História Onde o vento me levar - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias SERVAMP
Personagens Belkia, Hugh, Jeje, Kuro, Lawless, Licht Jekylland Todoroki, Mahiru Shirota, Mikuni Alicein, Misono Alicein, Sakuya Watanuki, Snow Lily, Tetsu Sendagaya, Tsubaki
Tags Kuhiru, Servamp Yaoi
Exibições 136
Palavras 9.366
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishounen, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Sobrenatural, Super Power, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


E aqui está um cap novo... se alguém ainda lê isso ;u;


*Boa leitura*

Capítulo 17 - Irmão preguiça, sinto muito...


Fanfic / Fanfiction Onde o vento me levar - Capítulo 17 - Irmão preguiça, sinto muito...

“Me perdoe pelo que eu possa fazer... quando não me lembrar de você... ”

~P.O.V Mahiru ON

Abro agora meus olhos olhando fixamente o teto do quarto, eu ainda estava sendo abraçado pelo Kuro, hm... isso é tão bom... pena que agora são sete horas e eu preciso fazer o café da manhã e arrumar a cozinha.

Me levanto de vagar para não acordar o Kuro e então piso lentamente no chão, evitando fazer barulho.

Vou em direção à cozinha e pego a faca, cortando o necessário para fazer um doce e boto a água para esquentar para fazer café, eu estou tão acostumado com essas coisas... agora lembro quando foram eles que tentaram.—sorri ao lembrar do estado que se encontrava minha cozinha.

—Bom dia Mahi —Lawless apareceu na porta e se sentou na mesa —Que barulheira foi aquela ontem?

—Qual? —as paredes são tão finas?

—Ele viu seu pulso, não foi? —Sua voz era preocupada, mas ele era bom nos palpites.

—Pois é... acabou em bosta, como eu já esperava —afirmei vendo que a água esquentou e fui em direção ao fogão, levando junto o café e a açúcar.

—Que sortudo, ter seu Servamp junto contigo... Sinto tanta falta do meu Lich-tan —Olhei de canto e percebi seu olhar triste, coitado... Ele pode parecer forte, mas aquele quarto deve estar muito vazio sem o Licht.

Termino de colocar o açúcar e agora pego a colher e afundo-a no pó de café, levando-a em direção à água gente já adoçada.

—Deve estar sendo difícil... —Afirmei mexendo na água, misturando ambos para formar o café.

—Você não tem ideia de como é difícil acordar e não saber se ele está bem, se ele está passando fome, frio ou pior, se ele ainda está vivo! Esse... Argh! Que vontade de matar ele por ter me deixado assim! —Percebi que ele estava de cabeça baixa e me aproximei, botando minha mão em seu ombro.

—Vai ficar tudo bem, estamos todos aqui e vamos encontra-lo Lawless —Afirmei e o vi lançar um sorriso fraco.

—Você é incrível Mahi, suas palavras conseguem iluminar um dia sabia? —Não pude evitar de sorrir ao ouvir tal coisa, eles realmente eram pessoas boas e isso, sei lá... eram tão especiais, tão incríveis.

Ao terminar de arrumar as coisas na mesa eu dei a última retocada e então me virei para Lawless.

—Está tudo pronto, me ajuda acordar eles? —Vou em direção ao corredor e ele vem logo atrás.

—Tive uma ideia melhor... —afirmou dando um sorriso maquiavélico, oh céus... coisa boa não é! —Aqui tem canetão? —Perguntou e eu apontei para o armário.

—Por quê? —fui em direção à ele ouvindo meus passos ecoarem o barulho das madeiras rijas e abri a gaveta, pegando um canetão azul e preto.

—Vamos riscar o rosto deles! —pegou o canetão preto e abriu lentamente o quarto de Mikuni e Jeje —O mais difícil eu vou primeiro, faz no irmão preguiça —Este me lançou uma piscadela antes de entrar no quarto.

Abri lentamente a porta do meu quarto e assim eu observei Kuro dormindo, tão fofo... e era meu! Caramba como essa sensação é boa!

Abri a caneta deixando o mínimo barulho possível e fiz ela entrar em contato com sua pele tão pálida e macia, desenhei um bigode e onde seus olhos se encontravam fechados, eu desenhei outro olho como se estivesse aberto.

Afinal, desenhista e cauteloso, obviamente era eu!

—MahiMahi-chan... —Ele está sonhando comigo? Será que é um sonho bom? —MahiMahi-chan... não... não vá...

Que tipo de sonho ele estava tendo? Será que era um pesadelo? Dou levemente um selinho em seus lábios para que este não o acorde e então me levanto.

—Eu estou aqui, e te prometo não te deixar —sussurrei olhando fixamente em seu rosto, tão inocente... eu quase acho um pecado riscar a cara dele, mas é oque tem pra hoje.

Ando em passos lentos e agora entro no quarto do All of Love, Vou lentamente em direção do eve e desenho um óculos escuro nele e um falso cigarro ao lado de seus lábios, no Servamp no qual agora era chamado de Lily eu desenho uma verruga enorme no canto de seus lábios e faço em si marcas de velho, depois que saio do quarto Lawless estava sentado na cadeira como se nada tivesse acontecido.

—O que aconteceu? —Perguntei.

—Já pintei tudo —Disse dando um sorriso cínico e eu, como sempre, apenas peguei a colher e bati a mesma na panela, exalando um barulho insuportável.
As portas se abriram praticamente na mesma hora e, como sempre, ninguém disse nada só pelo simples fato de eu ter feito comida.

Todos ainda olhando para o chão, sentam na mesa, e quando decidem se olhar, caem na gargalhada; exceto o Kuro, que como sempre estava sério.

—Vocês... nossa, que irônico —Indagou olhando a cara de cara um deles, eu não consegui acreditar em quantas coisas “Pervertidas” Lawless desenhou neles —Vai me dizer que tem na minha também?

—Tem sim! —Dissera Tetsu rindo do maior.

—Não pode lidar...

—Hahaha! Olha... Olha a sua cara! —disse Misono apontando para o irmão.

—Hahaha! Olha a s-sua! —Indagou Mikuni com uma boneca desconhecida em suas mãos, eu estava rindo? Obviamente... eles comiam e riam um da cara do outro,  o café da manhã estava sendo engraçado, ver eles rindo era contagioso e eu ria junto, mesmo que sem querer...

(...)

Eu havia feito chocolate quente para todos nós, estava uma tarde fria e infelizmente estava nevando.

—Que delícia... —Disse Lawless tomando mais um gole do chocolate quente e eu apenas me levantei, sendo seguido por muitos olhares.

—Onde você vai? —Perguntou Kuro me lançando seu olhar de tédio, enquanto emanava um som preguiçoso, como sempre.

—Tomar um ar.

—Um gelo, quer dizer, não é maldito?! —Perguntou Misono e eu lhe lancei um sorriso gentil e assenti com a cabeça.

—Sem casaco? Neste frio? —Perguntou Kuro em um tom ríspido e eu não pude evitar de revirar os olhos.

—Qual o problema? —Vai dizer que ele quer fazer um papel de mãe?

—Vai pegar um resfriado.

—Isso de fato não faz mal, eu apenas quero um tempo para pensar... e ‘sozinho’ de preferência... —Afirmei pegando meu chocolate quente e levando-o comigo para o lado de fora.

Eu fui em rumo à varanda e sentei-me em uma das pequenas cadeiras que haviam lá fora, olhando fixamente aquela neve que estava tão fria nesta tarde...

Toru amava neve, assim como eu tanto amo, sabe tio... eu ando tentando entender tudo que está acontecendo comigo mas eu... sei lá, eu estou fazendo o certo? O que está acontecendo? Eu me perdi em um labirinto criado por mim. Eu cheguei ao ponto de estar tão vazio, que eu não sinto mais nada... Mais nada, só dor.

