História Obsessive Passion - Capítulo 53


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Personagens Originais
Tags Luta, Romance, Trafico
Exibições 85
Palavras 1.460
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 53 - Red Code


Fanfic / Fanfiction Obsessive Passion - Capítulo 53 - Red Code

“Vai ficar tudo bem sweetie – Justin Bieber”

Merda de sorriso bobo senhorita Maya Blanc, o que pensa que está fazendo? Mas que droga de sorriso é esse? Isso não deveria acontecer, jamais deveria.

Maya observou aquela mensagem por alguns breves segundos até que ouviu seu nome ser pronunciado pela cozinha.

- Oi Jeremy –sorriu gentilmente bloqueando a tela do celular-

- Vi que você demorou, então vim se estava tudo certo por aqui.

- Oh, sim –disse atrapalhada indo até a geladeira e retirando uma garrafa de água-

- Mas não era refrigerante? –perguntou confuso ao ver a garrafa em sua mão-

- Mudei de ideia –sorriu nervosa dando um pequeno gole na boca da garrafa-

- Sabe... Eu sei o que meu filho faz... –Maya arregalou os olhos assustada- esse também é um dos motivos de não nos falarmos, só apenas o que não pode ser deixado de pronunciar –Jeremy sentou-se em um dos bancos cruzando as mãos a sua frente sobre a bancada- eu sei, nunca fui um bom pai –suspirou pesado encarando seus dedos- mas tenho medo de que algo de ruim aconteça a algum dos meus filhos –seu semblante triste era visível, ele percorreu com a mão direita a parte lisa do mármore até chegar no copo eu esta perto- eu amo o Justin –seus olhos se forçaram até a garota eu estava de pé paralisada ouvindo tudo- mas sei que ele me odeia, me odeia por não ter sido presente em sua vida e na da sua mãe, mas... –ele encarou o nada franzindo as sobrancelhas- eu fui fraco Maya, deixei o amor da minha vida partir, e não estive presente nos dias eu ela mais precisou, eu não estive presente nem quando foi para se despedir dela –ele sorriu de lado irônico a si mesmo- eu não culpo a Justin que me odeie sabe, também não o culpo por ter me expulsado do funeral de Pattie a socos e a ponta pés do cemitério, afinal, eu estava completamente bêbado –ele pegou o copo de cima e começou a analisar a vidraria- bêbado... Era o único jeito que eu tinha coragem de olhar minha mulher.

- É normal sentir medo Jeremy... –disse docilmente se aproximando dele devagar-

- Não Maya, não é! –engoliu em seco deixando seus olhos se encherem de lágrimas- não quando você se enfiava todos os dias dentro de um bar e enchia a cara até cair, não quando você não dorme mais na mesma cama eu sua companheira por que você não consegue a tocar como antes –ele bateu o copo sobre a bancada dando um leve susto nela- não quando você não a conseguia nem olhar nos olhos pra dizer o quanto a amava, mesmo a amando.

- Eu sei eu ela te perdoou Jeremy –disse tocando delicadamente em seu ombro-

- Eu sei disso também, o coração daquela mulher era inigualável  -sorriu de lado novamente encarando o copo- você me lembra ela, principalmente quando sorrir, você também tem um olhar firme igual o dela.

- Sinto muito por tudo.

- Eu também menina! –disse ficando de pé- eu só te contei tudo isso, por que era como se eu sentisse necessidade, quando te vi, antes mesmo de ir falar com você, senti uma energia muito boa, algo que me impulsionava até você, eu sei eu é estranho, mas eu precisava.

- Fico feliz por ter o ajudado.

- Muito obrigado!

Ele a abraçou inesperadamente, nos três primeiros segundos Maya não sabia o eu realmente fazer, mas depois quando sentiu o aperto em seu corpo ela o envolveu em seus braços também, por ais que seus finos e curtos braços não o envolvesse ele todo.

- Vamos bater os parabéns, eu sei que ele não virá.

- Tudo bem!

As horas foram se passando, logo, o pessoal foi se despedindo de Jazzy e se direcionando ao portão principal, eu não havia respondido a mensagem de Justin e o por que eu realmente não sabia já eu durante todo tempo eu lia e relia aquela mensagem. Jaxon havia dormido no colo de Jeremy e os olhinhos de Jazzy piscavam direto de tanto sono, ela estava encostada na perna de seu pai que estava sentado.

- Jaxon não vai tomar banho hoje –riu, observando o pequenino debruçado no ombro do pai- e você Jazzy? Que tal um?

