História One More Chance - Capítulo 36


Escrita por: ~

Postado
Categorias Michael Jackson
Personagens Michael Jackson, Personagens Originais
Tags Brasil, Maju, Michael Jackson, Michael Jackson Fanfic
Exibições 104
Palavras 2.508
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Marquem, manas: o capítulo 35 de one more chance é puríssimo amor <3

Bom, muito obrigada pra quem tá me acompanhando até aqui! hauhahua suamos por esse casal e suamos por esse momento, não? Mas ele chegou, amoras, e eu espero que tenha valido a pena a espera.
Eu espero que vocês amem, e logo respondo os comentários anteriores de todas. Obrigada pelo carinho
p.s.: espero que vcs entendam esse esquema dos trechos em itálico, são pequenos flashbacks de frases/momentos marcantes da fic ou que tenham a ver com o casamento. e sobre a celebração religiosa: gente, eu frequentava a igreja, mas isso faz muito tempo, desculpa se eu n sou o maior exemplo de sacerdote do universo hauhauha espero que as palavras do padre estejam o suficiente pra vcs <3 e perdao pela montagem bosta, provavelmente ja perceberam que eu não sou a mestra do photoshop.

Capítulo 36 - My love


Fanfic / Fanfiction One More Chance - Capítulo 36 - My love

“– A senhorita está bem?

– Estou sim, muito obrigada, Sr. Jackson.”

Maju contorceu seus dedos em volta dos caules das gérberas brancas, que se juntavam num arranjo perfeito, sendo elas e crisântemos azuis, colhidos da parte mais vívida da mansão: a parte em que Michael presenteou-a não só com a mais bela das mansões, mas também com seu amor. Enquanto encarava as cadeiras ocupadas por tantas pessoas, Maju sentia uma gota de suor frio escapar de sua nuca, indo em direção as costas livres pelo vestido leve.


 

A mãe de Mike, Katherine, não estava ali; ela havia dito que não compareceria caso Joe não o fizesse, e o resultado fora previsível. A única irmã que Maria Júlia fizera questão de convidar, por ser sempre preferida e amada por Mike, fora Janet; e pensar que um dia já sentira ciúmes dela a fazia rir. Elizabeth Taylor estava ali ao lado, na primeira fileira. Logo depois dela, Miguel e Dalila. Yannick também estava em uma das primeiras fileiras, e Maju fizera questão de tê-lo perto, afinal, considerava-o como um de seus melhores amigos. O restante dos convidados se dividia entre poucos amigos de faculdade de Maju e do morro, assim como também poucos membros da família Cascio, Kate e Emily. O objetivo de fazer uma cerimônia pequena e reservada havia sido cumprido com extremo sucesso, mas mesmo que a tranquilidade emanasse no ambiente, as duas almas que estavam prestes a serem unidas se dividiam entre um sentimento, principalmente: ansiedade.

– Então, pronta? – perguntou Nina, erguendo a barra de seu vestido para que não tropeçasse pela areia.

– Vai dar tudo certo, não é mesmo? – questionou Maria Júlia, engolindo em seco. – Eles ainda não estão nos ouvindo, eu posso ir embora.

– Maju… – Nina apertou a mão livre da amiga, observando a outra, ocupada pelo buquê que ela segurava. – Eu vivi esse amor junto com você, sabe? Observei vocês dois de fora. Tanta coisa aconteceu, entende? Vocês já estão casados. Isso é apenas a reafirmação de tudo.

Maria Júlia olhou para o lado, sorrindo ao encontrar os olhos de Marina. Ela cruzou seu braço ao da amiga, respirou fundo e deixou as únicas e poucas lágrimas que marejavam seus olhos se derramarem. Nina marcou na areia da praia o primeiro passo. Não só o primeiro passo em direção ao padre – que Maju fizera questão de que estivesse ali, numa cerimônia quase que rigidamente católica, embora Michael não –, mas sim o primeiro passo a possibilidade de um futuro que brilhava a ponto de que todos já podiam enxergá-lo com clareza: Michael, Maju, Madel; todos felizes à sua maneira.

– Obrigada.

“Eu não quero que você seja apenas um vislumbro em minha vida. Eu quero que você seja clara, intensa e presente em meus dias. Se isso significa que eu terei de viajar ao Brasil durante algum tempo, até que descubramos uma solução, que seja. Eu viajarei.”