E isso me sufoca, e acaba com as palavras que eu antes parecia ter.

E eu me perco mais e mais... Onde não tem como me encontrar... por que nem mesmo eu me encontrei, tio.

Sinto que algo ruim vai acontecer, eu não quero magoar ninguém, eu só queria me esquecer da maldita dor da sua ausência, da maldita dor de ver as pessoas sofrendo e eu não poder ser capaz de fazer merda nenhuma.

Maldição...

Eu fico muito irritado com isso, você me dá os melhores conselhos... ou dava, pelo menos...

E eu só queria esquecer tudo isso.

Já se passou um mês que você se foi, e quando recém começou o ano em conheci o Kuro, e agora aqui estamos nós, no final deste bendito ano, esse felizmente é o melhor ano da minha vida, assim como o pior.

Eu perdi alguém importante mas ganhei outras pessoas importantes para mim.

Eu estou tão confuso, tão perdido... eu nem sei como me encontrar, não sei onde eu estou muito menos como cheguei a esse ponto.

Eu só queria esquecer dos meus motivos de me deixarem triste e ser feliz com eles, esquecendo o que me faz mal...

Droga! Alguém por favor me ache no meio deste labirinto onde eu me perdi.

—MahiMahi-chan, eu sabia que você iria ficar com frio! —Oque? Ele estava do meu lado esse tempo todo? Como que eu não vi?

—Quando que você...

—Quando se sentir triste ou sozinho, lembre que eu vou estar aqui... não importa o que aconteça. —ele oque?

—Kuro você... que fofo! —digo sentindo um sorriso de orelha à orelha brotar em meus lábios.

—Cale a boca! —disse virando para o lado, ele realmente não gostava quando eu o chamava de fofo.

Sinto um frio percorrer minha espinha.

—Est-Esta me-mesmo frio... —digo me abraçando e me encolhendo na cadeira, realmente, foi como ele disse...

Sinto ele se mexendo mas ainda continuo olhando para a neve, me impressiono ao sentir algo macio entrando em contato à minha pele e quando eu me virei para ele o vi apenas de blusa.

—Oque você está fazendo Kuro? Aqui não é nem hora nem momento de fazer essas cois... —vejo ele apontando para mim e ao olhar, eu estava sendo tampado por seu casaco. —Você...

—vem... —disse fazendo eu me deitar em seu ombro e começou a me dar cafuné.

—Geralmente você é o preguiçoso —afirmei dando um sorriso sincero e fechando meus olhos, apreciando o contato de seus dedos em meus cabelos, era tão bom... faziam-me arrepiar por inteiro.

—Hm... não pode lidar —disse encostando sua cabeça na minha, eu já consigo sentir seus fios finos e azuis caindo sobre meu rosto e sua bochecha fria fazendo contato com a minha pele.

—Nada disso, só você que não quer lidar com isso —respondi dando um sorriso de lado e fechando meus olhos —Kuro...

—Hm?

—Se eu mato um morto vivo, é um morto à menos ou um morto a mais? —perguntei vendo apenas o escuro de meus olhos fechados, sentindo o barulho da neve se chocando contra o chão e sentindo o calor de seu casaco junto à o frio em suas bochechas.

—Um morto a mais.

—Mas como é um morto vivo, se eu matei é por que tem um morto vivo à m... —sou interrompido.

—Se você mata um morto vivo, é um morto vivo a menos, e um morto a mais e só seria à menos se você falasse “morto vivo”,  não morto. —caramba... de onde ele tirou isso?

—Nossa Kuro... você...

—falar é um saco... —Ele realmente está concentrado na conversa.

—Eu não sabia que você era tão esperto —claro que eu sabia.

—Hm...

—Sabe Kuro eu ac... —fui novamente interrompido.

—Mahiru, posso apreciar esse silêncio por, pelo menos dois minutos? —perguntou se mexendo, fazendo eu sentir sua cabeça se movimentando em meus cabelos até se aconchegar.

—Poxa... assim você dorme...

—Acho que é essa a minha intenção no momento —respondeu e senti seu rosto se mexendo de acordo com o que ele falava.

Dei um longo suspiro.

—Kuro...

—O que foi? —sua voz soara impaciente.

—Um dia você vai dizer que me ama? —perguntei afogando meu rosto em seu braço, na esperança de esconder meu rosto que agora estava completamente vermelho. Droga! Por que eu fui dizer isso? Aff...

—Quem sabe... —afirmou fechando novamente seus olhos e agora seu corpo ficara mais pesado, ele realmente dormiu.

Bom, e aqui estou eu, no frio com seu casaco enquanto não para de nevar, deitado em seu ombro e ele deitado em minha cabeça.

Isso é um tanto engraçado, talvez peguemos um resfriado ou não, mas eu acho melhor eu me acalmar e ficar aqui dormindo mesmo.

Por que você me achou ‘amor’, quando nem mesmo eu consegui me achar.

—Você me achou amor —Repito e me viro lentamente para não acordar e lhe dou outro selinho.

—Não importa onde você esteja, eu sempre vou te encontrar —Disse abrindo seus olhos —Amor.

Não pude evitar de sorrir e o abracei de lado, aquecendo-nos.

Agora sim, eu ia conseguir dormir.

~P.O.V Mahiru OFF

~P.O.V Misono ON

—Oque aconteceu? —perguntou pela vigésima vez Lily, me olhando fixamente.

—Nada.

—Não fique assim, vamos! —Ele se aproximou e se sentou do meu lado —Sabe que pode contar comigo.

—Eu não sei... prevejo que algo ruim vai acontecer e, eu não sei... isso está me deixando irritado! —afirmei ---Esta noite eu tive um sonho nem um pouco agradável.

—Como foi?

—Estávamos na nossa era e...

—E? —Essa é a pior parte.

—O Mahiru... estava muito machucado e... aquela maldita mulher, acho que seu nome era Angela, aquela...maldita mulher, ela... –Soei frio, essa foi a pior parte do sonho —Ela... Ela fez... Ela...

—Calma... respira fundo...

—Ela fez... ela...

—Ela bateu nele? —Perguntou me olhando com ternura.

—Não... —Respondi olhando fixamente para o nada, me lembrando de meu sonho.

—Ela torturou ele?

—Não... —Lily nem sabe que foi pior... por que Mahiru a amava...

—Não pode ser! ela matou ele? —Soei frio novamente.

—Ela... Ela fez... ele mata-la... —Vi seus olhos se arregalando com tal comentário.

—Como...?

—Esquece... eu não quero falar sobre isso Lily...

—Entendo... —afirmou cabisbaixo e então agora olhou para mim —vai ficar tudo bem —sorriu, maldição... ele realmente conseguia iluminar meu maldito dia.

—Só você mesmo —digo agora olhado fixamente em seus olhos.

—Eu te prometo que eu não vou deixar nada te machucar —quem sorriu agora foi eu.

Continuamos nos olhando e automaticamente eu levantei.

—O que foi? —Perguntou preocupado, provavelmente por eu ter me levantado, não... se eu ficar parado aqui olhando o Lily vai ser meio estranho...

—Eu vou ficar um pouco lá fora —senti minhas bochechas arderem, provavelmente eu estava com febre,droga! Não é hora para pensar nisso!

—Vou também —dito isso nós nos levantamos e fomos em passos lentos em direção à varanda, eu conseguia ouvir nossos passos e também amava o barulho que faziam as madeiras rijas nas quais pisávamos.

