História O.d.e - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Menina 13/ode
Exibições 21
Palavras 1.870
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Estupro, Homossexualidade, Incesto, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Bom, meus queridos leitores, nesse cáp eu resolvi, esclarecer logo o porquê de tudo isso, o propósito destas coisas estarem acontecendo, então nesse cáp acho que a gente entende mais ou menos haha, beijos e boa leitura

Capítulo 26 - Revelações 2


Fanfic / Fanfiction O.d.e - Capítulo 26 - Revelações 2

 

Londres~P.O.V Evellyn~Evy

              [......]
Eu saí de dentro do caminhão e o velho barrigudo deu a partida e se mandou.

Ele me deixou na rua onde Erick mora. Antes de eu ser pega pelos capangas Erick me deu a chave da casa dele, mas como não tive tempo de pegá-las, ficaram lá na cabana. Como eu passei lá antes de fugir, notei que estavam no mesmo lugar, então às peguei.
A rua estava deserta, já eram umas 3h da manhã, o tempo estava frio, a casa de Erick ficava no final da rua, acelerei o passo, andava com a cabeça baixa, e me abraçava tentando conter o frio. Logo cheguei em frente a casa de Erick, peguei as chaves e abri a porta, entrei silenciosamente, não havia ninguém em casa, o Erick eu sabia que não encontraria, mas ele tem uma empregada, o nome dela é Rose, estranhei ela não estar.
Subi as escadas e fui para o banho, há quanto tempo eu não sabia o que era um bom banho..liguei a torneira e logo a banheira encheu, me despi e entrei naquela água morna, relaxei por um bom tempo.
              [.....]

Acordei ja eram 10h, eu estava vestida com uma camisa do Erick, e descalça, desci as escadas e Rose se assustou quando me viu.

-Meu deus, pai nosso que estás no céu, Evy..eu só posso estar ficando louca.

Rose ficou pálida e deixou a vassoura que estava segurando cair. Ela tem uns 46 anos..é baixinha, branca e tem os cabelos pretos, porém, já possui umas marcas de expressão no rosto, o que acaba aparentando ser mais velha. estava com a roupa de empregada e o cabelo preso num rabo de cavalo.

-Rose, fique calma.

-Evy, como você veio parar aqui? O seu pai já sabe? A polícia?

-Rose, vem cá, preciso conversar com você.

Eu sentei no sofá e fiz gesto para que ela também fizesse o mesmo. Ele sentou porém ainda muito assustada.

-Ninguém sabe, que eu estou aqui. Ninguém sabe como estou, então por favor, me prometa que não vai comentar com ninguém. E quero também que se alguém vier à essa casa, você me avise para que eu possa me esconder.

Falei aflita. Rose entendeu tudo.

-Tudo Bem Evellyn..mas e esses machucados no rosto..venha vamos cuidar deles..parecem estar magoados.

A Rose tinha toda razão, o meu rosto doía muito..alguns dos machucados haviam cicatrizado, mas outros foram m profundos o que dificultou a cicatrização.

-Ai..

Rose estava passando algodão com álcool nos ferimentos..

-Calma, depois vou passar um loção em creme, que irá melhorar isso bem rapidinho.

Ela passava o algodão e me olhava feliz.

-Obrigada Rose..

Eu sorri fraco e ela retribuiu.

-Pronto..Evellyn você não está com fome?

-Um pouco..

A verdade é que os pensamentos que rodeavam minha cabeça, me deixavam sem apetite. Porquê a Luana estaria fazendo isso comigo? Eu tenho certeza que não seria só por conta do Taylor. Existe algo escondido, algo que tem a ver com meu passado..

Rose me tirou dos meus pensamentos, quando me chamou para ir até a cozinha.

-Sente-se, aqui tem pão, suco de laranja, geleia de morango, gelatina, queijo e café com leite. Tem umas frutas também, maçã, pêra, uva e ameixa fresca.

-Com um café da manhã desse, impossível não ficar com fome..

Nós rimos..

-Evellyn..você já sabe o que aconteceu com o Sr.Erick?

-Sei sim Rose..como ele está? você sabe?

-Ele passou por uma cirurgia..já está melhor graças a deus.

-Quando ele volta para casa?

