História Old Lovers - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Tags Dylan O'brien, Holland Roden, O'broden, Stydia, Teen Wolf
Exibições 81
Palavras 2.480
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


FALA POVO
MOMMY IS BACK
tá ai, cap bunitinho escrito essa madru porque eu sou irresponsável mas amo vocês
não desiste de mim gente
aproveita aí!

Capítulo 24 - Starboy


Fanfic / Fanfiction Old Lovers - Capítulo 24 - Starboy

Holland parou no tempo. Precisava analisar exatamente cada momento daquela cena, que provavelmente, iria decidir grande parte da sua vida pelas próximas semanas.

Como se ela pudesse realmente realizar o ato, ela observou, primeiramente, Max e Dylan.

Ambos estavam com suas caras revoltadas, mas só um tinha razão. O outro só achava que tinha, e cada um achava isso do outro. Confuso.

Sabia também que seus amigos logo estariam no cômodo, mas isso não a incomodava.

E segundo, viu a assistente piranha sem saber o que fazer, ela segurava os botões de sua blusa querendo fecha-los. Queria escapar dali.

E era isso que a ruiva mais queria também, o que leva a última pessoa a ser observada: ela mesma.

Não sabia definir seu estado. Se era choque, raiva, tristeza, alívio, saudade, decepção ou qualquer coisa que pudesse machucar seu pobre coração.

Lá no fundo, sabia o que tinha que fazer. Sempre soube. Mas a verdade era mais difícil de admitir, então ela pulou pra próxima, que seria Max.

Não, ela não o tinha usado. Até porque, a traição machucou seus sentimentos, que esperavam um término, mas não um bônus de término+traição.

Ela gostava dele. Podia imaginar-se conjunto por mais alguns tempos, mas sempre soube que não seria pra sempre.

Amar? Amar era uma palavra muito forte que a menina só designava á alguns. Os mais importantes, mesmo que estes por sua vez, talvez não soubessem.

Sabia que seu tempo para analise acabaria logo, não fazia a mínima ideia de como bolar algum tipo de desculpa, plano ou qualquer coisa que a pudesse tirar dali sem se ferir mais.

Mas, como seríamos o que somos sem esses desafios?

Digo, como evoluiríamos, viraríamos seres melhores sem o pacote, as vezes extendido, de burradas que devem ser cometidas?

Não, a vida nunca seria fácil assim.

Então a atriz optou pela opção que não queria fazer na frente do atual ex, e do ex, ex. Ela iria por tudo pra fora, e não haveria um ali que a impediria.

Se sentia como uma bomba relógio, prestes a explodir e qualquer um que estivesse perto poderia ser vítima. A pressão que sentia em seu coração, nunca fora tão grande, e nunca havia pesado tanto tanto em seu destruído coração mas em sua mente.

E então, no meio do discurso falso de Max, ela deu um passo pra frente, saindo daquele breve momento de reflexão que usou para reunir os pensamentos, decidir sua estratégia e fazer seu discurso.

Porém não havia nada planejado, somente queria retirar aquela pedra que havia em seu coração há tempos.

Segurou no braço de O’brien, que por sua vez a olhou preocupado. Ela somente dirigiu seu olhar para ele, e o garoto já sabia o que precisava fazer.

- Sabe, Max, eu realmente não queria estragar isso que tivemos. – sinalizou o “nós”  nos os dedos. – Porque, em algum breve momento, eu achei que poderia ser algo. Algo grande, que me tirasse da minha monotoma vida, como havia se tornado pouco antes de você. Mas eu errei.

Max tentou se pronunciar, mas ela somente levantou a mão com um sinal de basta e o garoto nem tentou.

- Eu vim aqui, com meu coração na mão e com dor para terminar essa tortura. Mas eu ainda tinha consideração com você, te respeitei e isso foi a única coisa que pedi de volta. Respeito. – Todos na sala ficaram em silêncio. – E tudo que lhe pedi, você fez ao contrário. – Soltou uma risada frouxa, sem haver nenhuma graça em sua frase.

