História O Vizinho. - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Jiraiya, Kakashi Hatake, Karin, Kiba Inuzuka, Kurenai Yuuhi, Kushina Uzumaki, Mikoto Uchiha, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Rock Lee, Sai, Sakura Haruno, Sasori, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shion, Temari, TenTen Mitsashi, Tsunade Senju
Visualizações 276
Palavras 3.428
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Sei que mereço uns belos tapas!
Mas tem acontecido tanta coisa na minha vida, que tá fogo.

1° - Os professores da faculdade acham que somos mágicos e que damos conta de estudar para um milhão de provas e trabalho.

2° - Fui bancar a pedreira para ajudar meu pai, na obra daqui de casa. E como resultado esfolei minha mão por completo, foi uma titica, sem conseguir digitar e escrever. Consegui melhorar a alguns dias, estava me sentindo aquelas tias que digitam com apenas um dedo.

Chega de falar dos meus problemas para vocês, e vamos ao que importa!!

Capítulo 13 - Batquarto


Fanfic / Fanfiction O Vizinho. - Capítulo 13 - Batquarto

- Sakura... SAKURA!

- QUE É  DESGRAÇA? - Despertei de meu devaneio graças  aos chamados de Naruto.

- A aula acabou tem cinco minutos. - Murrmurou indicando os locais completamente vazios.

- Tsc, nem notei. - Dei ombros.

- Eu percebi. - Respondeu voltando a guardar seus materiais. - Você  está  bem?

Tô ótima, querido. Estou me sentindo o meme do delícia do Zac Efron, não  sei que diabos vou fazer da minha vida.

De um lado " Foder com o Sasuke" e do outro " Transar com o Sasuke" . Minha mente é  tão  poluída  que nem se cogita a possibilidade de ir para  casa e esquecer o episódio  da biblioteca. Maldito seja Uchiha molhador de calcinha.

"E isso minha cara, não  é  um pedido. " Aquela voz rouca ainda ecoava na minha mente.

Santíssima  senhora das universitárias puritanas,  que bisonho!

- SAKURA! - Ouvi novamente  a voz de Naruto.

- Hã?

- Para de pensar no Sasuke e vamos para casa! - Arregalei  os olhos e pude observar  o sorriso malicioso  do loiro.

- De... onde tirou isso? - Indaguei nervosa. Essa praga loira agora lê  mentes?

- Você  acha que eu não  vi o que aconteceu na biblioteca? -  O Uzumaki deu uma piscadinha. .

- Naruto pelo amor que você  tem pela maravilhosa  tia Kushina fica de bico calado. - Murmurei.

Pata que me pariu. Sim, pata. Não  vou chamar minha progenitora de puta.

- Relaxa, algodão. - Ele sorriu. - Quem você  acha que contou para o Sasuke que você  estava lá? 

- Seu babaca. - Levantei apressadamente e fiquei de frente para o Uzumaki. - Não  deveria ter feito isso.

- Por? Você  fala de mim, mas fica num maior cu doce quando se trata do Teme. - Resmungou.

- Porque será né filhão?  - Perguntei ironicamente.

- Sabe Sakura-chan. - Ele soltou um suspiro. - O proibido é  sempre mais gostoso.

- Não  se esqueça  que isso sempre dá  merda. - Sibilei pois ouvi passos no corredor.

- Sakura, é  só  uma pega casual, acontece, depois é  só  esquecer.

- Para você  é  fácil falar, já  passou o rodo na porra toda. - Murmurei. - Não  são  vocês  que recebem o rótulo de "puta" . - Argumentei.

- Sakura. - Ele suspirou. - Você  nunca ligou para o que falavam sobre ti. Sua resposta para tudo era " Vai tomar no cu". Sempre  apertou o botão  do "foda-se" desde a adolescência.

- Mas isso é  diferente... - Sussurrei.

- Não é, vocês  mulheres que complicam as coisas. - Repondeu risonho. - Vou lhe dizer uma coisa, o teme é  um cara bacana.  Eu pegaria ele, mas só  na brotheragem, coisa de mano.

