História Off to the races - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Avenged Sevenfold, Lana Del Rey
Personagens Personagens Originais, Synyster Gates
Exibições 47
Palavras 2.140
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hey Kids! Tudo bom com vocês?

Então... Depois de mais de um mês sem postar, cá estou eu com este capítulo. Me desculpem pela demora, eu tive uns problemas familiares...Mais uma vez me desculpem.

Bom...é isso.

Boa Leitura!

Capítulo 10 - The blackest day


Fanfic / Fanfiction Off to the races - Capítulo 10 - The blackest day

Brian estacionou seu carro na entrada do hotel Palm Beach, era uma tarde ensolarada de sábado na Califórnia e por mais que tudo parecesse devidamente bem o moreno sentia que algo ruim estava por vir. A começar pela ligação inesperada de Ana na noite anterior, geralmente a jovem ligava para ele apenas no período da manhã, horário esse que ela sabia que a esposa do rapaz não estaria por perto. O guitarrista de imediato estranhou o tom de voz da moça, ela parecia nervosa e angustiada e as seguintes palavras foram ditas a ele: "Eu só queria ouvir a sua voz, senti saudades" Ouve alguns segundos de silêncio até que o moreno respondesse que também sentia falta dela e perguntou se algo havia acontecido, e a resposta não pode ser mais óbvia "Não."

Cumprimentou o manobrista e o recepcionista que acabaram se tornando "colegas" devido a presença semanal do guitarrista. Entrou no elevador e observou seu reflexo no espelho, uma calça jeans preta e uma camiseta vermelha xadrez fora a escolha daquele dia, não que se importasse muito com esse tipo de assunto mas se tratando de Ana, ele fazia questão de estar apresentável para ela. O elevador parou no último andar e em uma fração de segundos o guitarrista já estava parado na frente do quarto onde Ana e ele costumavam se encontrar.

No quarto 205.

Me leve pra casa, eu estou com minhas unhas azuis
Essa é minha cor favorita e meu tom de música favorito
Eu não quero realmente terminar, vamos continuar em frente
É isso o que restou da nossa conversa, mas você estava errado

Ela estava parada de braços cruzados próxima a janela, parecia distraída, tanto que nem percebeu que Brian se aproximava dela.

- Ana? - Chamou Brian e a morena quase pulou de susto.

- Ah...Oi, Brian. - Ela sorriu sem graça mas logo voltou ao seu estado de antes. - Me desculpe eu estava um pouco distraída.

- Tudo bem.

O guitarrista segurou as maçãs do rosto de Ana e a beijou com carinho, apenas o movimento dos lábios sentindo a textura e o gosto deles. Ao fim do beijo a morena abraçou o guitarrista, deitando a cabeça no peito do rapaz, sentindo o cheiro dele.

- Certo...- Suspirou - Agora me conte o que aconteceu.

Ao invés de responder a pergunta de Brian, Ana apenas escondeu o rosto no peito dele e o abraçou mais forte.

- Não aconteceu nada. - Mentiu. - Eu estou...bem.

Ela se perguntou o porque de estar mentindo para Brian, deveria contar tudo de uma vez, deveria proteger o homem que mudará sua vida da água para o vinho. Desde que Josh a ameaçara o mesmo vinha pressionando - a a terminar com Brian e aquilo estava acabando com ela.

Não é fácil para mim falar sobre isso
Eu tenho amarras bem pesadas no coração
Eu não sou tão simples, é trigonometria
É difícil de expressar
Não consigo explicar

- Tem certeza? - Insistiu o moreno - Fiquei preocupado quando me ligou ontem a noite.

- Me desculpe, eu não deveria ter ligado, causar problemas para você.

- Não me causou problemas. - Ele a tranquilizou - Eu estava no estúdio.

- Que bom. - Ela suspirou aliviada.

Ana não queria causar mais problemas para ele.

Ela se afastou do abraço dele e observou o céu azul e límpido, aquele era um dia tão bonito, não condizia nem um pouco com o que estava prestes a acontecer.

- Nós temos que terminar. - Ela disse tão baixo que uma parte dela rezou para que ele não tivesse escutado.

- Como?

Ela engoliu seco.

- Nós temos que terminar. - Ana repetiu desta vez mais alto.

Ela sentiu que estava destruindo seu coração, mas era necessário fazer aquilo.

- De novo não - Murmurou ele - Isso já aconteceu uma vez, e não estou disposto a permitir que aconteça novamente.

- Por favor, Brian, não fique complicando ainda mais.

