História O Virgem - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bts, Hoseok, Lemon, Presente, Seoktae, Taehyung, Taeseok, Tentativadecomédia, Vhope, Yaoi
Visualizações 145
Palavras 3.830
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Festa, Hentai, Lemon, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Feliz aniversário ~Giselle_Chan, sabia que essa Shot quase não sai hoje? simples,peguei um castigo por ter chamado a comida de 'merda', mas enfim, vida da autora a parte, estou feliz em criar essa shot vhope por você e que passemos a ser amigas inseparáveis porque eu já lhe considero muitíssimo! Essa shot ficou tão legal que até adoraria em criar uma longfic, mas já estou cheia de pendentes e mais uma me cansa.

Enfim, sem demoras, saiba que essa Unnie aqui lhe ama de coração e que se quiser um bônus é só pedir, mas é só você! beijos e desculpa os errinhos se houver algum.

Capa improvisada na hora! Hehe.....

Capítulo 1 - O Melhor Presente


Aquele era o MEU dia, e ninguém iria estraga-lo, nem Kim Taehyung, e nem ninguém. Estava na hora de eu dar um tempo nas investidas e desta vez EU serei investido. Sim, hoje, eu, Jung Hoseok decidi que simplesmente irei para uma balada, me embebedar e dançar até cair, e para o final espetacular, darei minha linda virgindade a quem me aparecer na frente. Vocês sabem, eu não sou exigente, o cara só tem que ser; Bonito, mais alto que eu, com uma pele lisa e branquinha, musculoso mas nem tanto, cabelos sedosos, um olhar penetrante, e um pau enorme.

 

Tá bem, eu sou um pouco exigente, e posso até ter descrito um certo alguém que neste exato momento deve estar rindo da minha cara de trouxa de depois de quase um ano na dele, eu não consegui caralhos nenhum. Só faltava eu abrir as pernas e levantar uma plaquinha escrita “Me come!”.  

 

Seria estranho eu disser que já tentei isso? Bem, seria... mas sim, eu tentei, e o desgraçado ficou rindo achando que aquilo era uma simples piada.

 

Senhoras e senhores, vos apresento, Kim Taehyung, a pessoa mais lerda que irá conhecer.

 

Oh menino que não entende as coisas, eu aqui, o passivão praticamente beijando os pés dele e a desgraça ainda não havia percebido que eu só queria ser comido e perder minha linda virgindade com ele. Mas a pessoa é tão lerda, mas tão lerda, que sempre que eu tentava passar algum bilhetinho de amor para ele no meio da sala, a lerdice pura achava que não era para ele e passava a porra do bilhete para trás, resultado? O Nerd da escola, com a cara coberta de espinhas, tentou me beijar.

 

...

 

Mas enfim, ignorando as lágrimas, eu desta vez irei me divertir e perderei a virgindade de trás, obviamente, Jung Hoseok, praticamente assumido como passivo sem ter dito nada na escola. Mas okay, admito que meu jeitinho realmente demonstra isso mesmo.

 

- Isso é sério, Hyung? – Jungkook, 17 anos, lindo e musculoso, e meu melhor amigo. A regra é bem simples, se eu lhe considero um amigo para contar segredos, desiste, eu nunca, e coloca nunca nisso, NUNCA irei me apaixonar por você, fora que... Jungkook é um passivo assumido e tem um Boyfriend possessivo para um cacete, mas que não me odeia por saber que, ah foda-se, todos sabemos que meu sonho é ser comido numa bandeja rodeado de morango e chantilly.

 

- Claro, Kookie, eu desisti oficialmente daquele mongoloide – dei aquela revirada de olhos e ajeitadinha no cabelo que já estava quase caindo de tantas vezes que eu toquei nele hoje. Umas 1278463 vezes, pelo que eu contei.

 

 E não me arrependeria de perder a virgindade com um estranho qualquer, e uma demonstração de que não iria dar para trás, é o meu corpo lisinho, que havia sido vítima de uma depilação severa, qualquer coisa escorregaria sobre minha pele de tão macia que estava.

