História O Verde Dos Teus Olhos - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Chouji Akimichi, Ino Yamanaka, Kakashi Hatake, Naruto Uzumaki, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Tsunade Senju
Tags Anime, Drama, Romance, Sakura, Sasuke, Sasusaku
Visualizações 86
Palavras 3.490
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gente, como vão vocês? 😁
Tá, eu sei que demorei, peço mil desculpas por isso, mas eu fui possuída por uma onda de preguiça essas dias, se eu tivesse bolas, sei que mereceria levar um chute nelas.
Agradeço a vocês que tem aquela paciência de esperar os capítulos, tenho consciência que sou uma autora desnaturada; agradeço também a todos que comentaram e as favoritos.
Bom, espero que curtam o capítulo, apesar dele não esta na minha lista de favoritos (tive dificuldades para escrevê-lo, consigo escrever quando é a visão do Sasuke)

Sem mais enrolação, boa leitura para vocês 😘❤

Capítulo 31 - Aconchego Part. 1


Fanfic / Fanfiction O Verde Dos Teus Olhos - Capítulo 31 - Aconchego Part. 1

Sabe quando você está estupidamente feliz, ao ponto de seu sorriso se tornar pequeno para refletir o tamanho da felicidade que está sentindo?

É assim que eu estou me senti essa manhã.

A noite passada foi a melhor de toda a minha vida, nem dormi direito, resolvi levantar com os primeiros raios da manhã entraram pela cortina do meu quarto, tomei um banho quente, fiz minha higiene matinal, vesti uma lege preta e uma camisa de tricô verde musgo, tomei um café reforçado, como hoje o dia amanheceu frio, peguei um casaco quentinho e sai de casa rumo ao hospital perdida nas lembranças de ontem à noite, sentindo o vento frio da manhã acariciando meu rosto e ainda não acreditando que eu e o Sasuke-kun estamos juntos.

Sonhei tanto que esse momento, e agora que ele aconteceu, não parece real. Ele não me disse que me ama, mas não espero isso dele, o conhecendo como conheço, ouvi-lo confessar seus sentimentos por mim seria pedir demais, mas sinto que os nossos sentimentos estão conectados.

Quem sabe, futuramente, ele diga com todas as palavras que me ama!

Não estava pensando que teríamos algum tipo de aproximação além da amizade, para falar a verdade, nem isso achei que teríamos, já estava cogitando a idéia de que não seriamos mais do que colegas de equipe que apenas se suportavam.

Essa idéia de que não passaríamos de colegas de equipe ficou ainda mais forte depois da nossa volta da Cidade das Conchas, ele se distanciou e começou a agir com grosseria, coisa que ele não tinha feito desde que passamos a treinar juntos. Mas não posso dizer que facilitei as coisas para o lado dele, como não sou mais aquela menininha boba de anos atrás, assim que ele começou com suas grosserias, eu as rebatia ou simplesmente as ignorava, apesar de que, ignora-lo estava doendo muito, mesmo eu não admitindo isso.

Como ignora-lo não estava dando certo, e como já estava cansada de suas grosserias, resolvi mudar de tática e ser um pouco mais amistosa. A festa para comemorar o seu aniversário seria a minha última tentativa de me aproximar novamente e ter de volta o Sasuke-kun que já estava acostumada a lidar, não queria mais ter que aguentar o velho Sasuke grosseiro e frio.

Se não desse certo, desistiria da missão de cuidar da saúde dele, mesmo ele já estando totalmente recuperado e pronto para seguir com a vida ninja, ele ainda precisa ter um acompanhamento para não correr o risco de sofrer uma crise de asma. Não há cura para asma, embora os sintomas às vezes melhorem ao longo do tempo, com autogerenciamento e tratamento apropriados, a maioria das pessoas com asma pode levar uma vida normal; o acompanhamento é mais um prevenção, já que o Sasuke-kun não tem alergias, então devo supor que o gatilho para desencadear uma crise pode ser mais emocional do que físico.

Não estava procurando me aproxima do Sasuke-kun de uma maneira romântica, buscava apenas a sua amizade, já que o seu amor, eu já tinha deixado de buscar a muitos anos. Depois de toda a indiferença e frieza que ele dedicava a mim, mesmo eu o amando de todo o coração e fazendo das tripas coração para que um dia ele notasse que eu sempre estive ali, simplesmente desisti de continuar lutando por alguém que não me queria por perto e que me abandonou. A dor de ter um sentimento e não ser correspondido é tão forte, tão intensa, que parece rasgar você por dentro, a dor da rejeição, é como se você não fosse bom o suficiente, isso me fez tentar esquece-lo de todas as formas.

