História One Night - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Sara Sampaio
Personagens Justin Bieber, Sara Sampaio
Tags Chefe, Drama, Fanfic, Justin Bieber, Romance
Visualizações 440
Palavras 1.370
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 5 - Capítulo quatro


Montreal, Quebec, Canadá

Dia seguinte...

Narrado por Justin Bieber

Desde que senhorita Moore falou-me sobre o estado do teu filho não pude deixar passar a oportunidade em tê-la para mim. Ainda não sabia como convencê-la, porém na noite passada eu finalmente admiti meu real desejo. Minha ansiedade era tanta somente para ver a mulher que tanto atraia olhares de todos na empresa, inclusive o meu. No auge de meus 29 anos, nunca me imaginei tão sedento para ter uma mulher. Todas que passaram na minha vida corriam atrás de mim, não o contrário. Freya Moore não é qualquer mulher, mas farei o impossível para que ela seja somente minha. Nem que seja somente por uma noite.

Mais um dia na empresa, andava pelos corredores com passos firmes e confiantes demonstrando autoridade e poder a todos que passavam por mim. Depois de alguns segundos dentro da cabine do elevador, seguia em direção a minha sala quando de repente sou interrompido por Nora – minha secretária particular – em concluir meu trajeto.

– Bom dia senhor Bieber, aqui está seu café e os contratos que o senhor terá de assinar. – Nora entrega-me o copo de café de uma das minhas lanchonetes favoritas, juntamente aos contratos. Olho-os por meros segundos e suspiro baixo.

– Obrigado Nora! – agradeço.

Adentro em minha sala deixando a porta levemente encostada, sigo até minha mesa ampla de vidro temperado escuro e sento-me em minha cadeira confortável. Suspiro fundo bebendo um gole de meu café amargo enquanto lia com atenção o conteúdo escrito nos papéis em mãos. Tratava-se de um contrato a respeito de uma parceria com uma empresa de jóias, a maior de toda a Ásia. Sem dúvida alguma esta parceria será interessante para ampliar ainda mais meus negócios.

Ao terminar de ler o contrato, principalmente as condições, estabeleço também as minhas. Busco por uma caneta de tinta preta para assinar o lugar indicado, assim faço. Assino com positividade e confiança. Sorrio deixando os papéis sobre minha mesa com o objetivo em terminar de beber meu café, mas a porta de meu escritório é aberta com brutalidade e por ela passa a pessoa que menos queria ver em minha frente.

– Senhor Bieber, não consegui impedi-la, me perdoe... – dizia Nora, mas sei que a culpa não fora sua. Conheço muito bem a mulher cujo é minha mãe, herdei tudo dela.

– Pode ir Nora! – ela sai deixando-nos a sós.

Com meu café repousado sobre a mesa, levanto-me dando meia volta de forma que ficasse frente a minha mesa com meu quadril encostado no material. Meus braços estavam cruzados a baixo do meu peitoral, mantenho-me calado esperando a posição da mulher a minha frente. Sua maldita postura demonstrava arrogância, autoridade, superior...

– Quer dizer que o meu próprio filho proibiu a minha vinda a empresa? Eu sou sua mãe Justin! – Pattie começara a falar fazendo com que revire os olhos deixando-me entediado com a conversa que mal mente iniciou-se.

– Sim Patrícia, infelizmente você é minha mãe. É dinheiro que você quer para deixar-me em paz? Mandava alguém buscar! O que fez com o maldito dinheiro do mês? – descruzo meus braços retornando ao lugar onde estava. Procuro por minha carteira e quando encontro-a, pego uma quantidade generosa de dólares e ponho as notas sobre a mesa.

– É pouco! Nos vemos em breve, querido! – dizia com deboche.

Observo a mulher apanhar o dinheiro sobre a mesa, sento-me em minha cadeira ignorando totalmente sua presença desnecessária. Patrícia vem em minha direção tentar depositar um beijo ou sei lá o que era aquilo em minha bochecha, porém afasto-me antes de acontecer.

– Não seja hipócrita Patrícia, já tem o que quer. Saia agora da minha empresa o mais rápido possível !

Sem dizer mais nada ela sai pisando duro com seus saltos caros pagos por mim. Deixo um suspiro fundo escapar dos meus lábios e tombo minha cabeça para trás enquanto dobrava as mangas de minha camisa social até a altura dos meus cotovelos. Com minhas tatuagens a mostras encaro uma delas em meu braço que fazia-me lembrar de Patrícia, marca que levarei a eternidade.