- Você era tão obcecado em me exibir como se fosse um prêmio, que esquecia que eu , a eu de verdade, só queria passar um tempo contigo sem que você se aproveitasse de mim de alguma forma. Fosse tanto na mídia, no set e até no sexo. – O garoto olhou para o chão, sem saber responder.

- Eu já tive isso tudo com alguém maravilhoso, alguém que me amava, me dava atenção e gostava de estar comigo acima de tudo. E eu o deixei ir, porque eu não era madura o suficiente pra esse tipo de relacionamento. Precisava passar por um desafio desses, que seria conviver com você, Max, por esses últimos meses. – A pessoa a qual parte do discurso foi direcionada, sabia muito bem que era pra ela.

- Eu precisei que meu coração quebrasse pra entender que nem sempre acontece como planejamos. Mas hoje, você me fez uma mulher melhor, mais forte e segura. Valeu, Max. – Ela disse num suspiro. – Espero que encontre alguém tão sujo quanto você, talvez seja feliz ou tenha a mesma percepção que tive. Mas a única coisa que te peço é que suma, desapareça e nunca mais direcione a palavra a mim. Não te culpo por ser idiota, porque isso parece que sempre foi, mas a traição, é uma escolha que você fez. – Disse se virando e caminhando até a saída sentindo suas pernas bambearem. Mas ela não deu a ele o luxo de vê-la desmoronar.

                                    /                   /                    /

 

Todos na sala estavam de boca aberta com a atitude de Roden, pois desde que a conheciam, ela não perdia nunca a chance de arrumar uma briga.

Na sala, Tyler se posicionava furioso e atordoado; Shelley com mais raiva que nunca, a peguete do Carver que não presteva, estava esperando alguma deixa para sair sem ser notada. O Carver bom, sentia decepção e nojo do próprio irmão.

E lá na porta do outro lado da sala, Jeff Davis se posicionava encostado no batente da porta observando toda a cena, como se fosse ensaiada.

Mas Dylan..Ele sim estava surpreso, conhecia a ruiva da cabeça aos pés mas ela continuava surpreendendo-o após todo esse tempo. Sabia que uma parte de seu discurso era sobre o relacionamento de ambos, e naquele momento só queria olhá-la nos olhos e dizer as três palavras que queria tanto por pra fora.

Enquanto isso, sentiu alguém movê-lo para passar por ele. Só soube quem era quando acertou um soco no rosto de Carver.

Tyler Posey.

- Isso é pra você aprender que quando você arrumar briga com alguém daqui, o problema vira de todo mundo. – Disse o lobisomen.

E então, Shelly passou por mim e afastou o namorado pelo ombro se direcionando á o gêmeo maligno ainda no chão.

- Se você chegar perto dela ou de qualquer um aqui, eu corto seu amiguinho fora. – Disse Shelley botanto medo no rapaz. – E você, some daqui! – Disse para a assistente que ninguém se importava em saber o nome.

  Jeff Davis, atravessou o cômodo e explicou calmamente á Carver por quê ele estaria fora da série até antes do final da temporada.

- Além de você não apenas destratar uma das minhas melhores atrizes e amiga pessoal, você acha que manda em seus próprio roteiros, inventando falas e achando que pode mudar a cena á seu gosto. – Despejou Davis. – Saiba que, eu posso muito usar seu irmão em seu lugar e que você deve sempre lembrar que quem manda nessa série, sou eu. – Terminou o discurso que deixou os três atores – de verdade – na sala, orgulhosos.

Max se encontrava com seu orgulho e boca feridos com uma ameaça á seu pênis de bônus. Mas Dylan ainda não achava o suficiente. O puxou pela gola da camisa polo verde que usava e olhou no fundo de seus olhos quando simplesmente proveriu as poucas palavras:

- Você já era um homem morto pra mim, mas me diga, como é acabar com sua carreira inteira trocando Holland Roden por aquela lá? Sumiria daqui se fosse você.

