História Onde o meu coração repousa - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Inuyasha, Inuyasha Kanketsu-hen
Personagens Inuyasha, Kagome, Kirara, Kouga, Miroku, Personagens Originais, Rin, Sango, Sesshoumaru, Shippou, Toutousai
Tags Inuyasha, Sesshyxkagome
Exibições 173
Palavras 2.104
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hi,

Falei que ia demorar... mas demorei mais do que imaginei que iria.
SORRY!!!!!
Mas a inspiração e o TOC é algo que me incomoda muito!!! Não queria divulgar o capítulo se não estivesse do meu agrado, e realmente eu não gostei dele tanto assim, talvez vocês também queiram me matar após ler esse capitulo.

Obrigado à paciência de todos, mas obrigado para quem favoritou ou comentou no anterior ... ~KayeneChan, ~Kime-Chan, kia_hatake, ~melissa2904, ~Jkelinda, ~Miss_Safira, ~serafim87797, ~Aishasummer , ~LorenaTaisho, yseberabah , ~Anonym0uss

Tem música tema sim, uma música para curtir fossa, então deem o play rsrsrs.
Bjs e até logo!

Capítulo 25 - Poder


PODER

Aquela história não saia da cabeça da jovem Miko, ela não conseguia acreditar. Lágrimas salgadas e doloridas escorriam em abundância de seus orbes azuis, ela não distinguia as imagens a sua frente, sua visão estava nublada, ela não imaginava que ele fosse capaz daquilo... mais uma vez ela serviu como uma marionete do destino, um ser sem vontade própria, com seus desejos manipulados por cordas invisíveis em seu corpo.

“Idiota”

Era o que achava de si mesmo... um ser humano patético e fraco... emocionalmente fraco e instável.

Ele devia negar a dúvida em sua cabeça, mas não, ele nada fez, deixou que ela interpretasse a seu bel prazer à história que cuspia em cima dela.

Como pode ter sido tão burra a ponto de ter se entregado a ele? Ele apenas a usou como um instrumento em busca de poder.

O baú de madeira maciça estava em sua frente aberto aos seus pés, dentro um forro vermelho com um nicho onde caberia a sua espada e bainha de maneira bem acomodada e no tampo externo ela podia ler os kanjis nítidos .... “ Eu sou Byakko”... e do lado de dentro a profecia de uma maneira diferente...  “Irei retornar, puro e completo para lacrar o mal dos séculos, amarei o impossível e o mal não triunfará’’

Mas o que ainda retumbava em sua cabeça foi o que ele disse de maneira fria e descarada, quando ele ficou sozinho com ela. Aquelas palavras doíam em sua alma... como ele pode...

Flash back on...

Kagome – O que me esconde Sesshoumarou? Foi você que pediu para o Toutousai me dar à espada?

Sesshoumarou – Sim!

Kagome – Porque Sesshoumarou? Essa espada não é uma simples espada, porque pediu para que Toutousai a entregasse a mim?

Sesshoumarou – Este Sesshoumarou já disse que não lhe interessa as decisões que toma!

Kagome – Sim...

Após um longo silêncio o lorde decide se pronunciar – Este Sesshoumarou lhe observou Miko, e você precisava de uma espada adequada para ti. Byakko deveria ser manuseada por um ser puro, e este Sesshoumarou precisava de um oponente forte... talvez o mal que a sua espada deva enfrentar seja um oponente a altura.

Flash back off

Era isso, tudo se resumia a um oponente mais forte. Ele ainda estava em busca de poder, ele queria desafiar o mal que envolvia a sua espada, e para isso ele não teve escrúpulos de dar a mesma a ela e a envolver em seus encantos. Por isso que ele a queria perto dele, por isso ele a observava de longe, por isso todos os cuidados com ela. Ele queria estar por perto quando o oponente aparecesse.

Ela não queria acreditar que aquilo fosse verdade, ela queria que ele a olhasse nos olhos e dissesse que estava apaixonado por ela, que ela o tinha envolvido em seus encantos e por isso tinha dado a espada para ela, e que estaria ao lado dela para enfrentar aquele mal. Mas ele nada disse, ele não a encarou e nem se comoveu com suas lágrimas.

Estava chorando a mais de hora e ele impassível naquela porta olhando a escuridão. Como ela queria estar nos braços dele, ela o odiava e o amava com a mesma intensidade. Achou que tinha derretido aquele coração gelado... mas ela não poderia estar mais enganada em relação a ele. Ela devia ter o dedo podre para escolher homens...

Mas havia algo que ela ainda podia fazer, ela podia enfrentar aquela situação de frente... ela tinha um mal a ronda-la, e se ela era a dona de Byakko ela tinha que eliminar aquele oponente, quer com ajuda ou não, mas ela não estava a fim de dar aquele gostinho pra ele. Ela precisava pensar.