Ele disse isso mesmo?

- Isso saiu meio estranho, até  mesmo para você.

- Verdade. - Concluiu sorridente.

- Sempre soube que você  cortava para o outro lado. - Provoquei.

- Ei! - Resmungou me dando um leve empurrão. - Vamos indo, Sakura-chan.

[...]

- Mas é aquele filme é  triste. - Argumentou.

- Eu não  acho. - Provei mais um pouquinho  da minha casquinha de baunilha.

Depois da aula fui caminhar um pouco pelo campus com o Uzumaki, fazia tempos que não  sentávamos  para jogar conversa fora.

Mas e o Sasuke? Ele estava  dando aula de Anato. O furduncinho seria só  mais tarde. 



- Você  é  muito insensível. - Resmungou. - Você  chora assistindo Toy  Story,  mas não  chorou em Marley e eu.

- Querido, aquela cena do Andy indo embora é  de doer o coração.

Fala sério! Eu sou a única que chorei assistindo  Toy Story? A  cena que eles estavam prestem a serem queimados?

Desidratei pelos olhos.

- Tsc, mas não  supera o Marley.

- Finalmente  encontrei vocês! - Exclamou  uma voz de taquara rachada.

Olhamos para esquerda e nos deparamos com a figura máscula, viril, de porte atlético, par de  olhos ônix, o professor da  UK, Sasuke Uchiha e o trouxa do Itachi.

Beldades em 2D.

- Procuramos vocês em toda parte. -Resmungou o mais velho.

- O que está  fazendo aqui? - Perguntei. Se me lembro bem essa criatura nem na faculdade tinha entrado.

- A dona Mikoto mandou vir atrás de vocês,  já que nenhum dos três  imprestáveis atende o telefone. - Disse tranquilamente roubando minha casquinha.

- Tsc. - Ouvi o murmúrio do Sasuke, que estava com  uma cara de poucos amigos.

Essa coisa deve ter chupado limão, mas nem assim consegue ficar feio.

Vai ser lindo assim lá  na China.

- Qual foi a da vez? -Perguntou Naruto.

- Fazer um pronunciamento, aí  quer a família  e amigos presentes.

- Ok, e o que eu tenho a ver com isso? - Rebati.

- Seus pais estarão lá.  E sem falar já te considero a minha cunhadinha. - O embuste sussurrou essa última  parte em meu ouvido.

Tenho a plena certeza que corei pois vi o bisonho arquear uma de suas sobrancelhas.

- hm... Ok. - Disfarcei. - Preciso ir para casa para me trocar. - Levantei da cadeira pegando minha bolsa e minha casquinha.

- Eu tenho herpes. - Falou Itachi na tentativa falha de recuperar o doce. Dúvido muito que esse ser tenha alguma coisa, mais fresco que a minha avó.

- Tem problema não, existe remédio. - Rebati com um sorriso debochado. - Até  daqui a pouco. - Murmurei e saí caminhando.

Senti alguns passos me acompanharem e olhei de soslaio e fitei a silhueta do Uchiha mais novo, que caminhava tranquilamente há  alguns passos de distância.

- Não  precisa me acompanhar, senhor Uchiha, acho que sei  me cuidar sozinha. - Disse seriamente.

- Certamente , senhorita Haruno. De certa forma, não  seria prudente deixar uma encarecida amiga ao relento,  com a possível  chuva que se aproxima. - Repondeu tranquilamente.

Franzi o cenho e passei a observar o céu que estava extremamente nublado, com grande parte coberta por nuvens acinzentadas.

- Droga... - Preguejei  baixinho,pois tinha a plena consciência  que meu guarda chuva havia ficado em minha escrivaninha. 

Queridos, quando sua mãe  fala para não  tirar o guarda chuva da bolsa, não  tire-o da bolsa. Pode estar fazendo um calor do inferno, mas irá  chover só  porque ela falou.

- Vamos?

- Tsc, não  tenho escolha. - Dei ombros e caminhamos  até  o estacionamento.

Povo, quem aí  recusaria essa carona ?

