História Obscure Pleasures - Imagine : Jungkook - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais
Tags Bts, Jimin, Jin, Jungkook, Submissão
Exibições 464
Palavras 3.898
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 16 - Lizzy


Fanfic / Fanfiction Obscure Pleasures - Imagine : Jungkook - Capítulo 16 - Lizzy

Fiquei chorando no quarto até pegar no sono. Acordei no outro dia com uma cara horrível e pela primeira vez todas aquelas roupas escuras faziam sentido.. eu estava realmente triste. Eu nem sabia porque Jeon só usava roupas escuras e fazia questão que eu usasse também.

Abri meu guarda roupa e peguei uma calça preta de flanela e um casaco com capuz. Me vesti e fui para a cozinha. Jeon já tinha ido trabalhar e um alívio enorme passou por mim. Julie ficou me fazendo companhia e perguntava de 10 em 10 minutos se eu queria algo. Sim, eu queria.. queria fugir.

Liguei pra senhora Kimy e avisei que estava indo lá na casa hoje. Ela não era uma pessoa que eu quisesse estar junto, mas também não era alguém de meu desprezo. Não sei, ela me ajudou e não me ajudou. Não sei explicar o que sinto por ela.

Quando deu 10 horas me vesti e peguei um taxi. Senhora Kimy pareceu um pouco receosa e ficou preocupada com a minha cara de abatida.

-O que aconteceu com você? Não vai dizer que se comportou mal. - por que a culpa não podia ser dele? Sempre era minha.

-Não fiz nada de errado, juro.

-Então porque está com essa cara de “quem comeu e não gostou”? Vamos (S/n).. me conte logo. - falou me chamando para segui-la ao escritório.

Parei antes pra falar com algumas 'amigas' e fui encontrar com ela.

-Sabe - falei sentando na cadeira de frente pra mesa - Jeon não é normal. Juro, eu acho que ele deveria procurar um psicólogo.

-Me conte o que aconteceu.

-Sabe.. - fiquei em conseguir falar - ontem o beijei.

-VOCE O QUE? - falou levantando da mesa e apoiando suas mãos nela se direcionando pra frente.

-Eu o beijei. Não me pergunte porque.. eu não queria. - pausei - mas sei lá. Tive uma vontade súbita.

-(S/n)! - ela sentou novamente- Jungkook não gosta de beijar. Eu pensei que você soubesse.

-Eu sei disso. Eu não gosto de apanhar, mas nem por isso ele deixa de me bater.

-Você não vem ao caso aqui. Sua situação é grave.. o que ele fez com você?

-Adivinhe - revirei os olhos - me bateu de cinto. Foram seis ao total.

-Ah (S/n).. você que procurou isso.. certo?

Como assim você procurou isso? Eu SÓ o beijei. Nossa.. beijar assim é tão fatal?

-Certo - não tinha jeito, ela nunca me entenderia.

Sai do escritório e fui me juntar as meninas. O almoço foi servido e quando deu duas horas da tarde ouvi gritos vindo da casa. Eu estava muito bem deitada em uma cadeira de bronze no jardim e não me dei ao trabalho de levantar.

Jeon apareceu gritando meu nome e me olhando como se fosse me matar. Adeus Mundo, foi bom ter te conhecido.

-Jeon (S/n)! - parou e acho que se assustou um pouco pelo sobrenome que juntou ao meu - O QUE ESTÁ FAZENDO AQUI?

-Visitando minha família? - falei ainda deitada.

-''Visitando minha família''.. - falou me imitando e olhando como se fosse me matar - VOCE NÃO TEM FAMILIA. PORRA. VAMOS AGORA.

Ele me puxou pelo braço -novidade - e saiu me arrastando até o carro. Jin abriu a porta e Jungkook me jogou dentro, grande cavalheiro. Sentou-se ao meu lado e passou as mãos freneticamente pelo rosto.

-Assim sua pele vai cair - falei sorrindo e olhando pra ele.

-Não me olhe.. ouviu. Não me olhe.

-Desculpa - falei virando pro lado da janela.