Quando fomos para o lado de fora, a neve era linda... caía vagarosamente e dava um barulho incrivelmente tranqüilizador ao chocar-se sobre o chão.

—Lily oque acha de irmos na nev.. —Paro de falar quando o vejo olhando para o lado, Mahiru e Kuro estavam dormindo, como um casal de verdade... não que eles não fossem, mas agora...

Estavam em uma perfeita sintonia, um dormindo no outro e seus cabelos se misturavam dando um tom até que, bonito juntos.

—Eles são tão adoráveis juntos —Disse e então pisquei lentamente e senti um enorme frio na barriga, como se nela tivessem borboletas.

Maldição! Eu só posso estar com alguma doença!

Por que isso acontece do nada quando eu percebo ele olhando para meus olhos? Calma Misono... calma... logo vai passar, isso pode ser do frio!

Espera, mas toda vez que eu falo com esse maldito fico assim, e nem sempre está frio.

Droga! Oque eu faço?

—Oque te atrapalha tanto? —Perguntou e eu pude sentir ele se aproximando, ao olhar eu também estava e era automaticamente.

—Eu...Eu não sei... —Estávamos nos aproximando mais e mais! Droga... isso não era o certo, eu não quero nada disso, se afaste Misono!

Foi quando meu corpo não me respondeu.

E eu descobri que, eu queria mais que tudo estar mais perto dele.

Sentir seus lábios nos meus.

Tê-lo comigo sempre, eu preciso dele.

Talvez eu me arrependa depois, talvez, blá blá blá...

Foda-se a razão.

Agora eu vou seguir, pelo menos uma vez na vida, a emoção.

Não me importo com oque vai acontecer depois.

—Bom, pequeno, acho melhor você ir descansar um pouco —Disse agora parando e botando sua mão em meus cabelos.

Espera... oque... oque foi isso?

—Lily você...

—Misono, descanse.

Então eu levei praticamente um fora do meu Servamp quando eu nem se quer gosto dele, sério isso?!

—Tá... —Me afastei dele e lentamente fui em direção à porta —Vai vir junto?

—Preciso conversar com o Sleepy Ash.

—Certo.

Dei passos apressados pelo corredor. No momento em que eu entrei no quarto e senti que estava sozinho, parece que algo desabou em mim e automaticamente levei minhas mãos ao coração.

...dez de quando esse lugar dói...?

~P.O.V Misono OFF

~P.O.V Narradora ON

 

No quarto de Hugh e Tetsu.

O garoto loiro estava deitado enquanto o menor estava sentado no seu lado dizendo o quanto era um adulto, tudo que viveu e do simples fato de tamanho não ser documento.

—Você morreu criança então? —Perguntou o Eve olhando para o menor, que estava olhando fixamente para o nada.

—Sim.

—Mas, como que...

—Tetsu, eu que escolhi morrer. —Os olhos do loiro se arregalaram e o Servamp ficou olhando para o nada, pensativo.
Depois de alguns minutos o maior voltou com sua expressão serena e Hugh olhou fixamente em seus olhos.

—Isso é coisa do passado, nem importa mais —Mentiu, foi quando sentiu os braços do loiro envolve-lo.

Ele levantou as pernas e as dobrou, com suas mãos segurou fixamente as do Servamp e botou-o nos seus pés fazendo aviãozinho (N/A: Quem nunca né).

—Mas... —O Vampiro começou a rir descontroladamente vendo a altura que estava praticamente sendo lançado. —Mais alto Tetsu! Vamos mais alto!

—Hai, Hai.

Eles estavam rindo, o vampiro no qual dizia viver à anos era uma criança por dentro, vivendo apenas o erro de uma escolha errada, mas ele continuava sendo quem nasceu para ser.

“Realmente, uma criança” Pensou Tetsu enquanto jogava o vampiro para o ar, dando um sorriso satisfatório.

Oh, como ele amava ver seu pequeno feliz.

No quarto de Mikuni e Jeje.

—Não olhe para a Abel desse jeito! —Soara em um tom amargo e cortante a voz do Alicien, seu Servamp não era muito de falar então como resposta ele recebera apenas um suspiro indignado. —Jeje eu estou falando com você!

—Eu estou de olhos fechados —Afirmou impaciente sem olhar nos olhos do eve, tudo que ele queria era dormir e o outro ficava conversando com a boneca e não parava de falar, oque deixou o maior profundamente irritado.

É, já podemos ver que eles não estavam fazendo muitas coisas, Lawless se encontrava no quarto olhando o lugar onde seu eve estava.

Maldição...

Ele queria acha-lo logo, já estava ficando profundamente irritado com tudo isso, Licht era muito forte e sabia se cuidar sozinho, mas o vampiro já estava desanimado o suficiente e queria acabar logo com tudo aquilo, achar um fim, um ponto, que eles consigam tudo que estão almejando no momento.

Uma pergunta que não saia da cabeça dos eves, era; “Por que eles queriam tanto matar Tsubaki?

Se eles soubessem o motivo... nem iriam fazer nada disso, afinal, eles estão agindo sem seus eves saber.

Na varanda All of Love estava pensativo, quase que este beija seu eve, tendo como pensamento a frase; ‘Maldição, Misono é apenas uma criança, eu não posso fazer isso!’

—Ei... Sleepy Ash... ei... —disse chacoalhando o maior, que depois de alguns minutos acordou.

—Hm? —sua voz era preguiçosa como sempre e sonolenta, sentia o calor de seu eve e achava a cabeça do menor um ótimo local para se dormir, Shirota era quente e...

Oh céus, como ele amava esse garoto.

—Eu preciso conversar com você —disse olhando para a neve, na esperança de amenizar o constrangimento.

—Agora...? —Ele ainda estava deitado no eve, não queria sair mas pelo visto era o que tinha pra hoje.

—É, agora.

Ambos se levantaram e Mahiru abriu os olhos, pois estava praticamente colado em seu Servamp e agora este havia levantado.

—Kuro oque... —Balbuciou  sonolento.

—Calma amor, eu já volto, vai pra cama descansar —disse depositando um beijo na testa de Shirota, que assentiu com a cabeça e esfregou as mãos nos olhos.

All of Love ficou surpreso com o outro chamando Mahiru de ‘amor’ e principalmente pela intimidade que ambos tinham, era errado ou não era amar um eve?

Ambos agora foram para um lugar um pouco distante do templo, um parquinho qualquer apenas para conversarem e então Sleepy Ash e All of Love sentaram-se em um balanço e o azulado virou-se para encarar o loiro, que estava tentando escolher as palavras certas ou um jeito de chegar a tal ponto.

—Então Kuro... já fez coisas inapropriadas com o Mahiru? —perguntou e o maior expressou um tédio quase palpável em seus olhos.

—Você me fez acordar, andar nessa neve, sair de perto do MahiMahi-chan só para saber se eu e ele já transamos? —seu tom era irônico e sarcástico, o loiro não conseguiu evitar e começou a rir, realmente era isso que parecia.

—Só responde minha pergunta —Comentou sem jeito.

—Hm... legal, saí no frio para uma entrevista —Levantou as mãos fingindo ânimo —Uhuuul!

—Sério, me ajuda...

—Sim Lily, Sim, já transamos —disse com seu costumeiro olhar de tédio, aquilo se tornou problemático para ele.

—Não acha errado? Você viveu por milhares de anos e ele é uma ‘criança’ —disse olhando pensativo.

—Não pode lidar...

—Só me responde... —pediu manhoso.

—Olha, é raro ‘aberrações’ como nós amar alguém e quando amamos esse sentimento dura por mais de quinhentos mil anos por sermos imortais, então mesmo ele sendo um garoto eu o amo e se eu não aproveitar cada minuto com ele agora...