Eu na certa recusaria, se não  fosse chover, pois sou bela, recatada e do lar.

[...]

- Já  acabou? - Era décima vez que Uchiha Sasuke me perguntava  isso. Posso fazer nada se homens  se arrumam em menos de vinte minutos.

- Não, falta o batom. - Respondi  alto e claro.

- Haruno, você  me disse isso a dez minutos atrás. -Resmungou.

- Querido, tenho que ficar apresentável. - O respondi  assim que sai do quarto, encontrando um bisonho impaciente segurando a porta. - Então? - Dei uma voltinha.

- Tsc, irritante. - Rolou os olhos me deixando plantada igual a um brotinho.

Poxa crush  porque não  me nota como eu queria que você  me desse bola.

- ME ESPERA!! 

[...]

- Você  é  um estupido! - Resmunguei ao colocar o sinto de segurança. 

Tive que descer as escadas correndo, pois um certo capeta fechou o elevador e me deixaria para trás  se não  chegasse no carro.

- Olha o meu cabelo, meu vestido está  amarrotado... - Meu cabelo estava desgrenhado, tinha até  espuma de travesseiro nessa bagaça,  esfolei meu pé, meu lábio  esta inchado pois bati a cara na parede graças  ao carrinho do filho da Greice Kelly que incovenientemente estava jogado na escada. - Argh Sasuke, você  me deve uma sapatilha  no...

Senti meu tronco ser virado bruscamente, seus olhos indecifráveis me averiguavam de cima abaixo.

Recuei, pois estávamos ficando perto demais.

- Você  tem uma espinha na ponta do nariz.

CARALHO! Viado da peste. Onde já se viu falar para uma mulher que ela uma espinha no meio da fuça?

Se tacamos um quilo de reboco na cara é  para ninguém  notar.


- Finalmente  você  calou a boca. - Ele deu ombros como se não  fosse nada e voltou para ligar o carro.

- Querido, vai tomar no meio do seu cu. - Mandei, completamente  na educação.

- Ninguém  nunca ousou me mandar tomar no cu. - Disse me olhando de soslaio.

- Opa! Então  toma mais um, vai tomar no cu  seu vizinho bisonho, bastardo, filho de uma boa mãe, secretário  do capeta, embuste, vadio, comedor de putas "prato de microondas..."

- Eu já  te comi, Sakura? - Disse ele, desviando momentâneamente seu olhar da estrada.

- Quê? 

- Você  inflou o peito para falar que eu como "prato de microondas".

Deixa eu parar de comer cabelo, que eu não  estou acreditando  nisso.

- Vai tomar bem no meio do cu, Sasuke. - Vai com o dedo medial e tudo mais.

A praga estava rindo, discretamente, mas estava.

- Você  é  muito infantil. - Murmurou  com desdém.

- Ora, foi você  que me chamou de puta. - O acusei.

- E você se estressa muito fácil. - Desdenhou.
Vontade de esfolar essa cara de presunçoso.

- Tsc, não  sou obrigada a ter que escutar isso. - Murmurei. - Se você  me ofender mais uma vez, me jogo para fora desse carro. - Ameacei.

- Irritante.

Bufei. Abri a porta, suspirei pesadamente e antes que pudesse  colocar meus pés  para fora ele falou:

- Não  se jogue nas roseiras de dona Mikoto, te garanto que os espinhos não  serão  tão  torturantes quanto ela. - Escutei a batida da porta e abri os olhos, estávamos  de frente a mansão  Uchiha.

Quando foi que ele deu a partida no carro? 

[...]

- Minha linda, e os namoradinhos? - Perguntou a ruiva, matriarca da família  Uzumaki.

Sabe aquela tia que você  não  vê  a séculos, e em toda oportunidade  ela pergunta sobre sua vida amorosa e você  não  sabe onde enfiar a face pois não  tem uma vida amorosa?

Essa é  Kushina Uzumaki, um amor de pessoa.

- Estou solteira, tia. - Sorri amarelo pegando mais uma coxinha do potinho.