Com tudo, eu sentia falta dele, do seu cheiro de grama cortada e dos seus olhos que enxergavam mais do que aparentava, então eu fingia, tentava me convencer que não o amava mais, tentava transforma tudo o que sentia em raiva, procurei de todas as formas odiá-lo, mas nada adiantou fingir não amar o Sasuke e posso afirmar que fingir não amá-lo foi uma das coisas mais difícil que já fiz.

Eu estava fugindo do que sentia?

Sim, eu estava fugindo como uma covarde, não tenho vergonha de admitir a minha covardia. Tudo o que eu queria era distância do passado, da dor, do sofrimento. Queria escapar de um passado doloroso e amargo, então construí barreiras no meu coração, o cerquei de todas as formas possíveis para deixar todo o meu amor bem guardado no canto mais profundo do meu coração, me armei com tudo que podia, e ele quebrou todas as minhas defesas sem muito esforço, como um leve roçar de seus lábios nos meus fez com que todas as minhas defesas caíssem por terra, elas foram derrubadas com mais rapidez do que qualquer outra defesa derrubada na história das defesas derrubadas.

O que aconteceu na noite passada também serviu para me mostrar que o meu amor por ele não mudou, apenas nós dois que mudamos; o Sasuke está diferente, agora ele está deixando que eu me aproxime. Acredito que possamos fazer isso dar certo, e mesmo que as sombras dele ainda estejam lá, em algum lugar dentro do seu coração, agora que ele me deu uma chance de tentar, me esforçarei para manda-las embora.

Não irei recuar, não irei mais deixá-lo sozinho, mesmo sentindo medo. Vou continuar a amá-lo com tudo que eu tenho e cada centímetro do meu corpo até livra o seu coração de toda a escuridão que ainda se atreve a rodeá-lo.

Outra coisa que notei na noite passada é que a pessoa que partiu meu coração, literalmente, eu podia ouvi-lo se quebrando dentro de mim, é a única que pessoa capaz de concerta-lo.

- Testuda. - Ino invade a minha sala me tirando dos meus devaneios e me dando um susto enorme.

- Que susto sua Porca. - Falei com a mão no peito.

- Nossa Testuda, hoje vocês está tão distraída. - Ino reclama enquanto senta em uma das cadeiras em frente a minha mesa e eu suspiro para tentar me acalmar.

- O que você quer Ino Porca? - Perguntei tentando não me irritar.

- Vi te chamar para almoça. - Falou com um belo sorriso.

Olhei para o relógio na minha parede, fiquei espantada quando vi que já era quase meio dia, nem notei o tempo passar e que daqui a alguns minutos estaria almoçando com o Sasuke-kun.

- Não posso Ino, marquei de almoça com o Sasuke-kun. - As palavras saíram da minha boca com tanta naturalidade que não consegui entender a cara de surpresa que a Ino fez.

- Espera! Você vai almoçar com o “Sasuke-kun”? - Perguntou incrédula e dando ênfase no Sasuke-kun.

- Vou, mas por que você ficou tão espantada assim?

- Sakura, você não chama o Sasuke de “Sasuke-kun” há anos. O que foi que mudou de ontem para hoje? - Perguntou curiosa.

Pensei por um tempo e constatei que, desde o final da guerra não o chamava de “Sasuke-kun”, depois corei violentamente com o olhar e o sorrisinho malicioso que a Ino me deu.

- O que aconteceu entre vocês dois depois do jantar de aniversário dele, hein Testuda? - Falou com um sorriso pra lá de maliciosa.

- Na- nada, não aconteceu nada. - Minto descaradamente, mas pela expressão na fase da Ino, ela não acreditou no que eu disse.

- Pobre Testa de Marquise, nem sabe mentir. - Zombou.

- Eu... eu não...

- Pode parar, você não sabe mentir para mim Sakura, então é melhor parar de tenta e conta logo o que foi que aconteceu entre os dois. - Suspirei derrotada, afinal, ela estava certa, eu não sei mentir para ela.

- Certo, eu vou te conta. - Ela apoiou os cotovelos na mesa e depois descansou a cabeça sobre os punhos cerrados, me dando toda a sua atenção. - Eu... eu e o Sasuke-kun... nós... a gente se beijo. - Confessei sentindo minhas bochechas queimarem de vergonha e vendo a face da Ino ser tomada por uma expressão de surpresa. - Eu acho que estamos juntos, agora.

