História Oc(fuck)tober - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens JB, JR, Youngjae
Tags 2jae, 2young, 2youngjae, 30dayschallenge, Bnior, Bniorjae, Bottom!jb, Jackjae, Jjproject, Lemon, Markjae, Smut, Spanking, Youngjae Vs Hyungline
Exibições 355
Palavras 1.012
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drabble, Drabs, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 13 - Coronel Im


Vulnerabilidade.

É isso é o que se sente ao estar debaixo deste homem. Youngjae mostra carinho a todos, esse era o tipo de cara que ele era. Brandindo a bandeira Jaebum, como um prêmio, já que era o único que o líder permitia entrar em seu quarto, o único que podia tocá-lo mais do que um toque no ombro. O único que já sentiu sua pele.

Outro gemido, na metade Jaebum morde os lábios para parar o ruído e Youngjae o olha questionador.

― O que há de errado? ― Youngjae agarra suas pernas, Jaebum coloca sua testa no pescoço do Tenente. Abafando seus sons.

― Nada. ― A resposta é curta enquanto Jaebum tentava endireitar sua respiração. ― Se você não começar a fazer alguma coisa, eu vou enfiar algo na sua bunda.

― Que medo. ― Youngjae debocha, contemplando se ele queria torturar seu Coronel por mais alguns segundos, decidindo que era melhor começar, se queria que seu pau continuasse em seu corpo. Movendo seus dois dedos já inseridos, ele empurra gostando da maneira como Jaebum responde a estimulação com tremores e inquietação .

O Coronel continua a manter seu volume baixo, deixando suas mãos percorrem a frente do torso do Youngjae. Arfar e ar quente pairavam ao seu redor enquanto Jaebum considerava sua cama muito mais reconfortante do que o banheiro ao qual Youngjae tinha sugerido para eles transarem o que ele foi totalmente contra, por causa do chão frio nesta época do ano e ele não queria pegar um resfriado novamente. Depois de um pouco, Youngjae subitamente tira os dedos de forma brusca fazendo Jaebum engasgar em seu próprio cuspe levando um longo minuto para se recompor, ele olha de seu lugar para Youngjae , que sorri e beija sua bochecha .

― Im, eu não irei mais longe se você não fizer barulho. Parece que eu estou acariciando um maldito cadáver. ―Youngjae mordisca sua orelha, Jaebum morde os lábios, um gemido sendo sufocado pela boca fechada.

― Não. ― Jaebum tentou não se contorcer, Youngjae quebra sua compostura com uma língua percorrendo seu pescoço, chupando sua clavícula. ― N -não, Youngjae.

― Por quê? ― ele tateia seu lado fazendo cócegas e um guincho consegue escapar de

seus lábios. ― Você está se sentindo inseguro de novo?

― Você é um filho da puta.― Jaebum sibila e involuntariamente geme quando Youngjae reage apertando suas coxas. ― Pare, isso é golpe baixo.!

― Você é tão fofo.

Jaebum estreita os olhos que somem em duas linhas.

― De todos os adjetivos existentes, eu não considero que essa palavra seja apropriada para ― Ah!

Durante seu discurso, Youngjae acha divertido empurrar seu pau dentro de Jaebum para calá-lo. Eficaz, fazendo o mais velho morder com força a junção entre o seu pescoço e o ombro, Youngjae grunhe, tanto pelo calor da constrição, como pela dor ardente que o seu Coronel lhe infligiu.

― P- porra. ― Youngjae respira com um sorriso torto. ― Sempre funciona, né Im?

― Bastardo.

Jaebum rigidamente fica parado, Youngjae o segura perto de modo que o mais velho não iria começar a reclamar que suas costas estavam doendo mais tarde. Normalmente, essa seria a parte onde Jaebum começaria a gritar, mesmo com sua atitude agressiva durante o dia, ele não era muito de um gritador, mas Youngjae conseguia tirar dele uma vez ou outra quando fazia alguma coisa em particular.

― Eu já posso me mover? ― Youngjae geme novamente no calor engolindo suas partes, Jaebum sacode a cabeça rapidamente.

― Nem pense nisso, Choi.

― Nós vamos parar agora? ― o tenente grita desesperado. ― Você está fazendo um jogo comigo?

― T-talvez devêssemos. ― Jaebum sente o comprimento dentro de si e o fato de que ele estava sentado sobre e Youngjae manteve empurrando mais ainda sem perceber, era bom demais. Ele não queria parar.

― Por quê? ― o mais novo olha para ele, os cabelos negros de seu líder jogados bagunçados em todas as direções.

― Jackson disse que ... ― Youngjae se move, empurrando forte em Jaebum mesmo que o mais velho não tenha lhe dado o sinal verde. Jaebum geme, apesar das defesas que havia colocado, todas as suas paredes haviam sido rachadas, mas o pensamento do que Jackson disse no início da semana ainda estava em sua mente. Jaebum golpeia as costas do outro, incapaz de parar sua própria voz, Youngjae continua suas travessuras, agarrando suas nádegas abrindo-as mais para um acesso ainda mais profundo. Jaebum se senta, fechando os olhos para o seu intruso.

Primeiro um olhar, em seguida, um beijo.

― Você é um idiota. Jaebum ofega, saltando para cima e para baixo junto com Youngjae gostando da maneira que a pele pálida do menor contrastava com seu tom sempre bronzeado. Youngjae se inclina deitando, ainda movendo a parte inferior do corpo enquanto captura os lábios macios com o seu próprio, as suas línguas fundindo em conjunto.

― Não pense, apenas me sinta.

― Filho da puta arrogante. ― Jaebum morde o lábio inferior do tenente, fazendo um pequeno corte . ― Você não tem poder de me ordenar.

― Ah, mas eu faço, apenas neste caso . ― Um grito saiu dos lábios do Jaebum quando

Youngjae o golpeia certeiro, ele tinha com certeza batido em alguma coisa. ― Eu gosto de ver você se contorcendo.

Mais alguns momentos, Jaebum poderia tentar cobrir seus rastros. O sorriso debochado do Jackson ainda aparecendo em sua mente, ele olha para Youngjae novamente com os olhos embaçados, suor fazendo seu cabelo grudar no rosto e seus corpos deslizar um contra o outro, sua excitação roçando ao longo dos músculos abdominais do menor fazendo ele se sentir muito melhor.

― Minha voz. ― Jaebum arqueja. ― Silencie. ―Youngjae reata seus lábios novamente, movendo-se na interminável dança da luxuria entre eles, a satisfação que só eles podiam dar um ao outro. Mesmo com Jaebum sendo como é, Youngjae encontrou-se preso na armadilha que é o amor. Eles estavam confinados os seus próprios corações, o único que Jaebum permitia tocá-lo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...