História Obsession - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 7
Palavras 1.828
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Se curtir... ajude a divulgar!!
Obrigada 😙

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Obsession - Capítulo 1 - Capítulo Único

- Eu sei que depois de tudo o que aconteceu eu jamais poderia pedir uma coisa dessas. Mas é que eu te amo tanto que só em imaginar que você não queira ou não possa ficar comigo, dói aqui dentro, não sei te explicar, mas é uma dor que vai rasgando de dentro para fora e é difícil imaginar que algum dia será curado. Não me imagino com outra pessoa que não seja você, eu nunca imaginei que eu me apaixonaria tão verdadeiramente. Espero que eu ainda tenha um lugar em sua vida. – Disse ela adentrando em minha casa.

- O que aconteceu pra você mudar de ideia? - Perguntei sem entender nada.

- Eu devia ter escolhido você desde o começo, mas eu achei que estava fazendo a coisa certa escolhendo ele, quando na verdade a minha escolha certa é você. – Lágrimas escorriam por seu rosto, a sentei no sofá e lhe entreguei um copo de água. Sentei-me ao seu lado, esperei que ela se acalmasse para que conseguisse falar mais alguma coisa.

Milena ainda estava com a roupa de quando a vi mais cedo, uma calça jeans azul escuro e uma blusa de alcinha branca de seda, sua maquiagem leve que agora estava borrada por lágrimas. Eu já imaginava o motivo de seu pranto mas deixaria que ela conseguisse falar.

- Eu não sei se você ainda me quer, mas caso você me aceite, nunca mais sairei do seu lado. – Milena conseguiu falar depois de um tempo, seus olhos azuis brilhavam.

- Me conta o que aconteceu... – Pedi com calma.

- Flagrei Juan com sua secretária num motel, eu sei o que você pode pensar, precisou disso pra mim acordar. Mas eu estou aqui de coração aberto pedindo pra você me aceitar.

- Antes de te aceitar, preciso te contar uma coisa. – Falei e ela me olhou séria.

- Eu já sabia que ele te traia. – Contei

- Por que você nunca me contou? – Perguntou ela se levantando do sofá.

- Porque você diria que eu estava mentindo, que eu estava te contando pra ficar com você. Você confiava cegamente nele, jamais acreditaria em mim.

Suas lágrimas voltaram a rolar por seu rosto, a abracei forte para lhe confortar, sempre senti raiva de Juan por fazer isso com ela. Milena não merecia ser traída de tal forma.

- Me Desculpa. – Disse ela baixinho.

Afastei-a do abraço, enxuguei suas lágrimas com meus dedos – Não precisa pedir desculpas, agora você sabe a verdade. E sim, claro que eu aceito você.

Em seguida, beijei-a com toda a minha alma, entreguei-me naquele beijo. Demonstrando-a que eu jamais a trocaria por outra qualquer, demonstrando que eu a amo muito e jamais a machucaria de tal forma.

Naquela noite Milena dormiu em meu apartamento, dormimos abraçadas sentindo a respiração uma da outra, agora eu tinha certeza que as coisas iam seguir de forma correta, sem interrupções. Na manhã seguinte Milena acordou nervosa, ela iria conversar com o Juan e pedir separação. Dei um beijo cheio de carinho e amor, e disse que estaria com ela independente da escolha dela. Milena saiu pela porta e antes de fechá-la atrás dela lançou-me um beijo e um sorriso. Mas, eu mal sabia que isso seria a última coisa que eu veria dela.

Narrador:

Enquanto isso...

Quando Milena pisou na casa que ela dividia com Juan, encontrou o mesmo muito irado na sala.

- Onde você passou a noite, Milena?

- Na casa de uma amiga. – Respondeu Milena com uma mágoa estampada no tom de sua voz. – Quero a separação, Juan?

Juan começou a gargalhar, mas uma gargalhada sem vontade, no seu jeito estressado olhou para Milena.

- Você não pode pedir separação sabe porque? – Juan perguntou olhando pra Milena com um olhar cheio de raiva, Milena apenas negou com a cabeça. – Eu te comprei, eu paguei por você. Seu pai, que você tanto venera, ele me vendeu você. Eu paguei uma nota por você. Você é minha, Milena!

Lágrimas escorriam por seu rosto, ela não queria acreditar naquilo, aquilo que ele cuspia pra cima dela não podia ser verdade, seu pai não podia ter feito uma coisa daquelas com ela, ela não merecia isso. Mas então ela se lembrou que diversas vezes seu pai havia pedido perdão a ela, e então tudo foi se encaixando, porque sua mãe foi embora de casa depois do seu casamento, porque seus irmãos passaram a olhar com pena. Tudo foi se encaixando como um quebra-cabeça, então Milena caiu de joelhos no chão cheia de lágrimas em seus olhos.

- Por que? – Perguntou Milena em meio aos prantos.

- Seu pai tinha uma divida enorme por causa de jogos, eu me comprometi a ajudá-lo é claro, em troca ele me venderia uma de suas filhas. – Juan se abaixou em frente a Milena e falou: - Se você quer separação, terá que me pagar o valor que dei a seu pai ou...

- Ou? – Perguntou ela com as poucas forças que restava em seu corpo.

- Morrer. Pra você se livrar de mim terá que morrer.

Milena foi arrastada por Juan até seu quarto, ela não tinha forças para andar e nem reclamar por ser tratada daquele jeito. Ela não sentia mais seu corpo, e mais uma vez como tantas outras, Juan arrancou a sua roupa e transou com ela, mas dessa vez foi praticamente um estrupo, já que Milena estava praticamente desmaiada e sem forças para se defender.