-Amanhã..eu achei muito rápido, mas os médicos disseram que a recuperação para o tipo de ferimento que ele teve é rápida, e poderia se recuperar em casa.

-Que bom..

Eu conversava com Rose, enquanto comia o pão com geleia de morango que ela havia preparado para mim.

-Rose, você é amiga da minha família há muito tempo né?

-Sim Evellyn, mas porquê a pergunta?

Senti que Rose ficou meio incomodada com a pergunta, como se tivesse algum assunto em que ela não quisesse tocar.

-Você sabe se a minha família..Algum tio, parente meu, antes de eu nascer, ou até mesmo quando eu era uma criança, brigaram por conta de algo com a família Bluun?

Rose gelou..ela estava lavando a louça, quando terminei de formular a pergunta ela me olhou com os olhos arregalados, como se estivesse assustada.

-Não Evellyn..

Ele tornou a virar para a pia.
Eu me levantei e botei a mão no seu ombro.

-Rose, tudo que tá acontecendo comigo..é por conta da minha família..eu preciso saber..

À olhei com os olhos frustrados. Na esperança em que ela entendesse e assim foi.

-Evellyn, tem que me prometer nunca, nunca falar a ninguém que fui eu, quem lhe contei isso.

Eu me sentei novamente na mesa, e Rose puxou a cadeira de frente à mim e se sentou também, ela enxugava as mãos no pano de prato.

-Eu não sei direito..mas acho que você sabe que eu trabalhava na sua casa, antes de trabalhar aqui com o Sr.Erick, não é?

-Sim..e você saiu lá de casa, porquê a minha mãe te demitiu..me lembro muito bem disso, era muito apegada a você.

-Desde que você nasceu eu estava na sua casa, já conhecia sua mãe há anos, era amiga dela de uma certa forma, su mãe me contava sobre tudo, tinhamos uma proximidade muito grande.

-Mas por que ela te demitiu então?

-Por eu saber muita coisa sobre sua família Evellyn..

-Mas, então me conte se eles tinham alguma rivalidade com a família Bluun.

-Ok..

Flashback on~Rose

Eu estava preparando a refeição, como todos os dias, o Senhor Laurence havia marcado um almoço com os acionistas da empresa em que também trabalhava, ele também possuia algumas ações obviamente.

A Senhora Lavigne, esposa de Laurence, pediu que eu prepara-se lagosta, eu assim fiz. a senhora Lavigne, tinha os cabelos louros, compridos, olhos verdes, que mais pareciam esmeraldas, uma cintura fina, que era invejada, pelas maioria das mulheres dos acionistas, pois eles se encontravam uma vez ou outra para tomar chá.

Os acionistas chegaram e se reuniram na sala de estar, antes de ir para a sala de jantar. Tinha um senhor chamado, Henry Bluun. Ele era muito bonito, e não tirava os olhos da Senhora Lavigne, todos os acionistas conversando e ele também interagia, mas em alguns momentos olhava para ela disfarçadamente. A Senhora Lavigne, recebeu todos e pediu que ficassem a vontade, eu estava terminando de pôr a mesa, foi quando á vi passando, para ir aos jardins do fundo. Estranhei pois a Senhora Lavigne, não costuma ir ao jardim, por conta dos raios ultravioletas, eu fui até a porta dos fundos e á observei, ela estava conversando com o tal acionista o Henry, achei muito estranho, porém não falei nada, há muito tempo não via a Senhora Lavigne feliz como aparentava estar, quando conversava com aquele acionista. Ouvi o barulho do carro do Senhor Laurence, e imediatamente vi a Senhora Lavigne entrar e sua feição mudar, ela quando estava com o Senhor Laurence era uma mulher séria, e bem educada, tinha um sorriso incrível ao receber as pessoas em que o marido convidava.

Passado alguns meses, a Senhora Lavigne começou a sair mais de casa, o Senhor Laurence, nunca reclamou, na verdade nunca soube das saídas que sua esposa dava, pois estava sempre ocupado com o trabalho, ele estava empenhado em conseguir todas as ações da empresa em que trabalhará. 

Eu notei que a senhora Lavigne iria sair pela 3° vez aquele mês.

-Irá sair novamente senhora?