“Não dou três meses pra estarem casados e com filhos.”

 

Maju, anestesiada pela ansiedade, continuou a caminhar pela areia, mesmo que já não sentisse os próprios pés. Ao perceber que já estava próxima de seu destino – o homem de sua vida –, direcionou seu olhar até sua mãe e irmão. Seu tampinha sorria como sempre, e sua aparência fraca, denunciada pelo seu braço ligado até uma bolsa de soro, desapareceu meio a alegria de ver sua irmã, finalmente, feliz. Ele podia entender o que ela fizera por ele e pela mãe; vê-la reafirmar um amor tão belo e puro era totalmente compreensível para uma criança que também se alimentava daquele mesmo amor. Dalila, sua mãe, não pudera conter as lágrimas ao enxergar, nas feições mistas da filha, o adeus ao sofrimento que já se tornara tão corriqueiro; ela esperava que, agora, na vida de Maju, tornasse-se inexistente.

 

Michael, embora em êxtase, permanecia nervoso ao observar os passos desajeitados e lentos de Maria Júlia em sua direção, ao lado de Marina. Nunca imaginou que a gravação de um clipe, algo que já se tornara rotineiro em sua vida, pudesse lhe trazer uma filha e, de repente, o amor de sua vida. Olhar para ela também já havia se tornado comum, mas, ainda assim, cada vez mais encantador; e a afirmação da sorte que ele tinha por poder tê-la por inteiro. Por poder tê-la como sua esposa e parceira. Por se compreenderem e, baseados numa cumplicidade e respeito mútuos, serem capazes de construírem uma vida, a felicidade de Mike poderia se tornar palpável.

 

– Eu estou entregando o meu bem mais precioso a você, Michael Jackson. – constatou Nina, sorrindo, ao colocar a mão de sua melhor amiga e, arriscaria dizer, irmã, sobre a mão de seu mais novo cunhado. – Espero não me arrepender de tal decisão.

 

– E não se arrependerá, Nina. – Jackson locomoveu-se passos até Nina e deixou em sua bochecha um suave beijo. – Eu cuidarei muito bem dela.

 

Marina se uniu à amiga em um abraço apertado, pegou o buquê, e logo em seguida quebrou o abraço, sentindo que as lágrimas viriam descontroladas. Foi até a cadeira reservada à ela, ao lado de Dalila, e sentou-se rapidamente, logo atenta a todos os detalhes da cerimônia que estava prestes a se iniciar:

 

– Para a celebração deste casamento, meus irmãos e irmãs, felizes aqui nos reunimos, no dia em que nossos irmãos, Maria Júlia e Michael, resolveram estabelecer o seu novo lar. – começou o padre, que dizia as palavras em português. Maju decidira que o início da cerimônia deveria ser realizada de acordo com a sua língua natal, para que sua mãe, irmão e amigos pudessem entender e, assim, o restante, em que fosse necessária a compreensão de Michael, o inglês seria o idioma utilizado. – Que Cristo  abençoe com generosidade vosso amor conjugal, já vos tendo consagrado pelo batismo, enriquecerá e fortalecerá agora com o sacramento do matrimônio para que sejais fiéis um ao outro por toda a vida, e possais assumir todos os deveres matrimoniais.

 

Michael juntou sua mão à de Maju, entrelaçando seus dedos suados e nervosos aos dela, que estavam da mesma maneira. Ele imaginara que seus dezessete anos de experiência a mais do que a futura esposa ajudariam neste aspecto, mas não havia maturidade quando se tratava de amor. Ambos o sentiam na mesma intensidade.

 

– Todos vós sois um em Cristo. – prosseguiu o sacerdote, erguendo ambas as mãos em direção ao céu. – Assim, cada vez que o preconceito e a mentira se manifestarem em nossa vida, devemos ser mais fortes na união. – constatou, emocionando Maria Júlia, que sentiu o baque das memórias de diversos tabloides e pessoas que foram cruéis acerca de seu amor por Michael. – Amém. – disse ele, sendo seguido pelo coro de vozes que repetiu o mesmo. – Maria Júlia e Michael, dirijo-me a este altar para unir-vos em matrimônio e por isso eu pergunto, perante a igreja: é de livre e espontânea vontade que o fazeis?

