História Once You Jimin - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bottom!jimin, Top!yoongi, Vmon, Yoonmin
Exibições 132
Palavras 6.863
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa noite!
Eu estou pulando a atualização de outro fanfic para atualizar OYJ e isso é muito errado porque devemos agir iguais com nossos filhos e bem, essa fanfic é minha caçula. Peço desculpas à minha outra filha /risos

Bem, hoje teremos um capítulo bem maior que eu imaginaria que estaria, realmente. Vai ser chão pra correr, ein! Além disso, nós teremos mais três personagens sendo apresentados aqui! Não estranhem a falta dos outros meninos, todos vão aparecer com o tempo!

Agradeço a todos os comentários do último capítulo, vocês são um amor /heart

Sem mais delongas, boa leitura!

Capítulo 3 - Sobre escapadas noturnas


Fanfic / Fanfiction Once You Jimin - Capítulo 3 - Sobre escapadas noturnas

– Você é péssimo nisso... – Taehyung resmungou se afastando levemente do algodão na mão do mais velho agachado à sua frente.

Taehyung não se recordava muito bem das coisas daquela tarde, mas lembrava-se que após Namjoon o buscar na praça começara a chorar doído, suas cordas vocais e cabeça doíam em causa disso. Lembrava-se de Namjoon dirigir em silêncio a seu lado, enquanto deixava sua mão direita sobre sua perna apertando-a levemente a cada soluço do mais novo.

Agora Taehyung estava ali, sentado no sofá pequeno do mais velho enquanto o mesmo tentava de uma forma meio torta limpar e fazer curativos nos cortes e machucados espalhados por seu corpo.

– Eu sei, me desculpe. – Namjoon resmungou tentando cortar o esparadrapo em suas mãos. Taehyung sorriu, levando uma de suas mãos até o queixo anguloso daquele hyung tendo sua atenção com olhos escuros e redondinhos. – O que foi?

Namjoon meio que queria sorrir mesmo Taehyung tendo aquela expressão tristonha, o mesmo puxou seu rosto e lhe selou os lábios caminhando suas mãos compridas e geladas para a nuca de Namjoon. E o mais velho conseguia sentir as mãos ainda tremulas o puxar para cima, enquanto via com olhos semicerrados Taehyung deitar-se sobre o pequeno sofá.

Deitou sobre o corpo cuidando de seu peso sobre ele, apoiando uma das mãos no estofado enquanto sua outra apertava com força moderada a cintura fina. Sabia que Taehyung tinha hematomas por diversas partes do corpo e tomava cuidado com isso. Sentiu o mais novo arranhar levemente sua nuca e Namjoon já sentia a euforia de excitação, mordeu o lábio cheinho do menor e o puxou, ouvindo e sentindo Taehyung arfar de leve, mas logo se afastar. Namjoon franziu de leve o cenho, quando teve o mais novo apoiando a testa em seu ombro direito.

Namjoon pode ouvir um fungar e prendeu um suspiro na garganta, não queria demonstrar qualquer tipo de reação negativa ao mais novo, Taehyung sempre ficava sensível ao extremo naqueles momentos.

Namjoon, conforme convivia com Taehyung aprendia algumas coisas. Uma delas era o distrair o máximo que podia diante daquele assunto, imaginava que se mantivesse sua mente ocupada nem que fosse um pouquinho, Taehyung se sentiria melhor.

– Está com fome, amor? – Sussurrou procurando o distrair de tudo aquilo.

Taehyung emitiu um resmungar que Namjoon já entendia como um “sim”. Ele riu soprado e beijou com carinho a têmpora esquerda do menor, vendo-o desencostar sua testa de si e deitar-se novamente com a cabeça apoiada no braço do sofá.

– Quer tomar um banho enquanto eu peço uma pizza? – Sussurrou enquanto tentava deitar seu corpo também no sofá.

Um detalhe muito importante era que Namjoon era péssimo cozinhando, ele vivia num apartamento pequeno num bairro silencioso desde que havia sido emancipado na ideia de que não ficasse para trás nos estudos graças as viagens frequentes de seus pais, ambos artistas plásticos. Sua mãe insistia para que o filho contrata-se alguém que pudesse limpar ou até mesmo cozinhar no apartamento, mas assim como o pai Namjoon sempre fora muito decidido e independente. Resumindo, passando três anos desde sua emancipação, Namjoon ainda era péssimo na cozinha e não havia contratado ninguém para limpar ou cozinhar. Sempre acabava comendo porcarias.

Sinceramente, Kim Namjoon.

Mas, voltando, Namjoon puxou o menor para cima de si deixando-o com a cabeça deitada em seu peito. Taehyung o respondeu com um balançar de cabeça e Namjoon mordeu seu lábio inferior, apertando o corpo frágil num abraço apertado, sentindo-o apertar a camiseta velha do NAS que Namjoon usava.

Taehyung sofria de uma disforia intensa sobre seu corpo e durante aqueles momentos tudo se tornava muito mais intenso para o menor. E sua disforia era a mais afetada.

Vejam bem, Taehyung era um garoto transexual, entretanto não havia passado por sua tão esperada transição. Taehyung tinha sua medicação de hormônios controlada, assim como seu nome social: Kim Taehyung. Dessa maneira, Taehyung ainda (e infelizmente) carregava a disforia com seu corpo sempre consigo.

Namjoon dedicou um beijo demorado nos fios curtinhos e loiros de Taehyung, vendo-o levantar seu olhar úmido para o mais velho. Namjoon lhe sorria bonito, deixando com que seus olhinhos pequenos sumissem em dois riscos alegres, Taehyung acabou sorrindo também arrastando seu corpo até deixar um beijo estalado nos lábios fartos de seu hyung preferido.