- Não sou eu que estou complicando as coisas. - Ele se exaltou - Por que está fazendo isso? Eu não entendo.

Um nó se formou em sua garganta e ela lutava para não chorar, mas sentia que era inútil.

- Ele sabe, Brian. - A voz dela saiu embargada. - O Josh sabe e logo todos estarão sabendo.

Brian ficou em silêncio aquela notícia lhe pegara de surpresa, eles haviam sido descobertos e certamente ela seria o alvo da fúria de Josh. Aquele pensamento o enojava.

- Ele te pediu para escolher, não foi? - A falta de resposta fez com que ele acreditasse que sim. - Que canalha! Como pode ser tão cretino, ele não tem o direito de pedir isso!

Ouvindo aquelas palavras Ana começou a chorar compulsivamente.

- Pare, por favor. - Suplicou - Este é um problema meu, eu resolvo.

- Ana, ele quer nos separar. - O rapaz dizia desesperado segurado-a pelos ombros e olhando em seus olhos.

- Eu sei. - Admitiu - Assim como também sei qual vai ser a minha decisão.

Não foi preciso que ela disse mais nada pois ao focar naqueles olhos tão tristes ele sabia exatamente qual era a resposta.

- Não...- Brian a abraçou e as primeiras lágrimas desceram por suas bochechas. - Nós vamos dar um jeito.

- Não é tão simples assim, Brian. - Disse se afastando dele novamente, sentou na ponta da cama e escondeu o rosto com as mãos para em seguida encara-lo novamente. - Eu vou ficar com o Josh...

Aquelas palavras doeram em Brian, parecia que tinham arrancado um pedaço dele.

- Me desculpe - Pediu ela e se preparou para deixar o quarto antes que pusesse tudo a perder.

Tinha que se manter firme, lutar para não se jogar nos braços dele e dizer o quanto o amava.

- Não está dizendo a verdade, sei que está mentindo.

- Está errado, Brian - Ela respirou fundo - Acredite vai ser melhor assim.

Foram estas as últimas palavras que ele a ouviu dizer, antes que ela o deixasse sozinho naquele quarto que agora parecia vazio sem a presença dela.

Desde que o meu amor se foi
Tem sido o dia mais negro, tem sido o dia mais negro
Tudo o que eu escuto é Billie Holiday
É tudo o que eu toco
É tudo o que eu toco


Porque eu estou indo mais fundo e mais fundo
Mais e mais
Ficando sombria e mais sombria
Procurando por amor
Em todos os lugares errados
Oh, meu Deus
Em todos os lugares errados
Oh, meu Deus

***

- Você tinha que ter visto o rosto dele, Mark - Contou Ana chorosa - Ele ficou tão arrasado.

Depois que deixou o hotel Palm Beach, Ana foi a casa de seu melhor amigo, que a recebera de braços abertos. Naquele momento ela se encontrava encolhida no sofá com um copo de chocolate quente em mãos, não parava de chorar por sequer um minuto. A dor que ela sentia era tão forte e tão intensa que a mesma temia que não fosse suportar, as palavras que dissera mais cedo para seu amante rondavam em sua cabeça, torturando-a fazendo com que a morena lembrasse do quão difícil foi ter que deixar Brian.

- Foi tão difícil dizer todas aquelas mentiras para ele. - Continuou - Não sei como tive coragem, e acredite uma parte de mim queria se jogar nos braços dele...Dizer que o amo...Mas eu não posso. - Soluçou - Não posso deixar que o Josh faça mal ao Brian.

- Oh, Ana. - Mark a abraçou, tentando consolar a amiga. - Nunca pensei que o Josh fosse capaz disso.

A morena respirou fundo e pois a xícara de chocolate quente na mesinha de centro, enxugou o rosto com as costas das mãos, de nada adiantou pois logo voltou a chorar. Se perguntava mentalmente sobre o que ela teria feito para merecer tanta dor. Por que a felicidade era proibida para ela? Tudo deveria ser mais fácil, ela queria poder ficar com Brian, gostaria de tê-lo conhecido antes mesmo de conhecer seu atual noivo. Mas o destino não quis que fosse assim, pelo contrário, a presentiou com momentos inesquecíveis ao lado do guitarrista, para no fim deixá-la sem o homem que era o motivo de seu sorriso.

Porque não há nada para conversarmos
Como o futuro ou essas coisas
Porque não há nada para pensar sobre isso
Agora que ele se foi, eu não sinto nada

- É tudo culpa minha. - Murmurou - Deixei essa história ir longe demais, não pensei nas consequências e...