Kagome – Me deixe sozinha por favor!

Ele saiu conforme pedido, não que ela realmente quisesse que ele fosse, e ao constatar isso se odiou e tacou a louça perto da cama na porta a espatifando enquanto se entregava ao choro convulsionante.

Não muito longe dali os seus amigos se questionavam o que poderia estar ocorrendo naquele quarto, mas sabiam que deveriam respeitar a decisão da Miko, e eles estariam ali para apoiar a decisão da garota. Tanto o Hanyou quanto o Oakami deram trégua as suas desavenças e indiferenças, era como se praticassem a politica da boa vizinhança por um bem em comum e resolveram se recolher.

Enquanto isso certo daiyoukai observava aquela noite sem lua de cima do seu telhado, iria esperar ali pelo nascer do novo dia, trazendo uma nova esperança para a situação. Sabia que deveria ter dito algo para a sua Miko.

Sim, SUA Miko.

Porque era como ele a via, sua. Ele sabia que deveria ter abraçado a garota, e porque não fez? Orgulho!

Ele deixou simplesmente que ela tirasse as suas próprias conclusões a respeito da história, não revelou tudo o que aquilo representava, não revelou seus sentimentos, nem do que teve que fazer, tudo porque o maldito orgulho o segurava a falar e a agir.

Trincou o maxilar e serrou suas unhas nas palmas, arrancando filetes de sangue que deixou derramar, ele era um orgulhoso. Foi tirado de sua autocontemplação impiedosa por uma voz – Idiota!

Sesshoumarou – Fale isto novamente e este Sesshoumarou esquecerá quem é.

Takeshi – Idiota covarde!

Não pensou duas vezes, apenas o ergueu pelo pescoço com uma de suas garras, mas vendo o olhar de censura de seu ex-mestre apenas o soltou. Não queria sustentar aquele olhar com o seu, era muito dolorido, porque ele mesmo estava se censurando. Voltou a sentar e foi acompanhado pelo outro.

Takeshi – Pela louça quebrada você não disse a ela. Porque tem medo Sesshoumarou?

Sesshoumarou – Este Sesshoumarou não teme nada.

Takeshi – Se não temesse não tinha dado um de seus caninos para o velho arrumar a espada para a garota.

Velho linguarudo.... era o que tinha pensado.

Takeshi – Toutousai não disse nada, eu é que adivinhei, afinal foi somente ao seu lado que a Miko conseguiu invocar o guardião. Você sabe que ela somente conseguiu por conta da ligação contigo não sabe? E você nada disse para ela. Ou estou errado?

Recebeu apenas um rosnado como resposta. Ele sabia que o seu pupilo não tinha partilhado das suas suspeitas com a Miko, ele sabia que ele iria sustentar aquele orgulho insano... por quanto tempo ele não sabia.

Takeshi – Ele irá querer ir embora, você irá a deixar ir? Irá perdê-la?

Sesshoumarou – Deixe este Sesshoumarou sozinho!

O Inu mais velho sabia que tinha feito o que podia, sabia que ambos eram cabeças duras, e eles iriam ter que lidar com aquilo sozinhos. Talvez ele desse um empurrãozinho, mas não era o momento ainda. Levantou-se e partiu, deixando um prateado muito pensativo para trás.

*****

Kagome On

Acordei com uma imensa dor de cabeça, não consegui dormir, tive uma péssima noite de sono, me levantei e me encarei no espelho grande do quarto, e lá estava o corte no meu supercilio, já quase cicatrizado mas ainda presente, como para me lembrar dos acontecimentos dos últimos dias.

Eu ainda sentia muita dor no meu peito, meu coração estava mais uma vez despedaçado, e justo por quem eu acreditei que iria curar as minhas feridas. Não tinha ideia do quanto eu estava envolvida por ele, a falta do cheiro dele em minha cama já me atormentava e eu me sentia zonza e nauseada.

Yuki entrou em meu quarto e me informou que meu banho já estava pronto. Agradeci imensamente aquele banho quente em meu corpo, eu parecia uma autômato enquanto ela me banhava e esfregava as minhas costas e passava os óleos em meu corpo, eu apenas respondia a pobre youkai com monossílabas e murmúrios.

Já estava decidida, eu iria embora do castelo.

Kouga e Inuyasha deveriam ainda de estar ali, iria pedir pra eles me levarem, assim como Shippou.

Sai apressada e arrumei as minhas poucas coisas, não vesti os caros quimonos que eu havia ganhado de Sesshoumarou, mas sim uma das minhas vestes de sacerdotisas, não queria nada dele. Peguei meu arco, aljava, flechas e Byakko e rumei escadas abaixo até achar meus amigos pelo cheiro e apenas falei – Vamos para a aldeia.

Kouga e Inuyasha apenas assentiram com a cabeça assim como Shippou. Rin agarrou em minhas pernas e chorava.

