História Oh Yeah! Daddy - Capítulo 8


Escrita por: ~ e ~BottomNochu

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bottomnochu, Daddykink, Jeongguk!bottom, Jeonggukbaby, Jikook, Jimin!daddy, Jimin!top
Visualizações 1.664
Palavras 2.334
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpa a demora, e qualquer erro.

Boa leitura <3

Capítulo 8 - ➡Seven⬅


Fanfic / Fanfiction Oh Yeah! Daddy - Capítulo 8 - ➡Seven⬅

– Talvez.

E aquela simples palavra fez o interior de Jeongguk revira, sentindo o peso dela.

Sentiu-se magoado, como se sua opinião não fosse levada em conta. Jimin tinha mesmo acabado de sugerir um acréscimo ao relacionamento, mesmo este sendo temporário, sem o seu consentimento?

Se sim, onde estava mesmo a voz de Jeon naquela relação? Para quê mesmo o Park tinha acabado de cancelar o contrato que tinham, já que ainda continuava tomando decisões sem Jeongguk?

Não valia de nada, parecia o mesmo Babyboy seguindo ordens e orientações de seu Daddy.

Bufando, Jeongguk se desvencilhou dos braços do Park, tomando distância dele enquanto fitava a confusão estampada no rosto do mais velho. Sequer se lembrava do Min ali, não importava para ele no momento.

– O que houve Jeongguk? – teve a ousadia de perguntar, tentando alcançar o loiro e recebendo apenas passos largos do Jeon para mais longe. – O que foi que aconteceu?

– O que aconteceu?! – debochou, passando as mãos pelos fios aloirados, estava mesmo segurando a risada. Jimin não poderia ser tão idiota assim, poderia? – Você acabou de concordar num acréscimo ao nosso relacionamento sem ao menos perguntar o que eu queria?! – soltou irritado, as mãos em punho loucas para socar a cara do moreno. Escutou uma risada vinda de Yoongi, mas apenas ignorou a existência dele novamente. – Talvez Jimin?!

Park arregalou os olhos, não tinha mesmo percebido o que disse. Tinha mesmo acabado de insinuar querer o amigo recém-chegado junto a eles, intimamente falando, e ao menos perguntou ou se deu conta que todo aquele jogo de poder tinha acabado.

Tentou novamente uma aproximação, mas Jeongguk levantou as mãos pedindo para que ele parasse onde bem estava.

– Eu vou subir, divirta-se você e o seu amigo. – disse seco, dando as costas aos dois e subindo os degraus de dois em dois.

Jimin passou as mãos pelos cabelos, estava mesmo se sentindo um grande idiota. Mal começara um relacionamento normal com o mais novo e já tinha dado um passo para trás; fora idiota da sua parte, Jeongguk era a peça mais importante dali, se queriam mesmo armar uma transa a três, ele era o ponto principal. Entretanto Jimin estava eufórico demais com tudo o que tinha acontecido antes do amigo chegar, que simplesmente deixou-se levar pelo momento.

Agora Jeon estava bravo consigo e não sabia bem o que fazer para se desculpar.

– Mal chego e já causo um barraco aos namoradinhos. – riu o Min, jogando a mochila que antes estava em suas costas no sofá e logo em seguida seu próprio corpo. Encarou Jimin antes de rir. – Também senti sua falta cara, não precisa de muitos abraços e nem nada, mas sabe que diversão com você não passa além de bebidas. – levantou as mãos, rindo da cara de merda que o outro tinha.

– Você sabe muito bem que eu nunca foderia com você, bem, pelo menos não como o Jeongguk acha que faríamos. – suspirou se jogando ao lado do amigo. – O que merdas veio fazer aqui para começo de conversa?

Min encarou o amigo com uma carranca na cara, fingindo estar magoado o mais velho dos dois cruzou os braços com um bico falso nos lábios. Aquela cara não enganava ninguém, e a Jimin, que conhecia o esverdeado há anos, menos ainda.

