História O Último Adeus - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Aberforth Dumbledore, Alice Longbottom, Alvo Potter, Angelina Johnson, Antíoco Peverell, Ariana Dumbledore, Astoria Greengrass, Barão Sangrento, Blásio Zabini, Cadmo Peverell, Dominique Weasley, Draco Malfoy, Duda Dursley, Franco Longbottom, Fred Weasley Ii, Gellert Grindelwald, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Horácio Slughorn, Hugo Weasley, Ignoto Peverell, Jorge Weasley, Kingsley Shacklebolt, Lílian L. Potter, Lorcan Scamander, Louis Weasley, Lucy Weasley, Luna Lovegood, Lysander Scamander, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley II, Murta Que Geme, Neville Longbottom, Pedro Pettigrew, Personagens Originais, Poppy Pomfrey (Madame Pomfrey), Rolf Scamander, Ronald Weasley, Rose Weasley, Roxanne Weasley, Scorpius Malfoy, Sibila Trelawney, Ted Lupin, Tiago S. Potter, Victoire Weasley
Tags 3 Irmãos, Albus, Anne, Encapuzado, Hannah, James, Nova Geração, Os Esquisitos
Exibições 14
Palavras 2.635
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Apenas repostando (1)

Capítulo 24 - Confia em mim?


* No Capítulo Anterior

   "- Preciso dela... Hannah Longbottom, ela é a chave de tudo!

* Confia em mim?

