História Once in Munich - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Robert Lewandowski
Personagens Personagens Originais, Robert Lewandowski
Tags Drama, Futebol!, Munich, Robert Lewandowski, Romance
Visualizações 397
Palavras 2.397
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Esporte, Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Heeeey! Tudo bem com vocês?? ♥

Um Lewan tomando cafézinho na foto do capítulo. Tão lindo...

Vamos para o próximo??
Espero que gostem!
Boa leitura!

Nos vemos lá embaixo! ♥

Capítulo 12 - Doze


Fanfic / Fanfiction Once in Munich - Capítulo 12 - Doze

No mesmo dia. Setembro de 2014.

Ainda no apartamento do Lewy. Com intrometidas.

Munique na Alemanha.

 

- Anna? – repetiu o nome, franzindo o cenho para a sua ex namorada parada a sua frente.

O que essa mulher estava fazendo no apartamento dele? Ainda mais com Francesca ali? Oh céus! Era só o que faltava!

- Robert? – ela perguntou, irônica adentrando na sala sem ser convidada. – Sentiu minha falta, querido?

- O que você está fazendo aqui? – Robert esquivou-se do abraço que ela queria, encostando-se na parede da sala, com os braços cruzados.

- Vim pegar umas coisas. E conversar com você. – Anna respondeu, sem se abalar com o desprezo dele. A moça sentou no braço do sofá, encostando-se preguiçosamente no encosto do móvel. Os olhos azuis dela varreram a sala e ela ergueu a sobrancelha ao ouvir passos de salto vindo do corredor.

- Robert, onde eu p-posso... – Francesca entrou na sala com a camiseta da polônia nas mãos, parando de súbito ao ver Anna Starchurska sentada no sofá. Robert olhou rapidamente para a italiana, que vestia a roupa da noite passada e tinha a bolsa pequena nas mãos, tentando acalmá-la com o olhar, mas Francesca ignorou o olhar dele. O que ela poderia fazer agora? Recuperando-se do susto passageiro, Frances suspirou baixo andando até a esportista que a encarava – Desculpe, senhorita Stachurska, eu não tinha visto que você estava em casa. – ela falou educadamente, estendendo a mão para cumprimentar Anna.

- Você é...?

- Francesca Bernardi, eu me mudei semana passada no andar de baixo. Ainda não tínhamos nos encontrado pessoalmente – ela mentiu, sorrindo amavelmente.

- E, Francesca Bernardi, você faz o que na minha casa? – Anna questionou, olhando de Robert para Frances. Merda! Como ela poderia responder algo sem ser: seu ex namorado estava me comendo na sua cozinha perfeitamente organizada. Aliás, cuidado com a bancada da cozinha.

- Meu filho, John, viu o Lewandowski ontem a noite no elevador e estava me enchendo o saco querendo uma camiseta autografada. Ai eu resolvi vir até aqui pedir para ele assinar uma camiseta para o meu filho. – Robert franziu o cenho, impressionado com a rapidez que Frances inventou uma desculpa. Frances falava calmamente, não se deixando abalar pela situação constrangedora. – Eu estava justamente vindo perguntar onde eu podia encontrar uma caneta, porque o John vai ficar muito feliz de ter uma camiseta assinada pelo segundo jogador preferido dele. – ela olhou para Robert, erguendo as sobrancelhas. Entre na conversa, polonês. Ela pediu mentalmente.

- Eu tenho uma caneta. – Anna respondeu, levantando para entregar uma caneta para Francesca. Frances passou a caneta e a camisa para o jogador – Mas não entendi o que você fazia lá dentro – a polonesa indicou o corredor com a cabeça.

- Banheiro. Minha bexiga está minúscula com a gravidez. – Francesca levou as mãos para a barriga, fingindo acariciar o ventre. – Estou de três meses. – explicou, suspirando como uma bela mamãe grávida.

- Você é bem fértil, né? – Anna riu e Frances a acompanhou.

- Demais.

