História On and On - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Namjin, Sope, Taekook, Taekookmin, Vmin, Vminkook, Yoonseok
Visualizações 380
Palavras 2.792
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Fluffy, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Slash, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Agradecemos aos 234 favoritos e a todos que comentam!!! :D
Amamos vocês!

Para mais informações ou se quiserem bater um papo com as autoras,
nos sigam no Twitter: @giseledute | @isidoroka ;)

Boa leitura :D

Capítulo 25 - Capítulo 25 - (Extra - Especial 200 favoritos)


Estava chovendo e Seokjin encarava as gotas escorrendo pelo vidro da sua janela. Para acompanhar o clima frio que viera junto com a frente fria, o psicólogo fez um chocolate quente e agora tinha a porcelana por dentre os dedos e aos poucos ia esvaziando a caneca ao sorver o líquido doce por entre os seus lábios.

Aquele dia em particular estava sendo um pouco entediante para Seokjin, que desde da manhã não tinha pacientes, então simplesmente sentara em seu sofá e preguiçosamente desfolhara um livro, não o lendo, pois aquele amontoado de folhas lhe tinha um significado além das letras que estavam impressas nelas.

O livro em questão tinha algo guardado dentro dele e quando a página específica chegou, o papel especial em formato retangular, caiu no colo do psicólogo, que buscou e ficou encarando a fotografia por longos minutos.

Yoongi estava loiro na época, com o seu sorriso gengival amostra enquanto olhava para Seokjin, que fazia uma pose boba para a câmera. Ele não se recordava de quem havia batido a fotografia, porém aquilo não mais importava, pois seu coração ainda dava pulos somente ao lembrar como naquela viagem, o rapper havia se aproximando do seu corpo de forma possessiva e invasora.

Seokjin se recordava como os odor de álcool proveniente no hálito do loiro lhe invadiu as narinas e por mais que não fosse um grande fã de bebidas, poderia se acostumar com a língua de Yoongi lhe preenchendo a boca e exercendo pressão nos pontos certos. O psicólogo queria ter derretido com o toque do rapper e se entregue na areia daquela praia enquanto se perdia ao fitar as estrelas que existiam no céu e no olhar do outro. Seria especial, seria tudo o que ele queria.

Agora o chocolate quente já havia acabado e Seokjin pensava no amor que provavelmente nunca teria, no amor que o deu esperanças, para depois se interessar por outro.

Desde que Jung Hoseok chegara na vida de Yoongi, a paz de Seokjin havia ido embora, juntamente com a alegria de passar os dias ao lado do rapper. Era horrível marcar qualquer coisa com o moreno e o ruivo invadir o programa, com o seu sorriso exagerado e risada exacerbada. O psicólogo não aguentava mais e simplesmente confirmou suas suspeitas inicias: odiava o professor de artes.

O ruivo era invasivo, irritante e ocupava os pensamentos do psicólogo com novas formas de se livrar do homem que lhe estava roubando Yoongi. A vontade de Seokjin era prender os dedos no pescoço do professor e apertar até que a ínfima vida saísse do corpo de Hoseok e assim não o mais atrapalhasse em seus objetivos. Um sorriso de lado surgiu nos lábios de Kim só de imaginar a cena.

 Mas no fundo, aquilo eram somentes fantasias loucas, pois nunca seria capaz de tirar a vida de alguém e no fundo sabia que tudo era culpa do ciúmes idiota que sentia de Yoongi, por mais que o rapper não fosse dele e pelo ritmo das coisas, nunca seria.

Os pés do psicólogo estavam descalços quando o seu porteiro indicou que alguém estava perguntando se poderia subir. A surpresa com o nome foi imediata, tanto que autorizou a subida da pessoa, coisa que provavelmente não faria em um dia de circunstâncias normais.

Quando a porta foi aberta, os olhos analíticos do psicólogo correram todo o corpo molhado, do cabelo até os sapatos sujos de lama. Definitivamente, ele odiava Jung Hoseok.

– Retire os sapatos antes de pisar no meu apartamento. – informou o mais velho, dando as costas e voltando para o sofá, realmente acreditando que o ruivo faria o que ele havia pedido. – Então, o que você quer?

Hoseok fechou a porta atrás de si e correu os olhos rapidamente pela sala de estar do moreno, que suspirou pesadamente quando percebeu o que o professor fazia. Era como se o ruivo não vivesse na cobertura caríssima de Yoongi e nunca houvesse visto um apartamento de alguém com posses.

– Não se sente. – falou o psicólogo. – Quer saber? Pode sentar… Eu compro outro.