– Eu te amo, hyung... – Taehyung sussurrou, deitando a cabeça enterrada no pescoço cheiroso do maior.

– Eu também amo você, moleque. – Namjoon sussurrou e Taehyung sorriu se aconchegando mais no abraço quente. – E Tae...

Namjoon ficou em silêncio por um tempo e Taehyung foi obrigado a levantar sua cabeça para encarar o rosto do maior, esperando uma continuação.

– Diga, hyung... – Taehyung murmurou meio risonho.

– Você é lindo.

 

✖✖✖

 

Jimin se remexia desconfortável no estofado macio do sofá, fazia cerca de dez ou até trinta minutos que estava ali e quarenta desde que ele e Yoongi começaram uma conversa por mensagens.

O aparelho vibrou sobre seu colo e ele logo o desbloqueou, sabendo que sua mãe lhe olhava torto por estar no celular enquanto todos estavam num “momento familiar”, ou simplesmente assistindo um filme de ação na televisão da sala.

 

Yoongs ♡ 20:17

Vamos, Jimin, pare de ser um fresco. A galera toda vai estar lá!

 

Desde quarenta minutos atrás Yoongi tentava o persuadir a ir a uma daquelas festas que ele frequentemente participava. Mas, mesmo que Jimin tivesse decidido que queria viver como um adolescente livre, era mais fácil dizer isso do que enfrentar seus dois pais tradicionalistas porque, veja bem, Jimin não poderia simplesmente pausar o filme e soltar um “mãe, pai, eu vou pra uma festa regada à bebida e drogas que o Yoongi hyung, o carinha que estou dando uns beijos, está me convidando. Volto depois dás cinco da madrugada”. Oh, não.

 

Jiminie 20:19

Todo mundo quem? O Tae vai?

 

Sendo assim, a tática de Jimin era enrolar seu hyung até passar das dez da noite porque, segundo o mais velho, a festa começaria nesse horário.

 

Yoongs ♡ 20:23

Pare de me enrolar pirralho!

Eu não chamei ele, ligue e pergunta se ele quer te acompanhar, bebezão

Vou passar aí pra te buscar, esteja pronto em 20min

 

Jiminie 20:23

Eu nem disse se vou!

Hyung!!!

Hyung, espera, eu não falei com meus pais ainda!!!!

Afffff

 

Jimin ainda se perguntava como passou por sua cabeça que conseguiria enrolar Yoongi. Sentia a adrenalina correndo por seu corpo porque, porra, queria ir aquela festa mas...

– Mãe...? – Jimin murmurou baixinho para a senhora de cabelos negros e curtinhos e ela levantou seu olhar para o filho mais velho ao seu lado.

– Sim, querido.

Jimin olhou de relance para seu pai dormindo ao lado da mãe, ambos permaneciam de mãos dadas e mesmo Jimin achando aquilo uma graça, ele ainda se sentia nervoso.

– Me chamaram pra sair... E-eu... Mmn, eu posso ir? – Jimin ainda resmungava baixinho.

Senhora Park franziu as sobrancelhas clarinhas, formando um beicinho em seus lábios cheios e verificando o horário no relógio pequeno em seu pulso gordinho.

– Isso é horário, Jimin?

– M-Mas o–

– Deixe o garoto sair, querida, ele já é um homem. Precisa aprender a se cuidar sozinho. Você o mima demais. – Sua mãe rapidamente, rápido na velocidade que sua meia idade permitia, virou seu olhar para o marido lhe dando um tapa fraco no braço.

– Yah! Eu não vou deixar meu pequeno Jiminie sair nessa hora! – Sua voz levemente aguda se fez presente na sala, deixando o tom sussurrado para trás.

– Mãe! Eu tô tentando assistir! – Jihyun, irmão mais novo de Jimin, resmungou do outro lado da sala onde se encontrava parcialmente jogado num puf negro.

– Quieto, Jihyun! – Virou sua atenção a Jimin encolhido e com um beicinho nos lábios. – Onde você vai e com quem?

O silêncio que existia na sala escura foi deixada de lado. Suspirando o pai de Jimin pausou o filme no meio de uma explosão que havia deixado o filho mais novo animado. Senhor Park sabia que a esposa faria um interrogatório no filho mais velho, então se pôs em silêncio virando-se parcialmente no sofá, dando um apoio moral a esposa.

– Hmn... – Jimin coçou a nuca olhando para baixo. Senhor Park sorriu, aquela era uma mania que o filho havia puxado de si quando pensava numa boa mentira.

– Sem mentiras, garoto. Responda sua mãe.

Jimin olhou de relance para o irmão e o mesmo logo chacoalhou os ombros, demonstrando que não poderia o ajudar. Jihyun era um exímio mentiroso, provavelmente já havia bolado uma boa mentira para contar aos pais, caso estivesse na pele do irmão mais velho.

– Aish... – Jimin voltou seu olhar para a mãe, vendo-a com uma sobrancelha arqueada esperando por uma resposta.

– Yoongi hyung me convidou para uma festa que–

– Nem pensar! Esse garoto não é boa pessoa, não quero você andando com ele, Jimin!

Ele quis rir bem ali, frente a sua mãe, pai e irmão porque, droga senhora Park. Jimin fazia mais que só andar com Min Yoongi, ele andava aos beijos com Min Yoongi.

Ele suspirou baixinho e lançou um olhar brilhante ao seu pai, vendo-o sorrir contido.

– Sinto muito, garoto, sua mãe tem razão. Aquele garoto não parece boa pessoa.

Jimin queria gritar!

– Gosto do Yoongi hyung. – Jihyun resmungou do outro lado da sala, mas logo se calando quando sua mãe lhe lançou aquele tipo de olhar que você sabe que deveria apenas calar a boca e não se meter.

Jihyun suspirou e Jimin também.