                                                             ***

 Holland se encontrava sentada o sofá de seu trailer, surpreendentemente relaxada. Aliviada para ser mais exata. Não tinha a menor ideia do que havia acontecido lá depois que saiu, mas esperava que eles tivessem falando um monte para o ex namorado otário dela.

Ela encarava a parede de frente para seu sofá. Continha fotos de todos ali, inclusive algumas com Max. Se levantou e pegou uma cesta de lixo próxima e um isqueiro que sempre deixava no trailer.

Após apoiar a cesta na bancada do lugar, pegou todas as 5 fotos em que havia Max e as jogou dentro da lixeira de ferro, incendiando uma antes de juntar com as outras e assim formar a visão de uma mini-fogueira-anti-namorado-otário.

Enquanto via o fogo se apagando aos poucos, ouviu duas batidas leves em sua porta. Ao ser aberta, viu a pessoa que mais precisa em sua frente.

 Dylan O’brien.

- Holland. – Disse como comprimento.

- Dylan. – Rebateu.

Aquilo era estranho para ambos. Não sabiam de como tinham passado de um namoro caloroso para apenas trocas de olhares discretas. Nenhum dos dois gostava disso.

- Vim saber se estava tudo bem, sabe...Depois do que aconteceu e..

- Me sinto aliviada, Dyl.- Fluiu tão naturalmente que ela não percebeu, mas ele sim.

Começaram a conversar na porta do trailer da atriz, Holland acabou sentando em um dos três degraus do trailer azul claro junto com O’brien. Conversaram sobre coisas do dia-a-dia, pois nenhum dos dois queria tocar no assunto de mais cedo.

As pessoas que passavam entre os trailers, já achavam normal os dois ali, juntos e rindo. Mesmo se perguntando o por quê de esse habito ter parado por tanto tempo.

No meio do papo, o celular do moreno tocou avisando que era sua hora de gravar. Como Holland não estava bem para nada que envolvesse estar na mesma sala que Max, ela foi liberada pelo resto do dia por Jeff.

Se despediram, e como se fosse algo que faziam todo dia, Dylan a abraçou por reflexo. Entrou em desespero e tentou recuar, mas pra ruiva, foi a melhor decisão dele. Ela se encaixou no abraço e eles ficaram lá por minutos, somente percebendo o quanto aquilo fazia falta para os dois.

Dylan sentia falta do cheiro dos cabelos da menina e ela de como se encaixava perfeitamente no abraço do ator. Depois de longos minutos, O’brien se foi e Holland voltou ao seu trailer com suas fotos queimadas.

                     /                                         /                                       /

 

 

- Dylan, quero que use toda raiva que já sentiu e transforme ela durante essa cena, seja um Nogitsune! – Disse uma das co-diretoras do episódio.

- E..gravando! – Disse o diretor do episódio enquanto seu assistente batia a claquete iniciando a cena.

Stiles estava amarrado pelas mãos e tornozelos enquanto ainda estava possuído pelo Nogitsune. Scott acabara de acessar suas memórias em busca de alguma resposta.

 Melissa o observava da cadeira de frente ao sofá, onde se econtrava “Stiles” amarrado.

O menino que parecia possuir o demônio em seus olhos, achou uma forma de se aproveitar da pobre enfermeira.

Assim que saíram lágrimas de seus olhos e o mesmo sussurou o nome da morena, ela logo se aprontou a tirar a fita de sua boca, na esperança de o menino Stilinski ter realmente voltado.

- Stiles? – Perguntou Melissa.

- É sério, Melissa? Só preciso derramar uma lágrima? – Disse sorrindo maléfico para a mulher á sua frente.

Antes que ela pudesse tampar a boca novamente, ele se apressou a falar.