 

- Mas eu jurava que sua primeira vez seria com o Mongo- ops, Taehyung - deu uma risadinha sem graça pelo erro, e brincou de fazer anjinho de neve nos meus lençóis.

 

- Pois é, Jungkook, eu também – suspirei, meio triste e irritado e me sentei na cama. Poxa, cara, eu já tinha tudo imaginado. Eu ficando de quatro, ou subindo pelo teto, foda-se, só que eu sempre pensei, ou sonhei, que eu seria arrombado pelo cara mais gostoso do colégio.

 

- Fica assim não, Hyung, aposto que terão vários gostosões na balada – levantou-se e sentou ao meu lado, e deu uma apertada leve em me ombro esquerdo, seguindo para um abraço de lado.

 

- Queria que você pudesse vir comigo – dei um meio sorriso.

 

- Eu não. Tá maluco?  Jimin iria me comer vivo, e eu não estou falando no bom sentido não – fez uma careta muito engraçada, o que me fez rir, e em seguida ele. – Mas não se preocupa não, você vai ter sua primeira vez e se não estiver bêbado, vai ser maravilhosa.

 

- Como assim se eu não estiver bêbado? – Uni as sobrancelhas e franzi a testa.

 

- Sabecomé, se estiver bêbado, não vai se lembrar de nadica de nada – gesticulou exageradamente enquanto dizia, e assim, me permitir pensar.

 

- Puta que pariu eu não tinha pensado nisso! – levantei da cama afoito, sendo seguido por Jungkook.

 

Beber demais [x] . . . Beber demais[ NÃO ]

 

- Ah merda, é um saco dançar sóbrio – soltei um muxoxo e bati as mãos nas coxas, em uma pura birra.

 

- Te preocupa não, bebe só um pouquinho e depois pega geral, e por fim – subiu na cama e começou a pular. – Adeus virgindade! – se jogou sobre ela.

 

É uma boa ideia.

 

Na balada [21:56]

 

Finalmente havia entrado na balada, já que a fila estava enorme que pegava a calçada inteira, e não é exagero, ela estava grande mesmo, não tanto pra pegar a calçada inteira mas... Ah, enfim, eu finalmente consegui e entrei nela, mesmo que tenha custado minhas mesadas do ano inteiro, e foi meio esquisito por causa que, para enxergar algo eu tinha meio que espremer os olhos para ver mais a frente, cai umas três vezes, mas nada que uma disfarçada não faça.

 

Quando entravamos tínhamos que passar por um corredor para assim chegar na balada, com pista de dança e pessoas de todo jeito, e foi nesse corredor que aconteceu as minhas quedas. Mas ninguém precisa saber disso, só vocês. Eu passei pela pista feliz da vida, fui apalpado, e mal ouvia as cantadas ridículas, mas eu ficava mais que maravilhado com isso, dei um duro danado para entrar nessa calça de couro, e essa blusa social custou o olho, a boca, o nariz e os meus lindos cabelos da cara.

 

Fui até o bar e pedi apenas uma cerveja, eu não iria pedir algo muito forte, eu iria seguir o conselho de Jungkook, afinal, quem quer ter a primeira vez e não se lembrar dela? Bem, eu que não. Mas sendo eu, depois da cervejinha, pedi um copo de whisky. E quando senti aquela tontura básica depois que virei o copo. Pedi mais um copo, e o último, e fui pra pista.

 

Abri dois botões e dei a louca, quem nunca? Eu dava goles e quando senti o copo vazio, simplesmente o deixei cair e voltei a dançar. Não parava mesmo que minhas pernas pedisse arrego, ou até mesmo quando eu sentia o suor descer pelas têmporas ou pelo meu peitoral. Fiquei dançando que nem um retardado mesmo, primeiro vinha a diversão, quando percebi, duas meninas dançavam comigo, que nem duas doidas, balançando o cabelo para lá e para cá.

 

Mas daí, eu senti aquela encoxada, a pessoa veio por trás e começou a se esfregar em mim, eu sentia o membro se friccionar na minha bundinha, e o que me surpreendeu era que ele ainda nem estava desperto.

 

Pau grande [x]

 

Então eu me virei.

 

Péssima ideia.

