História Twenty eight days - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Hibrid!, Hibridos, Romance, Suga, Vkook, Yoonmin
Visualizações 66
Palavras 2.297
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu criei essa história só por diversão minha mesmo, estava em dúvida se postava ou não por ter mais duas em andamento.

E sim Suga é hibrido de tigre.
Não betado*

Capítulo 1 - One night


Fanfic / Fanfiction Twenty eight days - Capítulo 1 - One night

P. O. V. Min Yoongi

Antes que comece a ler creio que devo lhe avisar que essa história não começa como aquelas clichês em que o menino encontra o híbrido de gato num beco adota e ambos se apaixonam e "pah" estão namorando e final feliz. Para começar nem Híbrido de gato sou e nem sei se vai ter um final feliz, mas vamos por partes des do início, Ok? começando por mim.

Meu nome é Mim Yoongi, tenho 18 anos (em idade animal), moro na Coreia com a minha mãe humana, tenho um Primo-irmão chamado TaeHyung, guardem esse nome porque vai aparecer bastante, Sou Híbrido de tigre, estranho né? e sim eu tenho uma cauda de 80 centímetros, caninos maiores e afiados, Além de orelhinhas que possuem listras (como a cauda). E estou prestes a tomar a uma decisão mais difícil da minha vida, para você entender melhor voltaremos 3 meses no tempo.

Era um domingo, estava eu e o TaeHyung (lembram dele?) no meu quarto, não havia ninguém em casa.

Estávamos conversando sobre os jogos Online quando ele mudou de assunto falando de uma festa que ia ter de um amigo da sua escola. TaeHyung é amigo de todo mundo na escola dele, já eu só tenho Namjoon um imprestável traidor. Eu particularmente não gosto de festas.

 Já falei que não gosto de festas. - disse para TaeHyung enquanto me deitava no sofá da sala e ele permaneceu de pé.

 Você nunca foi em uma.- Disse cruzando os braços. - E aliás se for pelo fato de ser um híbrido não muda em nada, eu também sou.

 Por que quer que eu vá tanto nessa festa? - O olhei. TaeHyung podia ser o primo-irmão mais chato da Coreia quando queria.

 Porque quero te ver se divertindo uma vez na vida. Yoongi nem beijar você beijou ainda. - ele estava certo, até uma criança de 6 anos é menos BV que eu.

 Qual o problema nisso? - dei de ombros.

— Você tem 17 anos.

— As pessoas são diferente de você, Tae. - TaeHyung é completamente o oposto de mim, ele é popular, Alegre, e adora sair para festas, beber, beijar e fazer sexo. Já eu sou tudo isso ao contrário. Não que eu já tenha feito sexo, sou um híbrido puro.

— Como assim?

 Tae, Nem todo mundo gosta de ser sociável como você é! eu por exemplo gosto de ficar em casa assistindo anime, lendo e dormindo.

Ouço o elevador abrir lá fora e presumidos que fossem nossas mães, já que a minha mãe é irmã da mãe do hibrido a minha frente. - entendeu? eu não - A porta se abre revelando as duas.

— Hey gatinhos. - Minha Omma fala.

Minha mãe tem acredite ou não, 29 anos ela me adotou depois que a minha mãe - e do Tae - morreu, quando tínhamos 1 anos cada, Eu fiquei com Lisa, Já o Tae com a irmã dela, Jennie. É bem estranho andar com elas em lugares públicos as pessoas pensam que somos casais. Mas eu e Lisa temos uma relação de mãe e filho bem clichê, tipo eu conto tudo para ela, ela me ajuda no que eu preciso, e as vezes me dá um puxão de orelha.

Ambas nos deram um beijo na buchecha, e se sentaram na sala.

 Do que conversavam? - tia Jennie perguntou.

 TaeHyung está tentando me convencer a ir em uma festa hoje. - respondi

 Ah isso seria bom, Yoongi quase não saí. - minha mãe falou.

 Pô Omma! -

 Viu Hyung até tia Lisa acha que você deve ir.

 Mas..

 Sem "mas" você vai nem que eu te puxe pelo rabo.

Suspirei me redendo.

— Ah qual é Suga vai ser legal. - Omma disse.

 Então se acontecer algo comigo a culpa vai ser de vocês dois. - apontei para Lisa e TaeHyung.

 Tudo bem, você tem duas horas para se arrumar.

 ta.- Respondi.

TaeHyung e Jennie foram embora uns dez minutos depois, foi quando fui para o meu quarto me arrumar, não sabia se colocava uma roupa normal ou uma mais arrumadinha.

 Omma! - gritei da porta do meu quarto. - Como se arruma para uma festa?