- AAAAAAAAAAAAH! EU NÃO ACREDITO! - Ino gritou eufórica.

- Não grita sua Porca, pelo amor de Deus, nós estamos em um hospital.

- Tá, tá, tá... Desculpa, mas não deu para evitar. Finalmente vocês se entenderam, eu já não estava mais aguentado a enrolação dos dois, serio viu?!

- Ue, como assim?

- Fala serio Sakura, só você não via as olhadas que ele te dava quando você estava distraída.

- Ele me olhava? - Perguntei incrédula.

- Se ele te olhava? Rum! Você nem imagina o tanto. Quem prestasse atenção conseguia ver o quanto ele muda quando você está por perto.

- IIIIh não sei não, viu Porquinha?! Mas eu acho a tinta que você usa no cabelo está afetando seu cérebro e você passou a ver coisas onde não existe. - Zombei.

- Epa, epa, epa... nem vem com suas gracinhas Testa de Marquise, que aqui é 100% loiro natural. - Comecei a rir da cara de desgosto que ela fez.

- Tá bem, eu paro, mas me explica direito essa história que o Sasuke-kun me olha quando estou distraída.

- Quando vocês começaram a treinar juntos, fiquei curiosa ver como se comportariam tendo que conviver por tanto tempo juntos um do outro, então eu fiquei de olho em vocês em todas as vezes que nos reuníamos, e tipo, a maneira como ele te olha Sakura, é tão... Sei lá! É tão intensa, os olhos dele brilham quando você está perto. Tem mais, no jantar de aniversário que você organizou para ele, eu o vi sorrir, eu o vi sorrir para você, na verdade, nós duas sabemos o quanto isso é raro vê o Sasuke sorrir, mas quando você está por perto ele sorrir, mesmo que de uma maneira bem discreta, no estilo Sasuke de ser. Então fiquei observando de longe o comportamento dele durante toda a festa de aniversário, posso garantir que em nenhum momento do jantar ele não tirou os olhos de você. E mais, sabe aquela expressão seria, sisuda e carrancuda que ele sempre sustenta? Ela suaviza quando você está por perto. Ele não deixa ninguém toca-lo, mas você faz isso com liberdade, nem o Naruto tem essa liberdade e olha que são melhores amigos.

Meu queixo foi ao chão ao ouvir as palavras da Ino, não fui capaz de perceber nada disso e olha que, na maioria das vezes, passo o dia todo com ele. Como é possível isso? Como nunca notei os olhos dele sobre mim?

- Ino, eu nunca notei nada disso que você acabou de conta. - Informei ainda tentando assimilar as informações que Ino me passou.

- Claro que não, eu notei essas coisas por que observei com muito cuidado o comportamento dos dois, além de que, você estava mais ocupada em tentar esconder seus sentimentos por ele, que nem notou os dele por você.

Claro que eu não iria notar uma coisa assim, meu coração apanhou tanto da pessoa pela qual ele mais batia, fui esmagada por suas palavras, corri risco de vida quando ele tentou me matar com as próprias mãos, fui abandonada; tudo o que eu sentia (e ainda sinto) era (é) medo de me machucar de novo. Como iria notar uma coisa dessa se tudo o que eu conseguia pensar era em como proteger meu coração de uma possível rejeição?

Sasuke Uchiha tem o dom de parti meu coração sem nenhum esforço, mesmo me fazendo de forte, tudo o que eu sentia (e ainda sinto) era (é) medo, medo de fraquejar, medo da rejeição, medo da solidão. Esse medo ainda existe em mim, mas agora sabendo que o Sasuke nutri sentimentos por mim, me vejo cheia de coragem para seguir em frente e busca minha felicidade.

- De certo modo você está certa Ino, passei todo esse tempo lutando contra os meus sentimentos por ele, mas foi em vão, eu sempre vou ama-lo e isso nunca vai mudar. Fingir não ama-lo foi torturante, eu tinha que travar uma batalha todos os dias, passava o tempo todo tentando me convencer de que não sentia mais nada por ele. Pode parece bobagem, mas tenho tanto medo de sofre novamente e Ino, eu não sei se aguentaria todo aquele sofrimento outra vez. - Afirmei cheia de receio.

