História Older brother - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Banana_monstro, Bangtan Boys, Bts, Drama, Família, Gangster, Hoseok, Jeon Jungkook, J-hope, Jimin, Jiminnie, Jin, Jung Hoseok, Jungkook, Jungkookie, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Min Yoongi, Namjoon, Park Jimin, Personagens Originais, Policial, Rap Monster, Seokjin, Suga, Suspense, Taehyung, Yoongi
Visualizações 21
Palavras 1.240
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Policial, Romance e Novela, Saga, Seinen, Shounen, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi, bananinhos, bananáticos e banlunáticos! Tudo bom com vocês?! Aí vai mais um capítulo da fic que vocês tanto adoram (Mentira!)! Tá uma bosta! (É mentira, tá gente. Isso é só pra irritar uma cobaia minha!) Beijos da Banana!
Aproveitem!

Capítulo 3 - Gangster


Fanfic / Fanfiction Older brother - Capítulo 3 - Gangster

Estava tão quebrado que nem tive tempo de me preocupar tanto com o chupeta do Jungkook. Dormi como uma pedra e acabei perdendo a hora de levantar.

Tomei banho apressado, vestindo a primeira roupa que achei no guarda-roupa, bebi um café frio e velho da cafeteira e segui para a garagem, quase me esquecendo das chaves do carro.

Diferentemente do dia anterior anterior, o departamento estava calmo em sua rotina típica.

Segui para a mesa apressado. Ao me sentar, percebi pelo monitor do computador que meus cabelos haviam secado e estavam um tanto arrepiados. Arrumei-os com as mãos, frenético, enquanto pensava comigo: "Como os últimos dias foram agitados. Trabalho, Jungkook...".

-- Está atrasado, Park! O diretor quer te ver. Agora. -- Hobi me interrompeu sério, algo que não era muito comum.

-- Alguma coisa errada?! Fiz merda?! -- Indaguei assustado.

-- Só me acompanhe. -- Ordenou secamente.

Puta merda! Era só o que me faltava naquele momento: levar uma advertência!

Após alguns minutos seguindo Hoseok, percebi que não nos dirigiamos a diretoria, mas sim a sala de interrogatórios. Sentia que alguma coisa estava muito errada.

Avistei o diretor à frente da porta da sala, com sua expressão séria.

-- Queria me ver, diretor? -- Perguntei com o corpo gélido.

-- Lembre-se, Park, não misture o lado profissional e pessoal. -- Ele alertou friamente.

Antes que pudesse falar novamente, o diretor abriu a porta e me deu passagem. Vendo minha relutância, empurrou-me para dentro, entrando em seguida.

Encarei com ódio e tristeza o indivíduo algemado à mesa, com a cabeça baixa e aquela maldita cara de rola.

-- Jungkook! -- Exclamei quase sem ação. -- O que você fez?!

-- Virei puta e dei o cu! -- Respondeu com toda a ignorância que lhe era concedida pela natureza, erguendo a cabeça para me encarar.

-- Ele é o quinto membro que investigavamos do Bangtan Boys. Por ser uma ameaça, você sabe qual será o destino dele. Sinto muito, Jimin. Só estamos cumprindo o nosso dever. -- O diretor se aproximou de mim, pondo a mão em meu ombro paternalmente.

Ao ouvir aquilo, fui tomado pela ira. Só lembrava da omma e toda a sua dedicação para com aquele pirralho. Naquele momento não enxerguei o Jungkook inocente, mas sim um homem, e devia ser tratado como tal. Antes que ele voltasse a falar qualquer bosta, pulei em cima dele com a visível intenção de matá-lo.

-- Seu caralho! -- Agarrei o moleque pela camiseta, esmurrando-o na boca com toda a força que me era concedida no momento. -- O que deu nessa sua cabeça de merda?! Acha que eu não me importo com você, seu viado?! O que a omma diria?! -- Gritei sem controle, observando o filete de sangue que começava a escorrer de sua boca.

-- Foda-se a omma e foda-se você, maninho! -- Esbravejou, cuspindo o sangue em meu rosto.

Cerrei o punho e esmurrei-o novamente, agora próximo ao olho.

-- Calma, Jiminnie! Ele ainda é seu irmão! Não faça coisas da qual se arrependerá depois. -- Hobi interveiu, me tirando de cima do pirralho.

-- Esse porra não é meu irmão! Façam o que quiserem com essa merda! -- Falei enxugando o sangue do rosto e apontando com desdém para o moleque.