—Eles ou nós vamos morrer... —disse entendendo o que o maior disse.

—Então não estrague tudo com o Misono —disse se levantando e o loiro sentiu suas bochechas esquentarem.

—Como você....

—Qual é!  você achava que ‘eu’, que vivi por milhares de anos, não iria saber o quanto isso está na cara? —Afirmou andando em direção ao templo —vamos logo, MahiMahi-chan deve estar me esperando.

 

Lily sorriu, o azulado realmente amava o garoto e já estava na cara. Finalmente capaz de amar...

 

Depois daquilo...

(...)

Kuro estava sentado no mini sofá, que estava no quarto de Shirota, ele praticamente foi invadido pelo azulado; que fez isso apenas para irritar o menor.

—Kuro! Não é justo! –disse segurando o riso, era meio óbvio quando Sleepy Ash queria anima-lo e este era um dos modos.

—Hoho! —Sua voz soara preguiçosa como sempre —Sou o rei do sofá!

Mahiru riria se aquilo não fosse um pedido de desafio.

—Humph! Eu vou te mostrar quem é o rei, e ainda por cima vou te fazer admitir isso dá própria boca!

Ele estava sentado normalmente com ambas as pernas abaixadas e Mahiru se aproximou lentamente e sentou-se no colo do maior, sentindo algo entrando em contato com sua bunda.

—Ahh... —Foi um suspiro saindo dos lábios do azulado. Mahiru logo pensou; ‘se bem que faz tempo que não fazemos sexo e esse era um jeito perfeito de fazê-lo admitir.’

Ele se posicionou e começou a rebolar em seu membro, sentindo-o ficar maior depois de um minuto, o Servamp estava de alguma maneira entrando em delírio, fazia tempo que ele não faz nada ‘pervertido’ com seu eve, e oh... como ele sentia falta disso.

—A-Ah... Mahi... A-Anh... mais rápido —Seus olhos estavam semi-cerrados por causa do prazer, provavelmente. Shirota percebeu o contato do membro do azulado no seu e automaticamente deu um longo suspiro, oh céus... ele também já estava delirando.

—A...Ah... Mais... —Sleepy Ash mordeu seus lábios, oque fez o menor ficar de algum jeito excitado com aquela cena erótica. —Mais... Anhw... m-mais rápido Mahiru.

O azulado sentia uma sensação esmagadora e incrivelmente prazerosa em seu membro pela bunda macia e delicada de seu eve, seu membro agora latejava e formigava sentindo a calça já sendo algo que atrapalhava no momento. Já Mahiru estava em puro delírio ao sentir o membro do outro em sua bunda.

O moreno aumentou a velocidade soltado gemidos descontroláveis de ambos, que infelizmente escapavam altos de seus lábios, Ambos sentiam um enorme choque de prazer percorrer seu corpo e Mahiru continuou a cavalgar.

Isso que ainda estavam de roupa, a necessidade de ficarem perto um do outro e de lhes ter por completo, era tanta?

—C-Como...anhw... Co-omo vamos tirar a Anhw... —O azulado encostou sua cabeça no ombro do garoto e mordeu a curva do mesmo, não com as presas e sim com seus dentes, na tentativa de tampar seu gemido.

—T-Tirar oque? —Perguntou o menor, que ainda podia ouvi-lo dar longos suspiros junto à gemidos.

—Mais forte Mahi... AHH —sua respiração era acelerada e ele havia corado um pouco, em um forte tom rubro ganhando cor naquela pele tão pálida e seus cabelos caíram sobre seu rosto, chamando atenção em seus lábios finos e delicados.

Força Mahiru, você consegue, vamos, vai Mahiru!! –Pensou o Eve, que finalmente conseguiu sair do colo de Sleepy Ash mesmo que contra sua vontade, e recebe um olhar negativo do maior que estava um pouco soado e com a respiração acelerada, seu rosto ganhou um tom rubro dando cor à sua pele pálida como a neve e o branco mais claro, Shirota olhou o membro do outro descaradamente que, como o dele estava rijo e no momento latejando, o azulado respirava rapidamente e seus olhos estavam semi-cerrados, o Servamp estava tentando recuperar seu controle mas com Mahiru era impossível.

 

O menor queria apenas mostrar quem era dono do sofá e virou vítima do próprio jogo.

 

—Por que saiu? —Perguntou Kuro  impaciente e então Mahiru tirou sua blusa, o azulado olhou o corpo do menor, que agora estava um pouco definido mas muito sensual, ainda não haviam muitas curvas mas ele amava isso, Mahiru era lindo de qualquer jeito.

—Cala boca e vem logo me foder —Disse Shirota e o maior logo tira seu casaco, deixando-o na cadeira e em seguida tira sua blusa.

 

Maldito corpo dos deuses.

 

Claro que Mahiru havia ganhado um tanquinho mas era delicado e até chamativo, eu diria... mas o corpo do outro era definido sem nenhuma delicadeza, por um momento Mahiru tinha que conferir se não havia babado.

O maior vai em sua direção e puxa o cós da calça de seu eve, abrindo-a e tocando seus dedos frios na pele do menor, fazendo-o se arrepiar por inteiro, ele jamais iria admitir mas ele amava ver os arrepios que causava em seu eve.

O azulado não evitou e mordeu seus lábios tentando achar algum controle em si ao ver o membro de seu eve rijo e pingando de pré-sêmen, o menor sentiu seu corpo arrepiar-se mais ainda ao ver a expressão que o maior fez.

—Merda Kuro, para de ser tão gostoso. —Afirmou e Kuro abafou algo que seria um riso e puxou a calça do eve até os pés, este que ele precisou levantar para ele tira-la.

—Vai pra cama amor —disse olhando o mais novo com desejo, como se este fosse um miojo instantâneo no qual ele tanto ama.

Espera... ele me chamou de amor? Calma Mahiru... Calma... 

O menor mordeu seus lábios em um ato de nervosismo e ouviu o maior dar um longo suspiro.

—Odeio quando você me deixa louco... eu odeio perder minha maldita sanidade. —Merda, quando mais o eve via a situação que estavam sentia mil borboletas em sua barriga.

Sleepy Ash tira também o restante de sua roupa e vem engatinhando na cama, Mahiru não consegue evitar e sente novamente seu membro formigando e um calor no baixo ventre, maldição... estava até doendo, e só de saber que tudo isso começou com um sofá.

Ele anda em direção à Shirota Mahiru, e entre-abre seus lábios vendo os lábios finos e brilhantes de seu eve também se abrirem, sentiu seu membro latejar novamente ao ver tal cena e não demora para juntar seus lábios aos do eve, o maior invade a boca do outro com sua língua, sentindo ambas se tocarem e coloca as mãos no rosto quente e delicado do menor; este que ele diria que é macio e morderia se não fosse tão problemático.

Tudo que é possível de se ouvir é o barulho de suas línguas se chocando, como se estivessem se comendo e buscando mais espaço, era possível se ver um filete de baba passando por ambos queixos.

Mahiru sente seu corpo inteiro se arrepiar e um choque percorrer seu corpo, no meio do beijo ele congela e o maior percebe que o moreno parou de responder seu beijo, quando sente sua língua sendo mordida pelo menor e logo separa o beijo.

-Porra Mahiru –disse botando sua mão em sua língua, que agora doía pela mordida forte dada pelo menor.

Quando este ainda sente um choque percorrendo em seu pênis, automaticamente abraça o azulado caindo sobre seu ombro.

O membro do servamp havia entrado em contato com o seu enquanto estavam no beijo.

—Anhwww... —sentiu um gemido escapar de seus lábios, este que saiu bem no ouvido do azulado, que respira fundo e novamente morde seus lábios para buscar algum controle, mesmo que sendo impossível. Sentiu um líquido vermelho descer em seus lábios e sente um enorme gosto de sangue.