— Põe uma daquelas suas jaquetas alongadas.

 ta.

Demorou 3 horas pra desgraça do meu primo aparecer na minha casa, mas no final acabamos saindo rápido considerando que sempre que saímos minha mãe faz uma lista de perguntas normais para um híbrido que ia sair de noite.

Jennie nos levou de carro e disse para ligarmos quando fôssemos embora TaeHyung e eu só concordávamos até sairmos do carro e ela nos dar tchau.

— Esta pronto? -Tae me perguntou.

— Acho que sim.

 Qualquer coisa me chama Ok?

 Eu sou o mais velho aqui. - resmunguei e ele riu.

— Vem Hyung.

Era a minha primeira festa e eu não tinha a mínima ideia do que seria. A música estava alta, as luzes estavam apagadas com apenas luzes coloridas para se guiar na multidão, e tinha uma grande mesa com bebidas.

Quando entramos observei as pessoas algumas eu conhecia de vista da escola outras nunca havia visto, mas a pessoa que eu mais odiava estava ali dividindo o mesmo local que eu, Jeon JungKook.

 Ah droga. - deixei escapar.

— O que foi?

 Está vendo aquele garoto? - apontei para JungKook que até então não havia me visto.

 O Moreno gostoso que acabou de olhar Para nós? o que tem?

 Ele me odeia e eu odeio ele.

— Por que?

— Ele odeia Híbridos, e faz de tudo para tocar isso na minha cara.

 Aé? - Tae se afastou indo em direção ao grupo onde JungKook se encontrava, por um minuto achei que Tae ia bater no garoto mas lembrei que tratava de TaeHyung.

 Onde vai? - gritei para o híbrido que sorriu pegando uma bebida da mesa que tinha passado.

— Vou mostrar o que um Hibrido pode fazer. - Ele sorriu

Bem legal TaeHyung me largou pra ir ficar com meu arqui-inimigo. Traidor da porra.

Eu não sabia dançar e muito menos socializar então a única opção foi me sentar no sofá fedorento daquela casa e observar as pessoas se perder na bebida ou na pista de dança. Fiquei pensando como reagiria o dono da casa se visse aquilo.

—  Hey gatinho quer uma bebida? - ouvi uma voz feminina e dei de cara com uma garota de entorno de 1,75, tinha cabelos escuros e dois copos na mão. Ela me ofereceu um copo com algo que neguei.  Ah qual é? não me diz que você não bebe? - Neguei novamente e ela fez uma careta. — Olha toma eu te garanto que não está batizada. - Pude ouvir o coração dela e estava normal, o que me disse que poderia confiar. Peguei o copo e ela deu um sorriso.  Boa festa.

Passei um bom tempo naquele sofá, a bebida estava com um gosto bom o que me fez ir buscar mais e mais uma. Eu tinha virado o copo mais de 8 (Eu acho não lembro) vezes quando TaeHyung apareceu me puxando dizendo que estava na hora de me divertir um pouco.

Ele me levou ate o segundo andar da casa, onde havia... você sabe adolescentes e seus hormônios.

Entramos num quarto onde observei em torno de 8 pessoas incluindo JungKook que se aproximou com uma faixa.

 Eaí bigodinho. - Jeon se dirigiu a mim com um sorriso. — Posso vendar?-perguntou ao meu primo.

Eu me perguntava que porra estava acontecendo ali, naquele quarto cheirando a bebida, com adolecentes que aposto estarem vendo coisas que não se vê a não ser que esteja chapado, um Jeon JungKook falando comigo sem me ofender e querendo me vendar, TaeHyung assentindo com um sorriso filha da puta nos lábios. Não sou eu o mais velho aqui? Eu deveria saber das coisas, não?

O Moreno me vendou e Tae começou a me guiar para um lugar.

 Já brincou de sete minutos no céu, maninho? - Tae murmurou e eu Neguei. — Então vai brincar agora. - Ele abriu algo e antes de empurrar para dentro disse algo que no momento não entendi direito.  Se as coisas esquentaram você o morda. - O que havia naquele lugar para mim morder. Fui empurrado para dentro daquele lugar escuro que deduzi ser um armário ou um guarda-roupas. me sentei e fiquei escutando o que eles falavam por mais que estivessem sussurrando minha audição felina ajudava. As falas cessaram então a porta foi aberta e senti alguém entrar e logo a porta ser fechada e trancada.

A respiração alheia era calma e um cheiro ótimo tomou conta daquele breu. Eu queria poder arrancar aquela porcaria de venda mas mesmo assim algo me dizia que não adiantaria.

 Hey! Hum...Não irei fazer nada se não quiser. - Sua voz saiu em sussurros, e reconheci ser um garoto.