Apenas eu, o diretor, Hoseok, Jungkook, e um agente estavamos presentes na sala. Confesso que senti medo de ter chamado a atenção com tanta gritaria, mas ninguém espiava atrás da porta. Por sorte, o pessoal estava com muito trabalho.

-- Claro, Jiminnie! Vá com o seu irmãozinho Hoseok! -- Jungkook falou irônico, já recuperado do soco. -- Eu não preciso de você, seu lixo humano! Meus irmãos de verdade vão me salvar! Eles sim me amam e se importam comigo! -- Gritou de forma ofensiva.

Eu, que já tomava a direção da porta, me voltei para ele incrédulo. Aquela porra teve mesmo a audácia de me afrontar daquela maneira?!

-- Irmãos?! Seus irmãos?! E eu, seu puto?! -- Indaguei aos berros, me aproximando novamente dele, decidido a arrancar seus membros um por um.

-- Vamos, macho! Você não está em condições de participar do interrogatório. -- Hoseok me guiou até a porta.

-- Suma, seu merda! Covarde! Eu não vou dizer nada! -- O moleque gritou para mim, mas já estavamos fora da sala e a porta se fechou.

Apenas após alguns minutos caminhando pelos corredores foi que a ficha realmente caiu, me derrubando com ela. Perdi as forças nas pernas, que começaram a vacilar, me obrigando a buscar apoio na parede, e ainda assim não aguentei, deslizando lentamente ao chão. Não pude deixar de lembrar da nossa infância, quando Jungkook era amoroso e carismático, querido por todos, era um verdadeiro irmão. Levei as mãos a cabeça ao lembrar a cena do novo Jungkook naquela sala, tão mudado, agressivo, revoltado, aquele não era o meu irmão, não era Jungkook. Os últimos anos haviamos vivido na mesma casa como estranhos, entre brigas constantes. Lembrando de tudo aquilo, senti meus olhos umedecerem, e meu irmão estava pouco se fodendo para isso.

-- Aonde foi que eu errei, Hoseok?! Por que Jungkook não me ouviu, não considerou meus conselhos, não me respeita?! -- Desabafei entre soluços. -- Eu sou uma porra!

-- Não se humilhe, Jiminnie! Você é e foi um ótimo irmão mais velho. Ele que não soube te valorizar, carai! Você fez tudo que estava em seu alcance, lutou, aconselhou, foi mais que um irmão, foi um pai! A culpa é dele e não sua! -- Tentou me animar, mas sem sucesso.

-- Mas...

-- Vamos, levante! Esse não é o Jimin que conheço! Enfrente isso como homem! -- Me puxou para que eu levantasse.

Ele estava errado e certo ao mesmo tempo. Certo porque eu realmente tinha que enfrentar aquilo com homem, e enfrentaria. Errado porque eu não havia feito tudo que estava em meu alcance. Pelo menos não até aquele momento, e eu tinha bons meios para mudar aquela situação.

-- Você tem razão, Hobi. Não adianta chorar. Ao trabalho. --  Falei me pondo de pé, enxugando as lágrimas e começando a andar. Mas não foram as palavras de Hoseok que me animaram. Havia uma segunda intenção na minha repentina vontade de trabalhar.

[...]

Passei o dia inteiro revisando relatórios, digitando, cuidando de papeladas, sempre com naturalidade, sem demonstrar fraqueza ou vontade de ver Jungkook, mas uma ideia comprometedora dava seus primeiros passos em minha mente. Estava mantendo a calma, enquanto minha cabeça fervia.

Resolvi que meu plano teria início ao fim do expediente, quando todos fossem embora, então, tive que improvisar, me demorando em um último relatório para não chamar a atenção. Dispensei a companhia de Hoseok, que no final das contas resolveu ir embora, me deixando finalmente sozinho no departamento. Agradeci aos céus por ele ter me dado "espaço", já que naquele momento, nem as piadas do Hoseokão seriam capazes de me levantar. E, além do mais, eu estava ocupado demais para piadas.

-- Ótimo. -- Falei ao perceber que já estava sozinho. -- É agora.

Me dirigi ao computador principal, onde eram armazenados os dados dos criminosos e procurei pelos membros do Bangtan Boys, me sentindo aliviado ao notar que Jungkook ainda não estava incluso, mas sabia que era por pouco tempo. Baixei os dados para o meu pen drive, peguei minhas coisas e segui para o elevador, convicto da minha decisão.

-- Veremos por qual irmão você chamará no final, Jungkook.


Notas Finais


Deixem seus comentários!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...