História Olhos como os teus - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias NU'EST
Personagens Aron, Baekho, Jr, Minhyun, Ren
Tags Jinjing_, Jren, Nu'est, Presente Pra Gabs, Ren
Visualizações 37
Palavras 2.037
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Ficção, Fluffy, Lemon, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


10 favs
E eu achando que não ia ter nenhum :')
Te amo vcs seus lindos💜💜

Capítulo 2 - Casar? Com ela? Jamais!;


Como Jonghyun havia prometido, no dia seguinte ele voltou para encontrar Minki, este que já estava a sua espera. Logo assim que o viu, seu coração encheu-se de alegria novamente.

- Pensei que não viria. -O moreno disse ao ver Jonghyun sentar-se ao seu lado.

- Eu prometi. E cá estou. Eu nunca quebro uma promessa. -Sorriu tímido.- Então, dormiu bem?

- Eu não durmo. Meu pai prepara-me dia e noite para ser o futuro rei, já que sou seu único filho. -Retrucou, desviando seu olhar para as pernas de Jonghyun.- Se você não tem barbatanas, o que são essas coisas? -Indagou cutucando a coxa esquerda do loiro.

- São pernas. -Balançou seus pés.- E estes são os meus pés. Na minha opinião, é o órgão mais forte que um humano tem porque são nossos pés que suportam todo o peso de nosso corpo.

- Uau, posso ver? -Pediu de olhinhos brilhando, arrancando uma risada do Kim.

Jonghyun então começou a retirar seus sapatos e suas meias, ficando descalço. Minki ficou fascinado ao ver os dedos do maior mexendo-se freneticamente. Segurou o pé esquerdo do garoto e levou-o até a altura de seu rosto. Cheirou, analisou curioso, e até fez cócegas, fazendo o humano rir. Então abriu a boca e enfiou o dedão em seu orifícil bucal, fazendo Jonghyun corar. Seu rosto ficou mais vermelho ainda quando o tritão começou a chupar seu dedo.

- O-o que estás a fazer? -Questionou morto de vergonha.

- Tentando descobrir qual gosto você tem. -Explicou soltando o pé do outro.- É um leve gosto de morango. -Sorriu.

- Ah, quase ia esquecendo-me! -Puxou um pano embrulhado de seu bolso, mostrando-o ao moreno.- Eu trouxe algo que certamente você vai gostar. -Desembrulhou o pacote, revelando um bolinho de morango.

- O que é isto? -O moreno indagou curioso.

- Chama-se bolinho. -Deu uma mordida no doce.- E é muito gostoso. - Deu o doce nas mãos de Minki, que meio hesitante, levou o doce até sua boca, dando uma mordida no mesmo.

- É bom! -Disse de boca cheia.

- Eu sabia que iria gostar. -Sem querer, sua mão tocou levemente a mão do outro, fazendo ambos corarem.- S-sinto muito.

- Tudo bem. -E então o silêncio se fez presente.

Para quebrar aquele clima tenso que havia se formado entre eles, Minki decidiu brincar um pouco. Pulou na água sem aviso prévio, deixando um Jonghyun confuso.

- Minki? Onde você está? -Indagou tentando enxergar o moreno, porém não obteve sucesso.

Sentiu seus pés serem agarrados por um par de mãos, que o puxou, jogando-o no lago. Ele gritou e esperneou pensando que havia sido pêgo por um monstro, mas a risada divertida de Minki se fez presente, o fazendo perceber que havia sido tudo uma grande brincadeira.

- Tinhas que ter visto a tua cara. -O moreno disse entre risadas.

- Quase matou-me de susto! Nunca mais faças isso. -O outro reclamou.

- Não farei. Juro.

E assim foi o resto do dia, eles brincando no lago, e Minki sempre achando alguma forma de assustar o Kim. Conforme os dias passavam, Jonghyun já conhecia todos os truques do moreno, e já não caía neles. Era exatamente o contrário.

Os anos foram se passando, e eles já eram grandes melhores amigos. Compartilhavam segredos e contavam o que acontecia em seus reinos, Jonghyun contou que DongHo estava a poucos dias de se tornar rei, e que desconfiava de que Aaron e seu irmão Minhyun andavam se encontrando às escondidas, já que misteriosamente chupões apareceram no pescoço do mais novo, enquanto no mais velho, haviam aparecido arranhões. Minki, por outro lado, parecia estar triste por em breve ter que se tornar rei. Isso significava que ele não teria mais tempo para encontrar Jonghyun.

Quando a lua já surgia no céu para agraciar Tyrbam com o seu brilho e o sol retirava-se para brilhar em outro lugar, Jonghyun e Minki permaneciam deitados sobre a grama fresca e esverdeada, abraçados. Haviam se acostumado a ficarem pertinho um do outro.

