História Obsessão - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Suga
Tags 3shot, Hoseok, Hoseok!top, Jihope, Jimin, Jimin!bottom, Lemon, Pwp, Threeshot
Exibições 242
Palavras 2.767
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Slash, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Lembra que eu falei que essa fic acabaria no cap 2 por ser uma 2SHOT? Então, eu acabei decidindo que haverá mais um cap pq senão ficaria muito grande e eu sei que geral tem preguiça de ler, então por isso que terá 3 cap ao inves de 2. Bom... é isso, espero que leiam! tchau ☻
ZAI TE AMU ♥

Capítulo 2 - Capítulo 2


Fanfic / Fanfiction Obsessão - Capítulo 2 - Capítulo 2

                                                              Capítulo 2

                                                             01.11.2016       

 

Com os olhos inteiramente concentrados na tela do aparelho celular, as pernas depositadas na mesa de madeira que adornava a sala de seu escritório e os lábios curvados em um sorriso divertido, Jung Hoseok nem mesmo percebeu o momento que seu melhor amigo adentrou o cômodo, tendo que pigarrear várias vezes para lhe chamar atenção, já que esta parecia estar toda voltada para uma certa conversa que o ruivo estava tendo virtualmente.

- Parece que o assunto está mesmo bom – Min Yoongi ironizou assim que teve os olhos assustados em sua direção. – Qual é o motivo desse sorriso todo? – Questionou, aproximando-se do ruivo e sentando-se na mesa dele. – Vai me dizer que é aquele cara estranho que você vive conversando? – Suspendeu uma sobrancelha inquisitivamente, esperando por respostas.        

Hoseok revirou os olhos, mas logo mordeu o lábio e deixou que um sorriso maior crescesse um pouco mais neles.
Levou a mão até a nuca e penteou alguns fios alaranjados ali, apenas para direcionar o olhar para a face do amigo intencionado a respondê-lo e contar-lhe a novidade.

- Sim, é ele mesmo. – Retrucou ainda sorrindo, preparando-se para o suspiro incomodado que receberia em troca de suas palavras. – Marcamos um encontro...

- Você o quê?! – Seus olhos só faltaram saltarem das caixas assim que ouviu a confissão do amigo. – Você está louco?! – Perguntou exaltado, observando o ruivo apenas suspirar baixinho. – É isso... Você está louco! – Suspirou irritado levantando-se e passando as mãos nos cabelos negros. – E se esse cara for um assassino? Um estuprador? Um psicopata? Serial Killer... Sei lá... – Balançou a cabeça várias vezes deixando claro seu descontentamento sobre aquele assunto. – Você tem merda na cabeça? Por que vai se encontrar com alguém na qual nem o nome você sabe?

- O sobrenome dele é Park... – Hoseok retrucou baixinho, mas logo se encolheu quando ouviu o rosnado do mais velho.

- E existe quantos “Park” nessa porra de mundo, em Jung Hoseok? – Bradou, só faltando avançar no melhor amigo e enforca-lo por ser tão ingênuo e descuidado. – Você é realmente um cara louco! Eu espero muito que ele não tenha intenções ruins contigo. – Yoongi falou aquelas últimas palavras baixas, logo virando os calcanhares e caminhando até a porta de saída da sala. – Pelo menos deixe o GPS do seu celular ligado. Não quero correr o risco de te perder para um psicopata. – Dito isso, ele saiu do cômodo, pisando forte no chão e batendo a porta com mais força do que o necessário.

Hoseok apenas suspirou, logo esfregando o rosto com as mãos e murmurando alguns palavrões baixinhos para si próprio. Sabia que Yoongi tinha razão. Sabia que não pode se arriscar dessa forma, marcando encontro com um desconhecido simplesmente por ter se apaixonado por suas conversas virtuais. Sabia que era errado, porém, não era como se não estivesse disposto a errar. Na verdade, Hoseok nem mesmo estava raciocinando direito. Apenas queria se encontrar com aquele que o despertou sentimentos avassaladores com apenas meses de conversa na internet. A curiosidade de saber a identidade daquela pessoa interessante e misteriosa pela qual passou meses e meses trocando mensagens, o deixava intrigado e, agora que o próprio Park resolveu lhe encontrar – depois de tantos pedidos seus –, achava que não deveria perder a oportunidade de forma alguma.

Precisava se encontrar com o responsável pelas suas incontáveis noites em claro.

 

                                                                  ✉✉✉

 

 

Ajeitando cuidadosamente os óculos nos olhos, Jimin se empenhava em carregar aquele amontoado de papéis em sua mão esquerda enquanto com a outra se esforçava para endireitar os óculos que havia escorregado pelo seu nariz. Estava tão embaraçado em suas tarefas que nem mesmo percebeu quando se esbarrou em uma silhueta alta e distraída, no corredor da empresa onde trabalha.