- Aqui está, senhorita Bernardi. – Robert entrou na desculpa, entregando para ela a camiseta autografada. – Avise o John que quero brincar de bola com ele qualquer dia.

- Obrigada, Lewandowski. – ela segurou a camiseta e sorriu para Anna. – Vou voltar para a casa. Desculpem a intromissão.

- Eu te levo até a porta – o jogador disse, guiando-a pelos braços até a porta de saída do apartamento.

- Francesca? – Anna perguntou, fazendo Frances parar no lugar olhando para a porta já aberta. – Você disse que o Rob é o segundo jogador favorito do seu filho, quem é o primeiro?

- Cristiano Ronaldo, afinal o cara é o melhor jogador do mundo. – respondeu piscando com um olho só antes de sair pela porta e seguir pelo elevador que já estava parado no andar.

 

~~

 

Ai Francesca, onde é que você se meteu?! Ou melhor, quem você foi deixar meter em você...

Francesca pensava, angustiada, enquanto andava pelas ruas atrás de um táxi. Um vento frio passou pelos seus braços e ela abraçou o corpo, tentando se aquecer. O estômago reclamou por café da manhã e ela resolveu sentar-se num café próximo ao apartamento de Robert.

- Um café, por favor. – pediu para a moça da cafeteria, sorrindo fracamente.

Sentou-se em uma das poltronas, repousando a bolsa ao lado do corpo e a camiseta autografada na mesa. Suspirou, apoiando o rosto nas mãos, pensando em Robert. O que será que estava acontecendo no apartamento do polonês? Será que estava se reconciliando com a namorada?

- Droga! – bufou irritada, sentindo os ciúmes tomar conta de seu corpo. Quem ela pensava que era para ter ciúmes de Robert Lewandowski? Eles não eram nada. Foi apenas uma noite juntos e só. Eram amigos, até então.

Ah ta. Amigos que se pegam na cozinha...

- Deseja mais alguma coisa? Um muffim? – ouviu a voz da garçonete e voltou a posição sentada na cadeira com o rosto descoberto. Negou com a cabeça e a moça apontou para a camiseta que estava em cima da mesa. – Ouvi dizer que o Lewandowski mora aqui perto, talvez você consiga um autógrafo na sua camiseta.

- Ah... essa camiseta? – ela riu, pegando o uniforme nas mãos e lembrando que estava usando-o a pouco – Vamos ver... vai que damos sorte e ele vem aqui hoje tomar café. Podemos pedir uma foto com ele.

- Quem dera. As poucas vezes que ele veio, estava com a namorada e ela não deixa ninguém chegar perto dele. Os fãs que frequentam até acostumaram com a frieza dela.

- Mas ele nunca veio sozinho? – Frances franziu o cenho. Será que Robert era um carneiro no relacionamento?

- Umas duas vezes. Ficou quase a manhã toda tirando fotos com os clientes. Acho que para se desculpar das outras vezes em que ele não pode fazer nada – explicou a moça, sorrindo – O pessoal aqui da cafeteria até comemorou quando vimos que Anna tinha voltado para Dortmund. Que fique por lá! Ela é bem chata. – confessou baixinho e Frances riu, acompanhando-a no riso.

- Talvez ela volte antes do que você pensa.

- Espero que não... Mas vamos ver. Ainda prefiro o Lewan solteiro.

- Ele faz bem aos olhos, não é mesmo, Rachel? – Francesca perguntou, bebericando o café quente e olhando o nome da garçonete no crachá que ela usava no peito. Rachel concordou com a cabeça rindo e corando ao mesmo tempo. – Eu acho que vou aceitar um muffim.

- Volto já com ele. – Rachel disse, se afastando.

Francesca riu pensando como o mundo era engraçado. Ela estava falando com uma estranha sobre Robert Lewandowski, como se ela não o conhecesse. Como se Francesca não tivesse acabado de sair justamente do apartamento do jogador.

Bebeu mais um gole do café, repousando a caneca na mesa e suspirou olhando a camiseta.