Jeon suspirou do meu lado e fizemos o percurso todo em silencio.

Assim que chegamos em casa ele me puxou pelo braço e me levou ao escritório. Nunca tinha entrado lá e esperava não ser apenas essa vez, tudo era organizado e tinha uma grande estante de livros.

-Você gosta muito de livros, né? - parei em frente a estante e olhei pra Jeon. Ele sentou e apontou para eu fazer o mesmo.

-Não te interessa o que eu gosto ou não! - respirou fundo - Hoje vamos a inauguração do meu novo restaurante. Contratei maquiador, cabeleireiro e o diabo a quatro pra te deixar um pouco apresentável.

-Valeu pelo elogio “senhor Zeus”.. - falei baixinho pra mim.

-O que disse? – droga,ele ouviu.

-Nada, senhor. - esperei ele falar algo mas nada disse. Me levantei sem olhá-lo e me dirigi a sala.

Julie disse que tinha algumas pessoas lá em cima me esperando.

Encontrei com um homem e duas mulheres. O homem disse que iria fazer meu cabelo e maquiagem e as mulheres minhas unhas. Quando entrei no quarto vi duas caixas em cima da cama. Eu sabia que era a roupa que iria usar,mas não me interessei nem um pouco em olhar.

Quando deu 19 horas eu estava pronta dentro do quarto olhando o resultado no espelho. Lembrei do meu espelho na casa da senhora Kimy e percebi que minha situação não tinha mudado muito.Meu vestido era rendado preto e na parte de baixo tinha apenas um pano preto formando como se fosse um top e uma saia. Meu cabelo estava preso e um coque e minha maquiagem era destacada por um batom vermelho e um delineador.

Alguém bateu na porta e Jeon entrou sem esperar por resposta. Ele parou me observando e nossos olhares se encontraram pelo reflexo do espelho. Caminhou até mim e colou nossos corpos. Passou o dedo pelo meu pescoço me fazendo arrepiar e começou a beija-lo. Fechei os olhos e inclinei a cabeça dando mais acesso a ele. Os beijos pararam e abri novamente os olhos vendo seu olhar de luxúria pelo espelho. Ele girou meu corpo e passou a beijar mais meu pescoço. Um gemido saiu da minha boca e ele rapidamente parou.

-Vamos. - me puxou pra fora do quarto.

Esse homem é maluco!

Como pode me atiçar e depois cair fora? E porque eu queria mesmo? Era muito burra.. preciso urgente ir a igreja!

[...]

Chegamos ao restaurante e tudo era muito chique.

Tiramos muitas fotos na entrada e Jeon apertava minha mão confortavelmente como se estivesse passando confiança. Fiquei um pouco impressionada com sua atitude mas sabia que era apenas pra transparecer verdade no nosso relacionamento.

Lá dentro sentamos em uma mesa com a sua mãe e seu irmão.

Nossos amigos – que se casaram- apareceram depois, ela falava que eu estava ótima e com certeza isso deveria ser obra de Jeon. Está certo, deixe só ela olhar as marcas que tenho na bunda. Jungkook ficou andando pelas mesas cumprimentando as pessoas e de vez em quando olhando pra mim e em um desses encontros de olhares ele sorriu e eu fiz o mesmo.

Quando deu meia noite fomos embora, mas antes passamos
pelas mesas para agradecer a presença. Jeon me explicou que hoje só tinham convidados íntimos e pessoas que era sua obrigação chamar por causa das relações de negócios. Depois de sorrir bastante e ouvir inúmeras vezes

''Como conseguiu domar Jungkook?'' ''Você é muito bonita!'' "Você não é jovem demais?''

Eu já não aguentava mais e queria tomar um bom banho de banheira.

A volta foi silenciosa e fui direto para o meu quarto tomar banho.

[...]

Acordei com o sol entrando pela janela e a amaldiçoando por não ter lembrando de fechar as cortinas. Quando já estava voltando para dormir resolvi beber um pouco de água. Julie estava na cozinha preparando a mesa para o café e me dei conta que não era tão cedo assim, eram 8 horas. Quando estava votando pro quarto vi duas mulheres descerem as escadas. As duas tinham o cabelo tingido em um tom de loiro claro e pareciam ser gêmeas americanas.