- O que você vai fazer quando Scott saber a verdade? – Perguntou á McCall. – Manteve sua cara de sínico enquanto prolongava sua conversa.

- Quando ela saber o real motivo de seu pai ter ido embora? – A mulher o olhava com sangue nos olhos. – Você não faz ideia.

- Chamou o Sheriff logo após ter acontecido e Stiles escutou tudo, como ele sempre faz. – Isso fez a espinha de Melissa gelar. – Ele sabe o quão deve te odiar.

Melissa, já furiosa, tampou a boca do menino que um dia já conheceu e saiu do cômodo.

E assim se deu o fim da cena. Todos parabenizaram ambos e só precisaram de um take para a cena, que havia ficado perfeita. Dylan foi elogiado por muitos por ter conseguido fazer um personagem tão sério.

Pelo menos, alguma parte do dia havia valido a pena para o ator.

                                                         ***

Holland havia chegado em casa poucos minutos atrás e Alan já estava a importunando querendo saber de tudo enquanto ela só queria um bom banho quente.

 Alan sentou-se ao lado da banheira enquanto a menina lhe contava detalhes que só ele perguntava, como o que estava o clima ou como fulano estava vestido. Coisas de Alan Ludwig.

No final, Roden usava seu roupão vinho enquanto penteava os cabelos e os dois riam de algo que aconteceu no dia de Alan.

E então a campainha tocou, e o melhor amigo como era o único vestido, desceu para atender.

- Eu vou levar sua garrafa! – Disse antes de abrir a porta, estava muito escuro e ele não conseguiu identificar quem era, então abriu uma fresta somente.

E então a porta foi pressionada contra sua cabeça, fazendo o escritor cair no chão e gemer de dor. Ele virou para o lado enquanto segurava a cabeça. E então, quando se virou para olhar quem era, somente viu um par de olhos conhecidos e o resto do rosto escondido por um pano preto, depois disso levou outra pancada e desmaiou.

No andar de cima, Holland secava os cabelos com seu secador no banheiro a espera de Alan, não estranhou sua demora pois poderia ser algum paquera seu na porta, então pensou não se intromenter. Tinha trocado o roupão por uma camisa longa azul e somente uma calcinha alta por baixo, afinal, estava em casa.

Ouviu a porta de seu quarto ser aberta e se virou para perguntar quem era para Alan, mas se deparou com alguém debaixo de uma máscara preto deixando somente os olhos de fora. Seu primeiro instinto foi gritar, mas logo sua boca foi tampada pela mão coberta por uma luva grossa, do tal indivíduo.

Na tentativa de se defender, a atriz usou seu secador para tentar golpear o agressor, conseguindo acertar o primeiro golpe mas logo perdendo o secador que de suas mãos foi ao chão quebrando ao meio.

Ela tentou usar as mãos, chutá-lo, gritar, se mexer e tudo que pode para salvar sua vida. O homem então perdeu a paciência e a bateu contra parede, fazendo-a cair no chão já sem consciência.

A jogou sobre os ombros e carregou até a saída da casa. Passou pela sala, onde o corpo inconsciente de Alan se encontrara. O olhou mais uma vez e saiu da casa carregando a ruiva em seu ombro.

Alan recuperava a consciência quando viu o agressor carregar sua melhor amiga nos ombros saindo da casa, e então ele se virou para garantir que seu trabalho estava feito. Alan finjiu ainda estar  no estado em que o homem o deixou. Mas antes que o homem sumisse, ele percebeu uma tatuagem que saia do bíceps do cara misterioso, por causa de sua camisa de manga curta.

E então ele apagou de vez.

Mas uma coisa que nem mesmo seu consciente quando estava desmaiado conseguiu esquecer foram aqueles olhos negros.

Os conhecia de algum lugar.

Aqueles olhos.


Notas Finais


SEGURA ESSE FINAL
nem sei como eu vou continuar com esse final, tô fudida mas espero que gostem
me encham de felicidade com esses comentários gatos de ocês <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...