- Ué, despachou aquele cabelo menstruação? - O infeliz do Itachi se meteu na conversa. Essa coisa estava do outro lado da sala, mas tem o prazer de meter o bedelho na conversa alheia.

- Querida, não  falou que tinha um namorado! - Respondeu  animadamente.

- Ex, na verdade não  chegamos a namorar. - Corrigi.

- Ora, mas qual o motivo do termino? - Indagou curiosa.

- SEXO! - Gritou Itachi.

- ô céus! - Ele levou os dedos até  os lábios. - Sinto muito, querida. - Ela me puxou  para um abraço. - Minha querida, se quiser eu te arrumo um namorado, não  se pode morrer virgem em pleno século XXI.

- Sakura virgem? - Falou Itachi. - As minas do cabaré  são  mais puras que ela. - Sorriu debochadamente.

Hoje é  o dia nacional de:

" Chamem a Sakura de puta. "

- Itachi, isso não  é  jeito de falar com a minha afilhada. - Disse a Uzumaki.

- Quer dizer que você  já  esteve num cabaré Uchiha Itachi? - A Konan surgiu do além com um olhar assassino.

- Mas isso foi antes de você, amor. - Respondeu  ao abraçar a noiva.

- Mentira, semana passada ele estava no cabaré perto da faculdade. - Respondi  passando seriedade.

- Estava lá  também, senhorita Haruno? - Perguntou o Uchiha mais novo.

Esse povo brota do inferno.

- Não.

- Então, como afirma com veemência que o idiota do Itachi estava lá? 

Esses Uchihas tem argumento para tudo. Bando de farinha do mesmo saco.

- Ah vai se foder, Sasuke. - Me levantei para ir direção  a cozinha. - Aproveita  e leve o Itachi  junto.

Tô boa  hoje não. Se Ino estivesse aqui, provavelmente  ela diria que é  falta de sexo. O que não é  tão  mentira assim. O bisonho  tinha me convidado, mas a jantares   acontecem  para evitar males maiores.

- Você  me paga sua fedelha. -Ouvi o murmúrio  do Itachi.

- Me cobra quando eu estiver sentada no colo do capeta ao seu lado, querido. -  Dei língua  para o moreno.

- O jantar está  pronto, crianças! -  Anunciou a matriarca Uchiha.

Hora da bóia!!!

[...]

Estava no meu segundo prato de pavê de morango.

- É  pavê  o pacumê? - Esse é  o tio das piadinhas escrotas, Minato Uzumaki é lindo de morrer mas tem um senso de humor meio bosta.

- Queridos! - Chamou a tia Mikoto. - Quero compartilhar com vocês  uma notícia... - Disse secando  uma lágrima que caía  em sua bochecha.

Povo sensível.

- Teremos mais um membro na família! - Disse emocionada.

- Comprou um cachorro? - Indagou Itachi.

Idiota.

A matriarca sorriu e logo depois começou  a chorar.

- Você  vai ter um irmão, seu grandíssimo  idiota. - Falou Sasuke.

Todos começaram a macaquear, eram sorrisos, felicitações, beijos e abraços.

Dei um leve cutucão no Naruto e  apontei para o Fugaku  que estava mais pálido  que leite.

- Não  se pode dar este tipo de notícias para terceira idade... -Murmurei  para o loiro.

- Real, mas ele não  está  pior que o Itachi. -Rebateu  o loiro.

O moreno estava abraçados  aos joelhos e se balançando  para frente e para trás.

- Hihi, meu filho vai ter um tio mais novo que ele...

Surtou de vez.

[...]

Eram duas meia da manhã  e ainda estávamos acordados comemorando a gestação  da tia Mikoto.

O clube da Luluzinha estava a mil, se bobear já  pensaram até  na faculdade do individuo ,  que por sinal ainda é  um conjunto de células.

Eu estava agindo  tipo os pingüins de Madagascar:

"Sorriam e acenem rapazes, sorriam e acenem."

Afinal, se eu tivesse  um filho, ele viveria a base  de miojo,enfim, mulher é  tudo doida.