- Eu também não quero! –Jazzy resmungou cansada-

- Ah, você vai sim mocinha! –Erin apareceu por trás de mim-

- Mas mãe... –fez beicinho-

- Jazzy... –repreendeu ela inclinando a cabeça pro lado-

- Vai ser bem rapidinho, quer que eu te ajude? –disse Maya estendendo a mão para ela-

- Tá bom –revirou os olhos batendo o pé-

- Levo já Jaxon –Jeremy disse antes que saíssemos-

Em menos de dez minutinhos Maya havia dado banho em Jazzy e até que ela não achou tão ruim assim um banho antes de dormir, quando saiu do banheiro encontrou Jaxon já todo acolchoado em sua cama, Jazz correu e pulou em sua cama na maior energia, onde era mesmo que estava aquele bendito sono de antes?

- Já vi que esse sono escapou –assim que ela disse ela bocejou deitando sobre a cama- ou não –sorriu cobrindo ela com a colcha- você gostou do seu dia meu bem?

Ela deu um enorme sorriso e afirmou com a cabeça.

- Mas meu irmão não estava na minha festinha Maya –ela fez uma carinha tristonha olhando pro lado-

- Ele teve que resolver umas coisinhas meu bem, mas foi ele que fez isso tudo pra você. Faz assim, amanhã de manhã quando você acordar, da um grande abraço nele e um tapinha no ombro dele, pra agradecer e reclamar –ela sorriu tampando a boca- certo?

- Sim!

- Agora você precisa dormir, quem será hoje?

- O azulinho!

Maya levantou-se da cama e pegou seu urso azul de cima da cadeira de balanço.

- Dorme bem meu anjo, e mais uma vez, feliz aniversário –beijou a testa da mocinha e saiu em seguida do quarto-

- Alguém dos meninos te ligaram? –perguntou Sophie assim que Maya se virou após fechar a porta-

- Ainda não –cruzou os braços um pouco agoniada-

- Já é tarde, e Ryan disse que ligaria quando desse –a expressão de Sophie era bem pior que a minha-

- Acho eu o celular descarregou –deu de ombros-

- De todos? –perguntou incrédula eliminando essa hipótese-

- Está tudo bem Soph, eles só não tiveram tempo ainda.

- Nenhum sinal Maya... –disse preocupada colocando as mãos nos bolsos de trás da calça-

- Eles chegam já, você vai ver! –abraçou ela de frente- que tal uma dose de leite morno?

- Preciso de um banho primeiro –disse respirando fundo-

- Banho e cozinha, certo?

- Ok!

- Te vejo em quinze minutos –falou andando em direção as escadas, onde no final do corredor ficava o banheiro alternativo-

Um banho nunca foi tão relaxante igual aquele, Maya se entregou toda aquela banheira redonda apenas com água e um pouco de sais passando os quinze minutos dado ao prazo de estar pronta e na cozinha, se enrolou na toalha e saiu pelo corredor até seu quarto, onde pegou uma camisola amarela meio curtinha, era mimosa e estava um pouco gastadinha mas nada que aparentasse.

- Tá atrasada! –disse Sophie colocando o leite já morno nos copos-

- Essa frase é minha –reclamou assim que entrou na cozinha-

Por mais que os risos circulassem naquela cozinha a preocupação sempre batia de volta em meu coração só pra não esquecer, no de Soph não era diferente já eu ela deixava bem claro com olhares vazios. Cerca de meia noite subimos e cada uma foi para seu quarto, frustadas só eu um pouco mais aliviada. Ao deitar na cama Maya apagou de uma forma relâmpago, nada poderia acorda-la daquele sono tão pesado, a não ser leves cochichos enquanto seus olhos estavam fechados, que sonho insuportável seria, quem faria aquela barulheira toda, a final, o que seria isso desliando em minha perna? Espera um pouco, até onde sei não é possível sentir toques em sonhos.

Ao abrir seus olhos com dificuldades, Maya se deparou com três cabeças lhe observando, realmente lhe parecia um sonho, na verdade um pesadelo onde três homens lhe encarava vestidos de preto e mascarados com um pano também em cor preta, Maya piscou três vezes seus olhos até sussurrar um:

- Quem são vocês?

E logo de imediato um pano em cor branco foi pressionado entre sua boca e seu nariz, a moça não teve forças nem para se debater e logo voltou a dormir, mas dessa vez contra sua vontade.

- Seu pior pesadelo -definitivamente, não teria saído aquelas três palavras da boca da garota-



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...