 

Bonito [x]

 

Mais alto [x]

 

Pele perfeita [x]

 

Corpo musculoso mas não tanto [x]

 

Cabelos sedosos [x]

 

Um olhar super iper mega penetrante [X]

 

.

.

.

 

- Taehyung? – Estranho, cara. Eu estava alucinando? – É você?

 

- E quem mais seria, doce? – a minha mente estava tão bugada que nem deu tempo de corar pelo apelido. Na boa, o que ele faz aqui? E por que ainda estamos nos esfregando?

 

Ai caralho, meu querido cu virgem, minha mãezinha de bom coração, meu melhor amigo que dá a bunda! Kim Taehyung e eu estamos dançando juntos.

 

Mas, pera...

 

- O que faz aqui? – me separei minimamente dele, mas não muito, não era burro e não largaria aquele corpo delicioso por nada nessa vida, não quando pela primeira vez pude o agarrar melhor.

 

- Digamos que um passarinho me contou que você estaria aqui – Kim Taehyung pela primeira vez não estava agindo como um sem noção, ele realmente parecia saber o que se passava ao redor, e isso, por mais que eu quisesse que ele fizesse isso a tempos, pela primeira vez me causou um medinho.

 

- Jungkook – disse o nome da primeira pessoa que veio na mente, e a que provavelmente e com certeza foi que abriu a boca.

 

- Isso – deu um sorriso mínimo. A batida da música havia acabado de mudar, para mais agitada, e Taehyung agarrou minha mão que estava petrificada ao lado do meu corpo e me puxou até o bar. – vamos beber juntos, Hyung?

 

Era minha impressão ou aquele hyung saiu de sua boca em um tom malicioso proposital?

 

Não. Só pode ser de minha cabecinha dando mais um de seus maravilhosos trecos, porque era obvio que Kim Taehyung nunca agiria assim. Pode parecer exagero, mas se há alguém ou algo mais lerdo do que Kim Taehyung, é um pombo.

 

Quando menos percebi, ele já me estendia um copo de bebida na qual eu não fazia questão de saber o nome, o que estava acontecendo ao redor, ainda mais com o castanho estava me deixando tão atordoado que decidi dar o foda-se para a regra de não beber e virei o copo de uma vez.

 

- Calma aí, não exagera – deu mais um de seus sorrisos libidinosos que faziam cada parafuso sair do lugar em minha cabeça. – toma, mais um – me estendeu outro copo.

 

E realmente bebemos juntos, nos sentamos em silêncio, com os copos na mão de ambos, ele sorria e encarava o chão, parecia tão avoado pensando em sei lá o que, já eu pensava nas mil formas de matar Jeon Jungkook por dizer para o rapaz gostoso ao meu lado onde eu estaria. Poxa, Kookie, eu estou aqui para esquecer o cara, não para lembrar dele e que ele não me quer. Obrigado!

 

- O que veio fazer aqui em pleno final de semana? – do nada ele decidiu puxar papo, e como o clima estava um tanto tenso e leve, uma coisa estranha de se ter com o crush, eu o respondi.

 

- É meu aniversário, então decidi dar meu próprio presente – assenti com a cabeça, lembrando do real motivo de estar ali aquela noite.

 

- Ow – ele deu um sorriso um tanto estranho, não mostrava os dentes, e seus olhos mais focados que o normal o deixava diferente, parecia menos alheio, mais atento. Mas de certo modo, um assustador.

 

E finalmente a música havia mudado, para uma mais lenta, batidas que demoravam para serem feitas e uma melodia calma, uma música perfeita para as pessoas se abraçarem e se esfregarem mais do que antes já que dançavam agitadas que mal podiam se tocar.

 

Eu queria dançar, oh, como eu queria. Me esfregar em algum corpinho delicioso, e beijar bocas macias e docinhas, e por último, transar como um animal selvagem, mas ao mesmo tempo sendo carinhoso.

 

Tá legal, não precisa esfregar na cara que eu não farei nenhum deles essa noite, mas pelo menos me esfreguei em um corpinho delicioso por um tempo. Se Kim Taehyung não fosse tão burro, poderíamos ter nos esfregado mais.

