História O vermelho dos seus cabelos ofusca minha visão. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags História Real, Romance
Visualizações 23
Palavras 2.207
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi, meu nome é N.
Essa foi a história da minha primeira vez, com uma escorpiana que me deixava fascinado com aquele olhar.
Ou você á ama ou odeia, pra ela tudo é intenso... vai do amor ao desprezo. Ela era diferente, pensava diferente, se vestia diferente, é a pessoa mais do contra e teimosa que conheci, curtia rock e era uma emogótica trevosa.
Tinha uma pele extremamente branca e macia, um piercing prata na sobrancelha, olhos grandes e provocantes cor-de-mel, e os cabelos.... os cabelos tingidos de um vermelho sangue muito intenso que chegava á ofuscar a minha visão.
Ela tinha vários problemas, oque á deixava com um ar sempre na defensiva, um ar misterioso, tinha um olhar de poucos amigos que me dava arrepios, ela gostava de provocar os outros... sempre contrariava as pessoas só por diversão. Ela sempre passava um ar de superioridade e extrema confiança,... ela tinha 1,63 e era bem magra, enquanto eu: depois de sofrer a minha vida inteira com os números de uma balança,entrei pra uma academia e consegui uns músculos razoáveis com os meus 1,73 de altura.
Enfim, nós tinhamos uma coisa que nos unia: a MÚSICA
Tanto ela como eu eramos extremamente fanáticos por Rock, ela tocava guitarra muito bem tanto quanto cantava, porém nunca havia investido no vocal... já eu, tentava cantar.... Porque nós tinhamos o sonho de ter uma banda juntos: eu, o vocalista e ela, a guitarrista.

"Ela é um mar, é agressiva da mesma forma, o mar te chama atenção, você se deixa levar por ele, mas nunca sabe oque tem lá no fundo, se você para a onda te leva e se não souber nadar o mar te afoga."
"Não importa o quão você á conheça, ela nunca vai deixar de te surpreender."
"É intensa que rasga o peito alheio, mas antes rasga o próprio peito, ela senti dor e não demonstra, sente amor e transborda, ela tem no peito um mar tão profundo que engole quem não souber nadar, ela feri por amar demais... Ela também te faz chorar, mas ao mesmo tempo te faz rir e sentir vontade de querer mergulhar mais.Ela é o veneno e a cura ao mesmo tempo."

Capítulo 1 - 18 de fevereiro de 2017


Meu nome é N...

Era um sábado normal pra mim... eu acordei sem despertador aquele dia por volta das 9AM. Tomei meu café olhando pro nada e fui ouvir Nirvana, minha banda preferida á qual era fã do Kurt Cobain, lembro-me como se fosse ontem: ouvi "About a Girl" e "Jesus Don't Want Me For a Sunbeam".... quando de repente, o aleatório toca "All The Right Moves" do One Republic, uma música que me fazia lembrar dela, não pelo fato de ela gostar de One Republic ou ser a banda preferida dela, na realidade ela nem curtia One Republic, só que simplesmente essa música me fazia lembrar dela e dos momentos em que estávamos juntos.

Ela possuía a minha mente de uma forma que eu não me controlava, é como se cada parte do meu corpo desejasse ela á todo momento, eu queria te-la nos meus braços e mima-la o tempo inteiro. Eu sempre gostei de cantar e escrever poesias, resumindo: me expressar por palavras, e a maioria dos meus poemas eram dedicados á ela e a outra minoria criticava e protestava contra a sociedade atual.

Depois que parei de ouvir música eu estava com meu celular nas mãos, tinha acabado de receber uma mensagem de um dos meus melhores amigos... Miguel... ele me convidava pra ir encontrar com os meus outros melhores amigos e outras pessoas aleatórias, e no entanto: Ela

Ela morava em outra cidade e sempre estava vindo nos finais de semana pra minha, pois seus pais tinham compromissos com o trabalho aqui... e eu não queria perder a oportunidade de vê-la já que eram tão poucas. Então decidi ir.