- E os súditos de seu pai ainda acham que você é diferente e que vai "contaminá-los"? -O mais velho indagou afagando os cabelos morenos do tritão.

- Sim, e eu não entendo o porquê. -Suspirou.- Já falei para papai, mas ele disse que é apenas por causa de seu passado, e que eu não deveria importar-me com isto. -Olhou nos olhos do maior.- Mas machuca, hyung. Machuca saber que não sou aceito no meu próprio reino.

- Apenas ignore. Como eu. Todos do meu reino dizem que sou o filho bastardo, mas isto não me afeta. Eu tenho orgulho de mamãe, porque ela era uma mulher maravilhosa. -Sentou-se, admirando as águas calmas do lago em sua frente.- Não me importo de ser um bastardo, eu tenho orgulho de mamãe e é isto que importa.

O morenou sentou-se também, admirando as feições do loiro, que a cada dia que passava, parecia ficar ainda mais bonito e atraente.

Sem aviso prévio, Minki deitou sua cabeça no ombro do maior, também olhando para o lago.

- Eu queria ter conhecido minha mãe. Ela morreu quando eu nasci. Eu nasci ao norte da costa da praia de Tyrbam, e era uma noite tempestuosa. Os mares não estavam satisfeitos com o meu nascimento, e então decidiram que um de nós deveria morrer. -Abaixou a cabeça, lembrando-se do que seu pai lhe contara.- Minha mãe sacrificou sua vida para que eu vivesse. -Segurou seu medalhão de concha, sorrindo.- Este medalhão era dela. Papai deu-me quando fiz quinze anos, para que sempre me lembrasse dela. -Finalmente direcionou seus olhos ao Kim, que ainda permanecia em silêncio.- E você? Tem algo que lembre a sua mãe?

- Sim, tenho. Seus gostos. Ela gostava de coisas exóticas, seres mágicos. Seu sonho era viver grandes aventuras ao lado de meu pai, com piratas e tesouros mágicos! -Ambos caíram na gargalhada.- Eu era feliz quando vivia com ela, como um garoto comum. Mas quando ela morreu e papai soube de minha existência, exigiu que eu fosse morar no castelo junto de meus outros irmãos, e desde então venho sido criado para assumir seu trono, quando Aaron o deixar. -Suspirou ao pender sua cabeça para trás.- Ela contava pra mim, que na noite em que a Lua estivesse no seu ponto mais alto no céu, ela entraria no mar, e se transformaria numa sereia. A mais bela de todas as sereias.

- Uau. Sua mãe era incrível. Eu queria ter uma mãe igual a sua. -Deitou sua cabeça no ombro do loiro, batendo sua barbatana despreocupadamente sobre a superfície da água, espirrando algumas gotículas nos pés de Jonghyun, que acabou por rir feito um bobo.- O quê? -Choi olhou para o Kim com um olhar confuso e sorriso mais confuso ainda.

- Você me encanta, sabia? -O sorriso do outro sumiu de seu rosto, dando lugar a vermelhidão em suas bochechas.- Sua inocência e ar despreocupado, a delicadeza de suas feições e toques singelos. Tudo em você é perfeito. -Deslizou o dorso de sua mão pelo rosto alheio, aproximando cada vez mais o seu próprio rosto.

Seus lábios, agora à centímetros de distância, aos poucos se aproximavam. Teriam se tocado pela primeira vez, se o clamor de Minhyun por seu irmão não os tivesse atrapalhado. Afastaram-se rapidamente, corados.

- E-eu tenho de ir. -O loiro disse começando a se calçar.

- Voltas amanhã?

- Farei de tudo para poder voltar. Prometo. -Terminou de calçar-se.- Até amanhã, Minki. -Depositou um beijo rápido na bochecha do outro, levantando-se dali e correndo o mais rápido que podia.

Minki permanecia imóvel, tocando o local beijado em sua bochecha, sorrindo como um perfeito bobo.

Correndo sem parar, Jonghyun adentrou os jardins do castelo, extremamente ofegante. Assim que o viu, Minhyun correu até ele, aparentemente preocupado.

- Onde estavas?! -Questionou preocupado, analisando o mais velho para ver se havia algum machucado nele. Só acalmou-se quando constatou que não havia nada.- Deixou todos preocupados. Nunca mais saias deste jeito sem avisar onde vais.

- Vocês preocupam-se demais. Não é como se eu fizesse falta. -Retrucou passando seus dedos entre seus fios.

- Não fale assim, hyung. Você é tão importante quanto todos aqui. E todos sabemos que era a sua mãe que papai amava. Ele só casou-se com a nossa mãe porque foi obrigado. -O mais novo rebateu, caminhando ao lado do mais velho até o castelo.