Quem são elas ?

-Quem são vocês? - perguntei assustando a que estava um pouco mais perto de chegar ao chão com os sapatos na mão. Ela olhou pra irmã com cara culpada e pedindo uma ajuda.

-Já estamos de saída - disse por fim.

Quem eram aquelas duas? O que estavam fazendo na casa de Jungkook?

Espera aí.. será que elas estavam com ele? Não acredito nisso..na minha cara?

-Vocês dormiram com ele? - perguntei por fim assim que elas já estavam alcançando a porta. Uma -a que estava com os sapatos na mão- me olhou e ficou um pouco receosa de falar, mas tratei logo de consertar - Tudo bem, pode dizer! Nosso casamento é aberto.. - continue falando e vendo que não estava nem um pouco convincente - Sabe, eu queria saber porque quero me certificar de participar da próxima vez. - dei um sorriso esperando ter passado um pouco de verdade.

Elas se olharam e pareceram relaxar. Uma veio até mim e estendeu a mão. Quando toquei me puxou e deu um selinho demorado em minha boca.

-O QUE É SIGNIFICA ISSO? -Jeon desceu as escadas vestindo uma calça de flanela e parou ao meu lado. - Quer porra é essa Lizzy?

A mulher ficou um pouco surpresa com a reação dele e quando ia falar sua irmã a interrompeu se juntando a nós.

-Ela disse que queria participar da nossa próxima festinha.. - falou apontando pra mim. Jeon arregalou o olhos e falou baixinho no meu ouvido.

-Você disse isso? - me olhava com dúvida.

-Ela disse sim. Você sabe que nunca a puxaria para um beijo se soubesse que ela não queria. Da próxima vez poderíamos convida-la - falou a tal Lizzy.

-Não, não poderíamos. Vão embora, depois eu ligo para marcar algo. - Jeon puxou meu braço me arrastando até o sofá enquanto as gêmeas iam embora.

-O que tem a dizer sobre isso? - sentei no sofá e apenas raciocinei o que tinha acabado de acontecer.

Duas mulheres..Jeon Jungkook..irmãs..gêmeas..

-Vo..você dormiu com duas irmãs? Elas são gêmeas! - falei admirada - Gêmeas.. irmãs.. você e elas duas.. - acho que estava falando mais pra mim do que pra ele.

-É isso o que tem para dizer? Está impressionando porque peguei irmãs gêmeas? - começou a rir e se sentou ao meu lado - eu já transei com mãe e filha.

O que? Aquilo já era muito pra mim. Mãe e filha? Ele só podia estar mentindo. Não tinha como.

-Mãe e filha? Você é louco! - falei olhando bem nos seus olhos - Isso vai contra.. contra.. - me levantei do sofá - Contra a igreja, contra os princípios, contra a moral.. contra.. contra...

Jeon ria mais do que antes e até começou a chorar por causa disso. Passou a mão nos olhos afastando as lágrimas e acabou rindo de novo.

-Sou uma palhaça por acaso? Tenho cara de comediante? -sua expressão logo mudou e seu olhar frio voltou mais uma vez - De.. desculpe, senhor! - falei olhando para os meus pés pois sabia que tinha passado um pouco do limite.

-Sabe.. - começou - De todas as coisas que eu faço você vem reclamar da forma que eu transo. Estou nem ai para o que os outros vão pensar, minhas contas quem paga sou eu, portanto.. - se levantou e falou no meu ouvido - ..não devo satisfações a ninguém.Ah, a cena que vi hoje me deu uma ótima ideia para fazer algo com você.

Um arrepio subiu pela minha coluna. Eu nunca tinha beijado uma mulher e, realmente, não queria fazer isso de novo. Nada contra praticar coisas novas, mas não. Não mesmo.

Jeon saiu da sala se dirigindo pra cozinha me deixando um pouco aflita com sua afirmação. Eu,(S/n), não iria ter qualquer coisa com nenhuma mulher, não mesmo.