 

Seu sangue.

 

Não deveria ter mordido forte mas era o único jeito.

O menor na esperança de tampar o gemido deu outro beijo no servamp, que hesitou em responder para não ter sua língua mordida novamente mas que mesmo assim respondeu. Mesmo que sem querer, Mahiru sente aquele contato em suas partes íntimas novamente e deixa escapar um gemido, este que fora tampado pelo beijo.

 

Kuro sentiu e então lentamente se separou do beijo mas antes não deixou de chupar o lábio inferior do eve.

—Você gemeu? —O moreno corou de cabeça aos pés, claro que Kuro não ouviu direito por este ser abafado pelo beijo.

O maior repara que os delicados lábios com gosto de morango de seu eve estavam inchados agora devido aos beijos, claro que a sua estava inchada mas ele amava ver os lábios tão brilhosos e atraentes de Mahiru.

Ele se abaixa mais e então lambe o pescoço de Mahiru.

Droga... não dá, essa peste é irresistível. –Pensou enquanto mordia seu próprio lábio e viu que o maior estava manchando sua pele com o sangue que saia de sua boca.

Sentiu o Servamp depositar um beijo em seu pescoço e depois dar uma leve mordida.

—Ah não Kuu-chan... –Balbuciou manhoso, lá vai o eve ganhar mais um chupão para a coleção.

—Ah sim MahiMahi-chan —disse botando seus dedos frios nos botões rosados de Mahiru, contornando-os e fazendo movimentos prazerosos dirigidos à ele.

—A-Anhw... —O menor mordeu seu ombro para abafar os gemidos quando, do nada ele para os movimentos e anda lentamente seus dedos por sua barriga, fazendo o eve se arrepiar com inteiro.

O moreno movimentou sua língua como distração, quando; seus dedos agora andaram até a barriga de Mahiru, fazendo um frio prazeroso me percorrer e lentamente desceu, seus dedos eram finos e frios, maldição... isso era muito bom.

Os dedos do maior agora pararam no membro ainda rijo e latejante de Shirota, que que mordeu seus lábios e inclinou suas costas devido ao prazer lhe proporcionado.

—Anhw... —Não conseguia segurar seus gemidos; estes que ele temia ser o motivo de todos saberem o que estavam fazendo.

Sleepy Ash iniciou uma masturbação no membro do garoto e sentiu o pré-sêmen pingando eu seus dedos, maldição... ele estava sentindo seu pênis latejar ainda mais ao ver as expressões frágeis e adoráveis do garoto; provando algo no qual ele deixou ser um prazer quase palpável.

Sente as mãos do maior trabalharem habilidosamente e logo sente o contato dos lábios frios do maior em seu mamilo direito, chupando-os de acordo com a masturbação.

—Anhww... Kur... Anhhww.... Mais... Argh! —ele levantou sua cabeça e não conseguia mais manter os olhos abertos, mesmo que quisesse o menor estava em puro delírio.

Sleepy Ash estava ficando louco com os gemidos e as expressões do eve e mal via a hora de invadi-lo.

O garoto sentiu seu corpo estremecer e uma onda de prazer percorrer seu corpo.

—Anhw... Kuro... —O gemido agora foi manhoso e sua voz saiu rouca, acabou por sujar o que se via pela frente, que era o abdômen do azulado.

 

Droga, ótimo momento para eu ficar envergonhado. —Pensou Shirota enquanto via o abdômen do outro sujo com seu gozo.

O Servamp tirou os lábios dos pequenos botões do eve mas antes não se segurou e acabou por lamber o local, ouvindo um suspiro de alivio do menor.

—Você é muito lindo MahiMahi-chan —disse tirando suas mãos agora sujas, leva em direção à sua boca e lambe do líquido que se encontrava. —Eu amo você por completo —disse com sua voz rouca e se aproximou do ouvido do garoto, agora lambendo o lóbulo do menor, que não conseguiu segurar o suspiro ao sentir a saliva quente do vampiro.

Ele jamais iria admitir, mas Mahiru era doce e ele amava sentir esse sabor do líquido quente que ainda se encontrava em sua barriga.

O menor ainda deitado abriu suas pernas e virou-se para o lado, constrangido.

—Me fode logo Kuro — disse e o maior deu um sorriso sincero, seu eve era uma gracinha.

Não demorou para ele posicionar seu membro na entrada de Mahiru, que mordeu seus lábios tentando se acostumar com o novo contato.

Kuro estava vendo os olhos do garoto marejando e então foi mais de vagar.

—Anwh... —finalmente entrou, sentia seu membro sendo apertado pelo interior do garoto mas aquilo era tão prazeroso para si, de algum jeito.

—Anhww... Ku-Kuro... ahm... —o menor tentou dizer mas tudo que ele podia fazer era morder seus lábios, depois de um minuto parado dentro do garoto, Sleepy Ash começou os movimentos lentamente, tendo como resposta gemidos carregados de dor do garoto.

Fez movimentos de vai  vem e o garoto agarrou suas mãos nos lençóis da cama e agora quem deu um suspiro foi o azulado.

—M-Mais rápido... Kur... Anhw... Mais... —disse já se acostumando com a dor, sentindo um pouco mais de prazer com os movimentos do maior.

 

Kuro mexia-se de acordo com o que Mahiru pedia e este colocou as mãos nas costas do azulado, arranhando-o.

 

—Anhww... Argh.... Kuro... —disse arranhando mais o maior, que sentia seu corpo se arrepiar e um certo prazer a cada arranhão que provavelmente marcariam sua pele tão pálida.

Segurou forte as cochas do garoto, que provavelmente ficariam bastante marcadas mais tarde.

—Anh... Mahiru... —disse agora acertando a próstata do garoto, fazendo-o morder novamente aqueles malditos lábios ainda inchados que não paravam de brilhar por algum motivo.

—ANHWW.... M-Mais... —pediu arranhando mais forte as costas de Kuro e o maior abriu ainda mais as pernas de Mahiru e com suas mãos apertou mais ainda as cochas do garoto, que talvez ficariam marcadas depois, ambos estavam soados e com suas respirações aceleradas.

 

Lawless que agora estava no corredor deu passos lentos em direção ao quarto e abriu a porta.

—Mahiru quando você vai fazer .... a............ comida ....... —parou ao ver os dois e sentiu seu rosto ganhando um forte tom rubro, claro que ele sabia muito bem que os dois transavam, mas vendo era meio... caramba, seu ‘irmão’ que vivera com ele à anos. Oh céus como isso era estranho...

—Anhw... Law-...?  ahhh.... —Kuro mordeu seus lábios e sua cabeça foi automaticamente para trás, alcançando novamente a próstata de seu eve, tentou em uma tentativa falha chamar o maior mas à essa altura do campeonato não conseguia parar com as estocadas.

—Law...Ah...  Less... Port- Ahw.... —o menor ainda arranhava as costas de seu servamp, ambos estavam em puro delírio mas o loiro entendeu exatamente o que Mahiru quis dizer e fechou a porta, totalmente vermelho foi para a cozinha onde todos estavam em volta da mesa.

 

—Eles não virão tão cedo... —afirmou ainda perplexo, olhando para o nada.

—Que cara é essa? Não que diga que eles... —Perguntou Mikuni abafando o sorriso por causa do jeito que o outro o olhou.

—Sim... —respondeu o loiro —não vamos falar sobre isso...

—Eles estão mesmo fazendo? —perguntou All Of Love segurando o riso assim como os outros.

—Estão...

—Nossa cara! Hahaha —Hugh começou a rir descontroladamente junto aos outros.