 

- Quer dançar? – De início não entendi e ignorando o tom estranho, e levando aquilo como um simples pedido bobo, aceitei ir com ele.

 

Ele pegou delicadamente em minha mão, sua pele estava gelada, e aquela sensação não foi nada mais que deliciosa, eu sorri, sorri feliz com aquele toque. E continuaria sorrindo, se ele não tivesse me prensado contra a parede e me beijado.

 

Foi tipo; vira, pof, e smak.

 

Tudo bem, vocês não entenderam, mas isso não é o que importa. O que mais importa nessa vidinha medíocre que eu levo, é que estou sentindo algo duro se roçar em minha coxa e que estou beijando o crush, amor de minha vida, minha cereja do meu bolo, meu pudim de chocolate, e essas coisas aí.

 

E caralho, nunca em toda a minha vida, algo de minhas listinhas haviam sido completas, e pela segunda vez ele me surpreendeu, com as fricções nada inocentes, considerada o esfrega-esfrega, com o beijo doce e que me fez revirar os olhos a cada estalo e...

 

Não, pera.

 

- Para onde está me levando? – perguntei, assim que ele findou aquele beijo tão maravilhoso que me deixou de cabelo em pé.

 

- Estou lhe dando seu presente, hyung – ele sussurrou e me levou mais a fundo em um corredor, haviam portas e eu juro que escutei gemidos vindo de uma delas. Em qual boate eu fui parar? – venha – abriu uma das portas negras, e eu agradeci por sair daquele corredor com aquela luz vermelha de doer os olhos. 

 

Mas desagradeci (se é que essa palavra existe) assim que entendi para o que serviam aqueles quartos. Ah, eu não sou tão burro assim não, tá? Não tanto quanto o Kim parece ser, e eu já havia entendido um pouquinho da situação.

 

- VAMOS TRANSAR?!

 

Tudo bem, foi um pouco (muito) exagerado, mas cara, de uma hora para outra você percebe que o delicioso e gostosão da sua escola, e que você sonhou sendo o futuro pai do seus filhos, irá fazer thuco-thuco com você, isso é de deixar qualquer um doido.  

 

- Pra quê essa exclamação toda? Não era o que queria?

 

- eu queria dar o cu, mas não pensei que seria para você! – tudo bem que eu já estava passando dos limites, e falando asneiras, mas fazer o quê, né? Nasci pagando mico quando não chorei e tive que levar um tapão na bunda pelo médico, e morrerei pagando mico, já que previ que eu escorregava na poça na frente do crush e morria atropelado.

 

E perdi a noção de tudo assim que o delicinha de Taehyung me puxou para sentar em seu colo no sofá preto que havia ali. Obviamente meu novo lugar favorito para sentar. Começou com beijinhos na nuca e afagos nos cabelos, depois suas mãos grandes e de aparência delicada foram parar em minha coxa e massagearam o local, e me fazendo arfar assim que recebia um aperto forte.

 

Senti algo cutucar minha bunda, e já sabia muito bem o que era. Com auxílio de Taehyung comecei a dar leves remexidas, o que não chegavam a ser rebolados, para então virarem quicadas deliciosas. E a cada vez que eu fazia nossas intimidades se chocarem eu podia ouvi-lo arfar a cada quicada. E não me contentando, segurei-me em suas coxas mais que deliciosas e comecei a rebolar, ele me forçava cada vez mais para baixo, e parecia que eu seria penetrado com roupa mesmo de tão forte que estava. Abri mais minhas pernas e senti suas mãos vadiarem por minhas coxas, e cansado, me escorei em seu peitoral.

 

- Vamos pra cama – ele sussurrou em meu ouvido, e como eu já estava atordoado (lê se pateta), apenas murmurei um “hum-hum”.

 

Ele se levantou, me forçando a levantar junto, e seguiu me puxando até a cama, se deitando nela. Porém eu não o fiz, estava receoso demais.

 

- O que foi? – começou retirando a blusa, deixando a mostra aquele peitoral que eu adoraria lamber, chupar e morder, qualquer coisa que marcasse.

 

- Olha, você sabe que eu sou virgem.