– Desembucha Min. – mandou sem paciência.

– Estou só de passagem, vim te visitar antes de me mudar para os Estados Unidos. Satisfeito? – exclamou também sem um pingo de paciência. Jimin assentiu, encarando a parede em frente a eles, enquanto sua cabeça não parava de pensar no loirinho no andar de cima. – Vá logo atrás dele, antes que eu vá. – ameaçou, vendo o rosto do moreno ficar vermelho só com aquela simples frase. Riu.

– Se não quiser ir para o exterior faltando uma parte do seu corpo, tente. – ameaçou de volta, tendo apenas uma risada alta e escandalosa do Min. – Filho da puta. – xingou enquanto subia para o segundo andar. Estava tranquilo até chegar à porta do quarto de Jeongguk, sabia que o mais novo não iria para o seu, então a primeira opção seria ali. Tentou abrir, girando a maçaneta várias vezes e constatando estar fechada. – Jeongguk-ah? – chamou, a voz mansa e temerosa. Não acreditava que estava com medo mesmo, mas era realmente isso que sentia no momento.

Park ouviu passos dentro do cômodo, logo o trinco da porta estava mexendo e a porta abrindo, apenas uma fresta. O rosto de Jeongguk apareceu naquele breve e pequeno vão, inchado – talvez tenha chorado – e com uma expressão de poucos amigos. Jimin engoliu em seco, fora ele que deixou seu pequeno daquele jeito, agora tinha que consertar as coisas sozinho.

– O que você quer? – escutar o loiro ser tão seco e frio consigo, nunca fora pensado por Jimin. Aquilo doía, e muito, e naquele segundo sentiu tudo o que fez o pequeno sentir enquanto guardava seus sentimentos para si.

Talvez merecesse a frieza que recebia no momento.

– Queria me desculpar. – começou, desviando os olhos dos de Jeongguk, não aguentando ver tanta magoa neles. – Eu fui um grande idiota por ter dito aquilo, é você quem deveria decidir se caberia ou não, eu só estava eufórico demais e ele chegou do nada que acabei soltando aquilo. – suspirou, voltando os olhos para o loiro, que agora tinha a porta aberta por completo. E Jimin sentiu seus pelos arrepiarem e seu corpo esquentar com a visão que tinha do mais novo; Jeon estava apenas com uma camisa de botões que era de Jimin, meias longas nas pernas grossas... Tão tentador, Park tivera de respirar fundo seguidas vezes para não agarrar o loiro ali mesmo, no meio do seu pedido de desculpas. – Por favor, me perdoa amor! – pediu, os olhos focando nos de Jeongguk, para que não descesse e encarasse o corpo bonito do outro.

– Não sei Jimin. – suspirou cruzando os braços, o que apenas fizera a camisa subir e revelar parte de sua peça íntima, e por mais que fosse uma boxer normal, Jimin sentiu-se tentado como um alcoólatra em frente a centenas e centenas do melhor whisky. – Você nem sempre me perdoou quando eu fui o errado, então não sei se merece o meu de imediato.

E Jimin franziu o cenho, não entendendo onde o mais novo queria chegar com aquele papo. Certo, quando tinha a relação Babyboy e Daddy, Jimin era impiedoso e não chegava a um perdão sem antes passar por um castigo; agora era diferente, Jeon queria o castigar por um erro que cometeu anteriormente e outras vezes antes?

Se sim, estava tão ferrado.

– Tudo bem. – suspirou por fim, derrotado. – Pode me castigar se quiser, o que importa é que no final dele eu tenha o seu perdão amor. Só isso.

Jeon se sentiu tocado, queria mais do que nunca apenas aceitar as desculpas e beijar Jimin, por que ele simplesmente ficava lindo com aquela pose submissa enquanto ele mesmo estava no comando. Mas não poderia, aquilo já tinha passado dos limites e agora eram um casal como qualquer outro, e Jimin tinha que ver – e aceitar – que Jeongguk também tomava as decisões ali.