O tio Fugaku tentou manter a pose, mas fez um draminha  básico.

" Essa criança  vai me chamar de avô. "

É  a crise da meia idade.

 Se fosse a linda da minha progenitora eu ficaria super feliz, sempre foi meu sonho ter um irmão, mas como ela mesmo diz:

" Uma Sakura já  é demais! "

E nisso eu tenho que  concordar.

O Itachi ficou extremamente feliz, após  se recuperar de seu surto momentâneo, mas já  havia se retirado, pois Konan sentia leves enjoos.

E o Sasuke? esse daí  se trancou  no escritório  do pai, juntamente  aos homens daquela casa, vulgo o clube do bolinha. 


- Já mandei preparar os quartos para vocês  se acomodarem. - Disse a Uchiha.

- Que maravilha! - Disse a Uzumaki. -Vou chamar Minato, quero uma boa noite de sono.

 - Sakura, você  se incomoda  em dormir com o Sasuke? - Falou Mikoto, assim que a ruiva tinha se levantado.

Definitivamente, eu cuspi minha caipirinha  de limão.

- Desculpe, aspirei  pelo nariz. - Dei um sorrisinho.

- Temos apenas dois quartos de hóspedes, e tenho certeza que não  irá  querer dormir com seus pais. - Ela olhou minimamente para minha mãe  que possuía as maçãs  do rosto levemente  coradas e venerando   a garrafa de catuaba.

- Pois é. - A nuca começou  a coçar. - Mas de forma alguma  eu não quero  incomodar.

- Imagina. - Ela sorriu. -  Não irei permitir que saia a está esta hora de minha casa, e hoje é  feriado, então, sem desculpas.

- Éé... tudo bem. - Resolvi ceder, não  vou contrariar  a gestante.

- Sasuke é muito respeitoso, então, pode ficar tranquila. -

Claro, ele é  respeitoso, muitíssimo  cordial.

- Certamente. - Sorri. - E o Naruto?

- Alguém  falando sobre mim? - O loiro apareceu  na sala juntamente  a seus pais.

- Vai ficar? - Olhei para ele com a maior cara de cachorro pidão.

Fica, fica, fica, fica.

- Desculpe Sakura-chan, mas eu tenho uma emergência  no hospital, vou entrar em cirurgia  em quarenta minutos.

- Algo grave? - Perguntou Minato.

- Um tanto que urgente, meu pai. Enfim, tenho que ir, boa noite a todos. - Antes de sair o loiro piscou com uma  certa malícia.

Fora aí  que eu notei que era uma armação, bando de burgueses safados.

- Ouch, Sasuke! Acompanhe  a Sakura até  o seu quarto, irei levar uma muda de roupa dentro de alguns instantes.

O bisonho  apenas assentiu.

- Nada de gracinhas para cima da minha filha. - Disse meu pai. - Querida, se ele tentar te agarrar utilize aquele golpe que lhe ensinei. - Sussurrou. Depositando  um beijo em minha testa.

- Hai. - Sorri e comecei  a caminhar atrás  do Sasuke.

[...]

Estava me sentindo no quartel general do Batman, nunca vi ser humano para gostar tanto de preto.
As paredes  escuras com vários  posters de filmes de terror, animes, heróis  da Marvel e DC.

Nem vou comentar sobre o edredom ter vários  morcegos  desenhados.

Imagino esse Uchiha na adolescência...

Um magricela, que usava óculos, roupas largas,  um completo emo revoltado com a vida.

Que mandava aquelas cantadinhas bem geek para cremosa:

"Gata eu não  sou charizard  mas deixaria seu rabo pegando fogo."

Se for verdade, dá  para curtir um bocado com a cara do amiguinho. Amanhã  irei pesquisar com a mãe  do individuo.

- Você  vai dormir assim? - Perguntei quando vi o moreno sair apenas de cueca do banheiro.

Confesso  que eu queria ser uma gotinha de água  para passear naquele músculo  reto abdominal.

- Hm. - O digníssimo  ignorou completamente
a minha pergunta e apagou a luminária  e depois o interruptor da parede. 

