História Onde os lobos se escondem. - Capítulo 37


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Lobisomens, Lobos, Lupinos, Sobrenatural
Exibições 159
Palavras 1.724
Terminada Não
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 37 - Boa noite


Fanfic / Fanfiction Onde os lobos se escondem. - Capítulo 37 - Boa noite

         Senti o peso do corpo sobre meus braços, sentia o pelo macio do lobo negro roçando contra a minha pele e me fazendo um leve arrepio. Mas mesmo assim não tirava os olhos dele. 
       Parecia que ele poderia desaparecer a qualquer momento. Ergui o corpo de Liam até meu dorso e repousei meus lábios sobre a sua cabeça em um simples selinho. Queria que ele soubesse que eu estava ali com ele. Queria que ele abrisse os olhos. 
        Senti culpa por não ter achado ele, haviam tantos ferimentos pelo seu corpo que eu sabia que ele havia sido torturado, mas o que me fazia queimar em ódio era o fato de que eu não tinha nem chegado perto de salvá-lo, ele teve que vir até mim.... Mas e se... Ele não tivesse conseguido escapar? 
        Rosnei e balancei a cabeça negando essa opção, não ia pensar no pior, ele estava lá comigo agora, e isso era tudo que importava. 
        Rosnei levemente ao sentir alguém me cutucar os ombros e me virei para encarar o dono de tal atitude. 
       Mas me arrependi na hora, era  a Lira. Ela também trazia Jinks consigo nos braços, mas diferente de Liam o lobo cinza já tinha acordado a uns dez minutos e vinha conversando com ela durante todo o caminho. 
       Arqueei as sobrancelhas quando ele estendeu uma das mãos e a deixou pender sobre a barriga do lobo negro que eu carregava. Arregalei levemente os olhos ao ver que as mãos de Jinks tremiam. 
       Seus olhos estavam focados em Liam, mas logo se voltaram para mim. Seus lábios se entreabriram e começaram a tremer, parecia que ele tentava falar alguma coisa. 
      Avaliei o lobo por um todo, suas roupas estavam rasgadas e reduzidas a trapos, havia sangue seco nelas e em seu corpo, seus olhos estavam opacos e suas mãos machucadas, mas o pior eram os grandes cortes que se estendiam sobre sua barriga e as marcas de espancamento por todo seu corpo. 
        Imaginei o quanto doía, o quanto devia ter sofrido e eu nunca viria nem a ter ideia do que passou, da dor que sentiram. Forcei um leve sorriso acolhedor para ele. Não dava muita vontade de sorrir ao ver seu estado moribundo. 
- Alyss... - sua voz saiu rouca e vi Lira se encolher com o tom sofrido que ela carregava. Só agora percebi o quando ele devia estar se esforçando para falar. 
- Não fale nada, a gente já está chegando, quando você estiver melhor você me conta ok? - perguntei e ele negou com a cabeça. Me senti angustiada quando ele voltou a falar. 
- Ele sentiu saudade de você.- Jinks respirou fundo antes de voltar a falar - Dava para ver o quanto ele queria te ver de novo... - a medida que ele ia falando senti lágrimas beirando meus olhos. - ele me protegeu... Ele foi mais torturado que eu.
-       Engoli em seco com o que ele tinha falado e me forcei a deixar que meus olhos permanecessem de encontro aos de Jinks e não se voltassem para Liam. 
- Cuida dele - a voz do lobo cinza saiu sofrida e arrastada, me encolhi com o som, mas logo me recompus. 
- Não precisava pedir. - respondi - Eu vou cuidar dele, não tenha dúvida disso. 
-        Meus olhos queimaram confirmando minha afirmação e Jinks sorriu. Mas logo apagou de cansaço, mas de certa forma parecia mais aliviado, seu rosto estava sereno. Ele quase parecia sorrir. 
-        Um vento bateu de frente ao meu rosto e me balançou os cabelos, senti como se me afagassem a cabeça, olhei em volta e notei que o vento apenas batia em mim, Lira, Jinks e Liam. 
-         Lentamente fechei os olhos e deixei a sensação de segurança que ele carregava me dominar, e tive quase certeza que ele conversou comigo, porque escutei as seguintes palavras; Tenho dó de quem tentar fazer alguma coisa contra o Liam. Senti a sua falta. 
-        Senti o leve tom irônico que Josh costumava usar e sorri. Mesmo só conhecendo ele por pouco tempo ele fazia falta. 
-         Senti um impulso na hora abracei Liam com força, o vento havia parado e a sensação de que ele iria ir para longe de mim voltou. 
-       Afaguei seus pelos negros e levei meus lábios de encontro à sua orelha. Onde sussurrei; Não vou te deixar ir embora. Não você. 
-       Depois disso continuamos andando por mais dez minutos até chegarmos a minha casa. A alcateia se despediu de nós e se mandou, me deixando na companhia dos dois feridos e de Lira. 
-         O alfa e os outros iam vasculhar e patrulhar a área em volta da cidade em busca de vampiros. Como se ação de agora não houvesse sido suficiente. 
-         Adentrei a casa e dei graças a Deus pelos meninos estarem fora. Seria difícil explicar a situação. 
-      Lira falou que ia cuidar de Jinks no andar de baixo e que depois me procuraria para pegar a caixa de remédios e primeiros socorros. Apenas assento e a vi sumir da minha vista com ele nos braços, depois só escutei o barulho de água caindo e soube que ela estava ando banho nele. 
-        Dei de ombros e fui com Liam até o meu quarto, o deitei na poltrona e fui até o banheiro, enchi a banheira de água quente e voltei para pega-lo, mergulhei seu corpo na água e mantive sua cabeça acima da água. 
-         Cantarolei uma velha canção enquanto o banhava, vi o sangue se misturar com a água e esfreguei até que não ouve-se mais nenhum vestígio 
-        Depois o peguei em meus braços e o seguei com a toalha, escovei seus pelos e o deitei na cama, ele tinha que acordar para mim fazer os curativos. 
-         Afaguei seu cabelo e comecei a chamá-lo baixinho, seus olhos tremeluziram e se abriram. Eles estavam enevoados e eu soube que ele lobo ia perder a consciência. 
- Vire homem - falei simplesmente e ele assim o fez, mas o esforço o apagou logo em seguida. 
-         Peguei a caixa de primeiros socorros e limpei cada ferida em seu corpo, passei pomada em cada hematoma e enfaixei cafa corte. 
                Depois liguei para o Will para ter notícias e ele disse que já estavam voltando para casa e que Rique estava com ele. Me dei por convencida e desliguei. 
           Logo depois Lira veio até o meu quarto para pegar os remédios e me falou que eu podia descansar e que ela esperava os meninos chegarem. 
          Agradeci ela e depois que ela se retirasse encostei a porta do quarto, sai do mesmo e peguei um conjunto de pijamas do Will emprestado e voltei para o quarto, fechando a porta logo atrás de mim. 
          Andei até Liam e o vesti, para depois o cobrir com um lençol e deitar ao seu lado. 
       Não estava com a mínima vontade de sair do lado dele e dormir na poltrona ia acabar com as minhas costas. E ia ser desconfortável. Então apenas me deitei ao lado dele e o trouxe para perto de mim, repousei sua cabeça em meu peitoral e afaguei seus cabelos. Me surpreendi levante em saber que eles eram macios. 
           Depois disso apenas cai no sono, a última coisa que escutei foi a sua respiração calma e regular. 
------ quebra de tempo--------