 

Já no quarto de Mahiru, o garoto sentiu seu corpo estremecer e um choque de prazer correr novamente por seu corpo, gozando forte novamente no abdômen do servamp que também teve seu orgasmo, preenchendo o interior do garoto com seu líquido quente, ambos ofegantes deitaram-se tentando recuperar o ar no qual lhes foi tanto perdido.

 

—Mahiru...

—Oi? —O menor perguntou agora se virando para ele, respirando rapidamente.

—Eu te amo, tá? —O eve ficou sem reação.

Não acredito! Oh céus! Ele disse mesmo? Respira fundo Mahiru, respira fundo... calma... calma... CALMAAAAAA!! HAAAAA ELE DISSEEEEEEE!’ —Pensou enquanto olhava para o nada.

—Oi? Eu não ouvi, Repete! —Os olhos do garoto brilharam e o azulado impaciente lhe deu um olhar preguiçoso de quem não iria repetir novamente.

—Não pode lidar —respondeu virando para o lado oposto, dando  um sorriso no qual ele mesmo decidiu não demonstrar.

—Você disse mesmo oque eu pensei que você disse? —Maldição,Mahiru estava muito animado...

—Sim, eu disse —o eve foi em sua direção e o abraçou por trás.

—Também te amo amor —Respondeu e sentiu Kuro colocar suas mãos geladas nas suas, que estavam abraçando-o, impedindo-o de sair do abraço mesmo que quisesse.

—Lembra quando nos conhecemos?

—Claro que eu lembro, eu estava em uma era desconhecida e um gato pulou na minha cara, isso realmente não acontece todo dia... —Mahiru ouviu Kuro dar um riso no qual ele acabou por abafar.

—Foi mal... haha.

—A melhor coisa da minha vida, foi te conhecer —o menor disse abraçando mais o azulado, que se virou e olhou-o fixamente nos olhos, sim... aqueles olhos castanhos nos quais eram tão puros e inocentes, bom... nem tão inocente, se é que me entendem...

—Me lembro da primeira vez que eu fui na sua escola e você me deu aquela comida estranha na boca —disse e Mahiru se aconchegou no peito do maior.

—Foi divertido... haha —Ele gostaria de fazer aquilo novamente. —Eu queria te dar comida outra vez —comentou olhando para o nada, pensativo.

O vampiro mesmo achando isso problemático sabia que não era sempre que o Mahiru queria alguma coisa, então mesmo se arrependendo talvez no futuro não via problemas.

—Você pode fazer isso hoje —comentou e o garoto sorriu e se animou; como um cachorro que recém ganhou um osso.

—Sério? —perguntou e o maior deu um longo suspiro e assentiu com a cabeça.

—AHHH! Arigato Kuu-chan —disse Mahiru abraçando o maior mais forte.

—Se lembra do baile que teve na sua escola? —disse dando um sorriso abafado ao se lembrar —Aquele tal de “Rato” ficava te irritando.

—Rato? —Mahiru perguntou tentando saber de alguém cujo o nome era este e depois se entregou à uma longa gargalhada —Não quis dizer ‘Renato’?

—Esse nome... me lembra Rato —comentou dando outro sorriso no qual abafou.

—Kuu-chan... não abafe seus sorrisos, já é raro te ouvir sorrindo e você vai lá e abafa —indagou enchendo as bochechas de ar e fazendo biquinho.

—Hm... mas se rir não fosse tão problemático, eu iria fazer mais disso. —comentou olhando para o teto, assim como seu eve.

—Seu sorriso é lindo, sabia? —o maior corou com tal comentário e depois fez um sinal negativo com a cabeça.

—Lindo é você —afirmou novamente beijando os lábios rosados e bem destacados do eve.

—Só se for eu te copiando —disse respondendo o beijo do maior, no qual não foi nada urgente e necessitado e sim um beijo simples, um beijo apaixonado.

—Não... Não precisa me copiar pra —Kuro falava entre o beijo —ser lindo, você já nasceu assim —Parou de responder o beijo e chupou o lábio inferior de Mahiru.

—Amor eu vou lá fazer a comida, vai ficar deitado? —perguntou se sentando e pegando sua roupa do chão —antes um banho...

—Eu vou tomar banho junto, depois venho deitar —respondeu se transformando em um gato preto e se deitando nos ombros de seu eve que ainda estava nu mas se enrolou em um roupão e foi para o banheiro que se encontrava ao lado de seu quarto.

Ambos tomaram banho rápido, as costas de Kuro estava bastante arranhada e com as marcas dos dedos de seu eve, e Mahiru estava com a marca do chupão que Kuro havia lhe dado e também as mordidas que seu servamp deu nas tentativas de silenciar os gemidos, tirando as pernas que estavam bastante marcadas —Que infelizmente estava bastante visível pelo pijama do eve ser uma regata fininha e um shorts não muito longo porém de tecido fino e bastante confortável.

Kuro voltou para o quarto e se deitou, Mahiru foi para a cozinha e todos começaram a olhar o garoto impressionados com as marcas fortes deixadas pelo vampiro, ambos nem ligavam para as marcas pois se eles fizeram, fizeram! e não tinham nada à esconder.

(...)

Todos estavam na mesa conversando sobre coisas aleatórias e Mahiru pegou o hashi e moveu o bolinho de arroz na frente dos lábios do vampiro, todos pensaram coisas do tipo; "Acho que ficou meio estranho, duvido Sleepy Ash abrir a boca"

—Diga "Ahh" Kuu-chan —disse Mahiru dando um sorriso de quem estava torturando o azulado na frente dos irmãos desse jeito, por propósito.

Quando do nada...

—Ahh —Kuro abriu a boca e Mahiru colocou o pequeno arroz no mesmo, impressionando o eve e todos os outros, se não fosse problemático ele iria sorrir e dizer que esse jogo foi ele quem ganhou, mas isso era algo que ele não podia lidar.

—Meu, irmão preguiça... você realmente não teve dó do Mahi não é? —Perguntou Lawless olhando as marcas do moreno e Kuro fez um sinal negativo com a cabeça.

—Eu fui a vítima dessa vez —disse dando um olhar inocente e todos começaram a rir.

—A vítima? mas que mentiroso... —Comentou Mahiru dando um olhar debochado para seu Servamp.

—Realmente, Sleepy Ash, você nunca é a vitima —Afirmou All Of Love olhando para o irmão que fez um sinal de negativo com a cabeça.

—Mentiroso? —Perguntou olhando para Mahiru e levantou uma sobrancelha —Mas quem é que sentou no meu colo?

Os eves, Exceto Mikuni ficaram brancos como folhas.

—Quem que roubou o sofá? —Perguntou Mahiru enchendo as bochechas de ar e fazendo biquinho, como costumava fazer.

—Mas quem é que botou a bun... —Foi interrompido por um pigarro de Jeje.

—Nós não precisamos saber dos detalhes —comentou Mikuni dando um sorriso malicioso para os dois.

—Bom... vamos para cama, logo é meia noite e trinta. —Comentou Misono indo em direção ao seu quarto, agora sendo seguido por seu eve.

Aos poucos todos foram indo para seus quartos e em outra era onde a noite estava escura e sem estrelas no céu, Tsubaki acaba por descer da árvore na qual se encontrava logo atrás na casa da Angela.

—Hoje ele também não voltou... —disse deixando seu desânimo quase apalpável.

Cada vez em que se sentia triste a aura negra à sua volta aumentava e neste exato momento esta havia aparecido mas não destruiu nada à sua volta, ele não queria machucar ninguém e nem mesmo destruir as coisas ao seu redor.