Milena acordou horas mais tarde com dor de cabeça e com dores em sua intimidade, e depois de tomar um remédio pra dor e um suco que havia em cima da cabeceira ao lado da cama, ela relembrou o que havia acontecido. Pegou seu celular e viu 5 mensagens, respondeu apenas um “Socorro”.

Enquanto isso...

Eu estava nervosa sem noticias de Milena, mandei mensagens e nada dela responder. Eu já me encontrava aflita sem noticias dela, pensei em ligar para sua casa mas o que eu diria, não sabia ao certo. Depois de rodar a casa inteira quase abrindo um buraco na sala roer até os dedos porque unha eu já não possuía mais recebia uma mensagem sua “Socorro”, agora eu entrei em desespero, o que eu faria? Peguei as chaves do meu carro e segui até sua casa, lá eu inventaria uma desculpa mas eu precisava vê-la. Em menos de 10 minutos cheguei em sua casa e encontro Juan na porta de casa.

- Mas o que devo a honra da sua visita?

- Gostaria de ver Milena. – Falei enquanto sustentava seu olhar.

- Ela está descansando, digamos que teve uma manhã agitada. – Respondeu ele com seu sorrisinho sarcástico.

- Por favor, Senhor Juan! Permita-me vê-la. – Pedi me forçando a ser educada.

- Sabe de uma coisa, vocês deviam me agradecer... – olhei-o assustada. Do que ele estava falando? – Eu permiti que minha esposa se divertisse com você, enquanto você se apaixonava por ela. Sabe, ela fica muito sozinha nessa casa, e quando ela encontrou um brinquedinho pra brincar eu até permiti... – Ele parou por um momento e aquele olhar sombrio dele que me assustava – Mas agora acabou a brincadeira, ela não vai mais se encontrar com você.

Eu queria questiona-lo e confronta-lo, como ele sabia dos nossos encontros, eu abri minha boca mas nada saia, eu não conseguia pronunciar nenhuma palavra, eu me encontrava em estado de choque.

- Você deve estar se perguntando como eu sabia dos encontros de vocês, pra você ver como eu sou bonzinho, vou te contar... – Disse ele com um sorriso sarcástico. – Tudo o que acontece dentro e fora da minha casa ou minha empresa e que é meu por direito, eu sei. Eu tenho bons funcionários, e claro um bom motorista, e que se você caso não saiba, quem paga o salario dele sou eu. Agora por favor, se retire da minha propriedade.

Caminhei lentamente até meu carro, eu ainda estava tentando entender o que tinha acontecido ali, ele sabia de tudo desde o começo. Que tipo de monstro possessivo Juan era?

Narrador:

Quando Juan voltou para o quarto onde Milena estava, encontrou-a sentada no meio da cama olhando para um ponto fixo na parede, sua mente tentava processar tudo o que Juan havia despejado pra cima dela.

- Seu brinquedinho esteve aqui, saiu desnorteada com tudo que eu esclareci a ela.

Disse ele, Milena virou a cabeça lentamente na direção de onde vinha a voz de Juan, mas é claro que ele não iria permitir a entrada.

- O que você ganha com isso? – Perguntou ela com uma calma que até então ela desconhecia.

-Simples – Respondeu ele com o sorriso sarcástico de sempre – Eu ganho poder. Porque vejamos, eu controlo tudo. E o que me fascina é o controle, as pessoas são tão previsíveis.

- Eu tenho nojo de você. – Disse Milena com raiva.

- Minha querida, eu já te falei quais são as condições pra você se livrar de mim. Fica a seu critério.

- Me mate logo. Está esperando o que? – Disse Milena cheia de raiva.

- Olha aqui garota, você que sabe. Pra mim não tem dificuldade nenhuma, tirar a porra da sua vida. Eu já fiz isso muitas vezes, mas ai depende de você.

Juan saiu do quarto, deixando uma Milena com raiva e nojo. Ela sentia raiva de Juan por uma vida de mentira e sentiu raiva de seu pai por destruir sua vida. Milena caminhou lentamente até seu closet e pegou um papel e uma caneta, escreveu umas palavras que provavelmente explicaria toda sua vida inútil.

Caminhou lentamente até a janela do seu quarto, ela olhou para baixo, era uma altura de três andares, pela mesma janela Milena olhou para o céu, era um dia ensolarado, a brisa que batia em seu rosto fez com que ela relembrasse o que vivera com a sua amada, os momentos que tivera com seus irmãos e a vida miserável que tivera ao lado de Juan. Deu mais alguns passos e se jogou para dar fim aquela vida de mentira, Milena não sentiria mais nada. E Juan estaria livre por algum tempo...

Horas mais tarde...

Eu tinha voltado da casa de Milena há algumas horas, eu estava jogada no sofá processando tudo o que Juan havia me falado. A campainha de casa tocou, quando atendi havia apenas uma carta no chão. Peguei-a e fechei a porta, a caligrafia da carta era de Milena.

“Oi amor. Quando você estiver lendo essa carta já não estarei mais nessa terra, o jeito que encontrei de me livrar do Juan foi a morte. Os problemas que meu pai tinha com os jogos resultou na venda de uma de suas filhas para o Juan, eu tive uma vida miserável e um casamento de mentira que eu nunca fui feliz. Os melhores dias da minha vida foi ao seu lado, eu não quero que você sofra por mim, quero que você siga sua vida e seja feliz, coisa que eu nunca fui. Eu amo você, sempre vou amar.”


Notas Finais


Quem sabe tem mais fanfics...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...