Subi ao quarto esperando para comer depois que ele fosse trabalhar, mas lembrei que era sábado.. droga. Por que, Deus? Eu teria que passar o dia todo sem fazer nada pois não me atrevia a andar por ai e faze-lo lembrar 'daquilo' que estava pensando.

Minha barriga roncou e relutantemente me dirigi até a cozinha.

A cozinheira,me deu ovos mexidos e uma panqueca com mel para comer. Fiz um suco de laranja depois de insistir muito que eu conseguiria fazer isso sozinha. Maria parecia ser uma ótima pessoa e não queria bota-la em apuros, mas um suco.. meu deus, eu sabia espremer algumas laranjas para fazer um suco.

Quando deu 10 horas resolvi fazer algo da minha vida. Queria um computador para ficar me entretendo e mandei uma mensagem para senhora Kimy perguntando se eu podia pedir um. Eu já sabia da resposta mas mesmo assim senti uma pontada de decepção ao olhar o "NÃO" que tinha na mensagem. Fiquei deitada o resto da manha na cama e só parei quando deu 1 da tarde e fui almoçar.

Julie disse que Jungkook tinha saído e dei graças à Deus por isso. Eu não tinha me importado com o fato dele ter transando com duas mulheres, mas com o fato de ter sido no quarto ao lado me incomodou uma pouco. O que foi? Não existem mais motéis pela cidade? Faça-me o favor.

Depois de assistir três filmes e tentar conversar com a lavadeira, que não me disse nem sequer o nome, resolvi colocar uma música no meu celular e ficar escutando baixinho. Ouvi gritos vindo da sala e sabia que Jeon tinha chegado. Continuei no meu canto sem me importar em saber o que tinha acontecido. Porém, percebi que os gritos não eram de Jungkook, mas sim de uma mulher.

Saí rapidamente da cama achando que tinha algumas de suas ''amantes'' gritando com ele lá embaixo. Voltei pro quarto e peguei meu celular a fim de filmar qualquer barraco que tivesse para possíveis chantagens futuras.

Eu definitivamente,amo barracos.

Me surpreendi ao saber que era Minhee gritando e apontando para o machucado que tinha no braço de Jungkook. Desci rapidamente as escadas e parei ao lado de sua mãe.

-(S/n)!! - falou me encarando - Por que você deixou esse menino fazer de novo isso?

Fiquei sem entender o que ela estava falando. O que seria 'isso'? Era algo que eu deveria saber?

Me surpreendi ao notar o jeito que ela falava com ele, parecia que o tratava como se tivesse 15 anos.

-Mamãe.. pare com isso. Não me trate como se fosse um adolescente irresponsável.

-VOCE É UM IRRESPONSÁVEL - virou pra mim - Minha querida, por favor, dê um pouco de juízo nesse menino. Eu não acredito que ele foi de novo se envolver com esse tipo de coisa.

-Eu..eu não o deixarei fazer mais. Na verdade.. - ela não podia achar que eu era uma péssima esposa - Ele foi sem eu saber.

-O QUE? - gritou e se dirigiu até Jungkook - Você - apontou o dedo na cara dele - Mal está casado e já esconde coisas de sua esposa? Eu não estou acreditando. Jungkook.. me escute bem - parou e olhou pra mim e sorriu - eu quero um neto.

Agora já entendi de onde veio toda essa bipolaridade de Jungkook.

Eu quase engasguei nessa hora e Jeon apenas arregalou os olhos sem acreditar no que sua madrasta/mãe tinha falado.

-O que.. o que isso tem.. - Jeon parecia que não conseguia falar

-Estou avisando - ela andou e segurou minha mão - sabe, eu sempre sonhei em ter um neto.. acho que até já disse. Jeon já me causou muita dor de cabeça e parece - o fuzilou com os olhos e virou pra mim - que não irá parar. Acho que só um filho para por um pouco de juízo na sua cabeça.