 

– Sim. – respondeu Michael, prontamente, enquanto encarava o sorriso que se formava por entre os lábios de Maju.

 

“Maria Júlia, desde aquele dia em que te vi, eu perdi minha paz; eu não caibo mais dentro de mim. Mas eu preciso saber se eu estou sozinho, ou se você está comigo nisso. Eu preciso saber se isso é uma ilusão, se é uma história, um conto que eu criei dentro da minha cabeça; preciso saber o que você vê. E mesmo que isso não dê em nada, mesmo que você decida voltar ao Brasil e seguir a sua vida longe de mim… já valeu. Já valeu a pena esse tempo com você, por tudo que eu experimentei de novo, de inusitado, sozinho ou acompanhado por você. E Maju, todo esse bolo confuso de emoções só permanece aqui porque vem da esperança de cada vez que eu te vejo, de cada arrepio que você me causa, de cada vez que eu sinto o gosto do seu beijo. Eu preciso saber o que você quer, o que você sente, o que você vê.”

 

– Sim. – repetiu ela, logo após.

 

“Eu sinto… quando eu vejo você, eu sinto um aperto no peito, e uma agonia que me faz doer o estômago. E ao mesmo tempo que eu tenho vontade de viver tudo, independente do tamanho da sua fama, eu também quero morrer trancada num quarto e esquecer de você. E uma falta de concentração quando eu não estou com você, algo que me atrapalha e, estranhamente, me leva a experimentar sentimentos que jamais fizeram parte da minha vida. Eu me sinto em êxtase, e não sei o que é.”

 

– Então, uma vez que é de vosso propósito contrair o santo matrimônio, unam as mãos direitas e manifestai o vosso consentimento na presença de Deus e de sua igreja. – pediu o padre, em inglês, fazendo com que Maju e Mike colocassem seus corpos um frente ao outro, já que suas mãos permaneciam unidas. – Michael, repita comigo: Eu, Michael Joseph Jackson, recebo-te, Maria Júlia Botelho de Moraes, por minha esposa…

 

– Eu, Michael Joseph Jackson, recebo-te, Maria Júlia Botelho de Moraes, por minha esposa – disse Michael após o padre, que também já sorria ao se contagiar pela felicidade dos noivos. – E eu treinei muito para poder falar o seu nome completo. – comentou ele, fazendo com que todos rissem alto.

 

– Prometo-te ser fiel, amar-te e respeitar-te. – prosseguiu o padre.

 

– Prometo-te ser fiel, amar-te e respeitar-te. – Michael apertou a mão de Maju, que abriu ainda mais seu sorriso falho pelo choro.

 

– Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, por todos os dias de nossas vidas.

 

– Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, por todos os dias de nossas vidas.

 

– Agora você, Maria Júlia. – o sacerdote dirigiu seu olhar até a moça, que respirou fundo. – Eu, Maria Júlia Botelho de Moraes, recebo-te, Michael Joseph Jackson, por meu esposo…

 

– Eu, Maria Júlia Botelho de Moraes, recebo-te, Michael Joseph Jackson, por meu esposo…

 

– Prometo-te ser fiel, amar-te e respeitar-te.

 

– Prometo-te ser fiel, amar-te e respeitar-te. – Maju repetia com dificuldade ao passo em que lutava contra a voz embargada pelas lágrimas de emoção.

 

– Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, por todos os dias de nossas vidas.

 

– Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, por todos os dias de nossas vidas. – finalizou ela.

 

– Eu posso tirar um momento para tentar expressar, através de singelos votos que preparei, o meu amor por essa mulher? – perguntou Mike, antes que o padre pudesse dar continuidade e encerrar a cerimônia.

 

– Certamente que sim. Prossiga, Sr. Jackson. – autorizou ele.