—Tsubaki —O maior ouviu uma voz lhe chamando e já reconhecia tal voz de longe, a muito tempo não a ouvira.

—Sakuya... —Sua voz soou triste e demonstrando as saudades que este sentia sobre seu subclasse.

—Eles virão amanhã para te matar... —Disse se sentando ao lado de Tsubaki —Por favor não faça nada errad...

—Eu quero ser morto a muito tempo —comentou olhando fixamente nos olhos rubros do esverdeado.

—Não minta pra mim... eu odeio mentiras.

—Eu sei... —disse fazendo o menor deitar em seu ombro e mexeu em seus cabelos.

—Eu sou sua arma Tsubaki... quando quiser que eu mate eles, eu vou mata-los. —Comentou apreciando as carícias que o moreno dava em seus cabelos verdes como a mais pura natureza —Não quero que ninguém te tire de mim...

—Meu destino já não existe mais Sakuya...

—Eu sou sua arma, enquanto eu tiver utilidade me use e quando eu não valer mais nada, me mate, só assim que eu vou acreditar em um fim.

—Você sabe que eu jamais iria te matar —comentou vendo o esverdeado dar um sorriso sincero.

—Eu prometo te proteger até não conseguir mais... —disse se deitando no colo de Tsubaki.

—Seria melhor se você me odiasse. —Disse o moreno olhando fixamente nos olhos rubros do menor.

—Eu nunca vou te odiar, armas inúteis como eu não podem se dar ao luxo de odiar alguém, muito menos se esse alguém for você —Disse agora se levantando —Quando você me chamar eu irei aparecer.

—Eu não quero que você mate ou machuque ninguém.

—Eu não me importo de sujar as mãos, se for por você —Respondeu agora se levantando —Sayonara Tsubaki.

—Sayonara Sakuya.

(...)

Todos haviam almoçado e era hoje que eles iriam para a outra era procurar mais por Licht ou por qualquer coisa que os levaria até Tsubaki, eles estavam ansiosos o suficiente e seus olhos exalavam uma pura esperança.

—Entenderam como vamos nos separar? —Perguntou Mikuni enquanto via os eves lançarem um olhar não muito agradável.

—Por que não vai cada um com seu servamp? —Perguntou Misono impaciente olhando o rosto de cada um deles.

—Os ideais são diferentes, Mahiru e Misono vão juntos procurar enquanto vai eu e o Tetsu —Respondeu e depois de uma hora de despedida e conversa jogada fora decidiram se separar.

—Ahh, Mahiru antes de ir... —o azulado tirou seu casaco e estendeu para seu eve —Quando se sentir sozinho, lembre que está comigo.

Mahiru pegou o casaco e colocou em si, indo agora na direção oposta com Alicien.

(...)

—Ei Mahi —O outro finalmente não o chamou de maldito —Vamos dar oi para aquela mulher primeiro é? —Perguntou sentindo um certo receio ao lembrar-se de seu sonho.

—Sim, eu sinto falta da Angela —Admitiu andando em passos rápidos e não demorou muito para ambos estarem na frente da casa da mulher idosa.

—Eu não acho uma boa ideia... —Mahiru abriu a porta e não se mexeu, ficou em estado de choque ao ver oque tinha dentro daquela casa... não! não podia... era.... era impossível...

—A-Angela...? —Perguntou se aproximando e quando Misono foi na frente da porta, ficou sem palavras... a mulher idosa estava caída no chão com seu corpo sangrando.

—M-Mahiru... —Ela se levantou mas seus olhos, não... seus olhos não eram mais os mesmos, estavam em um tom rubro escuro como se fosse o vermelho de um sangue profundo e de bondade, seu rosto se tornou sem expressão alguma.

—MAHIRU! NÃO CHEGUE PERTO DELA!! —Alicien gritou em uma tentativa falha de impedir Mahiru, oque não aconteceu.

—Não se mexa Angela, por favor, não se mexa... —disse se aproximando da idosa, na qual suas unhas viraram garras e atingiram a barriga do garoto,lhe dando um corte profundo.

—Merda! Mahiru! por favor não se aproxime! —Disse invocando sua cadeira, como modo de chamar All Of Love.

—Não! não machuque a Angela! —Disse se aproximando novamente da idosa que arranhou seu rosto e lhe deu um chute, fazendo-o cair.

Mahiru acabou por cuspir seu próprio sangue mas quando a idosa seria acertada Mahiru pulou na sua frente, impedindo-a de ser acertada e levou outro golpe, no qual o fez cuspir mais sangue ainda.

—Argh seu...! sai da frente! precisamos matar ela! —disse e Angela foi na direção do moreno novamente, arranhando mais ainda sua barriga, lhe dando um corte profundo na mesma. —S-Se continuar assim você vai...

—Eu sei! —Gritou sentindo mais sangue sair de seus lábios —Mas a Angela sempre me ajudou e eu NÃO VOU DEIXAR ELA JUSTO AGORA QUE ELA MAIS PRECISA DE MIM! —gritou indo na direção da idosa, que arranhou mais seu rosto em outro corte profundo no qual fez a pele do garoto arder e queimar ao mesmo tempo.

—Ela não é mais aquela Angela que você conheceu! esqueça ela Mahiru! —Gritou quando viu o moreno se aproximar mais dela e ser jogado para parede, fazendo-a quebrar-se e machucar ainda mais o garoto que já se encontrava machucado.

O casaco de seu servamp já estava sujo com bastante sangue e Mahiru estava totalmente cortado... então... por que ele não desistia?

Por que Misono não conseguia fazer nada a não ser olhar? ele não poderia matar ninguém... oque ele faria?

—Chame o Kuro! —Gritou sentindo seus olhos encherem de lágrimas ao ver o garoto todo ensanguentado se levantando e agora finalmente conseguindo dar um abraço na idosa.

Mahiru estava com as lâminas dela apontadas para seu rosto, na qual cortava mais e mais porém este não se separava do abraço.

Misono se perguntava oque diabos Mahiru estava fazendo, como ele não via que aquela mulher... já estava morta?

Lembrou-se da conversa que teve com Angela.

~Flasback ON

—Tem muitas coisas estranhas acontecendo aqui, não tem um minuto de paz — Sentou-se ao meu lado.

—Estranhas como? —será que eram coisas do tipo aqueles ossos que eu havia pisado?

—As pessoas estão cometendo suicídio —não pude evitar de arregalar os olhos —parece que elas são forçadas a fazer isso.

—Forçadas?

—Sim, forçadas.

—Mas... por....—Sou interrompido.

—Depois que isso acontece, elas acordam... mas....

—Mas?

—Elas já não são mais as mesmas, ou as matamos ou somos mortos —disse dando um olhar triste, isso... realmente... é horrível.

~Flashback OFF

—Vai passar Angela —Os olhos de Mahiru agora finalmente revelaram a tristeza na qual ele tanto segurava para si, caindo vagarosamente sobre suas bochechas e se misturando com seu sangue. —Eu to aqui Angela.

Aquelas palavras cortaram o coração de Misono, a voz de Mahiru soara falha e rouca, quase que foi impossível ouvir suas palavras.

Ele novamente foi jogado no chão.

—Eu... Eu não vou deixar nada te machucar... —Os olhos do garoto estavam cheios de lágrimas, estas que não paravam de cair. —Eu to aqui Angela.

A voz dele estava carregada de tristeza e a cada fungada que ele dava Misono se sentia mais inútil.

 

Ele não conseguia fazer nada.

 

—Não me importa se... se você queira me matar... —disse olhando nos olhos da mulher, que não pertenciam mais a mesma, sua voz saíra rouca e falha —Ou se.... se você tenha mudado... Pra mim.... você... você sempre vai ser... —Foi interrompido por seu próprio soluço no qual saiu alto — A ANGELA DE SEMPRE!

