História Obsessivo - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Agatha, Alexy, Ambre, Armin, Bia, Boris, Castiel, Charli, Charlotte, ChiNoMimi, Cotton, Dajan, Dakota, Debrah, Dimitry, Giles, Iris, Jade, Kentin, Kim, Leigh, Letícia, Li, Lynn, Lysandre, Manon, Melody, Nathaniel, Nette, Nina, Peggy, Personagens Originais, Priya, Professor Faraize, Professora Delanay, Rosalya, Senhora Shermansky, Thomas, Viktor Chavalier, Violette, Wenka, Willi
Tags Amor Doce, Castiel, Ciumes, inocente, Obsessão, Obsessivo, safadeza, Sexo
Visualizações 126
Palavras 1.069
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Bishoujo, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Hentai, Lemon, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 17 - Rivalidade


Fanfic / Fanfiction Obsessivo - Capítulo 17 - Rivalidade

Castiel

22:45

A noite desse mesmo dia eu decidi dar os parabéns a Musa, só que do meu jeito personalizado.

Pulei a varanda do quarto dela que estava com a luz acesa, ela estava sentada na cama de frente para mim olhando seus presentes e nem notou minha presença.

E ela estava incrivelmente sensual na camiseta do Metallica que eu dei no dia em que nos conhecemos, pelo menos oficialmente.

— Oi. — Digo em tom baixo me aproximando e ela instantaneamente me olha.

— Ola, você pulou da sua casa para a minha? — Pergunta obviamente já sabendo a resposta e eu assinto com a cabeça prevendo um sermão.

— Pode acabar se machucando Cass. — Ela fala enquanto guarda uma muda de roupa no guarda-roupa e se vira para mim novamente.

— Eu vim te dar um feliz aniversário. — Digo passando a mão no cabelo, por que eu estava tão tímido.

— Ok. — Ela me olha, provavelmente esperando eu fazer algo.

Eu estava mais nervoso do que eu esperava, e por quê caralhas eu não falava nada? Até eu mesmo fiquei com vontade de me dar um soco na cara.

— Feliz aniversário. — Abraço ela a puxando para mim que retribui de forma tímida.

— Obrigada. — Continuo a abraçando sentindo o calor do seu corpo é o movimento da sua respiração, coloquei o queixo no topo da cabeça dela enquanto meus barcos estavam em sua cintura.

— Você namoraria comigo? — Pergunto, na verdade era uma suposição de se caso eu a pedisse em namoro.

— Se você me beija nós não viramos namorados? — Pergunta me olhando, Se ela pensa assim eu sou o pior namorado do mundo.

— Não automaticamente. —Digo sentando na borda da cama e fazendo ela sentar no meu colo. —

— O que mudaria se nós estivemos namorando? — Pergunta não parecendo a vontade com a nossa posição.

— Nada, namoro é só um rótulo. — Digo me jogando pra trás fazendo ela deitar em cima de mim.

— Acho que não precisamos de um rótulo... — Ela levanta o queixo me olhando e dou um leve selar de lábios.

— Relacionamento sem rótulos, então, topa? — Indago abraçando ela.

— Sim, mas você é o meu primeiro companheiro de um relacionamento sem rótulo. — Ela diz tímida e eu sorrio beijando ela sem dar resposta, porque não dá pra ficar com ela sem beija-la.

— Será delicioso. — Falo parando o beijo e começo a cheirar o pescoço dela igual um cachorrinho.

Ela dava risadinhas e soltava o ar tentando se livrar de mim e dar minhas breves cócegas na barriga, paro em breve e vejo ela sorrindo grande e acalmando a respiração.

— Poderia me ajudar a achar o meu coelhinho? Se não se incomodar. — Pergunta levantando e arrumando o amassado da sua roupa.

— Sim, vamos achar a sua bola de pelo! Você devia arrumar um pet maior, igual o Dragon. — Digo levantando o travesseiro mesmo que se ele estivesse ali eu teria o sentido, endo esmagado pela minha cabeça... Seria trágico.

— Eu gosto dele mas também gosto do meu Snout. — Ela fala se abaixando e olhando em baixo dos móveis e eu claro que aproveitei a visto da traseira dela, sete segundos maravilhosos.

—  E de mim? Você gosta? — Pergunto quanto ela se vira pra mim e vejo seu rosto um pouco rubro por constrangimento.

— Não lhe beijaria se não gostasse. — Ela fala se virando fazendo com que eu não consiga ver sua expressão, se abaixando e vê embaixo do armário me dando a visão da sua parte traseira novamente.

Em cinco segundos minha cabeça fantasiou, 5 posições em um só ato mas fui interrompido por uma dor concentrada no meu pé.

— Que merda! — Xingo levantando meu pé e olhando pra baixo, logo encontro uma bola de pelo branca que me olhava de um jeito como se lesse a minha mente, se ele fizesse provavelmente me morreu por uma via razão.

— Você o achou. — Ela diz vindo até mim e pegando o coelhinho na mãos e beijando minha bochecha em agradecimento.

— Acho melhor aparar os dentes desse bichinho. — Digo sentando na frente, esse coelho não gostava de mim, claro que ele presenciou algumas cenas mas eu estou muito melhor do que antes.

— Ele lhe machucou? — Musa pergunta demostrando preocupação e de aproximando perigosamente de mim, perigosamente para ela é a sua inocência.

— Tá tudo bem, o Dragon também gosta de brincar de morder. — Digo encostando o meu nariz no dela olhando nos seus olhos.

Sinto a sua pele contra a minha e as patinhas do coelho na minha perna mas nem ligo, desço o olhar para o decote da blusa dela e ok no minha mão no seis queixo.

— CARALHO. —  Grito com raiva quando sinto uma dor aguda no meu pênis me fazendo pular e derrubando o maldito coelho.

— Desculpa Cass. — Ela fala mesmo a culpa não sendo dela e pega o coelho do chão que pareceu não se machucar, diferente de mim.

Ponho a mão no meu pênis tentando aliviar a dor, e mesmo com os tecidos da minha calça e da minha cueca ainda doeu bastante.

— Deve ter machucado você quer gelo ou alguma pomada? — Musa pergunta colocando o maldito em uma cesta e ele não desvia o olhar de mim, ela me odeia.

— Pode ser. — Digo controlando a minha voz e ela sai do quarto para pegar as coisas.

Vou para o banheiro do quarto dela e tiro meu pênis pra fora, analiso dele e vejo uma marquinha vermelha onde tinha um pouco de sangue é uma filete do mesmo caindo, passo água no meu órgão e massageio ele tentando aliviar a dor, até que estava funcionando.

— Aqui está. — Musa fala entrando no banheiro e eu automaticamente me viro e guardo meu membro.

— Desculpe. — Ela larga as coisas e sai do banheiro, começo a passar a pomada enquanto a voz dela se faz presente.

— Hoje passaram um dever, um trabalho em grupo e você está no meu grupo... — Fala coma voz um pouco abafada mas perfeitamente compreensível.

— Tudo bem. — Falo não ligando— Vai ser aqui?

— Sim, o Nathaniel vai vir também. — Ela diz parecendo receosa e eu acabo meu trabalho me sentindo aliviado.

— Tudo bem. — Saio do banheiro dando um beijo profundo nela, move meus lábios contra os delas um pouco possessivo. Nathaniel não vai tentar roubar o meu lugar. Pode tentar, mas não vai conseguir.


Notas Finais


Pensaram que era pedido de namoro? Kkkkkkjjjj agora não. Querem que quem narre o próximo capítulo?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...