Ela me olhou um pouco assustada,não havia notado minha presença na sala.

-Sim Rose, irei a madame Tavares, preciso de alguns vestidos novos.

-Mas não foi no começo do mês, senhora?

-Fui apenas tirar as medidas, hoje eu vou escolher os tecidos Rose. 

Ela me respondeu com seriedade.

-Tudo bem, só perguntei porque me preocupo com as saídas repentinas que a senhora faz, achei que estava doente, desculpe-me a intromissão.

-Tudo bem Rose, eu entendo a preocupação, mas está tudo bem. 

-Ok senhora.

Quando ia me retirar a Senhora Lavigne me chamou.

-Rose..

Eu já estava a caminho da cozinha, me virei para ela.

-Sim senhora.

-Peço mais uma vez que não conte ao meu marido sobre essas minhas saídas, sabe que ele não gosta que saia sozinha..

-Tudo bem senhora.

Ela deu um sorriso fraco e saiu. ela sempre pegava um táxi.

Eu fiz meus afazeres, foi quando o senhor Laurence chegou. meu coração acelerou, o que iria dizer para ele sobre a senhora Lavigne..

-Olá Rose, cadê a Ana?

-Ela...

-Ela o que Rose, fale!

Eu fiquei parada por um tempo, olhando para o senhor Lavigne que estava falando com um sorriso no rosto, mas quando demorei á responder vi que seu sorriso se desfez.

-A senhora Ana..

-O que tem eu?

A senhora Lavigne entrou pela porta, suspirei aliviada. e ela me lançou um olhar agradecendo.

-Estava perguntando á Rose onde você estava meu amor.

-É..é eu fui para um chá com as mulheres dos acionistas, marcamos de nos encontrarmos hoje.

-Ah..você não tinha me avisado.

-Achei desnecessário meu amor.

-Não entendi porquê a Rose gaguejou para me falar isso.

A senhora Ana me olhou.

-É que não havia explicado direito a Rose onde ia meu amor.

Eu notei, que á Senhora Lavigne, havia falado algo pra mim e estava mentindo pro seu marido, sobre uma coisa tão boba, por um lado entendia que era porque ele não queria ela saindo sozinha,mas indo tomar chá, também não iria sozinha?

Um mês depois, o Senhor Laurence num jantar, avisou que viajaria na manhã seguinte, a Senhora Lavigne não parecia estar ouvindo ele falar.

-ANA!

-Oi meu marido!

-Estou falando com você, parece estar viajando meu amor..em que está pensando que é mais importante do que eu?

-Não seja bobo meu amor, me desculpe, eu apenas estava pensando no chá que marquei com as minhas amigas.

-Ah..Vou me retirar, irei dormir e espero você no quarto, ok?

-Ok.

Eu estava retirando a mesa, quando vi a senhora Lavigne, com o celular escondida atrás das escadas, parecia digitar uma mensagem, logo após recebeu uma, e subiu para as escadas, com um leve sorriso no rosto.

No dia seguinte O senhor Laurence viajou. e a Senhora Lavigne, despensou todos os empregados da casa. Eu até gostei pois poderia ficar mais tempo com a minha filha, porém, achei muito estranho, a senhora Ana, não sabia cuidar de uma casa, muito menos sozinha, mas talvez ela só quisesse um tempo só.

Estava em casa, quando me lembrei que havia esquecido as minhas chaves, peguei uma condução e fui até a casa dos Lavigne. quando estava para atravessar a rua, vi o Senhor Henry Bluun, entrar na casa, a senhora Lavigne quem abriu a porta para ele, afinal tinha despensado-me. atravessei a rua indo e direção á casa dos Lavigne.

Flashback Off~Rose

 A campainha tocou, fazendo com que Rose parasse de me contar a história da minha família..da minha mãe mais especificamente, subi as escadas correndo, e fui para o meu quarto,pensei em tudo que Rose havia me falado, mas qual seria a ligação da minha mãe com a família Bluun, as palavras de Rose ecoavam em minha cabeça, e isso me fez  pegar no Sono.

 

 


Notas Finais


Bom, meu queridos espero que tenham gostado, e até o próximo cap, me desculpem se houver erros, sem tempo de revisar. beijos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...