acham?
Aviso rápido: Provavelmente a minha frequência de att vai ficar esquisita e espaçada, mas o Enem tá aí né. Eu preciso estudar ainda.
Mas não vou abandonar isso aqui, pois me tira o estresse.
Além de que eu sinto falta escrever pra vocês <3
Até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...