História Obscure Game - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Park Jimin
Visualizações 80
Palavras 2.049
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


MEEEEEEE DESCUPLEEEEEEEEEEEEEM!
Sim, já cheguei fazendo um pedido de desculpas. É o seguinte, semana passada o meu notebook estava dando problemas e não estava abrindo nada, o que resultou em uma Luíza louca e desesperada pra postar. Felizmente eu consegui resolver esse problema e conseguir postar :P
Boa leitura!

Capítulo 10 - Se você trair minha confiança eu te mato!


Fanfic / Fanfiction Obscure Game - Capítulo 10 - Se você trair minha confiança eu te mato!

Minha ferida doía, a chuva engrossava muito rápido, e o vento estava gelado. Eu ainda podia ouvir a voz de Sung ecoando pela rua, uma voz calma e dócil murmurando palavras horríveis e de baixo calão. Eu não sei onde eu estou, não sei pra onde vou, ou ate mesmo se vou conseguir sair dessa vivo. Entretanto uma coisa é certa, Sung é um jogador e quer me matar.

-Para se viver, há de sentir a morte Jimin. Não tenha medo, venha ate mim e prove a morte!- Ele estava próximo, sua voz estava nítida. - Seja um bom garoto... Vamos, eu prometo não fazer nada com a Seyeon se você se entregar de livre e espontânea vontade.

Olhei para Seyeon, ela estava pálida e assustada. Eu queria poder dizer a ela que ficaria tudo bem, mas eu não posso. Me aproximei de seu rosto e beijei sua testa em uma tentativa falha de acalmar as coisas.

-Yoongi!-  murmurou baixo em meu ouvido- V-vamos pra casa dele!

-Você sabe onde estamos?

-Sim! Vem comigo!- Seyeon pegou em meu pulso e começou a me guiar pra algum lugar. Depois de poucos minutos eu já não escutava mais a voz de Sung atrás de mim, senti um alivio, mas fiquei com medo dele ter tomado providencias e ter ido falar com minha mãe. Então resolvi checar por mim mesmo, peguei o ipod ignorando a chuva e o liguei:

“23:14- Sung me perdeu”

“23:29: Sung foi ate minha casa”

“23:30: O medico play boy o expulsou de casa e chamou a policia”

Tenho que admitir que estou começando a gostar desse médico, mas agora preciso me focar em outros problemas maiores. Ainda é 23:08, ou seja, Sung ainda sabe onde eu estou. Tentei ficar o mais silencioso o possível, pois apesar do barulho alto da chuva e da pouca visibilidade Sung era capaz de nos ouvir. Fiquei olhando o relógio de cinco em cinco minutos e só parei quando deu 23:13, que por coincidência foi a hora que nós chegamos à casa de Yoongi. Ele abriu a porta assustado e com uma cara nada boa, que aos poucos foi desaparecendo e se tornando em feições preocupadas.

-O que aconteceu com vocês?- Yoongi disse ao fechar a porta. Seyeon me ajudou a me sentar em uma cadeira que estava perto da entrada da cozinha. Quando foi que eu fiquei tão fraco?

-Sung... - Tentei dizer, mas as palavras não eram minhas amigas no momento. Eu estava ofegante de mais- Ele é...

-O que ele é? – Yoongi me interrompeu

-Eu e Jimin estávamos caminhando um pouco antes de começar a chover- Seyeon olhou pra mim como se estivesse pedindo permissão para contar- Alguém apareceu do nada e nos prendeu... Ele me levou pra um lugar onde tinha mais um garoto e esse garoto era o Sung.

-E o que tem de mais nisso? O que o Sung tem a ver com o estado físico e mental de vocês dois?- Yoongi se apoiou na perna esquerda e cruzou os braços.

-Ele é o número 2!- Respondi devagar. Yoongi olhou pra nós dois boquiaberto, tentou formular alguma frase, mas não deu certo.

-Ele é o segundo jogador?- Perguntou incrédulo- Isso quer dizer que o Kawin também é um... Resumindo, estamos ferrados. - Yoongi bagunçou os cabelos de forma desesperada. - O que a gente faz?

-Por enquanto apenas trocar de roupa- Seyeon se espreguiçou- E cuidar da ferida do Jimin.

-Ele esta ferido?- Yoongi caminhou ate mim e passou a mão na mancha de sangue que havia em minha camisa- Isso é seu?

-Sim! Eu não sei como machuquei, portanto não posso dizer a quanto tempo esta sangrando...

