História Obssesive? ( Imagine Kim Taehyung ) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Kim Taehyung (v)
Exibições 58
Palavras 1.222
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Stigma.


Fanfic / Fanfiction Obssesive? ( Imagine Kim Taehyung ) - Capítulo 3 - Stigma.

Ele é tão distante intocável, isso está me matando. Eu realmente não sei oque fazer. Eu só quero acabar com essa maldita dor

Mas o problema é que eu quero que essa dor seja cicatrizada pela pessoa que a causou.

- Por que é assim? Meu coração insiste nesse erro? Por que eu ainda acredito que um dia irá ser tudo diferente? 

Esse vício, essa coisa, essa atração, esse maldito amor. 

Merda S/N. Você é uma iludida.

Essa  última frase  se  repete  inúmeras vezes  em  minha cabeça.

Termino por urrar de dor. Sangue quente percorre minhas veias de todo meu corpo, em  uma  fração de segundo. Saio fora do meu controle, e vou até o banheiro buscar anti-depressivos. Eu sabia que aquilo era extremamente perigoso, mas a dor me consumia cada vez mais. Não só apenas  saber que Kim Taehyung, era o  ser  que  acaba  com  os  meus  sentidos. A  ausência de  meus pais também me fazia  sofrer. 

Flash  Back :

Meses depois de  me  emancipar, em uma madrugada ás 2 da manhã Kook  me  ligou  avisando  que  omma e appa tiveram  uma  briga  e  meu  appa  saiu  nervoso  de  casa,  pegou  o  carro  e  saiu. Horas  depois ele  colidiu  de  frente com  o  caminhão que estava  vindo. 

Meus pais viajavam muito, esse  o  motivo de  me  emanciparem. Ás  brigas  de  meus  pais  eram  sempre  frequentes, pelo  mesmo  motivo  da  emancipação. Talvez  por não terem  tempo  um  para  o  outro  por  conta do trabalho. 

Com  a  notícia de  que  meu  pai  havia  falecido, estou passando um tempo com minha mãe para cuidar de seu bem estar. Mas  a  mesma se  culpa a  cada  dia. E  isso  me  preocupa  muito, pois ela  vem  se  decaindo. Não alimenta-se  direito  e  toma  uma  certa  quantidade em comprimidos. 

E  oque eu mais  temia acontece. Minha  omma  adoeceu. Sempre que  a  chego  no  quarto dela  a  vejo  orando, talvez pelo seu  profundo arrependimento.

- Omma, a  culpa não  foi sua. -- adentro o  quarto dela.

- Eu  sei  minha filha. -- ela  me  olha com  um  olhar  perdido.

Eu  chego  mais  perto  e  a  abraço, com  todo amor  que  tinha  por àquela coroa.

- Sabe  minha  filha, seu appa veio  me  visitar. -- eu  à olho nos  olhos. 

Minha  omma  e  meu  appa acreditavam  em "vida após a morte " e  por  mais que eu não acreditasse junto à eles, eu  os  respeitava. Pois era  a  crença  dos  mesmos.

- Ele  disse  que a  culpa não foi  minha e  que ainda me ama  muito. -- nessa  última frase  ela  me  devolve um  sorriso de  lado. Mas  o  mesmo se  desfaz  quando  continua. - Seu  appa  me  faz  muita  falta  S/N, sem  ele  é como  se  eu  tivesse em  um  profundo abismo. Sem  saída, apenas  presa  em  uma  realidade em  que  eu  não consigo  aceitar. -- ela diz cabisbaixa. 

- Mas  eu  tenho você, e  isso  me salva.  - Eu  te  amo  muito  S/N. Te  amo  por  ter  nascido, e  já te amava antes de vir  ao mundo. - A  omma  irá se  esforçar para melhorar logo. 

Eu  te  ajudarei para  que  a  senhora  melhore  omma. Farei tudo  oque puder! - Falo  em  um tom decidido, terminando por fazer  um  sinal  de  soldado, fazendo  biquinho. 

Minha  mãe deu  uma  breve gargalhada. - S/N, você é a  melhor. -- Ela  pega  nas  minhas mãos. -- minha  preciosa S/N... 

- Você ficará melhor  omma, eu  irei  fazer  de  tudo, darei  de  tudo  de  mim  pela  senhora.

As  semanas  se passaram e  minha mãe estava  melhorando. Nós passávamos  os  dias juntas, víamos filme  em  casa  ela  me  ajudava  a  fazer  bolos e  guloseimas. Eu  cuidava  de  seu  bem  estar  à todo momento. Ríamos e  conversávamos abeça,  eu  à levava para  tomar sorvete comigo. Nós íamos no  cinema  e  no  parque de diversões.

Tudo estava  bem.

Ela  estava  recuperada  ao  meu  ver. Então eu  voltei  para minha  casa. Para  tomar conta de  meu  apartamento à ordem  de  minha omma. Mas algumas semanas  após Jimin  e  Jeon me  visitam as  pressas em  meu  apartamento me  dizendo  que  omma  estava  super  mal. 