– Certo. – descruzou os braços, dando alguns passos para trás. – Até que eu tenha te desculpado, dormirá em seu quarto e eu no meu. Não vai me tocar sem que eu peça ou deixe, também não poderá se tocar. Vai ver o quanto é agoniante, dói Jiminnie e você era tão mau comigo. – fez bico, desabotoando a camisa e mostrando o tronco com poucas marcas, o membro teso dentro da cueca e sorriu para o Park. – Agora volte até seu amigo e o ajude com o quarto, eu tenho de terminar uma coisa.

E antes que a porta fosse fechada em sua cara, Jimin pôde ver alguns dos brinquedos que usava com Jeon distribuídos pela cama do mesmo. Encarou Jeongguk, esse que sorria para si e antes de fechar a porta, colocou o dedo indicador em frente aos lábios, como se pedisse silêncio. Ou até mesmo segredo.

Jimin permaneceu ali, estático, não acreditando no que acabara de acontecer e no que o loiro faria ali dentro. Sem ele. Era até mesmo estranho, ter a ciência que Jeongguk iria se tocar e não puni-lo por aquilo era demasiadamente esquisito.

Pensou em bater na porta, implorar de joelhos pelo perdão novamente, só para que o outro sorrisse para ele daquele jeito mais uma vez e deixasse que Jimin mesmo o satisfazesse. Contudo, quando o primeiro gemido sôfrego irrompeu pela porta, Park obrigou suas pernas a levá-lo para longe dali.

Não aguentaria um Jeon gemendo daquele jeito sem ter de arrombar aquela porta e ele mesmo acabasse com aqueles miados, e os transformasse em gritos roucos.

Xingou-se, não poderia pensar naquilo senão arranjaria uma puta ereção e estava proibido de se tocar. Arhg!

Bom, parecia que o jogo tinha mesmo virado.

[...]

As primeiras horas sem ter as mãos no corpo do loiro foram as mais agoniantes, sem contar as piadas constantes de Yoongi a cada segundo que se cruzavam pelos corredores da casa. Estava mesmo considerando jogar o amigo pela janela do segundo andar, bastava apenas mais uma piadinha idiota e estava feito!

Jeon também não colaborava muito, as roupas pareciam pequenas e apertadas demais, totalmente sensuais e aquilo deixava o amiguinho do Park desperto mais do que o normal. Acabaria se punhetando em algum canto da casa, não se aguentaria mesmo.

Agora estava na cozinha, na manhã seguinte, tentando se decidir se jogaria mesmo o Min pela janela ou não. Acontece que o de cabelos verdes estava encarando demais o seu namorado, e não se importaria muito se fossem em outros tempos, mas agora não tinha tanto poder sobre Jeongguk como antes; agora o loiro andaria livremente por aí e Jimin de nada poderia fazer ou falar. Só aceitar mesmo.

– Eu me lembro de ter rasgado o contrato, mas não as suas roupas. Por que está tudo tão curto? – ralhou o Park, as mãos em punhos enquanto Jeon o olhava desinteressado, mas por dentro estava vibrando com o ciúme do outro... Logo, logo agiria verdadeiramente e desarmaria o Park como nunca antes.

– Bom dia para você também cara. – disse Yoongi, desviando os olhos do loiro e sorrindo de lado para o amigo, vendo o quanto ele parecia irritado.

– Agora não Yoongi, não estou com o mínimo saco para suas brincadeiras e implicâncias. – disse sério, deixando Jeongguk levemente assustado, assim como o sorriso que morreu nos lábios do Min. – Vou para a empresa, até a noite. – saiu da cozinha, sem ao menos comer algo e rumou para o quarto. Precisava pôr seus pensamentos em ordem, estava perdido por conta de tudo o que aconteceu na noite passada.