- Vamos dormir!

- Como assim "vamos dormir"? - Falei tentando imitar sua voz de locutor de rádio.

- Haruno, são  quase três  horas da manhã. -

- "Haruno, são  quase três  horas da manhã" . - O Imitei. - Eu que não  vou dormir com um cara seminu.

- Hm.

- Nem começa  com esses seus monossílabos irritantes.

- Hm, cala boca Sakura.

- Idiota... - Murmurei - Vou dormir na sala! - Tentei levantar, mas senti sua mão se agarrar a minha cintura.

- Itachi é sonâmbulo. Não  recomendo andar pela casa a noite. - Disse apenas.

- Cacete! - Sibilei baixinho enquanto me acomodava, cuidadosamente  debaixo do edredom das trevas. - Sem me encostar. - Murmurei.

- Hm.

- Bisonho. - Sibilei.

[...]


Tá, desisto, não  consigo dormir nessa bagaça, tô sentindo falta dos meus bichinhos de pelúcia, não  tem ninguém  para eu agarrar.

- Sasuke, tá  acordado? - Murmurei,mas não  obtive resposta. - Droga...

Gente, eu quero agarrar alguma coisa, vou roubar o travesseiro do Sasuke.

Apoiei os cotovelos  e levantei meu tórax. Virei para poder observar o Uchiha, mas sem enxerga-lo perfeitamente, uma vez que o batquarto estava um breu.
Ouvi sua respiração  um tanto que pesada.

Ele estava dormindo.

Dei uma leve puxadinha  na pontas que estavam voltadas para mim. Sorri ao ver que o vizinho nem tinha se mexido.

Dei mas uma puxadinha, mas de repente o peso do seu corpo estava sobre o meu se encaixando  entre as minhas pernas.

- Você  é  irritante. - Sua voz soava baixa. - Vai dormir, Sakura. - Ele sussurou aquela frase ao pé  do ouvido.

Deixando uma mordida no lóbulo.

- Faz isso não, querido. Essas coisas me deixa toda arrepiada.

Ele soltou uma risada anasalada. Ficamos ali próximos demais. Nossas bocas estavam entreabertas, sugando o ar um do outro.

Senti seus lábios roçarem  nos meus e é um selinho fora depositado no canto esquerdo.
Com uma lentidão  torturante  e deliciosa meu lábio inferior foi sugado.

- O que te deixa mais arrepiada, Haruno?

Quer uma lista, meu bem?

Para começar tem alguém sobre mim, sussurrando  saliências  no meu canal auditivo.

- Muitas coisas. - Sussurrei em resposta.

- Vá  dormir, Sakura. - Ele falou dando uma mordida músculo  do meu pescoço.

Sabia que ele era o homem morcego.

- Isso dói. - Sibilei.

- Irei fazer doer mais se não  calar a  boca e ir dormir.

- Grosso! - Perdi a paciência. - Eu só  quero agarrar alguma coisa. -Murmurei.

- Você  terá  muito que agarrar amanhã a noite. - Sussurrou logo após de deixar um chupão em minha clavícula.

- Tenho, é?  - Tenho que entrar no play. Estava começando a ficar arrepiada em muitos locais e minhas pernas se fecharam, predendo suas pernas  ainda mais as minhas.

- Esteja pronta  às  20:00, Haruno. - Ele puxou levemente  meus fios para lado, deixando meu pescoço  exposto, lambendo toda extensão do mesmo. - Sem atrasos. - Murmurou por fim.

Senti seu peso sair e cair no lado oposto da cama.

- Droga... - Murmurei, estou sem algo para agarrar e ainda por cima fiquei com calor. - Sasuke? 

- Hm? 

-  Liga o ar para mim. 


Notas Finais


Antes que me batam o hentai é no próximo capitulo, pela glória!!

Desculpem mais uma vez!!

Beijinhos no core, seus leitores maravilindos! 😍💗💗💗

O link da minha nova fanfic:

https://spiritfanfics.com/historia/o-convento-9917165


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...