História Onde Está O Amor - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Amizade, Colegial, Drama, Escolar, Família, Romance
Exibições 8
Palavras 988
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Yey, amanhã é meu último dia de aula \o/ não aguentava mais.

Capítulo 3 - Que seja no amor


Fanfic / Fanfiction Onde Está O Amor - Capítulo 3 - Que seja no amor

- Filha, você não acredita. – minha mãe me fala assim que chego à minha casa, na sexta. – Fomos convidadas para a festa do empresário! Aquele rico e maravilhoso sabe?

Não, eu não sabia. E nem me interessava. Festas não é meu forte já que eu só sabia tropeçar nas minhas próprias palavras sempre que alguém vinha falar comigo. Provavelmente tem a ver com timidez, dizem que passa, mas vem se alastrando por longos quatro anos (quase cinco, agora) e talvez por isso que ainda não tenha beijado nenhum garoto.

- E eu não vou. – taco minha mochila na minha cama e minha mãe bate o pé.

- Não acredito. Eles nos convidaram. Quem se lembra de nossa família? Nem imagino como isso pôde acontecer. Falou que podemos levar acompanhantes. Por que não leva uma de suas amigas?

Camila seria a melhor opção por adorar ir a algumas festas, ainda mais na alta sociedade. Ser convidada para algo assim a faria lembrar-se de seus livros antigos em que as mocinhas sempre encontram seu príncipe nos bailes.

- E se elas já foram convidadas também?

- Então não tem com o que se preocupar.

Faço careta.

- Se aprume garota. Já até comprei um vestido para você.

É um vestido preto e justo, eu odeio. Como não tenho bunda fica uma coisa estranha em mim. Mas o que posso fazer? Seria um lindo vestido em qualquer outra garota.

Mando mensagem para Camila e para Amanda, as duas foram convidadas e estão empolgadas porque mandaram mensagem para o resto de nossa turma e apenas outra garota foi convidada: a popular e baladeira Vanessa.

Passo uma maquiagem básica. Sou ótima com essas coisas: maquiagem. Tanto que minhas amigas vêm para minha casa para que eu as maquie também. Todas duas estão maravilhosas, aposto que talvez encontrem seu príncipe encantado nessa festa. Mas eu?

Amanda arruma nossos cabelos porque ela que é boa com isso. Ela cacheia o meu e alisa o de Camila, quanto ao seu faz um coque bonito que ajuda a realçar seu rosto (que tem de melhor), principalmente seus olhos azuis. Sinceramente? Não sei como elas nunca conseguiram namorados.

Às oito horas da noite somos levadas por minha mãe até o lugar. É numa fazenda gigante, quando chegamos tenho de piscar duas vezes para ter certeza do que estou vendo. O chão é todo iluminado por velas em frascos de vidro, mostrando-nos o caminho, as mesas estão enfeitadas com capas douradas e taças e para se servir tem comida japonesa, além de outras coisas que não me chamam tanta atenção como o resto.

Lá dentro, tem uma boate para os jovens, imagino. Tenho certeza de que não vou entrar.

Os pais de minhas amigas já chegaram e nos sentamos junto a eles. Dizem que o dono da festa ainda não chegou porque quer chegar quando os convidados já terem se sentado, assim chama mais atenção. Pelo visto, me parece um cara pomposo.

- Ele é lindo. – comenta Amanda. – Vi uma foto dele no jornal. Têm uns quarenta anos, mas não é careca e sua pele é mais nova que a de muitos caras por ai. Se eu fosse sua mãe – sussurra em meu ouvido – investia nele.

Sorrio diante disso. Minha mãe? Não. Ela nunca esqueceria meu pai, imagino. O amor deles era amor de verdade, forte. Um desses amores que não se encontra em qualquer rua, que não quebra com o tempo.

Pego comida japonesa no mesmo momento que Vanessa. Ela é a definição de uma rainha. Ela me encara como se nem me conhecesse, mas eu aceno com a cabeça. Com isso, ela me lança um sorriso forçado.

- Oi... É...

- Luísa. – digo. – Oi, Vanessa.

Falar seu nome só à deixa mais feliz de si. Confiante. Essas pessoas com a autoconfiança lá em cima me fascinam; talvez por ter problemas com a minha.

- Não sabia que tinha sido convidada. Junto com suas... – ela encara Amanda e Camila na mesa. – Amigas.

- Bem, foi uma surpresa para a gente. – digo tentado soar calma e serena. Nem parece que quero dar um tapa na cara dessa garota pelo jeito que olha para as duas.

Termino de colocar minha comida e vou me sentar sem nem falar tchau ou algo parecido.

De repente, chega um carro grande e preto. Tão bonito que tenho certeza que é do famoso empresário que nos convidou sem motivo aparente. Quando o motorista abre a porta, tenho certeza. Porque sai de lá um homem com uns quarenta anos, alto, bronzeado e que sorri para a festa com dentes impecáveis, quase caio só de vê-lo.

Mas o que com certeza me faz ter um infarto é a pessoa que sai logo em seguida. Ela está num terno impecável no qual nunca a imaginei. Seu cabelo está arrumado em um topete muito diferente da floresta que fica na escola, ela anda tão cheia de confiança, calma e certeza que por um segundo sei que devo estar imaginando coisas.

E então...

Nossos olhares se encontram. E sei que é ele. Porque nos olhamos da mesma forma de todas as outras vezes. Como na primeira vez em que estava curiosa para saber quem tinha chegado comigo atrasado (nós dois começamos a aula na quinta, ao invés da segunda) ou quando ele voltou do intercâmbio e me viu. Quando me salvou da barata.

Eles se aproximam e me desespero, corro para minha mesa e me sento lá rapidamente. Não quero chamar atenção. Como assim ele é o filho do empresário? Eu imaginei que fosse bem de vida, claro, fez um intercâmbio. Mas a pessoa mais rica dessa cidade?

Camila me cutuca e sorri. Ela sempre disse que “bailes” trazem surpresas. Surpresas essas como nosso príncipe, subindo as escadas com as luzes das velas só o deixando mais bonito e misterioso.

- Essa festa vai ser demais. – Vanessa disse ao nosso lado, me fazendo dar um pulo.

Tenho de concordar.


Notas Finais


E ai? Não sei se sentiram saudades, mas eu estava morrendo de saudades de escrever. Kkkk o que esperam dessa festa? Vejo vocês no próximo capítulo.
xoxo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...