  ~ Albus Potter

  - Oi? - Digo
  - Como assim?
  - Hmm - Ela faz uma pausa para pensar - Não sei explicar muito bem, ééé... - Ué, ela ta com bug cerebral pós ataque demoníaco agora? - Bem, durante essa coisa doida que deu em mim, não sei bem, mas eu meio que vi umas imagens, tipo cenas cortadas, foi como se por um momento eu estivesse na cabeça de alguém, que no caso seria o cara do capuz...
  - Bombarda Maxima - Era a voz do meu pai, interrompendo a Hannah e explodindo a porta (Sem necessidade, por sinal) - Bem crianças, espero que estejam bem, a casa foi revistada e não achamos nada, mas por precaução, vão até os jardins, Anna, Ginny e Ron estam lá, e assim que chegarem na sala, vão embora com eles - Ele nos deixa passar
   Nós saímos quase que correndo pela casa, nem sei porque na verdade. Acho que devo ter ficado louco, quer dizer, não tem ninguém aqui, será que eu tava alucinando?
   - Crianças! - Um homem com uma capa verde aparece, ele não parece o dos meus sonhos, ele não me da um pingo de medo na verdade - Ela precisa ser protegida, entreguem-me-na! - Quê? De quem esse doido ta falando? Eu hein, é cada lunático que me aparece
   Saimos correndo dele até chegarmos na porta indo em direção aos jardins e...
   Meu Jesus Cristinho!
   Eu passo uns minutinhos trancado no quartinho do pânico (Vulgo escada) e quando volto a casa já fica toda ensanguentada? Como assim?!
   Bem, a essas horas, isso não me assusta tanto, já que ainda são 3:44 p.m e o céu ta mais preto que o normal para uma noite
   - Aahhh! - Ouço um grito agudo vindo do outro lado da sala, parecia a... Minha mãe?!
  - O acontecendo aqui?! - Hannah pergunta assustada, não é atoa, já que ela estava "desmaiada" até agora, e perdeu os eclipses permanentes e as mudanças climáticas ocorridas nesse pouco tempo - Quer saber? Esquece, não quero mais saber, só quero sair daqui. Rose, você consegue aparatar com todos aqui?
   - E-Eu n...
  - Aii! - James fala tropeçando em algo, e caindo em cima dessa coisa em que ele tropeçou e...
   Meu Merlin! Eu juro, essa porcaria ta mais bizarra que Sad Satã!
  ...
  Vocês devem estar se perguntando: No quê o James caiu? Bem, como dizer? ELE CAIU EM CIMA DO TIO RON! EM CIMA DO CORPO DELE!!
  - Pai! - Rose grita correndo até ele, com o rosto apavorado, perto do corpo que parecia desacordado, checando o pulso dele, e dando um suspiro de alívio com a mesma feição assustada - Está vivo - Ela se levanta, segurando a mão do tio Ron com ela - Desculpem, mas... - Ela diz meio hesitante - Ele é meu pai
  - Do quê você está fal - Hannah começa a falar mas é interrompida ao ver a Rose sumir
   - Ah, que ótimo! A única pessoa que podia nos tirar daqui some! - Ele fala com raiva e Rose reaparece do nada - Esquece
   Nós continuamos andando, eu pessoalmente pedindo a Merlin para não encontrar mais nenhum quase defunto na minha frente, quero dizer, não tenho um coração forte para todas essas emoções. Bem, mas Merlin deve estar rindo da minha cara dizendo com um sorriso bem mal: "Suas preces foram negadas com sucesso", já que eu sinto algo nos meus pés
   Albus: Por favor, me diz que não tem um quase defunto no meu pé
   Hannah: Não tem um... SANTO PAI AMADO, tem um quase defunto no seu pé!
   Albus: Obrigado por dizer justamente o que eu disse para NÃO dizer! - Reviro os olhos, tentando não olhar para baixo
   Hannah: Desculpa por
   Anne: James e Albus, NÃO olhem para baixo, vai ser melhor para vocês - Olho para baixo e... AI MEU MERLIN!
  Me abaixo com rapidez em direção ao corpo... É A MINHA MÃE! Ela está pálida, mais do que o normal, com os olhos abertos, como se estivesse assustada, seu pescoço e clavícula estão com pequenas gotículas de sangue, ao contrário de suas roupas que estão cheias de sangue, suas mãos estão entre-abertas, pareciam a de um fantasma. Pego sua mão para checar seu pulso...
  Albus: Está parando... - Digo desesperado - Rose, já que você é a única que sabe aparatar aqui, faz alguma coisa!
  Rose: Claro - Ela fala com nervosismo, vindo até minha mãe - Mas o quê?
  James: Aparatar, talvez?
  Rose: Para onde?!
  Anne: Para onde você levou seu pai?
  Rose: Para minha casa...
  Hannah: E ele já acordou?
  Rose: Minha mãe ta ajudando ele... Ela disse que assim que acabar vem trazer ajuda
  Anne: Então, acho melhor você levá-la para sua casa, enquanto nós vemos se achamos outro alguém para nos ajudar a tempo
  Rose: Ta - Ela diz com a voz trêmula
  Pera ai... Cadê meu pai? Já era para ele ter decido aqui a uma hora dessas!
  James: Acho melhor sairmos daqui
  Albus: E vamos para onde criatura? Já notou que nossa única salvação, momentânea é claro, se chama Rose Weasley e ela está a alguns/muitos quilômetros daqui?
  James: Ah sei lá... Podemos correr?
  Anne: Corr...
  Hannah: Claro James, porque não? Quero dizer, quem sabe não chegamos lá em 5 dias? Ou talvez em uma semana?
  James: Vamos fazer o quê então? Ficamos parados aqui esperando a morte chegar?
  Hannah: Não, vamos esperar a Rose chegar mesmo
  James: Quem garante que estaremos vivos até lá?! - Ele fala com raiva - Ah... Oi Rose - Ele coça a nuca meio sem jeito ao ver a Rose chegar
  Continuamos andando, sério, isso ta pior que filme de terror, sangue pelas paredes, cacos de vidro pelo chão, e vários sussurros baixos vindo de sei lá onde
  E como se isso não fosse suficiente, ainda tem coisa pior: Porque diabos a gente não aparatou com a Rose até agora?!

  ^Scrac^ (N/A: Não sou boa com barulhos)

  James: Que barulho foi esse?! - Ele fala logo olhando para baixo - Eita caralho! - Ele pula para trás assustado e voa no colo da Rose —Que nem naqueles filmes de romance— Ao ver que pisou em um corpo, mas para nossa surpresa, não era de alguém conhecido
  Rose: James! - Ela grita e o joga no chão como se fosse um saco de farinha
 
  ^Scrac^

  Ele solta um gritinho — Bem feminino por sinal — Ao ouvir esse barulho novamente, e levanta na mesma hora, olhando novamente para baixo, vendo um outro corpo desconhecido... O.k. Isso é muuuito macabro
  - Ahhh! - Ouço novamente um grito bem agudo, aparentemente veio do final da sala
 
    ^ Poom ^ (N/A: Finge que isso é alguma coisa pesada caindo no chão)
  