 

Jiminie 20:29

Hyung :(

Minha mãe não deixou eu sair :( 

 

Vendo que o assunto havia morrido após o filho mais velho pegar o celular e sua esposa se endireitar no sofá, voltou ao filme dando continuação aquela explosão, logo ouvindo Jihyun exclamar eufórico com os efeitos especiais.

 

Yoongs ♡ 20:32

Por que contou pra ela, seu idiota?!

 

Jimin mordeu a pontinha do lábio inferior. Ele havia comentado com o mais velho que gostaria de sair mais, entretanto não conseguia mentir para seus pais porque era um medroso.

 

Yoongs ♡  20:32

Suba pro seu quarto e avise Taehyung que vou buscar ele, desce pela janela do quarto do teu irmão. Tô aí em 5min

 

Jimin arregalou os olhinhos pequenos e se remexeu no sofá, começando um resmungo baixo.

– Acho que viu subir então... – Jimin resmungou e fingiu se espreguiçar lento, pode perceber de canto dos olhos seu irmão lhe olhar.

– Certo, durma bem, meu amor. – Sua mãe dedicou um beijo carinhoso nos cabelos negros do filho. – Quer que leve seu jantar?

– N-Não! – Jimin se levantou e seu pai semicerrou os olhos em sua direção, podia sentir que iria desmaiar de puro nervosismo. – E-eu... Eu tô muito cansado, vou hibernar pra sempre se possível.

Riu forçado, recebendo um sorriso e um desejar de boa noite de sua mãe. Jimin sentia-se levemente péssimo porque sua mãe nem ao menos desconfiou, ela tinha confiança plena no filho mais velho.

Jimin subiu apressado as escadas logo procurando o número do melhor amigo nos contatos, teclou para ligar e apoiou o aparelho no ombro e bochecha enquanto entrava apressado em seu quarto. Precisava vestir um casaco e um sapato resistente à descida que faria pela janela do quarto de Jihyun.

Jimin estava quase ligando novamente porque, estranhamente, Taehyung não havia atendido nos primeiros toques como de costume.

– Diga, Jimin. – Uma voz bem mais grossa que a de Taehyung atendeu e Jimin parou o que fazia. Ele puxou o aparelho para poder ver se havia ligado para o número certo e sim, aquele era o número de Taehyung.

– Quem é? – Jimin puxou um casaco preto do armário e aproveitou para se enfiar numa calça jeans com rasgos nas coxas e joelhos. Oras, Jimin já havia reparado alguns olhares de Yoongi para suas coxas e não fazia mal provocar um pouquinho, certo?

– Sou eu, Jiminie, Namjoon. – ele riu soprado. – Do que precisa? Tae está no banho.

– Ele está na sua casa? – Jimin andou na ponta dos pés descalços até o quarto do irmão, enxergando no meio da pequena bagunça o par de botas negras do irmão.

– Sim. Do que precisa, garoto?

– Ah, sim! O Yoongi hyung me chamou pra uma festa e vai passar aí pra pegar vocês... – Enfiou os pés pequenos nas botas de um número maior, ajeitando o cabelo bagunçado frente ao espelho pequeno no canto do quarto.

– Não sei se ele vai querer sair hoje, Chim Chim... – Namjoon murmurou e Jimin parou o que fazia.

– Aconteceu de novo? Ele está bem? Porque não me avisou?! Eu sou o melh–

Namjoon provavelmente notou que o mais novo começaria um de seus dramas e logo o cortou.

– Ele está bem, já está tudo bem, Jiminie, cuidei dele. – Namjoon resmungou. – Vou perguntar se ele quer ir, já te ligo de novo.

E desligou. Jimin bufou, mas não ficou muito tempo parado, ainda na ponta dos pés voltou para seu quarto e, de um jeito que aprendeu em filmes americanos, afofou seu travesseiro debaixo das cobertas para que ficasse semelhante a seu corpo debaixo das cobertas grossas. Sorriu encarando sua invenção aparentemente bem sucedida.

Sentiu seu celular vibrar no bolso e ao puxar de lá viu mais uma mensagem de Yoongi o avisando que estava lhe esperando a duas casas de distância da sua.

Jimin logo rumou novamente para o quarto do irmão, levantando o vidro da janela com cuidado e mordendo o lábio em puro nervosismo.

Era muito alto!

Respirou fundo e sentou com as pernas pra fora da janela, enfiando o celular no fundo do bolso da calça e rezando pra que seu peso não quebrasse o galho da árvore que viu tantas vezes Jihyun utilizar para certas escapulidas noturnas. Jimin até se sentir meio merda porque, porra, seu irmão tinha dezesseis anos e já havia feito aquilo incontáveis vezes, enquanto Jimin estava prestes a se mijar de medo de cair dali.

Sentiu seu celular vibrar novamente assim que se sentou num galho aparentemente resistente. Deveria ser Yoongi o apressando, resmungou um xingamento infantil enquanto descia meio desengonçado em mais um galho. Olhou para a casa vizinha verificando se a senhora Lee não estava na janela porque certamente acabaria lhe dedurando para a senhora Park.

Jimin tremeu só de imaginar.

Quando enfim chegou ao chão, depois de sentir o baque dolorido nos joelhos após pular, se agachou para passar debaixo da janela da sala onde pode ouvir o som da TV abafado. Caminhou rápido e ainda abaixado até estar fora do portão.

Enfiou o capuz sobre os cabelos escuros e caminhou com certa pressa até onde Yoongi disse que estaria, pode ver um carro escuro debaixo de um poste com a luz fraca. Era o carro da mãe de Yoongi e Jimin ficou levemente desconfortável com a ideia do mais velho dirigir porque, bem, ele não tinha carteira.

