História O Vínculo Perdido - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pokémon
Tags Ficção Policial, Mistério, Pokémon, Suspense
Visualizações 11
Palavras 3.967
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Ficção Científica, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, olá! ~

Aqui estou para apresentar mais um ato de OVP (Kek gostei assim)! Pois, quem é vivo sempre aparece, não? Este ditado também tem muito a dizer sobre nossa querida protagonista e também este capítulo (como o anterior também :p)! Como? Deixarei que vocês mesmos vejam. Boa leitura!

Capítulo 3 - Capítulo Três - Em Busca de Respostas


Fanfic / Fanfiction O Vínculo Perdido - Capítulo 3 - Capítulo Três - Em Busca de Respostas

Pela primeira vez em muito tempo, Jasmine sentiu sua mente limpa. O doce aroma das flores e os ventos frescos alcançaram os sentidos da garota. Embora estivesse com os olhos fechados, ela conseguia enxergar os verdes, os azuis, os rosas e os amarelos mais agradáveis, que lhe inaram a vontade de retirar-se do lugar. Entretanto, esse clima sereno e refrescante foi substituído pelo odor de sangue, de chamas e de fumaça.

Jasmine abriu os olhos, assustada. Neste instante as sensações anteriores haviam sumido, fazendo com que a jovem percebesse estar num pequeno quarto. O cômodo era amplo e quadrado, com pisos de madeira combinando com o carvalho pintado nas paredes. Estaria vazio se não fosse pelo armário rústico no final do quarto e uma cômoda suportando um abajur ao lado da cama onde a garota acabou de despertar.

"Era um sonho...", pensou, não encontrando nenhum dos elementos que captou recentemente.

Jasmine reconheceu o apartamento do Joshua, que aparentemente nunca mudou desde a última vez que esteve ali, mas se questionou em como chegou ao mesmo.

— Será que se eu dormir mais uma vez, irei acordar em outro lugar? — Sentou na cama, um pouco sonolenta.

Notou que a maior fonte de luz vinha da janela sem nenhuma cortina. Passou uns segundos encarando a pintura do céu produzida pelas nuvens e a luz do sol que clareava o dia.

Levantando-se da cama, ela notou que ainda vestia as mesmas roupas que esteve usando após ter acordado naquele prédio dos horrores. Sem nem perceber que o Zorua estava deitado no chão ao lado da cama, acabou acordando a raposa com um chute acidental.

— Desculpe! — Jasmine falou rapidamente, dando pra trás, mas o Pokémon já olhava a garota com um péssimo humor. — Hum! O que faz aqui? — O Pokémon a ignorou, voltando à sua posição de repouso.

Jasmine atravessou a porta, indo até a sala através do corredor. Lá, encontrou Joshua falando com alguém pelo celular, mas desligando logo que a viu.

Após uma longa conversa, Jasmine finalmente encontrou sua bolsa com seu Dragonite, encapsulado. Ela liberou o seu amigo para conversar com ele, mas o guardou na Pokéball temendo que o livre arbítrio do grande Pokémon comprometesse a estrutura do pequeno apartamento.

Enquanto a jovem acabava com o café da manhã que Joshua tinha servido, o rapaz caçoava de sua fome, perguntando, em seguida, pelo quê Jasmine havia passado quando acordou.

Jasmine explicou cada detalhe do que viveu naquele momento, até mesmo a chegada misteriosa do Joltik. Joshua se levantou, indo ao seu quarto. Logo, voltou com uma pasta.

— Imagino que queira ver... — Abrindo a pasta de ponta-cabeça, esparramou um monte de folhas de papel e outros objetos em cima da mesa. — Todas as informações que consegui. — Disse, organizando os documentos.

— Esses são... — Jasmine segurou uma pasta com a foto de duas pessoas quem ela acabara de recordar. — Elizabeth e Christopher Mongestern. — Jasmine falou, enquanto lia todas as informações gravadas no documento.