- D-desculpe – Ele pediu tímido, temendo a encarar o ruivo assim que percebeu que era ele o responsável pela bagunça que havia acabado de acontecer com seus papéis no embate. As folhas haviam se espalhado por vários cantos pelo corredor.

Hoseok, que até então não havia reconhecido Jimin, franziu o cenho assim que teve lembranças do rosto do garoto. Fazia tempos que não o via, afinal, desde o dia em que cortaram qualquer tipo de relação – há pouco mais de dois anos – que eles não tem trocado se quer uma única palavra. Sempre via o garoto pelos corredores da empresa, mas nunca foi de se importar muito com o fato de não conversarem mais. Agora, vendo-o mais de perto, ouvindo sua voz, foi que o mais velho se permitiu lembrar o motivo do afastamento: Jimin, aquela criança, havia se declarado para si quando ainda era um simples estagiário.

- Eu que fui o desastrado. – Hoseok falou, ajudando Jimin a recolher as folhas espalhadas; logo as entregando e encarando-o com certa curiosidade. Na verdade, o ruivo apenas se perguntava se o mais novo ainda o enxergava daquele modo “romântico” como há dois anos. Na sua mente, provavelmente, depois de todo aquele tempo; era óbvio que o moreno já havia se desprendido daqueles sentimentos há tempos. Possivelmente já deveria ter arranjado outro alguém de sua idade e, por causa desses pensamentos, que o Jung resolveu puxar algum assunto. – Você está bem? – Questionou, não destruindo o contato visual com o outro.

Jimin apenas assentiu de leve, deixando-se perder completamente nas feições maduras e bonitas do maior. Ainda era completamente louco pelo alaranjado, mesmo que o mesmo tenha o rejeitado, o sentimento ainda existia avassalador dentro de si. Chegava a ser desconfortável encara-lo naquele modo, tão de perto, tão de longe ao mesmo tempo.

- Eu soube que você foi contratado para ser funcionário oficial da empresa porque foi um bom estagiário. – O ruivo sorriu largo, demostrando todo seu carisma com seus dentes alvos e alinhados. – Fico feliz... Você parece bem competente. – Completou, percebendo que Jimin vacilou sob seus olhos intimidantes. – Bem, vou indo então. – Levantou-se, logo estendendo a mão e suspendendo o moreno junto. – Boa sorte no trabalho. – Foram suas últimas palavras antes de se afastar. – Espero te ver em breve. – Elevou seu tom de voz para que fosse escutada e acenando um “tchau” com a mão.

Jimin apenas suspirou. Mordeu o lábio com força e sorriu vitorioso em seguida. “Claro! Eu também espero te ver em breve... Muito em breve” Foi à resposta que sua mente elaborou. “Muito mais breve do que possa imaginar”

Quem diria que aquele garoto tímido conseguia gargalhar daquele modo tão sarcástico e presunçoso como estava fazendo naquele instante.

 

                                                                 ✉✉✉

 

O sorriso que brotou nos lábios cheios assim que vislumbrou seu trabalho bem feito, foi reconfortante depois de quase duas horas arrumando aquele quarto espaçoso na qual havia marcado o encontro com Hoseok.

Tudo parecia estar caminhando exatamente pelo caminho na qual o moreno havia planejado durante aqueles dois anos que se passaram depois do seu juramento após a rejeição do ruivo. Park Jimin se quer estava brincando quando jurou que faria Hoseok vê-lo como um homem de verdade e não como uma criança igual o próprio vivia fazendo questão de joga-lo na cara. E, depois de ganhar a confiança do mais velho virtualmente, ocultando sua verdadeira identidade, Jimin se sentia confiante o suficiente para seguir com seu plano.

Aquela será finalmente a noite pela qual havia sonhado durante tanto tempo.

Aquela será finalmente a noite onde fará Jung Hoseok enxergá-lo com outros olhos.

Aquela será finalmente a noite que fará o mais velho implorar para ser tocado, para toca-lo, para saciar o desejo que haverá em seu corpo fraco e submisso.

Jimin havia calculado tudo mentalmente, desde o momento que conseguiu o número do ruivo e mandou-lhe a primeira mensagem, ao momento que lhe enviou o último torpedo, marcando o lugar e o horário que aconteceria o tão almejado encontro.

Parecia até mentira, mas Park Jimin conseguiu se conter durante aqueles dois longos – e quase enlouquecedores – anos apenas para que tudo saísse perfeito. Ele era obcecado, sabia bem disso. E, por ser um obcecado perfeccionista, que fez o mais velho se apaixonar perdidamente pelo estranho “Park” na qual se habituou a conversar diariamente, antes de colocar tudo o que havia mentalizado em pratica.