-Minhee.. - falou Jungkook com sua voz autoritária - Você não pode simplesmente exigir que eu tenha um filho.(S/n) ainda é muito nova e não está preparada. Ela ainda vai estudar e só depois pensaremos no caso.

-Você! - se voltou a ele - Não use esse tom comigo. Sim, eu posso fazer com que você tenha um filho. Não passei a empresa totalmente para as suas mãos.. essa é a minha condição.

Jungkook pareceu se assustar com o que sua mãe falou e ficou calado. Eu tinha que me intrometer nisso, eu não teria um filho porque Jungkook queria assumir a empresa.. ah, não teria.

-Senhora Minhee... - comecei

-Apenas “Minhee”. - falou sem olhar pra mim e encarando seu filho.

-Eu.. bem, eu só tenho 18 anos e ainda pretendo fazer uma faculdade de arquitetura..

-Por que não começou? - me cortou.

-É.. tive alguns problemas na minha vida e acabei sem conseguir fazer um vestibular. Pretendo começar próximo ano.

-Comece esse ano - falou por fim.

Ai Jesus, essa mulher estava maluca. Falava como se ter filho fosse algo como comprar uma roupa.

-Eu.. - falei sem ter o que dizer.

-Mamãe! - Jeon veio ao meu lado passando o braço pelos meus ombros – (S/n) teve alguns problemas familiares um pouco sérios e agora não é o momento para estudar. Na verdade, ela ainda nem sabe realmente se quer arquitetura.. pretende estudar mais um pouco as opções e decidir com calma seu futuro.

Nossa.. relaxei de imediato. Minhee ficou nos encarando por alguns segundo quando veio até a mim e pegou minha mão.

-Eu não sei o que aconteceu na sua família, mas não deixe que interfira na sua nova vida. Na MINHA - olhou pra Jungkook - Empresa tem um setor de arquitetura e você pode perfeitamente fazer um 'pré estágio' só para entender melhor como funciona e decidir se quer fazer o curso ou não.

Achei uma ótima ideia, alias, era perfeita. Jeon segurou com força meu braço como se alertando para ficar calada.

-Eu adoraria - abracei Minhee e sorri - obrigada.

-Jungkook.. seja mais dócil e perceba esta mulher linda que você tem. Eu não acredito que não pensou em leva-la até a empresa. - Jeon sorriu sem jeito

- A coisa do neto eu ainda pretendo entrar no assunto... voltarei em breve.

Antes de chegar na porta virou e falou

-Cuide do braço dele. -e se foi.

Depois de tudo que aconteceu nem consegui reparar que o braço de Jeon estava machucado e sangrando. Me virei para olhar o que se passava e ele apenas saiu subindo a escada. Fui atrás dele preocupava com o a marca de vermelho na sua blusa branca. O que ele fazia que deixava sua mãe tão irritada?

Jungkook fechou a porta com força e fiquei um pouco receosa de abrir. Última vez que tinha feito isso.. bem.. acabamos transando. Fui até a Julie e perguntei se tinha algo para passar no machucado dele e prontamente recebi um kit de primeiros socorros.

Fiquei sentada no sofá da salinha dos quartos esperando algum movimento, algum barulho por parte dele. Depois de 20 minutos resolvi bater na porta. Jeon abriu e ficou admirado em saber que era eu.

-O que? Quem mais poderia bater na sua porta? - falei entrando no quarto.

-O.. - pareceu assustado com a minha audácia e nem conseguiu falar.

-Não precisa responder... eu sei quem poderia bater na sua porta - olhei parecendo pensar e falei - Lizzy e.. qual será o nome da outra? Lyla? Lana? Deve ser algo parecido.

Jeon começou a rir e me senti confortável pelo clima que tinha se formado no quarto. Parecia que éramos amigos apenas rindo de alguma besteira que tinha acontecido.

-O que faz aqui? - parou de repente com o riso e me fitou.

-Eu.. - levantei a malinha que tinha o desenho de uma cruz - Vim ver seu ferimento.

-Desde quando você sabe cuidar de ferimentos?