- Não faça isso Sakura, não sofra por antecipação, você não sabe o que vai acontecer amanhã ou depois, então relaxa e curte o amor entre vocês.

- Você tem razão, eu tenho que aproveitar o momento e ser feliz o máximo que puder. - Falei animada.

- É isso aí amiga, estou torcendo pelos dois.

- Obrigada Ino. - Olhei novamente para o relógio na minha parede. - Agora, deixa eu ir, o Sasuke-kun já deve está me esperando lá fora. - Falei me levantando e indo até ela.

- Depois que saber de todos os detalhes de como foi esse beijo de você, viu dona Sakura Haruno? - Falou depois de nos abraçamos.

- Pode deixar dona Ino Yamanaka. - Confirmei com minhas bochechas ardendo de vergonhas. - Ino? - Chamei antes dela sai. - Não conta para ninguém o que te falei sobre mim e o Sasuke.

- Ue, vocês querem manter isso escondido de todo mundo? - Pergunta encostada no batente da porta.

- Não é isso, apenas não quero as pessoas fofocando ao meu respeito, você sabe muito bem que não gosto que falem da minha vida pessoal, e muito menos o Sasuke-kun gosta de ser assunto de fofocas. - Explico.

- Então?

- Eu vou contar para todos os nossos amigos, não pretendo esconder deles o meu relacionamento com o Sasuke-kun, mas tudo tem seu tempo, eu quero conta devagar, além de ter pessoas que preciso contar antes que os outros fiquem sabendo e não há motivo para a vila inteira fica sabendo.

- Tudo bem, vou fica de boca fecha, mas ao menos as meninas têm que saber desse seu envolvimento com o Uchiha metido a fodão.

- Vou conta para elas, pode ter certeza disso, mas eu tenho que contar primeiro para o resto da minha equipe e para a senhora Tsunade. Quero tanto contar para as meninas que estava pensando de você programar um dia só nosso. O que acha? - Um sorriso sapeca se acendeu em seus lábios.

- Pode deixa que eu vou organizar tudinho para um encontro de meninas. Agora deixa eu ir trabalhar, já que não tenho companhia para o almoço. Aproveita bastante o seu Uchiha rabugento. - Deu uma piscadela e se retirou de vez da sala me deixando para trás com um sorriso bobo nos lábios.

Depois que a Ino saiu, arrumei as minhas coisas, me encaminhei até a saída e me surpreendi ao ver o Sasuke-kun parado me esperando na frente do hospital, um sorriso automaticamente brotou dos meus lábios ao vê-lo parado ali me esperando. Ele estava usando a sua velha companheira capa preta e com toda a sua imponência, as mulheres que passavam olhavam encantadas mas o olhos dele não saiam de mim, assim como os meus estavam presos aos dele. Caminhei suavemente até ele, apreciando a sua beleza.

- Oi. - Cumprimentei envergonhada e com o meu melhor sorriso.

- Oi.

- Vamos? - Perguntei.

Ele assentiu e começamos a andar lado a lado em silencio, não estávamos de mãos dadas ou trocando qualquer tipo de carícia ou contato que denunciasse que éramos mais que amigos, mas caminhávamos muito próximos ao ponto de roçarmos no braço um do outro. Sei que o Sasuke não gosta desse tipo de coisa, e como agora tenho total liberdade para beija-lo quando estivermos a sós, não vejo problema nisso.

O olhei para ele pelos contos dos olhos e pude notar um leve tom avermelhado em suas bochechas, ele fica extremamente fofo com as bochechas sustentando esse tom de vermelho, o que me fez sorrir ainda mais por achar o Sasuke “fofo”.

- Você quer comer em um restaurante ou na minha casa? - Perguntei para quebrar o silencio, com meus olhos presos nele e em suas bochechas avermelhadas.

Ele retribui o olhar e não me reponde de imediato, ponderando as ideias, decidindo qual a melhor.

- Sua casa. - Me responde virando o rosto na direção contraria a mim.

Não consegui evita de sorrir e me sentir aliviada por não ser apenas eu sentindo um imenso constrangimento. Poucas vezes vi o Sasuke tímido, normalmente sou eu que fico com as bochechas fervendo de vergonha, estou sendo apresentada agora a esse lado tímido do Sasuke.

Quando estávamos próximo ao meu prédio, avistamos o Kakashi-sensei vindo em nossa direção e parou na nossa frente; passou um olhar analítico por nós dois e sorriu por detrás da máscara. Senti o rubro tomar conta das minhas bochechas.