Se nada desse certo, ia precisar jogar fora o uniforme polonês. Não dava para ficar com uma memória desse nível no guarda roupas sendo que ela não teria mais o dono dele nos braços.

Precisava se distrair até Rachel trazer o seu muffim. Pegou o celular dentro da bolsa, olhando suas novas notificações nas redes sociais. Max tinha enviado uma mensagem querendo saber de tudo o que tinha acontecido depois da dança com Robert na noite anterior. Suspirou, deixando a mensagem de lado. Depois ligaria para Max.

Tinha muitas curtidas na sua última foto postada no Instagram e comentários em outros idiomas. Franziu o cenho ao perceber que tinha muito mais seguidores do que anteriormente. Depois que Maxime começou a namorar o goleiro bávaro, a própria inglesa ganhara milhares de seguidores e até mesmo Francesca, por causa da amizade com Manu e Maxime.

As duas ainda reviravam os olhos quando percebiam a “fama” que namorar um jogador trazia. Como se Maxime estivesse realmente interessada nessa fama. E Francesca então? Que nem namorado tinha? Muito menos um jogador de futebol para chamar de seu.

 - Posso me sentar? – ela assustou-se ao ouvir a voz forte do jogador a sua frente. Olhou para Robert e assentiu, mostrando a cadeira que ela tinha na sua frente. – Desculpe pelo que aconteceu. Anna não deveria ter aparecido lá em casa daquele jeito. – ele disse baixo, pegando a mão dela que estava em cima da mesa.

Francesca desviou do aperto de mão, pegando a caneca de café e levando aos lábios. Bebeu um gole da bebida quente, observando e sendo observada por Lewan.

- Seu muf-fim – Rachel voltou trazendo o bolinho na bandeja e parou no meio do caminho vendo que Robert estava sentado na frente de Francesca. A moça serviu o muffim para Frances, ainda sem acreditar que o jogador que estavam falando a pouco estava sentado ali.

- Obrigada, Rachel. – Francesca agradeceu, olhando para a moça e reprimindo um riso mordendo os lábios. – Você quer alguma coisa? – perguntou direcionando o rosto para o jogador.

- Um café e um muffim sem lactose. – ele pediu, virando para a garçonete. Rachel vacilou diante do sorriso dele, mas anotou o pedido e se retirou, pedindo licença. - Ela pareceu não acreditar que eu estava aqui. – completou, olhando para Frances de novo.

- Estávamos falando de você a pouco. – a italiana comentou, cortando um pedaço do muffim com os dedos, levando-o a boca. – Quer?

- Não. O seu tem lactose. – ele respondeu, negando com um aceno de mãos.

- Sim, amo lactose. – Frances disse rindo sem humor virando o rosto para observar o movimento das ruas da janela de vidro que tinha perto de onde eles estavam sentados.

- Desculpe, de verdade. – Robert pediu, chamando a atenção dela. – Não era assim que eu queria ter terminado a nossa manhã no meu apartamento. Era para nós termos saído juntos de lá e ido num café menos movimentado que esse. – ele comentou sorrindo fraco, apontando para as pessoas que movimentavam o local.

- Eu sei... – ela disse, olhando para ele. Cortou outro pedaço do muffim levando-o a boca. – O que Anna queria?

- Além de me atormentar? – ele questionou e ela riu baixinho – Ela veio pegar umas roupas e dizer que vai ficar um tempo em Dortmund. Como se eu me importasse. – ele revirou os olhos. – Aquelas coisas que você deve ter reparado que tem pelo apartamento, ele levou embora. Eu passei essas semanas entre hotéis e viagens com o time e não tinha voltado para lá. Por isso tinha coisas dela espalhadas para todo lado. - Francesca continuou olhando para ele, querendo saber o final da conversa dele com a ex namorada. Rachel se aproximou, colocando o muffim e o café na frente de Lewan. – Obrigado. – ele sorriu e a moça se afastou. – Eu terminei com ela. De vez agora. Não quero mais nada com a Anna. Ela não é mulher para mim.