 

Ele riu, e me irritou profundamente. Me assustei quando fui puxado bruscamente para a cama e ele se debruçou sobre mim, passeando suas mãos pela minha cintura, e deu um aperto tão forte e possessivo que me fez pensar se a marca de suas mãos ficariam ali por muito tempo.

 

- Vou ser cuidadoso, hyung – deu me apenas um selinho, e quando fiz menção de aprofundar ele afastou-se e me aproximou de si mais ainda, apertando mais ainda minha cintura, fazendo-me sentir certa dor. – hoje serei seu presente.

 

Não demorou para que ele atacasse meu pescoço depois disso, e meio afoito, retirou minha calça, e eu fiz o mesmo com sigo, só que com os pés, já que minhas mãos estavam ocupadas demais arranhando suas costas. Tudo bem, esqueci como se respirava assim que percebi que ele estava sem cueca.

 

1..2..3 RESPIRA!

 

Tiramos nossos sapatos com os próprios pés, já não estávamos tão lúcidos assim. Ele abriu os botões de minha camisa social e a abriu, mas não a retirou, começou a espalhar beijos e saliva com ela mesmo, e mesmo sentindo calor com a peça no corpo, não a dei devida atenção. E ele foi descendo, e descendo, descendo, até me fazer prender a respiração assim que ele chegou ao local perigoso que estava coberto pela cueca. Minhas mãos estavam em seus cabelos devido ao não alcançar suas costas. E ele desceu a cueca tão lentamente, que não havia como não pensar que tinha o propósito de me torturar.

 

E a ficha ainda não havia caído, eu estava quase transando com Kim Taehyung, e ninguém em toda a história havia feito isso. Bem, eram os boatos, Kim Taehyung nunca havia ficado com ninguém, nem dado um beijinho na bochecha sequer em alguém na escola. E eu, Jung Hoseok, o ser mais azarado da história estava tendo essa oportunidade.

 

Abri a boca e arqueei as costas de forma rápida, estava pensando tanto que não havia notado que já estava sem a roupa íntima, e só fui acordado quando senti meu membro ser engolido por completo. E eu cheguei a me perguntar em como ele sabia fazer um boquete tão bem.

 

Eu puxava seus cabelos de forma afoita, e ele não reclamava, parecia que gostava da leve sensação de dor com uma mistura de ardência no couro cabeludo, que admito também a achar prazerosa. E foi com um simples barulhinho que ele deixou meu membro endurecido, sozinho.

 

Aquele sorriso sacana estava de volta em seu rosto, cheguei a franzi o cenho, mas fechei os olhos para sentir melhor da sensação de nossos membros se esfregando em uma masturbação só. Eles se roçavam da melhor forma possível e eu não tive vergonha de perceber que meu membro era menor do que o de Taehyung, na verdade, a notícia foi maravilhosa em saber que ele tinha realmente um pau enorme e que eu era o primeiro em toda a escola a vê-lo.

 

Ele continuou bombeando nossos membros, até que eu não suportasse mais e gozasse, me sentindo anestesiado por um certo tempo, mas com o Kim, eu tive que acordar, quando menos percebi já estava sendo virado de bruços.

 

Ai, meu santo cu prestes a perder a virgindade, não acredito que darei com a tão sonhada posição de quatro, era uma sensação vergonhosa para porra se vista e feita da forma realista, mas era livre e tão sonhada que pude contemplar-me a ficar assim por mais um tempo. Olhei para trás assustado ao sentir um líquido gelado descer e escorregar-se sobre minhas coxas, e vi Taehyung derramando em abundancia lubrificante e estar parecendo hipnotizado por isso.

 

Assustador? Sim, mas não menos quando senti aquele friozinho na barriga quando o vi jogar longe o pote de lubrificante e preparar-se atrás de mim. Sim, ele ousaria se enterrar em mim sem preparação. Se eu deixaria? Claro que não, mas a pessoa aqui foi trouxa e lenta demais para falar algo, e logo eu senti aquela dor de merda, de um caralho, e gritei com a voz mais fina e no máximo.

 

- AI MEU SANTO CU NÃO MAIS VIRGEM! – apertei os lençóis entre os dedos e fechei os olhos com toda força, e tentei xingar o Kim o máximo que pude, mas nada mais saia a não ser as lamúrias de dor. Mas aquilo doía para um cacete!