Seus irmãos sabiam da história de Jonghyun, e não importavam-se com isso. Jonghyun continuava sendo irmão dos três, eles não o amavam menos por ser um bastardo.

- Papai disse que tem um comunicado importante para fazer, e tem haver com você. -Comentou baixo, para que apenas o mais velho ao seu lado escutasse.

- O que eu fiz desta vez? -Brincou, arrancando uma risada do mais novo.

- Você não fez nada. E eu não faço ideia do quê papai quer falar. -Chegaram ao salão onde as reuniões reais eram feitas, encontrando seu progenitor e irmãos ali.

- Jonghyun! Finalmente chegou! Veja, este é o Lord Shin Hoseok, rei de Puebtypo. Esta é sua filha, Jeon Somin. -Disse o rei contente por ver seu filho.

- Olá. -Foi tudo que o Kim em questão disse para os visitantes.

- Vê, Somin? Eu disse que ele é encantador e radiante, como Vossa Magestade Hyungwon. -Lord Shin disse sorrindo maroto.

- Papai, quem é esta moça? -Indagou Jonghyun para seu pai.

- Esta é sua noiva, Jonghyun. Como DongHo sumiu do mapa e Aaron não quer ser rei, você será o futuro líder de Tyrbam. -Explicou calmamente.

Aquela notícia havia pegado o Kim de surpresa. Ele era muito novo para se casar, tinha apenas dezenove anos! E ele queria casar-se com a pessoa que fosse seu verdadeiro amor e não com a pessoa que seu pai achava que seria a melhor escolha para si.

- Casar? Com ela? Jamais! -Bateu pé irritado e bufando, não deixaria seu pai controlar sua vida assim como seu avô fez.- Não pode me obrigar!

- Jonghyun! Não seja rebelde! Puebtypo está passando por crise financeira e apenas o seu casamento com Somin pode salvá-los. -Hyungwon retrucou.

- Foda-se a crise de Puebtypo! Não vou deixar fazer comigo o mesmo que o vovô fez com você! -Alterou seu tom de voz, e este foi o estopim para a paciência de Hyungwon esvair de seu corpo, assim depositando um tapa firme no rosto de seu filho, deixando em sua bochecha a marca perfeita de seus dedos.

- Você irá casar com Somin e ponto final. Não me desobedeça, Jonghyun, ou será pior para você. -Disse pausadamente, recuperando sua respiração normal aos poucos.

- Por que não escolhe Minhyun? Ele também é seu filho, não é? -Sugeriu, fazendo o mais novo atrás de si entrar em estado de alerta.

- Eu?!

- Minhyun? Ele não tem porte de líder e nunca poderá ser um rei tão bom quanto você e seus irmãos podem ser. Sem contar que Minhyun nem sequer sabe lutar ou cavalgar. -Desdenhou seu progenitor.- Minhyun é a vergonha da família. -Minhyun então abaixou sua cabeça, mordendo seu lábio inferior e se controlando para não chorar em frente aos seus convidados.

- Pode esquecer esta ideia absurda de casar-me com Somin. Eu sou dono da minha vida e eu faço o que eu quiser com ela! -Gritou, saindo dali correndo e irado.

Jonghyun estava irritado. Não. Irritado é pouco. Estava furioso. Furioso porque seu pai estava tentando controlá-lo da mesma maneira que foi controlado em sua juventude, sendo obrigado a casar sem amor e abandonar seu verdadeiro amor, que era sua mãe. Seus olhos marejados o impediam de enxergar claramente por onde corria.

Correu até a praia, a mesma praia onde Hyungwon e sua mãe geraram-o. Caiu de joelhos sobre a areia fria, por já ser noite, e permitiu-se chorar as lágrimas contidas. Esperneou até seus pulmões doerem, socando diversas vezes a areia fofinha.

Eu não vou me casar... Eu não a amo, não é justo comigo e muito menos com ela. Este era o seu pensamento. Ele queria que tivesse alguma solução.

Sentado sobre a areia, olhou para o mar, e ao longe viu algo ou alguém boiando. Tomado pelo desespero de ser uma pessoa, mergulho sem pensar duas vezes e nadou até o local onde aquilo se encontrava boiando e o levou até a praia.

Jonghyun deitou o corpo magro e nu do rapaz e fez-lhe uma massagem cardíaca, expulsando a água acumulada em seus pulmões. Só então, quando retirou os cabelos negros de seu rosto angelical, percebeu que se tratava daquele que menos esperava.

- Minki?!


Notas Finais


Quê que aconteceu, gente?? Será que Minki está bem? 😱
No próximo vamos conhecer o passado do nosso Maknae fofenho :3
Bj na bunda e bye❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...