Lembrar disso me remete a um lado da minha história que queria esquecer pra sempre. Tive que cuidar da minha avó que estava doente e possuía várias machucados feito pelo enfermeiro que 'fingia' ajudar. Minha mãe queria se livrar o máximo de toda aquela responsabilidade e me culpava toda vez que ela aparecia com alguma ferida.

-(S/n).. - Jungkook chamou me fazendo voltar a realidade.

-Apenas sei.. - dei de ombros. - Deixe-me ver isso.

Ele ficou um pouco tenso com a minha aproximação, certamente pensava que iria botar ácido no machucado dele.. bem, até poderia fazer isso.

O fiz sentar na cama e comecei a tirar a sua blusa de manga. Jungkook ficou com o olhar fixo em mim enquanto passava meus dedos levemente por sua pele a fim de tirar aquele pedaço de pano que o cobria. Um arrepio subiu pelo meio das minhas pernas e fiquei um pouco incomodada com essa sensação. Peguei a maletinha e coloquei álcool na sua feriado o fazendo mexer um pouco. Não parecia ser nada grave, sua pele tinha um corte mas não era profundo. Depois de limpar peguei uma gaze e fiz um curativo ali. Quando me virei para ir embora Jeon me puxou e acabamos deitados na cama com ele por cima de mim.

-O que pretende com isso? - sentou na minha barriga com uma perna em cada lado do meu corpo.

-Com isso o que?

-Você sabe.. cuidado de mim sem motivo.- olhou de lado

-Na verdade - ri um pouco - eu pretendia botar ácido na sua ferida, mas acabei não encontrando - fiz uma cara de decepção.

-Ácido? - riu divertido - você queria que eu ficasse sem braço?

-Não seria tão ruim vai.. você ainda tem outro.

Jungkook se deitou por cima de mim prendendo meus braços a cima da cabeça com uma mão e a outra começou a alisar meu corpo.

-Como poderia fazer isso com apenas um braço? - falou no meu ouvido me causando arrepios.

-É.. - o que ele tinha falando mesmo? Ah sim.. - você poderia não me prender.

Riu baixinho e continuou:

-Você não gosta que eu te prenda? - passou o nariz pelo meu pescoço me fazendo arrepiar ainda mais - Seu corpo parece gostar do que eu faço.

-Eu.. é..eu... é - fechei os olhos e fiquei aproveitando esse momento. Seu corpo estava muito quente em cima do meu e comecei a sentir sua excitação se formar.

-É...? - riu baixinho – ‘É’ o que? - ele soltou meus braços e botou o cotovelo de cada lado do meu corpo olhando fixamente no meu olho.

-Ahn? - não conseguia raciocinar. Jeon percebendo meu estado se esfregou vagarosamente em cima de mim, soltei um gemidinho e ele riu torto.

-Não parece que não gosta de ser presa.. seus braços estão do mesmo jeito que eu deixe me incentivando a voltar ao que estava fazendo.

Foi ai que parei e reparei que meus braços ainda estavam estendidos e corei instantaneamente. Droga, o que ele estava fazendo comigo?

-O que você quer de recompensa pelo curativo? - quero que você me coma agora, quase gritei.

-Eu não quero nada, Jeon. Apenas achei certo fazer isso.. nada mais.

-Ah.. essa boquinha não me engana. - passou o dedo pelos meus lábios me fazendo tremer- Sei de muitas coisas que gostaria de vê-la fazer - passou a língua nos próprios lábios.

-Co..como o que? - será que ele vai me beijar? Está tão próximo.. só um pouquinho, vai. Ele encostou os lábios nos meus me fazendo fechar os olhos, ao invés de me beijar falou:

-Como vê-la tocando a boca da Lizzy. Fiquei excitado só de imaginar você duas..

O empurrei com força antes que continuasse com aquela barbaridade. Meu Deus, eca! Não. Quando estava saindo do quarto apenas disse:

-Se está querendo tanto que eu pretenda algo em troca do que eu fiz... aceito um notebook - sorri por dentro e bati a porta do quarto.


Notas Finais


Até o próximo! ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...