O ruivo concordou e se sentou na poltrona do canto, tentando se mexer o menos possível para não molhar e manchar as coisas.

– Eu queria falar com você. – disse o ruivo, cruzando os braços e se encolhendo no frio que sentiu em seu corpo. – É importante.

– Espero mesmo, pois minha poltrona é importada.

– Sua janela está aberta? – disparou Hoseok, olhando em volta. – Eu estou com frio.

Seokjin revirou os olhos para que o outro pudesse ver e simplesmente se levantou do sofá, indo para a cozinha. Hoseok não o seguiu, pois não sabia se deveria, afinal não havia sido convidado, então simplesmente ficou na poltrona, novamente se encolhendo no local.

O apartamento do psicólogo conseguia manter o equilíbrio entre clássico e moderno e o ruivo se viu perdido nos quadros da parede e na enorme estante. Era bonito e ele queria tocar em tudo, como sempre havia gostado de fazer com coisas bonitas, mas não podia sair do lugar, para não molhar mais nada.

O psicólogo voltou a sala pouco tempo depois, com uma toalha e uma caneca nas mãos. Hoseok não teve tempo de evitar que o tecido felpudo acertasse o seu rosto, mas se adiantou a se enrolar e assim sentir o corpo um pouco mais quente.

– Toma. – Seokjin disse, estendendo a caneca para o outro. – Chocolate quente.

O professor sentiu suas bochechas esquentarem e nada tinha a ver com o chocolate que agora sorvia com cuidado para não se queimar. Sentado no outro sofá estava algo que Hoseok sempre quis correr os dedos, para sentir a maciez daquela pele e como ela provavelmente era quente e convidativa para a sua boca correr do pescoço até o membro rosado, lá ficando por longos minutos, sugando tudo o que o psicólogo tinha para o dar antes de alcançar o próprio ápice.

– Fala logo, o que você quer? – perguntou o mais velho, irritado com os olhos do outro sobre si. – Anda logo que eu não tenho o dia inteiro.

– Yoongi se declarou para mim. – falou o ruivo, de uma vez. – Ele me pediu em namoro.

Kim Seokjin era um homem de convicções fortes, principalmente em relação aos seus sentimentos e por mais que estivesse com as esperanças um pouco baixas sobre com a sua paixão pelo rapper, não esperava que ter suas fantasias jogadas no ralo por Jung Hoseok. O destino estava brincando com ele e simplesmente era a pior coisa que poderia imaginar acontecendo no seu dia.

– E você veio jogar na minha cara? – O psicólogo sentiu vontade de arrastar o rosto de Hoseok no chão e chutá-lo. Como o professor poderia ser tão cruel? – Saia da minha casa!

– Eu não disse que tinha aceito.

– Ah! E por que não aceitaria?

O ruivo apoiou a caneca na mesa de centro e ao se levantar, deixou a toalha na poltrona, não deixando de encarar o moreno em nenhum momento. Em seguida, deu passos rápidos até o sofá onde Seokjin estava e puxou o psicólogo pelos ombros, que estava tão chocado que não conseguiu reagir.

– Eu quero você.

Seokjin há um tempo não sentia uma boca sobre a sua, então de início ficou parado, mas Hoseok pressionou o corpo contra o seu e antes que se desse conta, estava abrindo os lábios e recebendo a língua do outro, que parecia exercer a pressão ideal em pontos sensíveis.

No momento em que os dois se separaram, o psicólogo empurrou o peitoral do ruivo, mas não com força suficiente para o professor se mover. A verdade era que estava confuso e precisava agir de alguma maneira para se sentir útil ao mesmo tempo que pensava.

– M-mas… Que merda foi essa?!

O ruivo novamente findou os corpos, dessa vez puxando o outro pela nuca e de certo modo dominando o beijo. Seokjin foi mais recíproco, levando os dedos até os fios ruivos e puxando com certa força o cabelo do professor que gemeu por entre o beijo ao mesmo tempo que se afastava com o lábio inferior do psicólogo nos dentes.

– Hoseok…

– O que? – Hoseok passou a língua nos lábios, passando por todo o inferior bem vagarosamente. Seokjin fitou todo o processo, enquanto ainda tinha a mão ainda enterrada nos fios ruivos. – Só uma noite, Seokjin.

– Como assim?

– Eu te peço uma noite e você esquecerá Yoongi.

O moreno tentou ponderar, mas novamente o outro pressionou os corpos e dessa vez não houve qualquer resistência do psicólogo, que enquanto puxava o cabelo do professor, tinha a outra mão nas costas de Hoseok.