 Na verdade eu não sei como essa brincadeira funciona praticamente fui jogado aqui.- acabei dando uma risadinha baixa.

 Bom na Verdade se consiste em que eu posso fazer tudo o que eu quiser com você em sete minutos, mas como disse não irei fazer nada se não quiser.

Eu acabei por não responder a fala, e um silêncio ficou instalado eu podia ouvir seu coração, sua respiração e o barulhinho que seu lábio fazia quando o garoto libertava dos seus dentes. Aquilo me deixou estranho era algo bom de ser ouvido, me deu até vontade de baija-lo.

O que talvez não seria problema já que estávamos numa brincadeira, Mas tinha o fato de eu nunca havia nem sequer tocado a minha boca com a de alguém, e se eu acabar mordendo sua língua ou sei la. Mas naquela hora eu dei o fodá-se para isso. Tirei a venda e pude ver a apenas a silhueta do garoto que estava sentado de frente a porta com os joelhos dobrados para cima, eu me encontrava quase na mesma posição porém de lado para a porta. Segui até perto do garoto ficando do seu lado com o rosto perto demais do seu, os olhos estavam fechados, e ainda não pude ver seu rosto totalmente.

Me aproximei mais um pouco e Nossos lábios se tocaram, senti ele tomar um pequeno susto mas logo sua língua adentrar minha boca, Meio inseguro fiz o mesmo e senti o gosto da sua boca, era um pouco estranho não sei descrever, tinha gosto de vodca de morango. Aquele beijo foi estranhamente bom principalmente quando sua língua passou pelo meus caninos e ele quebrou o beijo.

 Não sabia que era um híbrido.-Ele sussurrou perto da minha orelha. - Nunca havia beijado um. — Não tive tempo de responder algo pois ele voltou a me beijar.(não sou só eu que estou rindo da minha próprio explicação, sou? isso é muito vergonhoso), Suas mãos foram para minha cintura e me puxaram pro seu colo, na hora eu não me importei com o movimento foi até melhor para fazer o que veio depois.

Suas mãos que apertavam minha cintura entraram por minha camisa começando alisar meu tórax, foi bom. Ele mordeu meu lábio inferior e puxou fazendo seus dente escorregarem e deixar escapar um gemido (de quem eu não me lembro).

Eu estava gostando daquela proximidade apesar de ser estranho para mim, eu tinha perdido o medo, e só queria mais um pouco daquela sensação, principalmente depois que começou a chupar meu pescoço. Então como instinto a frase de TaeHyung passou pela minha mente e só ali entendi o significado.

Os Híbridos foram criados para serem bichinhos sexuias, porém muitas pessoas - Como Lisa e Jennie - que compram por não poder ou querer ter filhos, mesmo assim é raro vê-los em escolas ou locais de trabalhos. Enfim fomos criados para dar e receber prazer e por isso temos muitos modos de proporcionar isso, uma delas é a mordida que dizem dar mais prazer que o próprio ato.

Me aproximei da sua clavícula e ele parou o trabalho no meu pescoço soltando um gemido quando passei meus caninos pelo seu ossinho. O encarei e ele estava com os olhos fechados como se espera-se o que viria depois, aquilo serviu como confirmação para mim continuar. Voltei para sua clavícula dando uma pequena sugada antes de afundar meus caninos no local. ele gemeu alto e subiu a mão pelas minhas costas até meus cabelos e os segurou forte. Mordi até sentir o gosto metálico do seu sangue atingir minha boca, recuei saindo do seu colo e então a porta foi aberta e só então a ficha do que eu havia feito caiu, e eu saí correndo.

Encontrei TaeHyung na sala falando com JungKook. (esses dois estão se pagando.) e peguei ele pelo pulso fazendo seu sorriso se desmanchar.

 Hey! o que foi? - paramos na porta da casa.

 Nada, só quero ir embora. Ligue para tia Jennie. - falei encarando a rua.

 Tudo bem. - TaeHyung sábe que não adianta teimar comigo. Menino esperto.

 Mas quando chegarmos você me explicará o que aconteceu. - Ele disse com o celular em mãos se afastando.

Fechei o meu casaco para tampar a possível marca em meu pescoço. Ele voltou então seguimos para a esquina onde Jennie disse que nos buscaria. Entorno de 20 minutos depois já estávamos no elevador com meu primo me encarando.

 Nao vou falar nada. - murmurei o que deixo tia Jennie confusa.

— Uma hora vai ter que me explicar. - respondeu.

— Não tenho a obrigação. Boa noite. - sai do elevador e entrei dentro de casa.


Notas Finais


Gostaram? vocês iram entender melhor daqui pra frente


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...