Yoongi encarou Jeongguk de cenho franzido, nunca tinha o visto tão irritado assim antes. Já Jeon tinha, e quando aquilo aconteceu, pagou dolorosamente – mesmo que depois tenha ficado dolorido pela sequência, tinha adorado.

– Ele é tão nervosinho. – o Min revirou os olhos, entediado. – Mas vê o quão perdido ele está? – fitou Jeon, que assentiu a pergunta do outro. – Jimin gosta de poder, gosta de ter tudo ali em suas rédeas. É um completo chato, mas fica desesperado quando algo sai de seu controle. – suspirou passando uma das mãos pelo cabelo verde menta. – Ele deve está agora mesmo tentando entender tudo o que está acontecendo, e também divagando como tudo vai ser por agora.

Jeon não disse nada, sabia que o Park estava perdido depois que o contrato acabou e eles apenas seriam namorados normais. Jimin sempre viveu aquela vida, então seria muito estranho tudo acabar do nada e Jeongguk se comportar com um cara normal e que tem vontades além de agradar Jimin.

Seria difícil para ele se acostumar, então quando a ideia lhe veio à cabeça não poderia de jeito nenhum descartá-la.

– Acho que vou ter que sair hoje à noite. – comentou Yoongi, deixando que seu corpo se encostasse mais a ilha da cozinha. – Sinto que o cheiro de sexo e o barulho não vão me deixar dormir. Tsc.

Jeon riu, talvez fosse realmente verdade. Tudo dependia do quão bonzinho Jimin fosse.

[...]

Jimin chegou a casa aquela noite cansado, tinha mesmo adiantado todas as suas reuniões só para manter sua cabeça ocupada, tentando expulsar os pensamentos que a todo segundo caíam em um loirinho e no quão já sentia falta tocar.

Não poderia fazer nada se Jeongguk vinha em sua mente a cada dez segundos, e era quase impossível não sorrir todas essas vezes. Estava mesmo caído de amores pelo Jeon, o loirinho arrebatou o coração de Jimin de um jeito tão sorrateiro, que mal soube como estava apaixonado.

Estava mesmo tão cansado, que assim que saiu do banho, não se importou em vestir apenas uma boxer e cair de qualquer jeito na cama. Em poucos minutos já estava no mundo dos sonhos, com sua mente o traindo mais uma vez em lhe mostrar uma série de imagens quentes e bonitas do seu – agora – namorado.

Estava mesmo sentindo-o consigo, aquelas mãos tão habilidosas em seu corpo. Ele o enlouquecia! Sentia os dedos longos do loiro correndo por sua derme quente, ouvia também suspiros longos e o farfalhar dos lençóis; era como se o mais novo estivesse mesmo ali com ele.

Durante o sono – ou assim pensava o Park – sentiu suas mãos serem presas, assim como algum tecido macio em torno de seus olhos. Parecia tão real. Sentiu uma respiração quente em seu rosto, o que o fez remexer-se na cama, e quando seus movimentos foram praticamente limitados, Jimin “acordou” alarmado.

Os olhos do Park abriram rapidamente, mas não vira nada além da escuridão. Havia mesmo um pano cobrindo seus olhos, suas mãos estavam mesmo presas acima de sua cabeça; a respiração ainda continuava batendo contra seu rosto enquanto sentia um corpo sobre o seu.

Tremeu.

– Que bom que acordou Daddy. – a voz sedosa de Jeongguk escorreu pelos ouvidos de Jimin, assim como as mãos quentes do loiro, que corriam livremente pelo corpo do moreno. – Seu castigo acaba de começar. Espero que aguente firme, por que essa semana Park Jimin, será seu inferno particular.


Notas Finais


eu nem taquei jikook tentação feat jeongguk ousado pra escapar do 3some :v

beijão e até a próxima amorzinhos doces :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...