— Sim, aqueles dois que estavam no Castelo Relíquia. — Joshua disse, sem tirar os olhos dos papéis em sua mão. — São irmãos.

— Você os investigou? — Jasmine ergueu suas sobrancelhas.

— Descobri que a família deles, antigamente, trabalhava numa empresa de desenvolvimento tecnológico. Eles nasceram aqui, apesar de terem vivido em Kalos, e também não se lembram de absolutamente nada desde o ocorrido. — Joshua falou rapidamente, fazendo uma pausa para respirar. — Então, nada disso ajuda muito.

— Como assim não se lembram de nada?

— Se lembra daquela coisa que eles fizeram? O “vínculo alguma coisa”? — Jasmine assentiu. — Após aquela noite, fui atrás deles, mas disseram que não se lembravam de nada. Elizabeth ficou conturbada e agora frequenta uma clínica psicológica em Nimbasa. Christopher melhorou, até, mas continua sem se lembrar do que houve.

— Minha nossa! — Jasmine disse, escutando tudo. — Estranho. Muito estranho.

— Incialmente, pensei que estivessem mentindo, mas após você desaparecer... acreditei que isso tudo tem algum tipo de ligação.

— Conspiração...

— Desde aquela noite, eu não duvido de mais nada, Jasmine.

— Então... Elizabeth está em Nimbasa. Estranho o hospital onde eu me recuperava ser no mesmo lugar onde ela está, não? — Joshua ficou estático.

— Eu não pensei nisso!

— Hum...! — Soou Jasmine, como sempre fazia quando estava pensativa, analisando informações.

— No que está pensando...?

— Estou pensando que você poderia dar uma geral nesse lugar. Seu sofá me dá mais medo que um Mimikyu. — Ela disse, ganhando uma expressão decepcionada do rapaz.

— Mas Mimikyu são fofos! — Joshua protestou.

— Nem ferrando... bem, isso aqui está uma bagunça. Vamos arrumar, não dá pra trabalhar assim.

Após Jasmine fazer o relutante Joshua realizar uma faxina no ambiente, ela afastou a mesa no meio da sala, criando um espaço amplo ali. Em seguida, colocaram um grande tapete marrom sob o piso, organizando todos os documentos sobre o mesmo.

— Vamos do início, com calma. — Ela disse, olhando cada arquivo.

— Primeiro ocorreu aquela onda de desaparecimentos, se não me engano. — Joshua mexeu em umas folhas.

— Foi como tudo começou...

— Aqui. — Joshua organizou alguns arquivos numa fileira. — Várias pessoas sumiram do mapa. A maioria, treinadores populares ou da Polícia, mas apenas duas das vítimas deram as caras; Alice e Miles. — Jasmine suspirou.

— Estou informada de que ambos são ou eram treinadores, mas incrivelmente não sabem o que ocorreu... ficaram estranhos como a Elizabeth e o Christopher, certo? — Joshua assentiu as palavras de Jasmine.

— Você também estava investigando, então deve saber mais desse caso que eu... até onde eles foram antes de desaparecer?

— Sim, meu material poderia ser bem útil agora. — Ela disse, usando dedos como uso de aspas em "material". — Mas, sabe, Joshua... esses garotos sumiram com os pokémon também. Estranho é que eles voltaram sozinhos, sem nem se lembrar de seus parceiros.

— Roubo de Pokémon... é isso que você supõe? — Disse Joshua, levantando suas sobrancelhas.

— Talvez, mais que isso. Não sei ainda. — Jasmine, cruzou os braços, voltando a olhar os papéis.

Joshua prosseguiu a conversa sobre o plano de arquivos espalhados no chão. Jasmine começou a escrever todos os fatos e peças que obteve. Dividindo esse mistério em três partes até o momento. Os casos de desaparecimento de pessoas e pokémon foram os que aconteceram antes de estranhos eventos ocorrendo em lugares isolados como construções abandonadas e bosques fechados. Os relatos de pessoas flagrando pokémon com forma alterada soltos por aí foram ocultados pela própria Polícia. Joshua disse que o motivo de sigilo sobre essa notícia foi não assustar a população, mas Jasmine ainda não acreditava muito. O último fato foi o evento naquele palácio ancestral no meio do deserto, do qual poucas pessoas sabiam.