          Acordei com o som de passos vindo do corredor, Liam ainda dormia encostado à mim, então não me mexi, farejei o ar e reconheci quem estava para me fazer uma vista; Will e Rique. 
       Sorri quanto uma figura sonolenta abriu a porta, Rique estava com um pijama de pinguins azul e tinha os cabelos bagunçados. Seus olhos estavam levemente vermelhos de cansaço e ele nem mesmo perguntou quem estava ao meu lado, apenas entrou no quarto, olhou Liam por um segundo e depois se deitou recostado as minhas costas, seus bracinhos me envolveram e em um segundo depois ele já estava dormindo. 
- Quem é esse? - a voz de Will me fez olhar de volta a porta e vi que ele estava recostado na mesma, seus cabelos estavam bagunçados que nem os de Rique, só que diferente do pequeno Will usava uma calça moletom e uma camisa sem mangas de algodão. 
- É o Liam, vocês já se conhecerem antes. - respondi e ele assentiu. 
- É seu namorado? - perguntou e eu quase engasguei com minha própria saliva. 
- Não! - neguei e ele sorriu. 
- Velha tarada! - brincou - fica ai de pegas com um cara é? Temos menores no lugar se comporte! 
- Cala a boca moleque - grunhi e ele riu. 
- O que aconteceu com ele? - dessa vez Will estava sério. 
- Te conto amanhã - resmunguei e ele assentiu. 
- Então boa noite - falou. 
- Ei! Você não vai dormir aqui não? - perguntei estranhando, nos últimos tempos ele e Rique tinham vindo dormir comigo, apenas noite passada isso não tinha acontecido. 
- Não sua velha tarada - replicou. - não estou a fim. - notei o cheiro de mentira no ar e sorri. 
- Vem cá para mim fazer carinho em você vem. - falei e ele me encarou. - eu faço cafuné para você dormir, vem filho. 
        Arregalei os olhos quando me dei conta do que tinha dito. " filho". Encarei ele e sorri, queria que ele me aceitasse como mãe. 
- Desculpa Will. - falei - Eu não posso te forçar a me aceitar como mãe. Me desculpa. 
        Ele me olhou e notei suas bochechas coradas, lentamente ele andou até mim e se deitou ao lado de Rique, seus braços envolveram o pequeno e ele fechou os olhos. 
- Não peça desculpa velha. - resmungou e sorriu - Boa noite mamãe. 
       Senti meus olhos marejarem e repousei meus lábios sobre sua cabeça em um selinho e depois fiz o mesmo com a de Rique. 
- Boa noite filho. Eu te amo. - falei e vi Will corar mais ainda. 
- Também te amo. - respondeu envergonhado. E eu sorri. 
- Você fica fofo corado. Da vontade de apertar essas bochechas! - brinquei. 
- Calada velha tarada. - resmungou e eu sorri. 
- Me respeite moleque. - retruquei e ele riu. 
- Boa noite velha. - ironizou. 
- Boa noite moleque - resmunguei e ele sorriu. 


Notas Finais


Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...