-Isso explica a sua palidez. - suspirou- Precisamos te levar em um medico!

-Agora? Mas já é quase meia noite... Hospitais não abrem as 00:00h- Yoongi sorriu de lado e bagunçou meu cabelo- O que foi?

-Você não esta falando nada com nada!- Tombei a cabeça para o lado tentando entender o que ele havia dito. - Esquece! Vamos tomar um banho quente, limpar esse machucado e vesti roupas aquecidas...

-Uhuum - Concordei com a cabeça.

-Seyeon, vai ao ultimo quarto do corredor do segundo andar e pega uma roupa da Seong pra você.

-O que a Seong vem fazer aqui pra deixar ate as roupas dela?- Sorriu de lado. Do que eles estão falando?

-Nada de importante- Sorriu de volta- Vamos Jimin!

Yoongi me pegou no colo e me levou para o seu quarto no segundo andar. Seyeon estava logo atrás de nós sorrindo pra mim de forma dócil. Nos separamos assim que eu entrei dentro do quarto. Yoongi me sentou em uma cadeira e entrou para dentro do banheiro, mexeu em algumas coisas um pouco barulhentas e voltou alguns segundos depois. Ele tirou meu tênis, minha camisa e minha bermuda, me deixando apenas de cueca e me levou ate o banheiro.

-Consegue se lavar sozinho, ou também precisa de ajuda?- Disse num tom divertido.

-Consigo!

-Ok então! Eu vou arrumar sua roupa e ver se a Seyeon esta bem, se algo acontecer é só gritar!

-Por que esta me tratando como um bebe?

-Se você ainda não percebeu, o senhor bebezão esta com uma hemorragia e um corte profundo no peito. - Riu baixo- Toma o banho, eu vou ir falar com a Seyeon.

Yoongi saiu do banheiro e fechou a porta. Respirei fundo e tirei o resto das roupas que ainda estavam eu meu corpo. Entrei debaixo do chuveiro e comecei a me relaxar, a agua estava quente, mas meu machucado ainda doía. Tratei de terminar rápido antes que acontecesse algo de ruim. O sangue descia pelo meu braço e pingava no chão indo ate o ralo. Minha visão estava ficando escura, os meus sentidos estavam me abandonando, eu ia desmaiar mais uma vez. Apoiei com o braço esquerdo na parede e encostei minha testa no mesmo.

-Yoongi!- O chamei, mas quase não havia voz.  A maçaneta do banheiro abriu e Yoongi entrou.

-O que foi?

-Eu vou desmaiar... Me ajuda!- Pude ver Yoongi se aproximar com uma toalha e desligar o chuveiro, enrolou a toalha em mim e me guiou pra fora do banheiro.

-Senta ai!- Yoongi me sentou na cama e pegou outra toalha pra secar meu cabelo. Como dói!

-Yoongi... Esta doendo muito!

-Já vai passar, calma!- Depois disso tudo virou um borrão. Eu não conseguia enxergar nada direito, nem ouvir ou qualquer outra coisa. Eu não conseguia sentir nada com precisão total, em outras palavras, a dor tomou conta do meu corpo. Yoongi me pegou no colo e me locomoveu para algum lugar não reconhecido por mim.

Senti que estava me movendo em uma velocidade rápida, acho que estou em um carro. Talvez eles já estejam me levando para o hospital. Os pingos eram as únicas coisas que eu conseguia ouvir com total precisão e certeza. Sai de dentro do carro, esta barulhento e claro... Estou deitado... Acho que cheguei ao hospital!

-Precisamos de sangue!

***

A luz atrapalhava meus olhos, eu quero abri-los mas esta muito difícil. Respirei fundo e pensei no motivo para eu estar deitado com luz na minha cara. Meu peito doía e eu estava com frio, apesar de estar debaixo de cobertas. Resolvi tentar mais uma vez e finalmente obtive sucesso. A luz veio com tudo tomando conta da minha visão, pisquei algumas vezes e desviei o olhar pro lado podendo ver Yun com o semblante preocupado.

-Mãe?- Perguntei relutante.

-Eu sei que você acabou de acordar, mas acho que me deve uma explicação.- Yun caminhou em minha direção e acariciou meu rosto enquanto um sorriso se instalava em seu rosto. Ela estava com olheiras e uma expressão cansada. Odeio ver minha mãe nesse estado, e o pior é que isso tudo é culpa minha.- Quer saber, deixa isso pra oura hora, como você esta se sentindo?