Jasmine estava decidida e iria até o fim com isso. Joshua alertava, tentando amenizar sua vontade, para que não corresse mais riscos.

— Eu tenho que falar com Elizabeth! — Ela disse, se levantando repentinamente.

— Não pode simplesmente sair, talvez você esteja mesmo sendo perseguida. — Jasmine mostrou seriedade em seu semblante ao escutar o rapaz. — E olhe suas roupas! — Falou, rindo, apontando para as vestes da garota.

— Realmente preciso das minhas roupas.

— E de um banho... — Joshua falou, deixando-a irritada. — Onde é sua casa, afinal?

— Tenho um apartamento aqui na cidade. — Ela disse, escondendo a localização da casa de seu pai em Driftveil.

Jasmine nunca teve boa relação com seu pai. Eles não se falavam desde quando a garota decidiu ser uma investigadora e fugiu da escola de Patrulheiros Pokémon. Agora temia pela segurança de sua família com essas novidades. De forma alguma iria falar com ele, neste momento... talvez, mais tarde.

— Tem certeza do que quer fazer? — Joshua perguntou, sem olhar para ela.

— Tenho.

— Que seja. Eu vou contigo. — Joshua levantou-se.

— Está bem, mas... — Ela falou, mas foi interrompida pela aparição repentina do Zorua no cômodo.

— Este foi quem salvou você daquele lugar? — Joshua agachou-se na frente do pokémon, que lhe devolveu o sorriso com uma expressão seriamente intimidadora. — Hum... para usar Scary Face em mim, só pode significar uma coisa...

— Falta de educação? — Jasmine interrompeu o rapaz.

— Talvez você é quem seja mal educada. Eu ia dizer que ele pode só estar com fome. — Joshua falou, indo até a cozinha, deixando uma interrogação na face da quieta raposa. — Qualquer um fica de mau humor com fome.

— Humpf. — Jasmine bufou.

— Você também não o está tratando com bons modos...

— Heh? — Ela encarou o pokémon, que a encarou de volta com o mesmo olhar antipático de sempre.

Jasmine se recordara de que não havia mesmo sido sensata com o monstrinho noturno. Quando recordou do tapa que havia dado no pokémon na noite passada, agachou-se instantaneamente para interagir com ele.

Apesar de tanto, não sabia o que pensar daquela pequena criaturinha, sendo esta mais uma incógnita no meio da equação. Ela pensava que talvez pudesse ajudá-lo ou também ele pudesse ajudá-la. Certeza não faltava para imaginar algum envolvimento com aquelas misteriosas aparições, só não sabia o que poderia ligar este pokémon com essas estranhas pessoas.

— Está tudo bem? — Ela levou sua mão até o focinho dele, onde lembrou de ter acertado.

Instintivamente, o Zorua recuperou parte daquela atmosfera sinistra em seu semblante, e repreendeu a garota com um latido.

— Ei, calma. Não precisa nos temer. — Joshua falou calmamente, trazendo uma tigela com ração de pokémon da cozinha.

Joshua colocou a tigela ao lado do Zorua, que, por um breve momento, recuou com receio.

— Tudo bem, não queremos seu mal. — Joshua disse, tentando tranquilizá-lo.

O pequeno filhote de raposa se aproximou lentamente da comida, cheirando o conteúdo. Para a surpresa de todos, ele se sentou diante do prato, usando sua pata para comer o alimento, um grão por vez.

— Falta de educação, você disse? — Joshua alfinetou, lançando um olhar para a garota.

— Ah, legal. Ele só me odeia. — Jasmine passou a mão sobre sua testa, ao refletir sobre esse novo pensamento.