Talvez Jimin pudesse voltar para casa e dizer que sua mãe o havia pego enquanto pulava a janel–

– Yah! Vamos logo! – Yoongi sussurrou meio alto, saindo de trás da árvore perto de Jimin e o mesmo pode sentir seu coração dar um solavanco e suas mãos apertaram a camisa perto do peito.

– Porra... Você me assustou! – Jimin arfou enquanto fechava os olhos tentando conter o acelerar de seu coração.

E não era por ver Min Yoongi dentro de uma calça preta apertada, contornado suas pernas fininhas. Jimin também adorava quando seu hyung usava aquele boné branco com argolas pela aba.

Yoongi estava lindo em toda aquela roupa preta e um boné branco.

– Entra logo no carro, caralho. – O mais velho virou-se e começou a caminhar para o carro que Jimin imaginava ser para estradas de terra. – Ainda temos que buscar o Taehyung e o Hoseok. Porra, eu deveria cobrar por servir de motorista pra vocês.

Jimin ouvia o mais velho resmungar, mas não dava muita atenção, afinal esperava ser recebido com um beijo ou aquele apertar que havia recebido na bunda outro dia. Nada. Yoongi só entrou no carro e bateu a porta como se fosse seu. Jimin entrou no carro em silêncio, tirando seu capuz e ajeitando-se no banco.

Yoongi acompanhava o movimentar lento do mais novo de canto dos olhos, vendo-o com um beicinho nos lábios cheios. Yoongi acabou rindo soprado sem querer, recendo a atenção curiosa do mais novo. Desceu seu olhar pelas roupas dele e, porra Jimin! Ele usava aquela calça que apertava suas coxas bonitas e as deixava amostra em rasgos extensos, Yoongi quase podia sentir a ponta de seus dedos formigarem com a vontade a apertar a até dar um belos tapas ali.

– Por que está me olhando assim? – Jimin sussurrou meio risonho, mesmo que estivesse levemente sentido por não ter recebido nem um beijinho daquele hyung que naquela mesma manhã estava lhe beijando no corredor do colégio.

– Vem cá. – Yoongi levou a mão direita até o braço do mais novo, o puxando levemente para si, recebendo um olhar ainda mais curioso e agora confuso de um Jimin estático. – Vem cá, Jiminie.

Jimin não disse nada, apenas se deixou ser puxado até estar meio sentado no seu banco enquanto apoiava a mão na borda do banco de Yoongi, com a proximidade de seus rostos tão pequena que podia sentir o perfume intenso nas roupas daquele hyung pequenininho.

Viu com os olhos semicerrados (porra Jimin, você se entrega muito rápido) Yoongi inclinar sua cabeça para o lado, ele aproximou-se mais e ali Jimin já sentia os lábios gelados contra os seus. Seus olhos se fecharam completamente e ele só queria sentir mais daquele hyung, mas assim que tentou sugar mais daqueles lábios para dentro de sua boca sentiu o boné do mais velho bater em sua cabeça. Yoongi riu soprado e Jimin afastou o boné num tapa, fazendo-o voar para o chão do carro. Irritado logo puxou o rosto pequeno para si, aprofundando o beijo gostoso que ele sabia que Yoongi tinha.

Acabou gemendo baixinho quando sentiu o mais velho e puxar com força, Jimin se enroscou no câmbio do carro, perdendo a força de seu corpo acabando por meio que cair, meio que se apoiar nos ombros magros de Yoongi. Mas, mesmo assim, aquele hyung não se deixou abalar porque logo fazia Jimin se sentar em seu colo, levando suas mãos nada castas até as coxas grossas do mais novo, sentindo-o rir entre o beijo barulhento que compartilhavam.

Yoongi apertava com força suas coxas e Jimin sugava seus lábios com intensidade, sentindo uma vontade meio louca de se mexer no colo gostoso de Yoongi e, ok, ele não ficou só na vontade. Rebolou fraquinho ali, sentindo o mais velho apertar com mais força sua pele e numa velocidade que não percebeu, Yoongi levou as mãos fortes até aquela bunda que andava aparecendo frequentemente em seus sonhos noturnos. Apertou com força, forçando Jimin a importar mais pressão no esfregar de suas intimidades e acabou afastando seus lábios dos cheinhos de Jimin. Começou a dedicar atenção no pescoço cheirosinho, beijando inicialmente apenas para ver a reação do mais novo.

Jimin havia levantado a cabeça e, com ajuda das mãos fortes, rebolava com mais força sobre seu colo. Seu lábio inferior era preso entre seus dentes, contendo uns gemidos que sabia que acabariam escapando se não mantivesse controle daquele lado que não sabia que existia em si.

Porque, sério, nunca havia se imaginado dentro do carro da mãe de Yoongi, enquanto o mais velho estava na direção e Jimin rebolando em seu colo daquele jeito, sentindo seu pescoço ser chupado daquele jeito dolorido e molhado. Mas estava tão bom.

– A-Ah...! – Jimin gemeu dolorido quando sentiu os dentinhos afiados em seu pescoço, mas mesmo doendo Jimin acabou rebolando com ainda mais força, levando uma das mãos até os cabelos macios de Yoongi, enfiando seus dedos ali enquanto sua mão livre descansava no pescoço branquinho. Mas Jimin não aguentou, ele fincou as unhas não tão curtas ali ao sentir seu hyung apertar com mais força sua bunda e, porra! Pode sentir o membro duro do outro no meio daquele rebolar todo.

– Deus... – Ouviu o resmungar rouco de Yoongi e aquilo o fez abaixar os olhos, antes fechados com força, para poder ver a expressão ali. Yoongi lhe encarava com o lábio inferior preso em seus dentes enquanto subia devagarinho sua mão ainda na bunda do mais novo. Jimin queria sentir mais daquilo, então meio que não notou quando Yoongi enfiou ambas as mãos dentro de suas calças e cueca, sentindo com total e completa liberdade a pele quente das mãos em sua própria pele.