Ana foi interrompida pelo toque de seu celular, pegou o aparelho e visualizou a tela sentindo seu coração se partir mais uma vez. Se é que podia se partir ainda mais. Era uma ligação de Brian, Ana reconhecia aquele número que tantas vezes discou e agora estava gravado em sua cabeça. Poderia ter atendido, mas a morena tinha certeza de que se ouvisse a voz dele mais uma vez, ela teria uma recaída. Acabaria contando toda a verdade. O celular parou de tocar e ela viu as milhares de chamadas perdidas e mensagens que ela não ousou ler.

- Vai ficar tudo bem, Ana - Disse Mark calmamente sofrendo as dores de sua melhor amiga. - E nada disso que está acontecendo é culpa sua, ouviu? A única coisa que precisa fazer agora é descansar, durma aqui hoje.

- Não precisa, Mark.

- Claro que precisa. Nem me pagando eu deixarei você voltar para casa hoje. - Continuou. - Esqueça o Josh e se possível o Brian. Durma, descanse estará bem melhor amanhã.

- Imagina que irei atrapalhar sua privacidade, Tommy pode não gostar.

No mesmo momento um homem alto e loiro apareceu na sala e sentou no braço do sofá para em seguida abraçar Mark.

- Não se preocupe, Ana. - Ele sorriu. - Também prefiro que passe a noite aqui, você não está em condições de dirigir.

-Dois contra um - Mark pois uma mecha de seu cabelo castanho atrás da orelha. - Sabe que sempre pode contar comigo. - Ele a encarou com seus olhos castanhos.

- Claro que sei. - Ela sorriu e em seguida o abraçou, tentando não chorar pela milésima vez naquele dia.

Em seguida Ana levantou do sofá e acompanhou Tommy até o quarto de hóspedes. Ela estava tão exausta que nem quis discutir com seu melhor amigo. Aquele dia havia sido difícil, ela só queria dormir e ao acordar gostaria que tudo estivesse bem.

Enquanto Mark recolhia as xícaras da mesinha de centro ele ouviu o celular de sua amiga tocar. Uma vaga ideia passou por sua cabeça e antes que pudesse pensar em desistir ele atendeu a ligação, ouvindo imediatamente o suspiro de alívio do guitarrista no outro lado linha e um pedido de explicações.

-Ana não está no momento. - Ele respondeu um pouco baixo indo para a cozinha, não queria correr o risco de Ana ou Tommy ouvirem a conversa.

- Quem está falando? - O moreno perguntou preocupado.

- Mark, amigo da Ana.

- Por favor, pode passar para ela. - Ele pedia desesperado. - Ouve um mal entendido.

- Olhe, eu não tenho muito tempo e se a Ana souber que fiz isso ela vai me matar. -Suspirou -O Josh a está ameaçando, ela terminou tudo para proteger você.

- O quê?

- Josh disse que se ela não terminasse com você ele prejudicaria sua banda.

- Que canalha, cretino... - O guitarrista pronunciou vários palavrões.

- Sim, concordo com tudo que disse. - Mark concordou. - Ana te ama muito e eu achei que fosse bom você saber o porque do rompimento. Ela está sofrendo muito.

Ouve alguns segundos de silêncio até que Brian respondesse.

- Me diz onde ela está.

- Hoje não é um bom dia para vocês conversarem, dê um tempo a ela. - O guitarrista ficou em silêncio novamente mas dessa vez foi Mark quem quebrou o gelo. - Não esqueça Brian, a coisa mais importante que se deve aprender é amar...E em troca amado ser.

E desligou o celular, voltando para a sala e pondo de volta no lugar onde achou.

- Me desculpe, Ana. - Sussurrou ele mas sabia que agira corretamente.

Desde que o meu amor se foi
Tem sido o dia mais negro, tem sido o dia mais negro
Tudo o que eu escuto é Billie Holiday
É tudo o que eu toco
É tudo o que eu toco

Essa não é uma daquelas fases que vou superar
Ou apenas uma canção, não é só isso
Eu estou por conta própria
Por conta própria
Por conta própria agora
Eu estou por conta própria outra vez
Eu estou por conta própria outra vez
Eu estou por conta própria outra vez

( The blackest day - Lana del rey)

Notas Finais


That's All!

Gostaram?

Provavelmente o próximo capítulo saí esse mês ainda. :-)

Beijos da Nina!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...