 

Filho da puta, marido da Neide, filho de trouxa, seu merda encubado. Qualquer xingamento mais doido que vier a mente, porque sim, ele havia me penetrado sem um dedo sequer. Mas aquilo não seria esquecido pelo resto da minha história, eu já previa eu saindo aqui de cadeira de rodas, mas pelo menos chegaria no meu amigo Jungkook e diria “cara, fui arrombado” e acrescenta o sorriso no rosto, por favor.

 

Mas aquela dor não sumia, e aquilo já estava me matando, e por segundinhos (só alguns segundos) eu quis ser um ativo na relação, porque para passar por aquela dor e não sentir a merda do prazer e...

 

- Oh!

 

Ele estocou tão lentamente, doeu, claro que doeu, mas ao mesmo tempo havia sido tão bom. E eu podia sentir cada pedacinho de seu membro se arrastando pela minha entradinha não mais virgem.

 

Eu podia ouvir seus resmungos, e nunca me senti tão orgulhoso de saber que estava esmagando o seu pau, ah, que aquilo me deixava feliz. Mas não havia tempo de sorrir, eu já sentia a ardência em meu couro cabeludo por estar sendo puxado, e aquela mão na cintura me fixando no lugar, e ele finalmente iniciar as reais estocadas, não eram brutas, eram médias, para eu ainda me acostumar com seu tamanho, mas não demorou muito para que eu começasse a implorar por mais.

 

- Vai, Taehyung, vai!

 

Eu mesmo empurrava-me contra o pênis dele, e era incrível ouvir o chocar de nossas peles e devido a isso, senti meu corpo ir para frente para em seguida, pelo puxão de cabelo e o aperto na cintura, ser empurrado para trás. E manteve-se assim, em deliciosas estocadas ficando cada vez mais brutas, até que eu não estivesse aguentando mais meu corpo naquela posição.

 

Ele retirou-se de mim, parecendo ler minha mente, e deitou-se de barriga para cima e como um inexperiente nato eu pensei que era para que eu sentasse em cima de si, mas não, ele me fez deitar sobre ele, de barriga também para cima, e agarrou as minhas coxas as levantado. E assim que Jung Hoseok queria morrer.

 

Fui penetrado novamente, e já não sentia o mesmo incomodo, só nunca pensei que seria fodido nessa posição nunca, e ele movia-se tão bem, metendo e retirando seu membro melado de pré-gozo e lubrificação, que eu podia ver as estrelas, e pensando nisso, encarei o teto e agarrei seus cabelos mesmo sem poder vê-lo direito, minha cabeça estava quase sobre sua clavícula. E aí eu tive aquele raciocínio fora de hora.

 

Fui comido de quatro, e estou praticamente subindo pelo teto, eu sentia meu corpo alavancar-se um pouco para cima e isso aumentava mais ainda minha imaginação fértil. Eu já estava sentindo aqueles tão conhecidos espasmos, só que diferente em uma masturbação pensando no Kim, eu estava finalmente transando com ele, e agora era uma sensação em dobro.

 

Oh, que era maravilhosa. E mais ainda quando meu membro começou a ser bombeando e tive que eu mesmo segurar minhas coxas. Tudo bem que para mim aquela ainda era uma posição um tanto diferente, mas adicionarei ela na minha listinha, porque sinceramente, eu estou adorando ela.

 

E eu gritei quando cheguei ao meu clímax, e Taehyung como o másculo que é, somente gemeu rouco, que se dependesse de mim, ficaria duro na hora.

 

Mas o que importa agora era que, eu havia feito thuco-thuco com o amor de minha vida. Êêêê, perdi a virgindade com o Kim delicia Taehyung. E esse foi o melhor presente da minha vida. O melhor que eu pude receber.

 

 

The End.

 


Notas Finais


E todos sabemos que não é aniversário do nosso querido Hobi, é só uma menção para ficar melhor para minha querida leitora!! Obrigado para quem leu e gostou e mais uma vez, Parabéns @Giselle_Chan <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...