—MAHIRUUUUUU! —Misono gritou ao ver o moreno ser atingido no pescoço com as lâminas da idosa, mas ele ainda estava vivo, ainda respirava e seus olhos continuavam abertos.

—Angela... po-or favor... me diz que... não é você que está fazendo isso... —perguntou com seus olhos cheios de lágrimas ao ver a mulher agora parada, se mexendo como se fosse um robô.

—Ma-ahiru... —disse se aproximando do moreno —Po-or f-favor... m-me....

—NÃO ANGELA! EU NÃO VOU! —Gritou e foi correndo para a mulher que recém recuperou a consciência.

—Eu... eu não tenho... muito... muito tempo.... me... me mate! —disse e com suas mãos trêmulas limpou as lágrimas do garoto.

—Nunca!

—Eu lhe imploro Mahiru —disse com seus olhos enchendo-se de lágrimas.

—Angela... —O garoto lhe deu um abraço e chorou em seus braços como se fosse uma criancinha.

—Eu só aceitarei m-minha morte... se for você... quem for dá-la para mim... —Afirmou estendendo sua lâmina para o garoto, que agora segurou suas lágrimas e botou lentamente no pescoço da idosa.

Seu coração doía tanto... alguém por favor diga a ele, que isso não passava de um pesadelo.

a idosa estava olhando os olhos do garotos que estavam cheios de lágrimas.

—Nã-ão chore... —disse sentindo seu pescoço sendo invadido delicadamente, mesmo que ela não fosse ela... Mahiru nunca havia matado ninguém...

 

 

muito menos se este alguém, for alguém na qual ele tanto amou.

 

~Flashback ON

—Se-senhora... pode me dizer onde estou? —Perguntou Shirota à mulher que parecia ter mais de setenta anos, era tudo muito antigo, as casas, roupas, era como antigamente.

—Essa é a vila de Ashira —Afirmou, ainda encarando o que o jovem vestia — Garoto, você realmente é muito estranho... poderia me dizer de onde veio? —perguntou franzindo a sobrancelha.

—Eu estava no templo do meu tio, quando fui puxado para dentro de um poço, no qual me fez parar no meio da floresta —Afirmou e a senhora o olhou estranho mais depois pareceu estar surpresa, ele também ficaria curioso se aparecesse alguém “estranho” como ele.

—Estranho... —Ela olhou para o lado e depois fixou seu olhar no garoto —Venha, depois eu tento lhe ajudar mas agora está tarde, não quer passar a noite aqui? 

—Em que ano estamos? —Perguntou Mahiru olhando para as coisas ao seu redor

—1723, por que ? —Afirmou naturalmente e ele arregalou os olhos

—Etto...Senhora, estás a brincar comigo...pois não? —Perguntou dando um sorriso amarelo, afinal, como ele foi parar ali mesmo?

—Acha que eu estaria brincando garoto? —Seu tom era sarcástico mas em seguida ela me olhou assustada —Em que ano sua cidade está?

—2016 —Dito isso quem arregalou os olhos, foi ela.

—Então você poderá comer coisas de graça pois não és daqui e amanhã na frente do portão da vila, às duas horas estarei a tua espera....

~Flashback OFF

Aquela fora a primeira vez que eles se conheceram... Mahiru via as lágrimas saindo dos olhos da idosa e ela ainda estava viva, sentindo a lâmina perfura-la cada vez mais. (oque estiver escrito em itálico são as lembranças)
 

—Afinal, meu nome é Angela, e você é...? —Perguntou levantando apenas uma sobrancelha.

—Mahiru, Shirota Mahiru!

 

Ela estava cada vez... cada vez mais distante dele...

 

—Etto... vai ter como eu voltar para essa era? —Mahiru perguntou encarando a idosa, que estava sorrindo para si.

—talvez, e aquele quarto que você estava... será seu e do Kuro a partir de hoje, afinal... vocês são como filhos para mim agora, mesmo que tenhamos ficado pouco tempo juntos...

 

Angela estava fechando seus olhos, perto de dar seu último suspiro, quando tudo que Shirota conseguia fazer era chorar e ouvir o barulho de suas respirações, tudo que ele podia fazer era observar sua tão amada 'mãe' ficar a cada minuto mais distante.

 

—Qual a arma que você conseguiu com o Sleepy Ash?

—Uma vassoura. 

—Uma oque? 

—Vassoura! 

—HAHAHAHAHHAHAH! Certo, vamos começar!

 

Foi quando o corpo da idosa se pesou e caiu para trás, Shirota chorava feito uma criança e caiu sub Angela.

—Angela... Angela.... ANGELAAAA!! HAA... Runf runf... An-Angela... —Ele abraçou o corpo da idosa, que agora estava frio e como o seu, machucado.

—Olha... se não é o garoto que fugiu do meu Show... —disse Belkia entrando na casa da idosa, enfiando uma espada na barriga de Mahiru. —Dessa vez que seu Servamp não está aqui, eu vou te ensinar uma lição... 

Ele se aproximou de Mahiru e com força, bateu a cabeça do garoto na parede, fazendo-o desmaiar.

—Você é amiguinho dele? —Perguntou se virando para Misono, que sentiu seu corpo estremecer e não conseguia se mover, suas pernas estavam bambas e ele sabia que seu corpo iria desistir de si a qualquer momento.

—Oque você está fazendo? —Uma voz surgiu do nada e Misono arregalou os olhos, Não... não podia ser... ele... tantos dias procurando-o e agora quando não havia nenhum Servamp...

Impossível.

—TSUBAKI?!! —Perguntou Misono e Belkia ao mesmo tempo.

Misono mesmo não conseguindo se mexer, pegou Mahiru e saiu daquela casa correndo o mais rápido que podia.

Suas pernas estavam fraquejando, ele correu até onde suas pernas aguentaram e caiu no chão com o garoto.

—Finalmente achei vocês! —Soara a voz de Lily e logo Sleepy Ash sentiu seus olhos arregalarem-se ao ver seu eve todo machucado e com lágrimas saindo de seus olhos.

Ele estava desacordado, e muito... muito machucado.

—Oque... aconteceu... com o Mahiru? —Perguntou impaciente, cerrando seus punhos.

—A casa da Angela... Tsubaki... Tsubaki está.... está lá —disse tentando recuperar o ar e o maior com seus olhos lagrimejando se levantou.

Ele faria Tsubaki pagar com sua vida, oque fez com Mahiru.

Iria tortura-lo até ele implorar para morrer.

 

Em um lugar não muito longe de lá Lawless ouviu um barulho nas folhas e ao olhar para trás, sentiu seu corpo ficar pesado... Doubt Doubt viu oque estava acontecendo e o loiro arregalou os olhos ao virar para trás.

—Anjinho... você... oque aconteceu com você...?

(...)

Mahiru finalmente havia acordado e Kuro ainda estava indo para casa de Angela, chegando cada vez mais perto de Tsubaki.

—Mahiru! Finalmente você acordou —Disse All of Love quando o menor o olhou assustado.

—Aii! —Disse Mahiru sentindo seu corpo inteiro doer, devido ao acontecido.

—Mahiru! Não se mexa, vai passar! —disse Misono quando do nada o garoto o olhou assustado.

 

Onde eu estou? —Perguntou olhando a sua volta —Quem são vocês?


Notas Finais


Música do capítulo:
https://www.youtube.com/watch?v=VAogpx2O5So

Espero que tenham gostado, demorou MUUUITO para escrever, comecei as 11:00 e só terminei agora as 03:00 ;-;
espero que tenham gostado ;u;

~sayonara


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...