Eu almocei, todos iriam se encontrar mais ou menos umas 2:30PM. Tomei um banho demorado e lento... saí do banheiro com a toalha pendurada na cintura, quando me parei em frente ao espelho e comecei á ter crises e me questionar o por quê eu estava me tornando um "marombinha". Decidi colocar uma camiseta preta do Nirvana com todos os integrantes da banda na estampa, essa camiseta agradava tanto á mim quanto á ela, que também curtia Nirvana... Coloquei uma calça jeans escura com um cinto de couro e coturnos pretos, e coloquei meu crucifixo prata no pescoço... e assim arrumei meu cabelo, quando fui abordado pela minha mãe que dizia que ela e meu pai iriam sair de casa e voltariam provavelmente só á noite, e saí um pouco ansioso de casa.

Caminhei umas três esquinas antes de chegar numa praça em que meus amigos estavam, Miguel, Jonathan e Henzo... eles eram os meus MELHORES amigos, meus irmãos: Henzo era meu primo, nossas mães eram irmãs e fomos criados juntos, quando no ensino fundamental encontramos Jonathan que tinha acabado de perder o pai aos 10 anos de idade e estava desorientado, assim acabamos nunca mas nos largando, e Miguel... tinha mudado de escola o ano passado, não era uma amizade tão longa assim mas ele nos passava muita confiança, era um cara muito gente boa. E junto á mim chegou a Paula, que também era muito gente boa e Jonathan era muito afim huahauhauhauhau Mas ele nunca arranjava coragem pra se declarar á ela, porém, eles gostavam de ouvir Snow Patrol juntos.

Quando eu á vejo de longe... um ponto vermelho caminhando no meio de uma multidão sem cor, um ponto que dava graça naquele mar de gente, um ponto que fazia os meus olhos brilharem.

Quando ela chegou... usava uma calça rasgada nos joelhos junto á uma corrente do lado direito, um all star vermelho, com uma blusa cinza e preta que deixava seu corpo mais acinturado e um colar com um cristal azul escuro. 

Depois de cumprimentar todos ela se sentou ao meu lado, e jogou aquele olhar que eu podia enxergar o fundo de seus olhos.

Eu: _Eu tô contente em te ver aqui hoje.

Ela: _* ela deu um sorriso torto *

Eu: _Achei que não viria.

Ela: _Eu pareço ser tão anti-social assim?

Eu: _*eu ri, pois aquilo que ela falou era realmente verdade*

Naquele momento começamos á conversar com os outros que estavam na nossa volta, começamos á rir e até cantamos juntos. Miguel e eu começamos á batucar enquanto todos nós cantávamos "Que País É Esse?'' do Capital Inicial. Era claro o nosso amor pela música e que nos dávamos bem exatamente por isso.

Depois que compramos uns salgadinhos e refrigerantes, eu não conseguia tirar os olhos dela... resolvi tomar uma iniciativa quando á vi mais distanciada dos outros caras. E fui atrás dela 

Ela: _A merda do meu fone quebrou e não posso fazer a única coisa que me dá prazer.

Eu: _Jura que a única coisa que te dá prazer é escutar música?

Ela: _Eu generalizei...

Eu: _Assim eu me sinto mal.

Ela: _Eu gosto de te ver também huahuah, só acho que cada um se droga de uma forma, e a minha forma é a música.

Eu: _É um ótimo calmante.

Ela: _Exatamente.

...

Naquele momento eu comecei á pensar, que já tinhamos ficados juntos mais de uma vez, porém, na última vez tinhamos brigado feio e ficamos sem nos falar por um tempo.

Eu: _Ás vezes eu acho que eu gosto mais de você do que você de mim *eu coloquei as duas mãos no rosto dela*

Ela: _N... *ela me olhou fixamente enquanto pronunciava meu nome*

Eu: _ *eu tirei as minhas mãos do rosto dela e me distanciei*

Ela: _Ei...

Eu: _Melhor não.

Ela: _Por que?