 

– Obrigado. – agradeceu Michael, que após um pigarro, fitou os olhos azuis que tanto amava como jamais havia feito. – Eu estive, por muito tempo, procurando uma razão pela qual as pessoas parecem e são tão más e desprovidas de bondade; estive perdido em meio a falsas acusações e mentiras que me corroeram até que não sobrasse mais o meu único lado que tanto admirei: o lado benevolente. – iniciou Mike, tendo a atenção de todos os convidados, mesmo os que não podiam compreender o idioma falado por ele. – Contudo, quando encontrei Maria Júlia, eu pude ver a definição de bondade em seus olhos, e tudo que eu procurei por todos esses anos pareceu se concentrar apenas nela. Todo o amor que explodia desesperadamente em mim pôde ser compartilhado, ela me concedeu um espaço que se fazia necessário para mim, durante anos. Eu não posso evitar: sou um homem do coração. E, a partir desta afirmação, realizo outra: ela é a única pessoa que pode segurá-lo, pois eu o entreguei e estou, hoje, oficialmente, desvencilhando-me dele para que seja inteiro e unicamente dela. Não posso caracterizá-la em outra palavra exceto a “mágica”, e, se hoje decido unir-me a essa mulher por toda a minha vida, é porque consideraria qualquer espaço de tempo muito limitado quando se trata de viver o que temos. E gostaria de repetir que eu sou um homem do coração, e estou lhe dando o meu, portanto, afirmo que a morte não nos separará, porque o meu coração viverá em você e entre nós para sempre.

 

– Que ninguém separe o que Deus uniu. – continuou o padre, em português, mesmo que Maju permanecesse estática pelas palavras do agora marido.

 

– Graças a Deus. – em uníssono, os convidados se manifestaram após a fala do sacerdote.

 

– O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. – citou ele uma das passagens da bíblia que, claramente, descrevia com total atenção a definição de amor. – As alianças, por favor.

 

Marina se levantou, tentando, com discrição, não demonstrar toda a sua emoção diante da cerimônia, e se pôs atrás da cadeira de rodas de Miguel, que carregava, numa caixa preta de porte pequeno, as duas alianças, em sua aparência, simples: uma mais grossa e minimamente maior, para Mike, a outra, fina e com um pequeno diamante fundido ao ouro, para Maju. Michael e Maria Júlia sorriram ao ver Miguel também sorrindo, e ele logo retirou da caixinha ambas as alianças, colocando-as sobre a palma de sua mão.

 

– Maria Júlia, receba esta aliança em nome do meu amor, cumplicidade e fidelidade. – disse Michael, enquanto Maju estendia a mão esquerda para receber a comprovação de tantos sentimentos resumidos a uma só joia. Olhou rapidamente para a mão direita, que ainda tinha o anel que ganhara de Mike em seu aniversário, e o outro enorme diamante representando seu noivado. – Em nome do pai, do filho e do espírito santo. – ele acariciou a mão dela, que já não estava mais trêmula, e deixou na região um beijo suave e rápido.

 

– Michael, receba esta aliança em nome do meu amor, cumplicidade e fidelidade. – repetiu Maria Júlia, envolvendo o dedo de seu marido com o anel dourado. – Em nome do pai, do filho e do espírito santo.

 

A oração conclusiva, bênção final e assinatura do livro ata foram realizadas logo após. Embora o “pode beijar a noiva” fosse esperado, Michael nunca havia aguardado tanto por um beijo quanto aguardou por aquele. Os aplausos e gritos dos convidados se tornaram inaudíveis diante da união de não só lábios, mas de almas. E, naquele momento, puderam perceber que aquela não era a confirmação de um amor eterno, mas talvez, a celebração; a sua eternidade já havia sido confirmada muito antes. Corações batendo descompassados eram a denúncia de que a emoção que os encontrara seis meses atrás ainda era presente da mesma forma do início: intensa, arrebatadora e capaz de destruir qualquer empecilho que os encontrasse. E a melhor forma de exemplificar a felicidade sentida por ambos seria através do que representa a junção de todas as suas boas energias: o leve chute de Madalena.

 

You took my hand

 

Você pegou a minha mão

Added a plan

Adicionou um plano
You gave me your heart

Você me deu o seu coração
I asked you to dance with me

Eu pedi para você dançar comigo
You loved honestly

Você amou honestamente

My Love - Sia

 


Notas Finais


gente, essa música da sia é puro amor <3 na verdade, eu conheci por uma versão instrumental no spotify, mas não achei no youtube pra colocar o link aqui pra vocês :/ ia falar pra ouvirem enquanto liam. enfim, eu tive a ideia dos votos do mike depois desse trecho "você me deu o seu coração", nada mais justo do que ela ser a música tema do cap
ENFIM, O QUE VOCÊS ACHARAM? GOSTARAM? ODIARAM? OPINEM
BEIJOS
AMO VCS!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...