Ele apertou com força novamente sua bunda, agora sentindo a macies que ele sempre imaginou existir. Queria poder deixar um bom tapa ali, mas a calça nada folgada de Jimin lhe impedia.

– O que... H-Hyung...! – Jimin parecia notar só agora onde as mãos do maior realmente estavam. O que estavam fazendo?!

Yoongi pareceu perceber que o mais novo estava meio assustado, então logo impulsionou seu quadril pra cima de leve, apenas para o fazer sentir seu membro duro.

– Shh! Só não pare de rebolar no hyung, Jiminie. – Sussurrou com os lábios rentes aos do outro, ouvindo-o gemer baixinho e contido. Yoongi não resistiu, impulsionou novamente seu quadril e, droga, aquilo era bom. Jimin lambia os lábios em desespero, esfregando-se com ainda mais força no colo de Yoongi, esperando sentir mais do volume. - I-Isso...

Jimin gemeu baixinho querendo estar sem aquela calça que apertava suas coxas, queria sentir mais de seu hyung e gemeu mais alto quando algo vibrou em seu bolso. Mordeu o lábio inferior com força, o carro parecia uma sauna sem vapor, queria tirar toda sua roupa e queria sentir seu hyung lhe beijar. Com essa ideia ele avançou para os lábios vermelhos de Yoongi, sentindo novamente o vibrar em seu bolso e dessa vez frequentemente.

Yoongi resmungou em meio ao beijo, tirando uma das mãos de dentro da calça de Jimin, procurando o celular que sentiu ali há pouco. Levou o aparelho até perto do rosto que ainda o beijava com volúpia. Jimin estava tão desesperado que só queria o jogar no banco traseiro e lhe dedicar maior atenção.

Mas, droga, Jimin provavelmente era virgem e Yoongi não lhe daria sua primeira vez no banco de trás de um carro às nove da noite.

– A-Atende... – resmungou em meio ao beijo, sentindo-o se afastar de leve de seus lábios e prender um gemido na garganta. O celular ainda vibrava em sua mão e Jimin o pegou com aparente raiva, atendendo no viva-voz porque não conseguia parar de se mexer ali.

Porra, era tão bom.

– Jimin? Está aí? – puderam ouvir a voz de Taehyung abafada pela ligação.

– U-Uhum... – Jimin sentia deu hyung lhe marcar o pescoço novamente, sua língua passava devagar sobre sua pele, o fazendo tremer de leve ali sobre seu colo.

– Namjoon hyung e eu vamos nessa festa, eu tô na casa do hyung. Vocês vão passar aqui pra buscar a gente? Eu tô quase pron–

– I-Isso, Jiminie, a-assim...

– Hyu-Hyung... Hmmn...

Jimin havia inclinado seu corpo para trás e, porra, mesmo dentro daquela calça podia sentir o membro de seu hyung melhor naquela posição. Yoongi o segurava pela cintura com uma mão enquanto a outra apertava o volume por cima da calça do mais novo.

– Jiminie... – Yoongi riu prendendo o lábio inferior entre seus dentes. – Não é... Não é só sua altura que é... Pequena...

Jimin fincou as unhas no braço em sua cintura, ele queria chutar e xingar o mais velho por comentar o tamanho de seu pau enquanto estava ali, quase dando pra ele. Mas Yoongi foi rápido em apertar com mais força seu membro, acabou gemendo meio alto, fechando os olhos com força.

– E-eu... E-Eu vou matar v-você...

– Eu é que vou matar vocês! Eu tô na linha ainda e vocês transando, eu não acredito nisso! Yah! – Ambos se assustaram ao ouvir a voz grave de Taehyung do outro lado da linha. Jimin se desequilibrou e acabou meio que batendo as costas na buzina, produzindo um barulho alto e continuo até se afastar do volante em desespero, ouvindo os cães da vizinhança latirem e Yoongi xingar meio alto. Jimin olhou assustado para ele e o mais velho encarava vergões vermelhos em seu braço graças as unhas que Jimin ficou ali e arrastou graças ao susto.

– Caralho, Kim Taehyung! – Yoongi exclamou, assustando novamente Jimin que se endireitou no colo do maior, mas rapidamente pulou para o bando do carona, tentando arrumar a bagunça na qual se encontrava.

– Caralho digo eu! Estamos esperando vocês dois aqui e estão transando?! – Taehyung tinha abafada ainda, provavelmente andava de um lado para outro irritado. – E ainda tenho que ouvir que o pau do Jimin é pequeno!

– Yah! – Jimin berrou enquanto o mais velho ligava o carro. – Cale a boca, Taehyung! Que merda...

– Cale a boca você! Não acredito nisso, Jimin hyun-

– Calem a porra da boca os dois! – Yoongi reclamou alto. – Diz logo o que você quer, Taehyung.

– Aish... Liguei pra avisar que vamos nessa festa e estamos esperando vocês no apartamento do Namjoon hyung...

– Era isso? Ótimo. Desliga logo esse celular, Jimin. – Yoongi resmungou enquanto fazia a curva e parava no semáforo vermelho.

– Não comecem a tran– Jimin desligou a ligação apressado ouvindo Yoongi bufar irritado. Jimin, mesmo meio irritado pelo tamanho diminutivo de seu pau ter sido abordado na conversa, prendia um riso na garganta porque seu hyung tinha uma expressão emburradinha, era fofo e até meio excitante.

Jimin ficou lhe encarando de canto dos olhos por um tempo, Yoongi ainda estava meio duro mesmo depois de Taehyung interferir drasticamente. Jimin na realidade nem sabia se iriam acabar transando mesmo, mas estava tão absorto que só queria sentir mais dos toques e do volume de seu hyung preferido. Jimin desceu o olhar para as calças do outro e, droga, ele realmente ainda estava duro.