Fará Hoseok delirar naquela noite.

Fará Hoseok implorar para ser tocado pela criança que rejeitou há dois anos.

Os pensamentos do Park soavam um pouco psicopatas, não? Mas aquilo tudo era culpa exclusiva de palavras frias e duras, da rejeição, do descontento em não ser correspondido.

Aquilo que era um amor simples e inocente havia dado lugar a uma obsessão fria e cheia de malícias.

O que antes era: “Eu quero muito ser correspondido” “Eu quero muito que o Hobie-Hyung goste de mim, assim como eu gosto dele” “Eu quero muito ouvir palavras de amor vindo dele” “Eu quero muito que ele me ame também” Havia mudado para: “Ele tem que se apaixonar por mim” “Ele tem que implorar para me tocar” “Ele tem que gemer o meu nome” “Ele tem que me amar” Seus pensamentos mudaram drasticamente, mas seu desejo ainda era o mesmo: ter Hoseok.

 

                                                                   ✉✉✉

 

Jogando todos os fios alaranjados da franja úmida para trás, Jung Hoseok observava seu reflexo de frente para o espelho enquanto se aprontava para o tão esperado encontro com o misterioso “Park”. Queria estar perfeito para aquele encontro e, por conta disso, não hesitou em perder tanto tempo de frente para o espelho procurando defeitos em seu corpo e rosto; intencionado a oculta-los com maquiagem. Acabou suspirando frustrado quando percebeu que não havia muito o que concertar em si. Por isso se contentou em fazer uma maquiagem bem simples em sua pele e realçar apenas o mínimo de seus olhos penetrantes e já havia encontrado a “perfeição” com apenas aquilo.

Suas vestes também foram escolhidas cuidadosamente. Hoseok sentia-se seguro e confiante dentro daquela calça social apertada que realçava suas coxas e pernas e o deixava com o bumbum um pouco mais avolumado do que o normal. A camiseta branca, também social, parecia lhe cair bem, com os botões abertos até o meio do peitoral deixando uma parte do seu tórax completamente exposto e lindamente sensual. A gravata discreta no pescoço, usada como uma espécie de “colar” ou algo similar completava o look perfeitamente, o deixando ainda mais indescritivelmente sedutor do que já conseguia ser sem toda aquela produção.

Seu corpo estava perfeito dentro daquelas roupas sociais, sua maquiagem estava muito bem feita e discreta, seus cabelos ruivos, jogados completamente para trás, o deixando com um ar mais maduro. Ele estava perfeito, finalmente, depois de mais de uma hora se aprontando, ele havia encontrado a perfeição em seu próprio reflexo.

- Perfeito! – Ele murmurou para si próprio enquanto se encarava através do espelho e sorria ladino para o mesmo. - Chegou a hora – Riu suspirando, ansioso. – Finalmente. – Lambeou os próprios lábios deixando-os úmidos e apetitosos.

Logo ele deixou o quarto, encarando o relógio grande em seu pulso e certificando-se de que faltava pouco para o horário marcado pelo “Park”. Tirou o celular do bolso, olhando cuidadosamente a última conversa que tivera e mentalizando o endereço que havia gravado nas mensagens; logo guardando o aparelho novamente no bolso frontal da calça e preparando-se para sair de casa rumo ao lugar onde agora alarmava em sua mente repetidas vezes.

 

...

 

Assim que chegou exatamente no lugar marcado, Hoseok estacionou o carro próximo à casa que havia descrito no endereço e saiu dele, logo passando os olhos pela rua escura e procurando pelo número da residência que “Park” havia lhe dito por mensagem. Não demorou muito para encontrar, mas logo seu cenho franziu quando percebeu que se tratava de uma casa comum e não de um estabelecimento como achava que seria. Não que estivesse com medo, contudo, seu sangue deu uma esfriada leve assim que teve aquela descoberta.

As palavras de Yoongi martelaram em sua cabeça, fazendo-o parar para pensar se valeria mesmo apena correr aquele risco. Afinal, estaria se arriscando demais se resolvesse adentrar aquele cômodo sem ao menos saber o que havia ali dentro, ou pior, quem havia ali dentro. Poderia ser qualquer um, como o próprio Min havia dito, desde uma pessoa comum a um psicopata assassino. Era arriscar tudo ou desistir, e, depois de muito ponderar, o ruivo decretou que não havia passado uma hora na frente do espelho se produzindo apenas para desistir de tudo no fim das contas.

Iria se arriscar, mesmo sem saber se aquela seria a opção correta a escolher.