    - Que porcaria foi essa?! - Berro e após isso ouço um outro barulho, só que mais estridente e meio agonizante que veio com um certo tremor no chão
  - Que sensação ruim - Rose diz olhando para os lados
  - Qual?
  - Não sei, só sei que é rui...
  - Ahhh! - Outro grito interrompe a Rose, só que esse não era igual aos outros, os outros eram meio que clamando por ajuda, esse não, esse era um grito de dor, agonizante, e o pior, eu já ouvi essa voz antes...
   - Mãe! - Hannah e Anne gritam em uníssono
  Olhamos na direção de onde os gritos aparentemente vinham, tinha uma trilha de corpos aparentemente num estado "vegetal" — Acho que por isso dos gemidos estilo zumbi — e eles davam a uma porta
   Hannah sai correndo em direção á porta no mesmo instante, já a Anne fica estática, andando para trás, tropeçando num corpo e caindo no chão — Cheio de sangue e vidro por sinal —
   Agora, com os olhos vermelhos ela aparentemente iria chorar, e não é pra menos:
  1° - Ela está cheia de cacos de vidro
  2° - A mãe dela aparentemente está trancada com um cara demoníaco, sendo torturada, e correndo risco de morte
  E o 3° (E mais importante na minha opinião) - A irmã dela está querendo bancar a boa grifinória corajosa indo salvar a mãe, "correndo para a morte"
   - Hannah, não! - Grito
   - Albus é a minha mãe!
   - Eu sei Hannah, mas tente raciocinar, isso vai ser pior
   - Albus cala a boca! Sua mãe está a salvo e provavelmente já deve estar melhor, mas a minha mãe está presa, provavelmente sendo torturada por um cara que deve querer matar todos aqui!
   - Exatamente Hannah! Ele quer matar todos aqui e me parece que ele tem um apreço especial por você! Meu pai já deve estar descendo, e você quer se entregar de bandeja para esse psicopata?!
   - Albus...
   - Hannah...
   - Por favor Al... Confia em mim
   - Han...
   Olho para trás imediatamente ao ouvir uns barulhos, vejo que era meu pai (Até que enfim!) Com o tio Neville, tia Luna (Hein?!), tio George e outras pessoas —Provavelmente aurores— Descendo as escadas, assim que nos vêem eles ficam estáticos e surpresos e depois eles mudam o foco para outro lugar rapidamente, parece que vão ter um infarto
  Volto a olhar para frente, para continuar o que ia dizer a Hannah e... Ah não!

   ~ Hannah Longbottom

   Sim, é a minha mãe naquele porão, disso eu já não tenho dúvidas, eu sei que eu deveria ir lá correndo atrás dela, afinal, ela é minha mãe! Mas, será que o Potter não está certo? Será que isso não é muito precipitado a se fazer? Espera, o quê eu estou pensando?!
   É claro que eu devo ir! E caso aquela coisa dos demônios encapuzada esteja lá embaixo, eu pego minha mãe discretamente e saio correndo pela porta dos fundos! Isso, um bom plano!
   Não, isso obviamente não é um bom plano, ta na cara que se eu fizer essa idiotice eu morro e mato minha mãe junto!
  O Potter ta certo. Os aurores, eles já devem estar descendo aqui, melhor eu voltar
   Dou o primeiro passo em direção ao Albus e sinto algo frio pegar meu pulso, me puxando com força em direção a porta e me fazendo bater a cabeça, sinto um pano com um cheiro forte no meu rosto e uma mão fria no meu pescoço me puxando e me enforcando...
   Por que ta tudo tão escuro?