Será que pagaria muito mico em se abaixar ali e cair de boca?

– O que foi? – Jimin arregalou os olhos e mais rápido que tudo virou seu rosto para a janela ao seu lado, sentindo a vergonha consumir todo seu rosto. O que ele estava pensando? “Cair de boca”?! Porra, o que é isso, Park Jimin?! Enlouqueceu?

– N-nada! – Jimin mordia os lábios morrendo de vergonha ter sido pego olhando para o pau duro do mais velho. – V-Vamos buscar o Tae?

Yoongi tinha o riso preso na garganta porque conseguia ver as expressões desesperadas de Jimin no reflexo da janela e ele nem percebia. Jimin era tão fofo.

– Sim, só não quero nenhuma reclamação do carro estar apertado.

 

✖✖✖

 

Jimin segurava o braço do mais velho com força, eles haviam acabado de sair do carro estacionando umas duas casas abaixo porque, sério, haviam muitos carros estacionados em ambos os lados do acostamento. Eles caminhavam juntos para um prédio que mais parecia um daqueles apartamentos londrinos das séries que Jimin assistia junto de Taehyung. Ele olhou para trás e Namjoon caminhava junto a eles com os braços protetores sobre os ombros magros de Taehyung, sussurrando algo em seu ouvido.

Yoongi entrelaçou seus dedos nos de Jimin e foi inevitável, o mais novo sentiu seus lábios se repuxarem num sorriso largo.

Jimin estava começando a gostar mais do que o normal de ter alguém segurando suas mãos.

Mas seu sorriso foi sumindo confirme o mais velho o puxava para uma porta que mais parecia a entrada de um porão e, porra, aquilo era um porão?! Era, porém muito maior que o usual, eles desceram uma escada íngreme após enfrentarem uma singela fila e o encarar de um segurança mal encarado. Em meio à escuridão com luzes verdes e rosas piscando, a batida alta e potente da música fazia o interior de Jimin tremer, olhou para trás e viu Taehyung rir de qualquer coisa que Namjoon tivesse o dito.

Jimin não queria demonstrar, mas estava levemente apavorado.

O lugar estava cheio de gente dançando, se beijando, bebendo e fumando pelos cantos. Jimin apertou com força a mão do mais velho, recebendo um sorriso do mais velho que parecia dizer “ei, vai ficar tudo bem”. Pelo menos Jimin esperava isso.

Yoongi parou num canto com espaço e espero o casal se aproximar também, ele se aproximou da audição de Jimin segurando sua cintura com certa força.

– Vou procurar Hoseok, quer vir? – Yoongi lhe perguntou meio alto, para ser ouvido acima da música eletrônica. Jimin assentiu rápido, afinal não queria se perder ali. Se aproximou de Taehyung e lhe disse o mesmo, pedindo para que esperassem ali. O mais novo assistiu e sorriu retangular.

Pelo menos Taehyung estava sorrindo sincero, precisava se lembrar de conversar com ele depois naquilo.

Yoongi o puxou pela mão entre o mar de pessoas ali e não foi nada difícil encontrar Hoseok, ele estava dançando animado com uma garrafa de cerveja nas mãos, enquanto que a outra segurava a cintura de uma garota alta e de curvas angulosas. Yoongi se aproximou puxando o mais novo consigo, enquanto levantava as mãos pra cima forçando Jimin ao mesmo, ele soltou um grito de comemoração animado naquela voz que Jimin tanto gostava de ouvir.

Jimin sorriu, seu hyung era tão radiante.

No fim das contas Yoongi não havia passado na casa de Hoseok para o buscar, afinal de contas ele já estava ali. Havia ligado para Yoongi avisando que havia pego carona com um amigo da sala de ambos e aquilo facilitou muito.

– Yah! Yilin! – Yoongi berrou e abraçou a garota que anteriormente dançava com Hoseok, ela berrou também e ambos se abraçaram apertado, rindo um com o outro. Jimin sorriu, não havia notado que era Yilin porque, novamente, ela havia mudado a cor dos cabelos compridos. Era um tom entre castanho claro e dourado, Jimin precisava admitir que Yilin talvez fosse a garota mais linda que já conhecerá.

Depois de encontrar todos, Yoongi os puxou para onde o casal estava esperando. Jimin em determinado momento grudou em Taehyung meio desesperado com tanta gente, tanta bebida e tanta liberdade ali dentro. Parecia um novo mundo, as pessoas se beijavam despreocupadamente sem toda aquela etiqueta oriental. As meninas dançavam coladas aos corpos de garotos e garotas, meninos beijavam meninas e meninos. Eles fumavam ali dentro e ninguém parecia se importar.

– Taehyung! Eu não acredito que veio! – Yilin berrou meio agudo, jogando-se nos braços compridos de Taehyung recebendo um abraço apertado em troca. – Você está uma delicia nessa calça!

Taehyung sorriu abertamente, levantando o corpo da garota e a rodando no ar, ouvindo a gargalhada alterada de Yilin.

– Você está muito bêbada, noona! – Taehyung a soltou e ela cambaleou para os braços de Hoseok que a segurou pela cintura.

– Mas eu vim aqui pra isso! Hoje eu quero rebolar e beber, beber e rebolar! – Ela levantou os braços pra cima, quase acertando o rosto de um Hoseok quase tão bêbado quanto. – E olhem isso, eu conheci essa garotinho aqui e advinha, ele é amigo de você! Porra, isso é louco, né?