Assim que Zorua terminou a refeição, seguiu calado para o quarto onde estava, mas lançando um olhar para Jasmine antes de se retirar dali.

— Você já pegou ele? — Joshua perguntou.

— Tá brincando? Olha o que ele fez comigo! — Ela disse, esticando o braço, limpo e sem nenhuma marca.

Jasmine olhou tão confusa quanto Joshua, o braço no qual foi dada uma mordida há algumas horas, e que agora estava sem vestígio de ferimento.

— O que ele te fez? — Ele disse, passando a olhar a expressão confusa no rosto de Jasmine.

— Nada... — Jasmine cruzou os braços, tentando encaixar isso em seus pensamentos.

— Bem, ainda temos que pensar no que fazer, não?

— Acho que ele não vai vir conosco, nem ir a outro lugar, então... Podemos deixá-lo aqui?

Após Joshua concordar, o rapaz se preparou para acompanhar Jasmine até seu apartamento. Ela pegou as cápsulas com seus parceiros e, secretamente, os documentos dos irmãos Mongestern, guardando tudo no bolso do sobretudo marrom de Joshua, do qual apossou-se.

Sem maiores delongas, deixaram o Zorua dentro do apartamento enquanto saíam. Pelo elevador, desceram rapidamente ao lobby do prédio, indo para as ruas de Castelia.

A luz da manhã irradiava sobre os prédios. Os Pidove atravessavam a imensidão do céu azul em direção à Rua Central naquela manhã, como Jasmine havia se acostumado. A única estranheza que viu foi o movimento morto nas ruas da metrópole logo num dia útil da semana.

— Castelia é sempre tão cheia de vida mesmo de manhã. Hoje é algum feriado? — Jasmine perguntou.

— Não, é que há uns três dias reinauguraram o Battle Subway e o metrô agora passa por toda a região, com um ponto de estação em cada cidade.

— Por isso está tudo meio deserto? — Ela perguntou novamente.

— Sim, há mais carros nas rotas e menos treinadores nas ruas agora. Os trens de batalha são, com certeza, os mais usados de Unova. Além disso, o índice de poluição atmosférica caiu tanto que boa parte dos Koffing e Weezing que habitavam Castelia foram para Virbank ou migraram para fora de Unova.

— Caramba, foram só cinco dias! O que mais aconteceu enquanto estive apagada? Ash Ketchum venceu uma Liga Pokémon? — Falou Jasmine, arrancando gargalhadas de Joshua, ao citar um personagem de um famoso mangá.

— Não é pra tanto, Jasmine. — Disse Joshua, ainda tentando controlar sua risada.

Não levou tempo para os dois chegarem na rua da praça central, onde ficava o apartamento de Jasmine. Assim que adentraram o edifício, subiram até o quarto da garota pelas escadas, já que o mesmo se situava nos andares inferiores.

Externamente, o prédio tinha sua estrutura inteiramente de tijolos marrom e bege. As janelas do prédio eram de vidro escuro, e em sua porta de entrada havia uma escadaria que levava a uma porta giratória de vidro escuro como nas janelas.

Apesar do quarto ter um aspecto minúsculo por fora, era bem largo e grande por dentro, sendo maior ainda devido à falta de móveis nos cômodos.

Depois de uma breve discussão sobre o local, Jasmine e Joshua recolheram todos papéis das investigações da garota. Enquanto a investigadora foi se preparar para sair novamente, o rapaz estava no meio de uma ligação.

— Ok! Estou pronta! — Jasmine apareceu na sala, em frente a Joshua, segurando uma mochila e um boné. Dessa vez, usava um sobretudo negro, que servia para cobrir seu pequeno short jeans, sua camiseta branca e um colete de cor preta.

— Tenho uma notícia. — Jasmine equipou-se com uma mochila escura, olhando o Joshua. — Vou ter que voltar à sede da Polícia Internacional, pois vai acontecer uma reunião importante. — Ele diz.

— Entendi. — Ela falou, sem mudar sua seriedade. — Está tudo bem, eu posso fazer isso sozinha.