Hoseok, por sua vez, estava com pressa, pois queria provar aquele corpo que tanto desejara naqueles últimos meses, então enquanto o outro maltratava o seu couro cabeludo, ele levou a mão até a calça de moletom que Seokjin usava e sem nenhum pudor, começou a pressionar a região sensível do psicólogo, que para a sua surpresa, não resistiu.

Quando a boca do professor começou a sugar o pescoço do psicólogo, este já havia se entregue por completo, mesmo que há horas atrás estivesse dominado de ciúmes; o sentimento ainda estava ali e a ideia de Seokjin era utilizar o sexo para descontar suas frustrações em Hoseok, então quando ambos cambalearam pela sala, ele não resistiu em nenhum momento.

Seokjin acabou guiando o caminho e quando empurrou Hoseok na cama, já estava excitado e nem precisava olhar para baixo para saber que o ruivo estava no mesmo estado. O que estava fazendo? Não tinha muita certeza.

O professor logo puxou a camisa e em segundos já estava sem a peça, mas Seokjin o impediu de continuar o processo com as outras roupas, pois começou a beijar o pescoço de Hoseok, que nesse momento já gemia sem se segurar.

O mais velho perdeu a noção de tempo e espaço, mas após beijos e retiradas rápidas das roupas, a boca do ruivo foi ao seu membro, o engolindo com vontade, logo alcançando a base com os lábios ao mesmo tempo em que sua garganta se fechava na glande.

A língua de Hoseok também se movimentava junta com a cabeça e todas aquelas sensações estavam deixando o psicólogo louco, e sem nem pensar muito, o moreno levou a mão aos fios ruivos, forçando a boca do ruivo ainda mais fundo.

Seokjin não gozou naquele momento, pois o professor resolveu que queria brincar um pouco, porém o psicólogo não gostou de ficar esperando daquela maneira, então Hoseok se viu com as costas contra o colchão enquanto a mão do moreno começou a se movimentar no pênis do ruivo, que estava tão necessitado do toque, que somente afundou o corpo nos lençóis, gemendo alto no processo.

– Eu quero que você me foda. – Hoseok proferiu, com a respiração cortada, fazendo com que Seokjin parasse o que fazia e o encarasse. – Por favor, hyung.

O quarto ficou silencioso por uns momentos e Seokjin se levantou, causando um leve pânico no outro, que viu o psicólogo rumando para o banheiro.

Hoseok realmente achou que Seokjin havia desistido e quase levantou para buscar as suas roupas e correr daquele apartamento, mas quando o psicólogo voltou, uma camisinha já cobria o seu membro e em uma das mãos tinha um recipiente, que o professor calculou ser lubrificante.

– Eu já me preparei antes de vir. – afirmou o professor, passando a língua pelos lábios.

Seokjin mais uma vez nada falou, despejando um pouco de lubrificante na mão e passando por cima da camisinha. Ele queria ser bruto com o ruivo, afinal estava descontando todo o ciúmes e raiva do seu corpo no professor. Porém o outro já estando preparado, não atrapalharia os seus objetivos.

– De joelhos, com as mãos apoiadas na cabeceira. – falou o mais velho, subindo na cama. – Anda, não tenho a noite toda.

Minutos depois, as mãos do ruivo seguraram firmemente a madeira da cama enquanto seus joelhos ficaram no local antes estava um dos travessos e que agora ele não fazia ideia de onde havia ido parar. Seokjin estava atrás dele, também de joelhos e enquanto beijava  o pescoço do outro, próximo a área da orelha, o penetrava sem cuidado, fazendo questão de ser ríspido  no processo.

O professor gostava da força que o psicólogo usava e não demorou muito para apoiar a cabeça na curvatura do pescoço do outro, que tinha um dos braços envolto da cintura de Hoseok enquanto a outra mão firmava na cabeceira, que parecia que iria cair a qualquer momento com o movimento incessante.

Hyung… Hyung… Tão grande… Tão bom…

As palavras do ruivo pareceram ser um incentivo para Seokjin, que começou a se movimentar com mais rapidez, forçando ainda mais fundo dentro de Hoseok, que após minutos de intensa penetração, sentia todo o corpo tencionar e por isso levou uma das mãos ao próprio membro, o masturbando.

– Você não pode gozar antes de mim. – afirmou o mais velho, mordiscando o nódulo da orelha do ruivo. – Não queira saber as consequências…

Hoseok era uma pessoa boa de seguir ordens, então por mais que quisesse gozar, esperou, mas para a sua sorte, não demorou muito para o corpo de Seokjin começar a chegar no seu limite.