Rin – Rin não quer ficar sozinha!

Kagome – Rin, acho melhor o Sesshoumarou te levar depois. Toutousai, tenho uma pergunta para lhe fazer.

Toutousai – O que deseja saber Kagome?

Kagome – Byakko carrega uma presa de outro youkai não é? Não me diga de quem.

Toutousai – Sim.

Apenas senti a energia em minhas costas e sabia que era ele, eu não queria ter encontrado ele, não queria me despedir dele, queria ir sem encarar aqueles âmbares frios e sem vida. Não sei por quanto tempo o encarei, mas foi ele que quebrou o silencio.

Sesshoumarou – Rin, irei lhe levar depois para a aldeia. Tem certeza que deseja ir Miko?

Ele não mudou a postura, mas eu tinha quase certeza de poder enxergar o fogo naqueles âmbares, o mesmo fogo que queimava em meu peito, eu desviei o olhar e lhe dei as costas e respondi firme. Se ele falasse algo mais eu iria desistir de ir.

Kagome – Já tomei minha decisão Sesshoumarou!

Dei um abraço apertado em Rin e apenas disse que logo estaríamos juntas novamente na aldeia, mas eu queria que ela entendesse que eu tinha que ir, eu não podia lidar com aquilo dali.

Machiko – Sentirei sua falta, irei cuidar de Rin.

Kagome – Obrigado Machiko, também sentirei a sua falta.

Sesshoumarou não estava mais ali, me despedi das duas e tomei o rumo com meus amigos juntos, ao chegar ao portão eu topo com Takeshi a me esperar.

Takeshi – Achou que ia sem se despedir de mim?

Kagome – Eu não sabia onde tinha se metido.

Takeshi – Kagome, escute o seu coração, sinta o que ele tem a lhe dizer, não sei o que Sesshoumarou lhe disse, mas ele é tão inseguro quanto você.

Kagome – Takeshi, sei que cuidou dele quando ele era pequeno, mas ele não é mais uma criança assustada, ele tem assumir as suas decisões e arcar com as consequências. Não aceito ser usada... apenas para que ele tivesse chance de adquirir mais fama e poder?

Takeshi – Tentarei fazer com que ele veja pelo seu lado, mas... foi ele que disse isso para ti?

Impossível, era o que eu achava daquela missão suicida de Takeshi, fazer pedras dançarem Kankan era mais fácil.

Kagome – Ele não disse nada Takeshi, mas não desmentiu minhas suspeitas.

Takeshi – Você não está sendo precipitada e indo embora? Está largando tudo pra trás de novo... Kagome a situação agora é diferente, o mal irá atrás de você.

Kagome – E eu estarei preparada esperando ele vir.

Kagome off

Takeshi on

Sabia que não poderia lutar contra aquele olhar decidido que ela me lançou. Ela não tinha ideia do que estava encarando, no que estava se metendo, eu tinha um tempo curto para fazer os dois se juntarem. Eu sabia que ela só iria conseguir se estivesse ao lado dele, ambos se amavam e eram cabeças duras o suficiente para lutarem contra aquele sentimento.

Apenas assenti com a cabeça a abracei e a deixei partir.

Por Kami, eu tinha que correr contra o tempo e usar artilharia pesada para convencer ambos, tomara que eu consiga.

Takeshi Off

******

Enquanto o grupo se afastava certo Daiyoukai observava do telhado de seu castelo a Miko se distanciar dos seus braços. Naquela manhã ela estava diferente, o cheiro dela estava intenso, e somente a muito custo ele se segurou para não a toma-la em seus braços e faze-la sua mais uma vez.

Mas vê-la partir era como quebrar algo dentro de si, ele se sentia dilacerado, queria uivar como um lobo pra lua...

Lembrava-se da última conversa com seu pai antes dele morrer. Ele havia mais uma vez pediu que ele lhe entregasse Sounga e Tessaiga, ele estava em busca de poder, ele queria dominar através da força. Seu pai na época o questionou se ele tinha alguém para proteger, e ele tinha dito que era desnecessário.

Ele por muito tempo ficou atrás desse ideal de poder, mas quando se encontraram com Sounga há anos atrás ele descobriu que ele tinha quem proteger... Rin, Jaken... e Kagome.

Foi a primeira vez de maneira inconsciente que admitiu seus sentimentos e agiu de acordo com as suas emoções. E ele tinha que admitir que aquilo tivesse sido esclarecedor e assustador ao mesmo tempo.

E ali estava ele mais uma vez a beira daquele precipício emocional... ele tinha um coração. Um coração que naquele momento urrava de dor ao ver o seu grande amor partir.


Notas Finais


Link da música: https://www.youtube.com/watch?v=YOzT-_KnSuY

Por hoje é só pessoal!

Bjs e até logo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...