Ela ria contagiando todos, Yoongi negou com a cabeça e lançou seu olhar para Jimin que encarava tudo meio sorrindo, meio tímido demais. Ah, mas Yoongi sabia que ele deveria estar tremendo feito vara verde por dentro, Jimin sempre seguiu as regras e agora estava ali no meio de dois bêbados e nenhum pudor ao redor.

Jimin recebeu um beijinho molhado no pescoço e sorriu para seu hyung, estava conhecendo aquele mundo agitado dele e, mesmo meio assustado, estava gostando.

 

Em determinada hora que Jimin nem se importou em marcar, Yilin havia puxado ele e Taehyung para o meio das pessoas. Os três dançavam e Jimin já estava talvez na sua terceira garrafa de cerveja, ele dançava colado a Yilin e sem nenhum tipo de pudor, Taehyung pulava com as mãos para cima enquanto gritava a letra da música. Ele olhou para Jimin tão colado em Yilin e sorriu, puxando-a dos braços pequenos de Jimin e dançando junto da garota.

Jimin sentia algumas mãos passarem por seu corpo e aquilo meio que o incomodou então, meio trupicando nos próprios pés, caminhou para onde havia visto seu hyung pela última vez. Ele o avistou num sofá junto com umas seis ou cinco pessoas, Namjoon estava ali e eles riam alto enquanto uma fumaça densa pairava sobre todos ali. Mesmo trupicando Jimin alcançou todos ali e pasmem, nem caiu!

Ele jogou o corpo ao lado do mais velho, rindo contagiante e deitando a cabeça no ombro magro do mais velho. Ele passou algo para Namjoon ao seu lado e abraçou meio torto Jimin, lhe deixando o beijo casto na testa suada. O mais novo sorriu bonito e inspirou o cheiro de Yoongi, sentindo meio forte um cheiro diferente, era como algo natural, porém forte. Não era ruim.

Jimin levantou seu olhar e beijou de leve os lábios risonhos daquele hyung meio mole no sofá.

– Nunca dancei tanto como hoje! – Jimin falou alto perto da audição sensível de Yoongi, vendo-o fechar os olhos e jogar a cabeça pra trás meio desorientado.

– Está se divertindo? – Ele respondeu jogando sua fala alta aos céus, mas logo abaixando a cabeça e Jimin pode ver as pupilas imensamente dilatadas de Yoongi. Ele sorria bobo e, meio que estranhando, Jimin lançou seu olhar para Namjoon. O mais velho fumava algo que Jimin não identificou. – Vem, vamos pegar uma água pra você.

Yoongi o puxou do sofá e Jimin apenas o seguiu, caminharam até o bar e ali estava mais calmo do que o sofá. O mais velho comprou uma água e estendeu ao mais novo, vendo os olhinhos lhe encararem confusos.

– Você está muito bêbado e a água vai ajudar a passar isso. – Yoongi berrou para ter a voz ouvida, Jimin sorriu e lançou os braços sobre os ombros dele, lhe beijando os lábios com vontade tendo a cintura circulada num abraço meio torto e mole.

– Yah! Cadê minha parada, Min Yoongi?! – Ouviram Yilin gritar se aproximando, ambos se separaram e encararam a mais velha andar meio torto até eles. Nitidamente ela estava ainda mais bêbada, mas estranhamente continuava caminhando elegante.

– Está com o Namjoon lá no sofá! – Ele respondeu alto e ela levantou a mão num jóinha, deixou a garrafa de cerveja no balcão ao lado deles e sumiu no mar de pessoa.

A música era alta e grave, fazendo todos sentirem as batidas reverberar em seus corpos. Jimin sentou-se no banco disponível ali, vendo o mais velho se enfiar entre suas pernas grossas. Yoongi levou as mãos até os rasgos da calça do mais novo, enfiando as mãos nada castas ali e apertando a carne das coxas de Jimin.

– Eu to muito louco... – Ele murmurou risonho e Jimin o olhou rindo, puxando o mais velho para mais perto e lhe beijando os lábios com gosto de bebida forte.

 

✖✖✖

 

Não é mais um clichê, realmente. Jimin não havia acordado com os braços de Yoongi o abraçando e nem com a janela aberta, onde os raios de sol invadiam o quarto e o faziam praguejar. Oh, não.

Jimin acordou no sofá do que, por favor ele pedia, fosse a casa de Namjoon. Yoongi estava com o corpo jogado sobre si e deveria até ser desconfortável, mas até que não estava, a única parte meio ruim era porque sentia algo úmido em seu ombro e tinha o palpite que Yoongi estava babando ali.

De qualquer forma, Jimin não acordou com os raios de sol, ele acordou com Jihyun o ligando desesperado porque já eram mais de dez da manhã e Jimin ainda não havia voltado para casa. Jihyun também xingou bastante porque precisou enrolar os pais dizendo que Jimin havia levantado mais cedo que todos na casa e por isso ainda estava dormindo, pois havia apenas voltado a dormir. Avisou na ligação que seus pais haviam ido para a casa da avó de ambos para aquele típico almoço de domingo e bem, Jimin havia escapado por muito pouco.

Quando finalmente resolveu e conseguiu sair debaixo do corpo de Yoongi e levantar, ele foi até o banheiro. Realmente, era a casa de Namjoon e Jimin até mesmo travou ao entrar ao fechar a porta porque, porra, o que havia acontecido na noite passada?

Ele só se lembrava de ter chegado, dançado, bebido demais e então ficar aos beijos com Yoongi.

– Você é um escroto do caralho, moleque! – Ouviu uma voz alterada do lado de fora do banheiro, ele se assustou e passou a prestar atenção no que acontecia do lado de fora do banheiro. Parecia a voz de Yilin, mas ele nem reparou se ela estava ali quando acordou. – Sai de perto de mim antes que eu te arrebente!