- Olá Kakashi-sensei, como vai? - Cumprimentei com um sorriso sem graça.

- Olá Sakura. Sasuke. É bom ver vocês dois juntos, é bom saber que finalmente se entenderam. - Falou sustentando o sorriso por detrás da máscara.

Desviei o meu olhar para o chão, meu rosto deve ter ficado mais vermelho que um pimentão.

- Vamos almoçar juntos, e o senhor? - Perguntei ainda sem olha-lo.

- Bom, na verdade eu vim atrás do Sasuke. - Olhei para o Sasuke que encarava o sensei, não consegui evitar dá um leve sorriso ao ver que suas bochechas também tinham um leve rubro. Voltei a fitar o sensei. - A Hokage tem uma missão para você, depois do almoço passe lá na torre da Hokage. - Kakashi-sensei acrescentou.

- Certo.

- Certo. Agora já vou, e “aproveitem bastante” o almoço de vocês. - Se despediu e saiu me deixando roxa de vergonha por ter dado ênfase no “aproveitem bastante”.

Conhecendo o Kakashi-sensei, ele percebeu que está rolando algo entre o Sasuke e eu, mas isso era de se esperar, afinal, Kakashi-sensei é um shinobi muito perceptível e inteligente, além dele saber de tudo. Como ele faz essas coisas? Só os deuses que sabem. Kakashi-sensei sempre sabe de tudo, alguns dizem que ele é assim por que ainda manter contatos na Anbu, mas às vezes, juro por tudo que há mais sagrado, que parece bruxaria.

Não falamos nada durante o restante do percurso até o meu apartamento, o silêncio não foi um incomodo como pensei que seria, afinal, estava morrendo de vergonha, nunca namorei e acho que o Sasuke também nunca se envolveu com ninguém, então não faço idéia como me comportar em um namoro.

O silêncio que existia entre nos só foi rompido quando chegamos ao meu apartamento e pedi a ele que se sentisse a vontade enquanto preparava eu preparava o almoço, não é sempre que almoço em casa, mas sempre deixo algo organizado e no ponto para cozinha caso me dê vontade de comer em casa.

Estava tão distraída perdida nos meus pensamentos que, por pouco, não notei o Sasuke-kun encostado na batente da porta com um olhar perdido e segurando a barra da camisa com tanta força que seus dedos estavam brancos, seus músculos estavam tensos, seu maxilar se encontrava trincado e a expressão em seu rosto estava dura. Levei um assusto com o pânico que vi em seus olhos. Não sei o que está se passando na mente do Sasuke-kun, mas em seu rosto sempre frio e cheio de expressões indecifráveis, estava pela primeira vez, transmitindo medo.

 Aproximei-me lentamente, de tão perdido em seus pensamentos, ele nem percebeu a aminha aproximação. Levei a mão ao seu rosto em um gesto de carinho.

- Está tudo bem Sasuke-kun. - Falei estampando na minha face o meu sorriso mais acolhedor e o vi despertar de seus devaneios.

Não sei o motivo que disse tais palavras, elas só saíram da minha boca, só sei que funcionou, a expressão em seu rosto suavizou e seus músculos relaxaram assim que ele me notou; então o abracei e me aconcheguei em seu peitoral, senti o calor do seu corpo, o seu cheiro embriagante entrou por minhas narinas e fez as borboletas no meu estômago voarem enlouquecidas. Ele retribuiu o abraço me apertando mais contra si, escondeu o seu rosto na curvatura do meu pescoço, soltou os meus cabelos que estavam presos em um coque frouxo que fiz antes de começar a fazer o almoço e respirou fundo.

- Está tudo bem Sasuke-kun, eu estou aqui e sempre estarei aqui para você. Eu te amo. - Falei com a voz abafada por está com o rosto afundado no peitoral dele.

- Não me deixe Sakura, nunca me deixe. - Pediu me apartando mais em seu abraço.

Não respondi, apenas o abracei mais forte fazendo uma promessa muda de que jamais o abandonarei, que terá a minha ajuda para enfrentar os seus demônios, farei de tudo ao meu alcance para curar o seu coração machucado.

Espero que ele encontre em meus braços o aconchego que precisa para seus dias turbulentos.


Notas Finais


Espero que gostem, peço desculpas por qualquer erro de português ou de digitação 😉
Comente, favorite e divulgue a fanfic 👍

Bjinhos de luz para vocês 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...