Ouço  a campainha ser  tocada  inúmeras vezes. Quando  abro  à  porta  avisto um indivíduo  mais  pálido do que é naturalmente.

- S/N! nossa  omma  está  passando mal! -- o  mais  novo diz  desesperado. Jimin  e  Kookie  à  consideravam  como nossa  omma.

- Onde  está Jimin?

- Ficou cuidando de  omma.

Pego  meus  sapatos e  fecho  o  apartamento. Desço com Kookie  que  me  leva  até o  estacionamento.

Minha  tia Rosa estava  lá em  baixo  com  o  carro estacionado. Esperando  por nós.

- Olá  S/N, entra  logo  precisamos ir  ver  sua  omma. Minha  tia  era  doce, mas  era  tão fria  e  formal.

Adentrei  àquele carro, e  fomos  direto  a  caminho da  casa  de  minha  omma. Que  ficava em  Daegu.

Chegando  lá, adentrei  logo  seu  quarto, e  tive  a  cena  de  Jimin  segurando a  mão direita de  minha  mãe, ajoelhado ao  seu  lado.

- Ela  quer  falar com você S/N. - Jimin  me  olha  cabisbaixo, saindo  do  cômodo.

- Omma! Eu  estou aqui  agora. Fale  comigo! 

- S/N... Me  perdoe.

Só de olha-lá decaída, naquele estado novamente, meus  olhos se  inundam  de  lágrimas.

- Omma...

- Eu  não pude ser forte  S/N, me  perdoe... Não  consegui  manter  a  minha promessa  de  que  iria  melhorar. Me  perdoe por  te  decepcionar  S/N.

- omma... Eu  fui  inútil por  ter  te  deixada  sozinha, -- me  ajoelho  diante dela. - Me  perdoe...

- S/N,  levante-se. 

Levantei-me.

- omma  está decaída  novamente, por  conta da  ausência de  seu  pai. Eu  o  amo  muito S/N. E  sempre  irei  amá-lo. A  falta  dele  me  destrói completamente. -- ela  se  desmancha  em  lágrimas. - Você  é meu  anjo, eu  te  amo  muito. -- seguro  nas delicadas  mãos de minha mãe. -  S/N. Eu  sou muito grata  a  você, por  tudo. Por  tudo  oque  passamos desde  a  minha  gravidez,  sua  infância,  e agora sua adolescência. Obrigada  por  ser  minha filha. E não se culpe  quando  eu morrer. Eu  estarei junto  de  seu pai. -- ela  deu  uma  pausa  me  olhando  nos  olhos. E  nós estaremos  te  guiando de  lá. 

Soluços saem  de  meu  pranto, e  os  demais, Jeon, Jimin, e  Hoseok  que acaba  de  chegar acompanhado  de  minha  tia, entram  no  cômodo.

- Por  favor S/N, seu sorriso  é oque  eu  mais preciso, eu  preciso dele. Sorria.

-Omma  não se  vá, não me deixe...

- Saranghae, S/N.

-- Jeon  Jungkook, Park Jimin, Rosa, e  amigo  da  S/N... Hoso-k, Hoseok. Cuidem da S/N... Façam  ela  feliz... Eu  serei  grata  a  vocês...

- Omma! 

Hoseok, e os  demais  me  abraçam.

- Nós  iremos estar ao seu  lado  para  sempre. -- diz  minha tia, e  os  demais  concordam.

Flash  Back OFF 


Eu preciso de paz. 

Não pensei muito. Digeri  aqueles  comprimidos que  ali  estavam. Uma  quantidade de 6 comprimidos, eu  poderia  dizer.

Meu celular  toca. 

Uma  agitação cardíaca, se  forma  em  meu  peito. Ainda  consigo andar até o  cômodo onde  se  localizava  meu celular.

Era  Hoseok. 

Oque ele  quer?

Uma  sonolência, junto  de  batimentos  cardíacos fortes  me  atingem  em  conjunto. Eu  atendo  o celular.

- Alô...? Hoseok..?

- S/N, eu  preciso falar com você. Onde está agora? 

- (...) Eu  suspiro  para me  recompor. Mas  o  domínio de  meu  corpo  está se  tornando  lesado. Minhas mãos estão  tremendo  muito. 

Uma  agitação  cardíaca  me domina. Mal  consigo falar.

- Apartamento.

- S/N? Você está bem? ... S/N?

- Meu  corpo perde  o  equilíbrio, e  caio  ali  mesmo.

É estranho, minha  mente vaga alguns segundos.

Uma  overdose?

Por quê minha mente fantasia a imagem de Taehyung...?

  (...)

- S/N?? Eu  estou indo  indo  rapidamente ao  seu  apartamento.

...




 


Notas Finais


Espero que tenham gostado :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...