-Sentindo dor!- Torci o nariz.

-NamYoon já deve estar chegando pra te ver.- Sorriu

-Não quero ser atendido pelo médico play boy- resmunguei. Yun riu e me deu um beijo na bochecha.

-O que você tem contra ele?

-Ele estava te secando no dia em que te conheceu, sem falar que não era um dia muito bom pra isso- suspirei

-Mas ele não fez nada, certo?- confirmei com a cabeça- Ele nos ajudou muito nessa semana, deveria ser grato a ele.

-Eu sou, apenas não gosto dele...

-Por que? O seu sensor de proteção diz que ele não é uma boa pessoa?- sorriu divertida.

-Não...

-Então de uma chance pra ele!

-Vou pensar!- A porta abriu e NamYoon entrou com um sorriso no rosto. Yun olhou pra mim e deu um sorriso largo, aish.

-Ótima hora pra começar!

-Mas mãe...

-Tente! Você prometeu!- Yun me beijou na bochecha e saiu da sala me deixando sozinho com NamYoon. Antes de sair ela trocou um sorriso com NamYoon e fez um sinal de concordância com a cabeça. Desviei o olhar pro outro lado podendo ver a vista da janela. Estava claro e nublado, alguns pássaros voavam e não havia nenhum sinal do sol. O ar cheirava a terra molhada, e eu amo esse cheiro, ele me lembra coisas boas.

-Vou trocar os curativos!- NamYoon disse calmo me chamando a atenção. Olhei para o outro lado onde NamYoon se encontrava e fiquei o observando enquanto trabalhava. Ele realmente possui um ar profissional e realiza suas funções com um sorriso no rosto como se aquilo fosse algo muito divertido e precioso para ele. Me permiti sorrir por um minuto enquanto ele ainda não havia se virado pra mim, não vou permitir com que ele me veja baixando a guarda nem por um minuto. Apesar dessa desconfiança que eu tenho de que ele possa fazer algo de mal para a minha mãe, eu prometi a Yun que iria tentar me dar bem com ele, e infelizmente eu terei que começar isso.

-O que você acha da minha mãe?- NamYoon parou de mexer em suas gavetas e se virou para mim me lançando um olhar analítico, provavelmente pensando no motivo da tal pergunta no qual a resposta era tão cobiçada por mim.

-Ela é uma boa mulher, inteligente, bonita, trabalhadora. Tem um sorriso encantador, e não se deixa abalar com pequenas coisas.- Sorriu- Sua mãe é incrível!

-Realmente pensa isso dela ou esta apenas dizendo o que eu quero ouvir?

-Eu não conheço muito a sua mãe, então apenas disse as pequenas qualidades que tive a oportunidade de conhecer.- NamYoon caminhou ate mim com uma tesoura em suas mãos e começou a cortar a faixa que cobria a minha ferida.- Amanhã eu e ela vamos sair... Na verdade ela ainda não me respondeu se aceita o convite, acho que ela esta esperando a sua aprovação. Você é muito importante para ela Jimin, tão importante que ela seria capaz de largar tudo para te ver feliz. Você deve estar desconfiado de mim, afinal eu sou um cara desconhecido que esta saindo com a sua mãe... Eu não te culpo por isso, muito pelo contrario, eu te admiro por cuidar tão bem da Yun, entretanto eu acho que mereço um voto de confiança. Eu prometo que não vou te decepcionar!

NamYoon terminou de colocar os curativos novos e olhou para mim a espera de uma resposta. Eu estou muito surpreso com tudo o que ele acabou de dizer, na verdade eu ainda estou digerindo boa parte do que ele disse. Por toda vida temos sido apenas eu e Yun, eu quase não tenho lembranças do meu pai, e todos os caras com que minha mãe se relacionou eram uns babacas que apenas queriam se aproveitar da boa aparência que ela tem. Isso fez com que eu criasse um “mecanismo de defesa”, eu não quero ver minha mãe triste por um imbecil que apenas sabe brincar com corações. Os sentimentos das pessoas não são um brinquedo, e eu não quero que mais ninguém brinque com os da minha mãe.

-Se você trair a minha confiança, eu te mato!- Disse friamente sem evitar o contato visual, eventualmente fazendo o seu olhar vacilar um pouco- Eu estou falando serio, não pense que isso é um blefe.

-Não estou pensando, por isso estou levando a serio!- NamYoon sorriu amarelo e bagunçou meu cabelo- Eu prometo que farei a sua mãe feliz!


Notas Finais


Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...