  ~ Albus Potter

   - Entendeu filho? - Meu pai fala após repassar um plano que ele fez, para ele ficar bem claro
   - Sim pai, agora vai logo! - Vejo ele e outros aurores invadindo o porão
   Corro para fora da casa como combinado e fico esperando alguém aparecer com ela
   Aquela cena não sai na minha cabeça, Hannah desacordada, com um pano no rosto, sendo puxada por duas mãos para dentro da fresta daquela porta
   Depois disso, meu pai achou melhor esvaziar a casa para todos ficarem seguros, e deixar apenas os aurores cuidarem disso para que ninguém se machuque, mas é óbvio que eu não concordei em ir! Até parece que eu deixaria a Hannah aqui sozinha com aquele maníaco! Sim, eu conheço meu pai e confio nele — Até porque ele deu fim no sem nariz(Com ajuda mas deu) — Mas eu não iria sossegar deixando a Hannah aqui em perigo, sabendo que depois de hoje, esse maníaco talvez nunca mais deixe-a em paz. Eu quis ficar porque tenho que ajudá-la...
   Vejo a porta do porão sendo aberta aos poucos e vou me aproximando, vendo algo que adoraria desver: O encapuzado (Não tive coragem de olhar para a cara dele) com os pés ensanguentados, lutando contra meu pai enquanto todos os outros aurores levitam desacordados a sua volta. Vidro quebrado, chão ensanguentado, Anna numa possa de sangue e Hannah caída no chão, mais pálida que o normal
  - A-Albus, foge! - Vejo meu pai me olhar, caindo no chão afetado pelo feitiço que o encapuzado fez, o mesmo aponta sua varinha para a Hannah, jogando a mesma para fora do porão, olho para baixo, me abaixo e pego minha loirinha no colo, vendo ela acordar aos poucos meio perdida, logo após raciocinar um pouco (Eu acho), fazendo uma expressão assustada, olho nos olhos dela e pergunto:
   - Consegue andar? - Ela fez que sim - E correr?
   - Eu estou meio fraca, mas não desnutridas Albus - Ela fala com sarcasmo se recuperando. Será possível que nem em uma hora dessas ela vai parar de me dar patadas?!
   Olho para trás e vejo o encapuzado (Vou chamar ele assim) saindo do porão, com as mãos ensanguentadas segurando o capuz de sua capa púrpura, ele lentamente inclina sua cabeça para o céu, formando uma tempestade na mesma hora (Como ele fez isso?!), logo após, ele se vira para a casa sussurrando algo que não entendi e ela fica em chamas do nada
   Quando a residência Longbottom fica em chamas, o encapuzado fala alguma coisa muito esquisita e... AI MEU MERLIN! Essa praga se multiplicou por 5! Se um já era o tinhoso imagina cinco! O quê ele é para se multiplicar assim? Um Weasley?!...
   Um círculo de pessoas encapuzadas se forma a nossa volta e a "noite" fica cada vez mais escura e sombria
   - Que bom - Digo - ENTÃO CORRE ! - Saímos correndo mas continuamos cercados - Confringo! - Lanço o feitiço, jogando as pessoas para o lado abrindo um espaço para passarmos - Lembra de quando perguntou se eu confiava em você? - Ela assentiu - Agora é minha vez Hannah, confia em mim?
   - SIM! - Ela diz desesperada ao ver a cena assustadora que estava atrás de nós: Cinco homens encapuzados, com os pés e braços cheios de sangue, uma casa incendiada atrás deles, uma chuva muito forte caia (Nem sei como não apagou o fogo) e...
  Ai meu Merlin meu pai ta lá dentro!
  Calma Albus, você só precisa fazer isso e vai ficar tudo bem... Calma!
  O quê é um foguinho perto de Voldemort? Exatamente! Voldemort não fritou meu pai inteiro que nem batatinha!
   - Então pega essa vela do 3 - Eu tiro uma vela roxa que meu pai me deu, de um pano e jogo ela no chão - 1 - Começo a contar - 2 - Vejo os encapuzados vindo até nós - TRÊS!

~-~    ~-~    ~-~    ~-~   ~-~   ~-~   ~-~   ~-~
 
   1 ano depois

   ~ Anne Longbottom

   - Meu merlin! - Scorpius aparece com um exemplar do profeta diário na mão, meio surpreso
   - Que foi?
   - Érrr... Nada - Ele me da um sorriso amarelo
   - Scorp, não mente
   - Humpf - Ele revira os olhos - Ta - E da de ombros - Já leu isso?! - Ele diz indignado
   - Não, pode me emprestar?
   - Deixa quieto - Ele começa a dobrar o profeta e eu o olho feio - Se você chorar, eu não tenho nada haver com isso - Ele me joga o jornal e sai correndo
   Pego o jornal na mão e começo a ler a primeira página, assim que leio o título me lembro de tudo. Da dor, do sofrimento, dos gritos, de tudo. Sim, eu estou chorando, já se passou 1 ano e eu continuo chorando por isso, afinal a situação é a mesma, desde aquele dia nada mudou

    ~ James Potter

   Vejo Anne aos prantos na mesa dela e depois ela sai correndo pelo salão principal e vai para sei-lá-onde
   - Ei Lils, o quê aconteceu com a Anne?
   - Veja você mesmo - Ela diz cabisbaixa me entregando apenas a primeira página de um exemplar do Profeta diário

    " Aurores enlouquecem após 1 ano de busca aos desaparecidos: Albus Potter e Hannah Longbottom"


Notas Finais


Até o próximo ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...