Seokjin sentiu que estava prestes a chegar no seu ápice, então forçou o corpo ainda mais para frente, estocando o ruivo tão profundamente que Hoseok só gritava palavras sem sentidos, principalmente quando o psicólogo chegou ao orgasmo com uma sensação tão prazerosa para o professor, que mesmo sem o toque, deixou o seu rastro de gozo pela madeira da cabeceira da cama.

O moreno segurou Hoseok e com cuidado o deitou na cama e logo fez o mesmo, totalmente sem fôlego. O que havia sido aquilo? Provavelmente o melhor sexo da sua vida e parecia loucura esse ter acontecido logo com o ruivo, que jurou tanto odiar.

Minutos depois, os corpos estavam mais calmos e Hoseok inseguro, tanto que com cuidado, esticou a mão na cama, até chegar perto da de Seokjin e ali deixando. Não se passou muito para o moreno entrelaçar os dedos aos do professor, que deu um sorriso contido.

– Quem é Yoongi? – perguntou Seokjin, engolindo a seco. – Acho que o esqueci.

O professor sorriu vitorioso enquanto se permitia fechar os olhos para um merecido descanso.

 

***

 

Yoongi resolveu fazer uma pausa do seu estúdio e seguiu para a cozinha em busca de um copo de água, mas logo encontrou Hoseok sentado no seu sofá, parecendo concentrado na leitura de algo. O moreno balançou os ombros e após ingerir a bebida, foi até o professor, se sentando ao lado dele.

– Tudo bem, Hobi?

Hoseok pareceu perceber pela primeira vez o rapper ali e suas bochechas tomaram uma cor extremamente avermelhadas ao mesmo tempo em que ele desviava os olhos do celular e encarava Yoongi, que a essa altura já estava preocupado com o que poderia ter acontecido o outro.

 – Você não está lendo hater de novo, né? – Yoongi perguntou, levando os dedos a ponte do nariz e pressionando o local. – Hobi, já falei mil vezes q-

– Que nojo! – gritou o ruivo, interrompendo o moreno. – A Internet é um lugar perigoso! Eu vou arrancar os meus olhos agora mesmo!

– O que aconteceu, Hoseok?

O professor não tinha coragem de falar, então esticou o celular na direção do rapper, que apressado observou que o ruivo estava em um famoso sites de fanfics e que li uma, onde um dos personagens era Hoseok e o outro Seokjin.

A constatação chegou a Yoongi junto com uma gargalhada que dominou todo o corpo do rapper, deixando o professor ainda mais sem graça e irritado. Como o moreno podia rir de algo assim? Era absurdo!

– Sensacional. – O moreno proferiu, ainda rindo. – Vou enviar para Namjoon.

– Você está maluco?! – Hoseok praticamente pulou no moreno, tentando arrancar o celular das mão do outro. – Seokjin-sii é o namorado dele!

– Por isso mesmo! É mais engraçado!

A vermelhidão preencheu novamente as bochechas do professor só de imaginar Namjoon lendo aquela vulgaridade. Onde já se viu ele gemer o nome de Seokjin? Era completamente absurdo e inaceitável.

– Me dê isso agora!

– Não!

O rapper sabia que a negativa havia se tornado em um desafio e antes que o ruivo estivesse em pé, já estava correndo com o celular na mão. Seus vizinhos provavelmente reclamariam do barulho, mas Yoongi não se importava, pois estava se divertindo com Hoseok e sinceramente não havia coisa melhor.

O celular acabou voltando para as mãos do ruivo vários minutos depois e o moreno acabou dormindo no ombro do professor, enquanto os dois estavam esticados na cama. Aquilo poderia ser surpresa para qualquer um, mas eram assim que as coisas fluíam na cobertura do rapper, pois no final do dia, sempre haveria Hoseok e de certo modo, Yoongi pensava que não existia melhor forma de se aproveitar uma preguiçosa tarde chuvosa de quinta-feira.

 


Notas Finais


Ps.: Gostaram da fanfic dentro da fic? :P

> O CVV – Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo. LIGUE 141.
Mais informações: https://www.cvv.org.br/

> Playlist da fanfic:
https://open.spotify.com/user/12155385492/playlist/3nwPiQQPO2O8A6aVlNWOlk

> Temos um grupo no whatsapp para os leitores da fanfic. Quem se interessar, basta pedir o convite!

Gostaram do capítulo?
Por favor, deixem comentários com as suas opiniões; amamos lê-los.
Até amanhã ;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...