Com os dedos um pouco trêmulos, o alaranjado segurou firme da maçaneta prestes a girá-la e adentrar o cômodo com certo receio rodeando sua mente quente. Acabou suspirando aliviado assim que conseguiu finalmente abrir a porta, logo tendo uma visão ampla do corredor extenso da casa. Não havia ninguém ali e, mesmo com o medo gritando no seu pé de ouvido, ele adentrou o lugar; fechando a porta atrás de si e caminhando pelo chão vasto do corredor.

O cheiro forte de perfume doce atingiu suas narinas, o embriagando de imediato. O homem calculava cada passo dado; temendo ao que poderia acontecer caso Yoongi tivesse razão em suas palavras, caso Park seja um psicopata assassino, mas tudo parecia estar tranquilo até então.

Apesar de estranhar a recepção não recebida, ele continuou passando pelo corredor devagar, até se deparar com um quarto amplo e bem decorado que exalava um odor fortíssimo de perfume recém-borrifado. Havia velas por todos os lados, deixando aquilo tão intrigante e misterioso que acabou lhe arrancando um sorriso presunçoso com seus pensamentos nada castro. Uma cama com lençóis de seda, vermelhos e chamativos, adornava o canto principal do cômodo.

Hoseok tinha certeza que cada canto ali havia sido perfumado pelo cheiro forte que o lugar esbanjava.

Estava adorando a ideia de ter aquele encontro ali, por mais louca que parecesse ser. Era arriscado, era errado, parecia tão certo e...

Delicioso?

Hoseok gostava do perigo. Gostava daquelas sensações que o medo lhe proporcionava. Desde o friozinho na barriga a incerteza se havia escolhido a opção certa para seguir. E, saber que Park estava jogando um joguinho de coragem consigo, acabou o despertando ainda mais interesse naquele estranho.

Precisava vê-lo, ou acabaria enlouquecendo.

Já estava se acostumando com o ambiente, seus olhos já havia gravado cada canto daquele quarto, sua mente havia memorizado o cheiro daquele perfume doce que pairava por ali, tudo estava contribuindo para que aquele encontro ficasse marcado como uma tatuagem em sua memória.

Tudo parecia estar indo bem, mas a curiosidade ainda o torturava por dentro. Afinal, onde o misterioso Park estaria? Se seu relógio – e o relógio que havia pendurado na parede daquele quarto – não mentem, ele já deveria estar ali há alguns minutos. Hoseok acabou suspirando frustrado, deixando que ansiedade agoniasse seu interior, mas logo procurando se acalmar. Iria esperar por mais alguns minutos, talvez Park não demorasse muito a chegar, não é mesmo?

Ele só não esperava que a luz acabasse se apagando de repente, deixando tudo extremamente escuro, fazendo seu coração disparar freneticamente com o susto.

Teria faltado luz? Ou aquele seria o seu fim?

- O que está acontecendo?! – Ele quase gritou assim que se recuperou do susto. Levou a mão até o bolso de sua calça e iluminou o lugar com a luz do visor do aparelho. Mas, ainda sim, não poder visualizar muito o que estava acontecendo ao seu redor. Seu coração acabou acelerando ainda mais quando ouviu passos lentos em sua direção. – O você quer? Vai me matar? – Perguntou assustado. Sua voz estava tremula e tudo.

Jimin, que até então apenas observava Hoseok de longe e o admirava mentalmente, sorriu vitorioso assim que percebeu o pânico na voz rouca dele. Ele havia ficado uma delicia naquelas roupas, o Park estava até com dó de arranca-las.

- Shh – Jimin murmurou aproximando-se devagar. – Não seja tão barulhento... – Ele sussurrou. Sua voz estava camuflada, era quase impossível descobri-lo com aquele tom tão baixo que estava usando.

- Park? – Hoseok sugeriu incerto. Não sabia o porquê, mas achava que ficaria bem mais tranquilo se o outro respondesse um “sim”. Era como se existisse uma certa confiança naquele estranho apenas pelo nome que ele carregava.

- Park? – Jimin perguntou sugestivo com a voz esganiçada. – Se você prefere assim... – Riu baixinho, se encostando no outro e segurando-lhe as mãos. – Estava ansioso para o nosso encontro? – Murmurou arrastado rente a orelha do Jung. – Confesso que eu estava, e muito... – Direcionou a mão do mais velho até a própria cintura, incentivando-o a toca-lo. – Vamos... Vamos brincar... – Foram suas palavras antes de fazer Hoseok suspirar e jogar a cabeça para trás simultaneamente.

Hoseok nem mesmo sabia como era o rosto daquele estranho, mas sabia de uma coisa: Iria fode-lo, não importa qual seja sua aparência.


Notas Finais


ESPERO QUE N DESISTAM
ATÉ O PROXIMO E ULTIMO ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...