— Não se arrisque! — Exclamou baixo, porém firme.

— Fica calmo, hoje eu só vou... — Ela ajeitou um boné branco com a aba e estampa de Pokéball rosa. — Ficar de olho.

Após se despedirem, os dois saíram do prédio. Jasmine atravessou a Praça Central em sua frente, enquanto Joshua se afastava pelo sul da cidade, voltando ao próprio lar.

Numa área aberta do parque no meio da praça, Jasmine soltou seus dois monstros de bolso. Joltik grudou na roupa da garota como sempre fazia, sendo um falso acessório. Dragonite lhe deu as costas, demostrando que já sabia o que fazer.

— Vamos para Nimbasa, Dante. — Ele abaixou-se, deixando sua treinadora subir em suas costas. — Por favor, use Fly! — Jasmine segurou firme.

Num único bater de asas, o dragão saltou impetuosamente, ficando na altura dos arranha-céus de Castelia. Em seguida, alçou vôo na direção da cidade brilhante que já havia visitado.

Com mais ou menos quinze minutos de embarque, Jasmine sobrevoa a segunda cidade que mais brilha durante a noite, Nimbasa: seu segundo município favorito e o primeiro de seu Joltik. Porém, desta vez, não chegou à cidade do entretenimento para brincadeiras, pois seu trabalho era algo muito mais sério.

Dragonite pousou na frente do Centro Pokémon, como sempre fazia, usando o espaço na frente do prédio vermelho como referência de desembarque.

— Dante, você é um amor! — Jasmine beijou a bochecha do dragão, que enrubesceu. — Muito obrigada, mas agora descanse, por favor! — Ela retornou o dragão, mesmo estando em cima dele, o que a fez cair de pé no chão. Isso já havia se tornado um costume para ela.

— Já que estamos aqui... — Ela entrou no prédio vermelho, com o intuito de ir à pequena loja dentro dele.

Em alguns minutos, Jasmine saiu do Centro Pokémon, guardando duas Pokéball novinhas em folha em sua bolsa, enquanto tirava dela um documento.

Era os dados da Elizabeth, onde constavam todo o relatório da garota, depoimentos e, principalmente, por onde esteve.

— Clínica H.A...? — Jasmine sibilou o nome do lugar que dizia hospedar Elizabeth atualmente. — Esse lugar é de alta classe... — Falou, checando o endereço.

Sem perder tempo, Jasmine guardou o papel e seguiu para a rua de um dos bairros mais caros de Nimbasa. Em alguns minutos, a garota fazia frente ao edifício da clínica. Este era grande, inteiramente branco e possuía muitas decorações de flores nas extremidades. Uma enorme árvore de cerejeira destacava as rosas na frente no prédio.

Após respirar fundo, Jasmine entrou no local, onde foi muito bem recebida, mas recebeu a triste notícia de que Elizabeth não podia receber visitas e, de qualquer forma, não estava no momento.

— Você é alguma coisa dela? — Perguntou a recepcionista, com desconfiança.

— Eu não acredito nessa pergunta! — Jasmine exclamou, surpreendendo a moça de cabelos negros em sua frente. — Eu vim de Kalos para visitá-la, após saber que minha amiga está numa clínica, para ter que ouvir isso justo agora!

— Mas a Senhorita Mongestern nos avisaria sobre sua chegada...

— A menos que eu quisesse fazer uma surpresa! O que você acha? — Jasmine bradou.

— Está certo, está certo. Eu vou te ceder uma visita, mas eu não estava brincando. A Senhorita Mongestern saiu agora mesmo para o Teatro Musical.

— Está tudo bem, então. — Jasmine fingiu suspirar. — Posso encontrá-la em outro momento, mas você... — Apontou para a moça. — Não estrague minha surpresa, ou seja, não diga que a procurei.

Depois de toda essa cena, Jasmine saiu calma da Clínica, mas disparou para o Teatro Musical assim que tirou o pessoal daquele edifício de vista.