Eu: _Porque nós... *quando eu me virei pra ve-la ela ficou na ponta dos pés e colocou as mãos no meu rosto*

Ela: _E ás vezes eu acho que gosto mais de você do que de mim mesma. *ela falou olhando fixamente em mim*

Eu: _*Naquele momento eu senti vontade chorar e abraça-la o mais forte possível, pra protege-la do mundo* 

Ela: _Não quero que duvide de mim nunca mais.

Eu: _Eu nunca duvidei... *eu beijei ela*

Naquele momento Henzo chegou numa hora totalmente inapropriada, quebrando todo aquele clima maravilhoso: 

Henzo: _Eu não seguro vela, eu seguro tocha olímpica! *ele falou rindo*

Eu: _Sai daqui vacilão!!

Naquele momento eu queria mata-lo.

Voltamos pro meio dos nossos amigos, quando Joni apareceu com uma caixa de som e colocou música pra tocar, no meio de tantas músicas boas... começou á tocar "Glamurosa".... não que fosse uma música ruim, porém ninguém esperava.

E no meio da música, todo mundo animado e até dançando, ela veio pra perto de mim... Naquele momento ela veio dançar perto de mim e começamos á entrar no ritmo da música, quando... ela ficou na minha frente de costas pra mim e começou á me levar na batida da música.. (Eu me senti muito excitado pois eu tava basicamente encoxando ela e estavamos requebrando) Foi discreto, passou despercebido, porém, eu amo as provocações dela. Eu lancei um olhar de quem havia gostado.

Quando foi mais ou menos umas 4:00PM, a Paula precisava voltar pra casa e aí nós resolvemos parar o dia ali, que tinha sido muito bom. E ela se propôs á me levar em casa e conversarmos mais um pouco

Andamos um pouco e conversamos por mais um tempo, até que:

Eu: _Você tá afim de entrar?

Naquele momento aquilo simplesmente saiu da minha boca, eu não tinha pensado nas consequências e por alguns segundo fiquei vermelho, e com medo da reação dela.

Ela: _Eu aceito.

Naquele momento eu fiquei surpreso pois ela parecia em estado de choque quando eu tinha terminado de falar.

Entramos na sala e eu fiquei muito nervoso por alguns momentos antes de dizer alguma coisa, quando ela:

Ela: _Você parece nervoso...

Eu: _Eu tô, não sabia qual seria a sua reação quando te convidei! Foi sem pensar!

Ela: _Quer dizer que você não me quer aqui?

Eu: _Não, não, não!! *Eu peguei as duas mãos dela e gaguejei um pouco na hora de falar* Eu te quero muito! Sério, muito mesmo! só fiquei com medo da sua reação por ser um convite assim, do nada!

Ela: _*ela deu um leve riso* Você fica muito lindo quando tá sem graça.

Eu:*naquele momento eu fiquei extremamente vermelho*

Ela: _Não vai me mostrar o resto da casa?

Eu: _Claro!

Nós estamos na sala, em seguida eu apresentei á ela a cozinha, a sala de jantar, fomos pro corredor aonde tinha o quarto dos meus pais e por último o meu quarto... E entramos nele:

Ela: _Ele tem a sua cara...

Eu: _Você acha?

Ela: _Sim! huahau Oh, isso é o seu teclado?? *ela apontou pro meu teclado, ela sabia que eu tocava quando criança mas nunca levei muito á sério como o canto*

Eu: _Sim, mas ele tá meio parado, porque faz tempo que não toco.

Ela: _Você devia tocar!

Eu: _Não é bem o meu forte.

Naquele momento ela foi até a minha escrivania e começou á olhar a decoração, tipo os meus porta-retratos, até que ela derrubou uma caneta que estava na escrivania encima do meu caderno e ela agachou-se pra pegar... na hora eu tive um desejo e um arrepio de ver aquela cena, porém não foi proposital, eu estava olhando ela sem que ela percebesse quando aconteceu.

Quando de repente ela sentou na minha cama e pegou meu travesseiro:

Ela: _Eu estou sentada no lugar que você dorme todos os dias!