Jimin estranhou porque parecia uma discussão séria e repentina, ele terminou de esvaziar a bexiga, lavou as mãos com pressa e abriu a porta para ver o que acontecia. Quase foi atropelado por Yilin no corredor, ela passou rápido e pisando pesado, logo atrás vinha Hoseok, ele estava completamente desajustado com as roupas amassadas e o cabelo desalinhado.

– Noona! Espera! – Ele passou correndo por Jimin, que como um bom fã de dramas, foi atrás logo chegando a sala. Yilin andava de um lado para o outro procurando por algo. – Eu não fiz por mal, achei que estávamos numa sintonia e–

– Você é idiota ou o que? Eu nem te conheço, moleque! – Ela virou-se e empurrou os ombros de Hoseok com força, fazendo-o cambalear para trás e se apoiar na parede.

– O que está acontecendo? – Namjoon surgiu na porta da cozinha com Taehyung em seu encalço, todos olhavam de Yilin, que ainda parecia procurar algo e Hoseok que permanecia com cara de espanto. Até mesmo Yoongi havia levantado e encarava todos ali com expressão irritada. – Yilin-ah, o que houve?

Ela resmungou um xingamento ao puxar debaixo das pernas de Yoongi sua bolsa, virou-se de maneira dramática para Namjoon enquanto ajeitava os cabelos compridos e ondulados num coque.

– Esse pirralho de merda tentou me agarrar no quarto! – Ela exclamou apontando para Hoseok que a olhou com ainda mais confusão.

– Mas estávamos dormindo juntos e ontem estávamos dançando e você até mesmo me beijou...

– E daí?! Isso te dá direitos de me agarrar na porra do quarto?! Eu estava dormindo, seu idiota! – Ela exclamou ainda mais alto, largando os cabelos e dando de dedo na direção de Hoseok. Jimin, ainda calado e permaneceria daquela forma, observou Yoongi se levantar e parar ao lado da mais velha, encarando Hoseok de forma dura.

Taehyung caminhou até o meio da sala e suspirou meio alto, recebendo a atenção de todos ali.

– Hobi hyung, você sabe que a noona é lésbica... Certo? – Taehyung murmurou numa voz séria. Todos na sala encararam a expressão confusa e até meio irônica de Hoseok, porque vale lembra que ela e ele haviam se conhecido na noite passada e bem, ambos estavam bem bêbados.

Jimin mordeu o canto do lábio inferior porque, droga, aquilo não estava caminhando nada bem.

– Lésbica? – Ele riu soprado e Jimin só queria o pedir para calar a boca porque definitivamente ele iria piorar a própria situação. – Ontem mesmo ela me beijou e ficou se esfregando em mim! E agora é lésbica? Se você não queria ficar comigo er–

– Eu mal te conheço, moleque! Não te devo satisfações! – Yilin disse ainda mais alto e Yoongi levou uma de suas mãos ao ombro da amiga, apertando ali de leve pedindo de forma muda que ela ficasse calma. Ela respirou fundo e fechou os olhos, Jimin tocou o braço de Hoseok e apertou também, o mais velho o olhou e Jimin lhe deu um negar de cabeça.

Ele nem sabia se o mais velho entenderia aquilo. Jimin não conhecia Yilin tanto quanto Yoongi e Namjoon mas, droga, Jimin sabia que Yilin não era o que se poderia colocar dentro do padrão das garotas coreanas.

Yilin nem mesmo era coreana, assim como seu nome já demonstrava ela era chinesa.

– Se o fato de saber que sim, sou lésbica, te deixa espantado e achando que não posso rebolar num pau ou beijar essa tua boca masculina. – Yilin começou e todos a olharam instantaneamente porque, droga, sabiam que ela estava mais séria do que todos já haviam visto. Taehyung caminhou rápido até ela e pareceu querer dizer algo, mas ela levantou as mãos finas em um claro sinal de pare. – Vou te dar um bom motivo pra ficar espantado, moleque... Eu sou uma mulher transexual.

– Noona! Você não precisa faz– Taehyung começou, mas ela apenas sorriu para o mais novo e puxou sua jaqueta de couro do sofá.

– Está tudo bem, Tae. – Ela tocou os cabelos macios de Taehyung e voltou seu olhar para Hoseok, que a encarava em choque. – Agora sim você pode ficar espantado e procurar nessa tua cabeça fechada outro discurso de merda.

Certo...

Oh, certo. Jimin ainda estava parado ao lado do mais velho com expressão em também choque. Ele direcionou seu olhar para Yoongi e o mesmo tinha a expressão ainda mais irritada. Provavelmente ele deveria saber daquele detalhe e pensando nisso, Jimin chegou à conclusão que apenas ele e Hoseok não sabiam disso ali. Quer dizer, não é como se eles devessem saber até porque nem sentido há em saber se uma pessoa é ou não cis.

Ele encarou Hoseok ao seu lado e o mais velho ainda estava ali, parado, espantado.

Havia encontrado a garota perfeita numa festa de sexta à noite e tudo havia ido por água a baixo porque Hoseok havia sido um machistinha de merda e ele nem era assim!

Mas que merda, Jung Hoseok!

 

 


Notas Finais


WAAA! Mais um capítulo terminado e mais um tabu inserido, eu não sei se notaram mas sim: o Yoongo e Namjoon estava fumando maconha. Eu vou inserir esse tema mais vezes porque gente acho que precisa sim ser posto em pauta. Outro tabu é a transexualidade que já foi descrita no capítulo dois, então temos em Once You Jimin uma mulher transexual e um homem transexual.

Vou pedir, por favorzinho, para que continuem me dando feedbacks dos capítulos, isso ajuda bastante! Sugestões, duvidas e qualquer coisa é sempre bem vinda!

Até o próximo capítulo!
See ya~
(@hyotties)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...