Após um certo tempo caminhando, Jasmine chegou na famosa rua do norte, onde habitavam os melhores pontos de Nimbasa: o teatro, as quadras de esportes e, no outro lado, uma grande praça que leva ao Battle Subway.

Entrou no teatro, indo em direção a uma máquina de bebidas. Depositando os últimos tostões que tinha guardado, adquiriu uma garrafa de água fresca que bebeu ali mesmo.

— Okay, Ray... — Disse para seu acessório vivo. — Ela deve estar assistindo a alguma performance, ou sei lá... vamos por aqui.

Jasmine entrou pela porta principal, indo aos quartos de espetáculos. Naquela tarde, na única sala ativa, estava acontecendo uma pequena apresentação livre, então foi até lá, já que o show era gratuito.

A investigadora se deparou com uma enorme sala, cheia de pessoas aguardando a apresentação. Não conseguindo encontrar sua suspeita no meio de tanta gente naquela sala escura, resolveu sentar em uma das cadeiras livres da última fileira.

— É impossível evitar o lazer nessa cidade... — Jasmine se deu conta de que, mesmo durante seu ofício, marcava presença em um dos maiores pontos turísticos de Nimbasa.

Ela havia desistido de procurar Elizabeth naquela multidão, quando todas as luzes foram direcionadas ao palco. Entretanto, ficou boquiaberta ao ver a abertura da apresentação.

Elizabeth marcou presença naquele grande palco, ao surgir num show de luzes rosadas, em companhia de Lilligant, Meganium e Swanna.

Jasmine viu a apresentação como quem lia o diário pessoal de alguém. Para ela, não era possível que a pessoa desumana e cruel que há poucos dias tentou lhe eliminar dançava de forma tão graciosa, pura e inocente como neste momento.

Durante apresentação, um elemento do palco despenca sobre o Swanna, preocupando Elizabeth, que parou a performance para lhe auxiliar. Com o estímulo da jovem, o pássaro conseguiu continuar até o final do show graciosamente, como sua treinadora. Porém, para Jasmine, isso não mudava os fatos sobre seus indícios de suspeitar da aparente performer e iria até o fim para tirar história à limpo.

Ao final do show, Elizabeth se retirou do palco pelos bastidores. Tirando as cenas marcantes da performance de sua mente, Jasmine verificou que não havia guardas naquele local, deixando-a decepcionada com a segurança que tinham as pessoas, mas agradecendo por poder seguir a moça.

Mesmo não existindo muita vida naquele lugar, Jasmine acabou por perder Elizabeth de vista. Refazendo os passos diversas vezes, encontrou apenas muitos quartos cheio de figurinos, objetos e acessórios diversos. Frustrada, resolveu se retirar dali, imaginando que pudesse encontrá-la na clínica.

Na saída do teatro, a investigadora conseguiu ver a loira sentada no banco da praça. Sem perder tempo, foi até lá, por trás da cabisbaixa moça que há pouco foi uma magnífica dançarina.

— Quem é vivo sempre aparece! — Jasmine tocou o ombro de quem chamava.

Elizabeth virou-se com um susto, encarando a face sorrateira de Jasmine, como se olhasse uma assombração. Sua face se transformou em uma expressão de desentendimento ou confusão. A investigadora, por sua vez, entendeu seu jogo, mas não caiu no mesmo.

— Posso ajudá-la? — Elizabeth disse.

— Você sabe quem sou! — Bradou Jasmine. — Não é, Elizabeth Mongestern?

— Acho que não nos conhecemos. — Embora tenha dito de forma convicta, Jasmine não acreditou naquelas palavras.

— Não nos conhecemos, mesmo. Eu não acredito que uma pessoa como você possa ter semelhanças com as pessoas que surgiram no Castelo Relíquia... — Jasmine tirou papéis pela metade de sua bolsa, blefando ter provas, e fazendo Elizabeth arregalar seus olhos. — Qual é a curiosidade? — A morena soou cínica para a loira, que engoliu em seco após olhar distante, através da investigadora.