Bernardi o encarou por trás da caneca de café, com o cenho franzido. Por que Anna não era mulher para ele? Quando eles conversaram sobre ela, Lewan nunca tinha sido muito claro nos motivos que levaram a separação dele com a esportista. Além do fato dele querer um filho e ela não... Afinal, eles eram o exemplo fitness e amoroso da Alemanha e da Polônia.

Falando em Polônia, Frances percebeu que era até bonito o jeito que ele pronunciava o nome da ex namorada. Ele falava “Ania”. Era estranho, e ao mesmo tempo bonitinho, o jeito que os poloneses mudavam até mesmo os nomes pessoais.

- Fala alguma coisa. – ele pediu, diante do silêncio dela.

- Posso provar seu muffim sem graça?

Robert riu e entregou o prato para ela. Francesca era tão mais leve que Anna. Era alegre, divertida, vivia sorrindo e não se importava com muitas coisas que poderiam tirá-la do sério.

- Eca! – ela reclamou, devolvendo o muffim mordido para ele. O jogador riu abertamente da cara de nojo dela.

- É a mesma coisa. – explicou, mordendo o próprio bolinho. – A diferença é que é mais saudável e a digestão é melhor.

- É ruim e tem gosto de feno.

- Você está implicando. E como sabe o gosto de feno? – Rob franziu o cenho, ainda rindo dela e das falas que ela falou.

- Nunca comi feno, mas tenho certeza que parece esse bolinho ai.

- Eu não posso comer um muffim com lactose então pare de falar mal do meu bolinho.

- Tudo bem. Eu vou ficar quieta. – Frances disse, comendo o próprio muffim.

- Posso te perguntar uma coisa? – Robert cortou o pequeno silêncio. Frances concordou com um som da garganta – Por que seu filho iria achar que o Cristiano Ronaldo é o melhor? – ele arqueou a sobrancelha e ela riu abertamente, tampando a boca com as mãos.

- Claro que você não ia deixar essa passar, não é? – ela fez a pergunta retórica, voltando ao estado calmo – Meu filho acharia o CR7 o melhor jogador porque o cara realmente é o melhor jogador.

- Outch! – Lewa comentou, colocando a mão direita no coração, massageando. – Não doeu, tá?

- Não vamos entrar nesse assunto, sim? Você sabe que boa parte do meu coração é merengue.

- Tudo bem. Eu vou relevar porque eu tenho uma coisa que ele não tem. – disse dando de ombros e Francesca ergueu a sobrancelha, questionando – Você, Bernardi. Aliás, o que vamos fazer hoje?

- Trabalhar. – ela respondeu, fazendo careta. – Pego o turno da tarde hoje.

- Que horas você sai?

- As dez, quando fecha o shopping. Por quê?

- Vamos jantar juntos? Amanhã à tarde eu viajo para a cidade de Leipzig, queria passar a noite com você de novo.

- Você falando assim eu me sinto uma prostituta, mas tudo bem... Não vou cobrar essa noite, gato. – ela deu de ombros rindo.

- Você não é uma prostituta! Pelo amor de Deus! – Robert falou – Mas agradeço o desconto.

- Idiota!

- Piękny – ele falou em polonês e ela franziu o cenho.

- Vai ter que traduzir, eu não entendo porcaria alguma desse seu idioma estranho.

- Linda. Piękny é linda no meu idioma estranho. – ele comeu o último pedaço do muffim, tirando algumas notas da carteira e colocando na mesa.

- Você deve ter conquistado muita garota com essa cantada. – Frances comentou rindo abertamente.

- É... algumas. – Robert comentou. Francesca levantou ainda rindo e colocou a bolsa nos ombros, segurando a camiseta nas mãos. O jogador passou a mão pelo cotovelo dela, guiando-a para fora do estabelecimento. – Vamos para sua casa ver se essa cantada funciona com você também.

 


Notas Finais


Preciso confessar: acho lindinho o jeito que o Robert fala o nome da Anna...

That's all! ♥

Nos vemos nos comentários!
Beeeeeijos ;**


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...