Eu: _Não é grande coisa huahuahu

Ela riu e se deitou na cama, se esticou sobre os meus lençóis de uma maneira que eu fiquei hipnotizado. Aí ela me lançou um ar enquanto eu mordi os lábios vendo aquela cena. Daí ela se levantou e veio na minha direção.

Ela: _bom, não seria muito apropriado seus pais te pegarem com uma garota sozinho em casa e ainda mais no seu quarto.

Eu: _Eles vão ficar fora e só vão voltar de noite. *eu á olhei de cima pra baixo e lancei um olhar de desejo, que revelava*

Ela: _Hum, interessante... *ela falou isso enquanto brincava com meu cabelo*

Eu: _*eu me aproximei do ouvido dela* Eu sempre quis ter essa garota nos meus lençóis sozinha comigo.

Depois de alguns segundos que eu disse essa frase, começamos á nos beijar... Era um beijo diferente, era mais quente e mais excitante ao mesmo tempo.

Aí eu á levantei e ela entrelaçou as pernas em volta do meu corpo, e eu á coloquei na cama... ela tirou a minha blusa e jogou pro lado enquanto eu abaixei a alça da blusa dela pra poder morder seu pescoço e ela cravou as unhas nas minhas costas, estavamos começando á ficar ofegantes... quando ela me empurra de cima dela e vai pra cima de mim... eu tiro a blusa dela e começo á beija-la novamente. Boca, pescoço e chego nos seios, eles me deixavam louco, enquanto eu beijava um, apertava o outro com a mão... eu á peguei pela cintura e á coloquei sobre a cama e tirei suas calças delicadamente  Ela estava apenas de lingerie e eu fiquei no meio de suas pernas á beijando o tempo inteiro, e assim, desabotoei o sutiã dela. Eu estava pressionando o corpo dela contra o meu e era ótimo sentir a sensação os seios dela se esfregando contra meu peitoral. Até que no meio de um beijo eu sinto ela colocar a mão dentro na minha calça... e ela aperta meu membro de leve ainda por cima da cueca, eu lancei um olhar de satisfação pra ela e fui descendo minha boca até sua calcinha, quando chego lá á abaixo delicadamente... eu nunca tinha feito aquilo e não sabia como fazer, só deixei o meu instinto masculino me guiar. Ela começou á soltar uns gemidos, agarrou forte nos meus cabelos e entrelaçou as pernas em torno da minha cabeça. Depois eu dei um beijo na sua barriga e á olhei de lá de baixo... ela mordeu o lábio e disse:

Ela: _N...

Aquilo me fez ficar louco, eu levantei meu corpo, abaixei e tirei minhas calças e puxei o corpo dela pelas pernas oque me fez ficar no meio delas e eu peguei um preservativo na gaveta do criado-mudo ao lado da cama e me vesti rapidamente. Quando eu terminei de me vestir ela chegou perto do meu ouvido e me disse:

Ela: _Faça o seu trabalho agora...

Eu estava dentro dela, comecei devagar enquanto ela alisava de leve as minhas costas, não estava colocando tudo na hora... aí comecei á ir mais rápido... ela começou á cravar mais as unhas nas minhas costas e soltar gemidos baixos. Nossas respirações estavam quentes e entrando num ritmo acelerado... aí eu coloquei tudo e á penetrei com mais força... ela soltou um gemido mais alto e arcou as costas, O quarto estava tomado pelo som dos nossos gemidos, estávamos debaixo das cobertas.

Ela se prendeu com cada vez mais força no meu corpo, estava começando á ficar extremamente quente, nossos corpos colados, grudados um no outro, a temperatura aumentando, minhas mãos suavam enquanto eu tocava em seu corpo, eu segurava aquela cintura e á puxava com força para perto de mim, enquanto ela passava a mão no meu peitoral e nos músculos do meu braço.

Eu nunca tinha estado com ninguém, e fico feliz que a primeira vez foi com ela.

by N.


Notas Finais


:S


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...