— C-corremos perigo! — Elizabeth empalideceu e gaguejou.

— Vai começar outra performance? — Jasmine, desdenhou.

— Não é brincadeira! Estão aqui! — Elizabeth falou, apertando forte o pulso de Jasmine, que. ao olhar suas feições, ficou séria. — Eu posso te ajudar, mas nós precisamos sair daqui... vivas! — Jasmine sentiu calafrios.

Olhando os arredores, localizou uma movimentação anormal. Haviam duas pessoas usando sobretudo e chapéu negro as encarando do final da rua.

— São eles? — Elizabeth fez que sim à pergunta de Jasmine. — Okay, calma.

Checando as opções, Jasmine pressupõe que talvez os Pokémon alados de ambas pudessem lhe tirar desta situação.

— Seu Swanna pode voar contigo? — Jasmine notou a dupla suspeita começar a se mover pela praça.

— Não... ela está incapacitada no momento. — As palavras da loira fizeram a morena recordar a cena no meio da apresentação.

Jasmine olhou ao redor, procurando uma solução, que parecia não existir, igual à presença de pessoas naquela rua praticamente deserta. Eis então que lembra do que Joshua havia lhe dito, e então direcionou sua visão para a estação de metrô no outro lado da praça.

— Vamos correr... — Jasmine virou-se para Elizabeth. — Para o Battle Subway!

— O quê? — Falou Elizabeth, automaticamente.

— Não era você quem queria sair daqui?

— S-sim, mas...

— Vamos agora! — Ao interromper Elizabeth, Jasmine segurou sua mão e pôs-se a correr junto dela, sem nem olhar para trás.

No minuto em que adentraram a estação ferroviária em forma de cúpula, desceram as escadas na direção do metrô para Castelia.

Na recepção, Jasmine teve a triste notificação sobre as taxas de embarque. Os metrôs ofereciam dois tipos de viagens: as passagens comuns pelo expresso custavam uma grana que não possuía. Já a passagem econômica, era paga com batalhas dentro dos vagões.

— Vamos ter de lutar. — Jasmine disse, olhando Elizabeth mexer em sua bolsa.

— Não vamos, não. — Elizabeth colocou uma quantia suficiente de dinheiro para pagar duas passagens.

— Muito bem, aqui estão as passagens! — Disse a balconista, entregando uma ficha para cada. — O trem vai sair agora mesmo, então podem embarcar já! Façam uma boa viagem.

— Obrigada! — Falaram as duas, antes de entrar num enorme vagão, bem amplo e também vazio.

— É, provavelmente o mundo inteiro está usando os metrôs de batalha... — Brincou Jasmine, lembrando-se de seu amigo, mas a presença questionável da garota que lhe acompanhava a fez retomar sua feição séria. — Mas vamos ao que interessa, certo?

Elas foram até os bancos no final do vagão para começarem a conversa, mas repentinamente duas pessoas surgiram dentro daquele local, justamente quando o trem entrou em movimento.

— Por acaso... — Falou o primeiro rapaz secamente, dentro de vestes escuras assim como o outro homem ao seu lado.

— Pediram por uma batalha? — O maior completou, com sua voz rouca.


Notas Finais


Finish It! ~

Mais uma coisa! No meio da criação desse capítulo, eu tinha planejado que faria uma performance para Elizabeth e começar a batalha ali mesmo. Porém, isso iria deixar o capítulo demasiadamente grande e o próximo muito curto. Para um bom equilíbrio na história tive de reduzir as 6000 palavras que seriam deste ato para 3800. Sendo que também, poderia quebrar a história por saltar tanto na trama de uma só vez. Lamento por isso. Mas para nossa alegria o capítulo quatro já está em andamento! Ele deverá ser bem legal, acredito eu, e seu título é "Um breve passeio, um breve confronto e uma breve revelação." bem grande kek. Espero que continuem ligados!

Até a próxima! ~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...