Continha uma tatuagem em um dos meus braços, a réplica perfeita de sua íris clara e penetrante. Lembro-me de quando Pattie era a mãe dos sonhos, não essa vibora traiçoeira e ambiciosa que tornou-se com o meu sucesso.

Diversas reuniões aconteceram durante o dia, nenhuma delas Freya Moore encontrou-se presente. Custei a acreditar que Moore não veio a empresa por conta da minha proposta de ontem, mas eu estava enganado. Durante a minha saída para o almoço, a vi montada em seus saltos que deixavam-a alta e com suas pernas grossas ainda mais apetitosas do que são normalmente.

Acredito que ela não me viu, portanto, segui o meu caminho para um restaurante não muito distante da empresa. Conclui minha refeição com tranquilidade, sem pressa ou incomodo algum. Estava curioso em receber a resposta positiva de Moore, a cada segundo imaginava aquela mulher em minha cama. Meu corpo ansiava por isto.

[...]

Tinha o olhar atento sobre o computador a minha frente, verificava uma planilha onde continha todo o lucro da empresa somente nesta semana. Havia subido 99,9% desde a semana passada. Sou interrompido com duas batidas na porta, sem desviar o olhar um segundo sequer murmuro um "entre".

– Com licença senhor Bieber... – conheço muito bem esta voz suave e calma. Reprimi um sorriso levantando meu olhar para frente, lá encontrava-se Freya Moore com sua postura intacta com um semblante sério.

Se ela soubesse o quanto fica irresistível...

– Vim tratar de negócios! – aponto para a cadeira a minha frente sinalizando que ela senta-se.

– Profissional ou pessoal? – olho fixamente para seu rosto agora com uma coloração levemente vermelha em suas bochechas. Rio fraco balançando negativamente minha cabeça, parece que já tenho minha resposta.

– Pessoal senhor... – permaneço calado indicando que ela continuasse sua fala. – É sobre ontem...eu....eu tenho a minha resposta.

– E qual seria esta tão esperada resposta? – entrelaço minha mão uma na outra pondo-as sobre a mesa.

Por mais tranquilo que aparento estar, as batidas do meu coração estão frenéticas. Meus dedos suavam de acordo com o breve silêncio estendido. Puta merda!

– Sim senhor Bieber! Eu aceito!

Sorrio de canto ainda com meu olhar fixo sobre a morena em minha frente. Parecia-me nervosa com a decisão, transparecia que queria voltar atrás na decisão. Tarde demais...

– Ainda hoje deposito o valor em sua conta bancária. – digo com firmeza. Freya não sabe, porém tenho planos em depositar o valor a mais. Tenho plena consciência do quão caro são os remédios e os demais gastos. – Como está o garoto? – levanto-me andando em sua direção, paro em sua frente com meus braços cruzados e seguro o riso ao ver suas bochechas novamente em um tom rosado. Linda...

– Andrew está instável, por enquanto. – assenti. – Por que eu senhor Bieber?

– Responderei esta pergunta em outro momento senhorita Moore. Passo na sua casa amanhã às 7:00pm, vou levá-la para jantar. Aproveite e tire o dia de folga para...para resolver seus assuntos. – gesticulo com as mãos.

– Sim senhor...Obrigada e com licença. – permito sua saída, observo Freya Moore dirigir-se até a porta e com isso observo o movimento de seu quadril até seu corpo desaparecer por completo.

A tarde passou-se mais rápido do que imaginava, completo todos os meus afazeres do dia na empresa e ao terminar o que tinha para fazer verifico as horas em meu aparelho telefônico. Já era início de noite. Recolho todos os meus pertences inclusive meu blazer preto jogado no braço da cadeira segundos atrás.

– Nora, quero que reserve um jantar a dois para às 7:00pm de amanhã no restaurante Le Filet. – aviso olhando para a secretária sentada a minha frente.

– Sim senhor Bieber, vou providenciar agora! – assenti positivamente concordando com o que ouvi.

Ando até o elevador que por sorte estava naquele andar. Adentro na cabine apertando o último botão onde levaria-me ao térreo. Poucos segundos mais tarde, encontro-me frente ao meu carro. Entro no automóvel pondo a chave na ignição, ligo o veículo e antes de dar partida ponho o cinto de segurança em volta do meu corpo.

Hoje mesmo pessoalmente, irei no banco para depositar o valor na conta de Freya. Tantas mulheres passaram em minha vida, mas nenhuma delas fez-me agir como um homem romântico que busca levar uma mulher para jantar.  


Notas Finais


espero que tenham gosto do pov do Justin. Até o próximo cap ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...