História One Of A Kind [HIATUS] - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Big Bang
Personagens D-Lite (Daesung), G-Dragon, Seungri, T.O.P, Taeyang
Tags Big Bang, Daesung, D-lite, G. Dragon, Kpop, Lemon, Máfia, Nyongtori, Romance, Seungri, Shipp, Shounen Ai, Taeyang, Top, Yaoi, Youngbae
Exibições 88
Palavras 1.978
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


GENTE DO CÉU, NÃO ME COMAM VIVA! Desculpa mesmo por demorar para atualizar, eu estou estudando para fazer o vestibular e agora tá chegando perto, então, fica tdo mais difícil é apertado.

Mas aqui estamos nós de novo! Trouxe mais uma cap para vcs! Divirtam-se e tenham uma boa leitura.

Capítulo 5 - Sonhei com você


-Sou o noivo de Kwon Jiyong. - o loiro proferiu. Kwon arregalou os olhos e fitou o chão. Hyorin apenas arregalou os olhos. E, então, riu. Mas foi uma risada gostosa, como se tivesse acabado de ouvir a melhor piada da sua vida. Os dois homens apenas se encararam, com um belo ponto de interrogação estampado em suas testas.

-Hilário! Seu amigo é hilário, meu amor. - disse ela, meio ofegante, limpando uma lágrima no canto do olho. - Kwon não pode ser noivo de duas pessoas. Sem dizer que dois homens não podem se casar.

-Quem disse? - Kwon se pronunciou, puxando Lee pela cintura, colando seus corpos de modo que o mais novo depositasse suas mãos no peitoral do ruivo. Kwon era alguns centímetros mais alto que Lee, nada muito gritante, mas era visível. - Eu sou noivo de Lee Seung-hyun e me nego a casar com você.

-Você não pode ir contra a palavra de seu pai. - Hyorin tinha um sorriso maléfico nos lábios, porém, não causou medo em Lee. O que o fez estremecer de verdade foi pensar no líder da família: pai de Kwon. O ruivo praguejou.

-Eu odeio aquele homem. - declarou. - Sou contra tudo o que ele fala. - fitou Seung com certa culpa e tristeza nos olhos - Foi ele quem mandou te torturarem. E eu me sinto um lixo por não ter impedido… - terminou de falar fitando o chão.

-Ah, então você é aquele CEO trouxa que desrespeitou a família Jiyong? - Hyorin indagou, com certa diversão em sua voz.

-Ele não é… - a fala de Jiyong foi interrompida por Lee, que puxou o rosto do ruivo com a mão até alinhar ao seu, beijando-o. Não foi nada muito extremo, apenas um encostar de lábios, carinhoso. Como se fossem casados.

-A culpa não foi sua. - Lee acariciou a bochecha de Kwon, que ainda estava perplexo. - Foi dos subordinados de seu pai. Pare de se torturar por isso. - tudo o que Lee dissera era verdade. Kwon se culpava demais, sempre com um semblante triste, ao ajudar Lee a trocar seus curativos depois do banho quando ele ainda estava se recuperando da surra. E Lee vivia dizendo a si mesmo que Kwon não devia se cobrar tanto.

-Seung-ssi… - Jiyong olhava fixamente para os olhos de Lee, impressionado com a sinceridade que eles transmitiam.

-Largue ele, Kwon Jiyong! - Hyorin empurrou Lee para longe, abraçando-se à Kwon. - Eu sou quem você devia ter nos braços. Eu tenho peitos, bunda e algo diferente do que você tem aqui. - ela massageou o pênis de Kwon, que não ficou duro. Nem sequer sentiu prazer naquele toque.

-Grande merda. - o ruivo afastou Hyorin de seu corpo e, consequentemente, sua mão. - Eu já transei com você e, mesmo quando eu metia para dentro com força, você não gemia como Seung-ssi geme apenas ao tocar a cabeça exposta de seu pau. Ah, você não sabe como é bom ouvir ele gemer dessa forma.

Hyorin corou, horrorizada com tudo o que Kwon dissera. Lee corou na mesma intensidade, porém, estava tentando fortemente conter a risada. Kwon sorriu satisfeito e comeu Seung-hyun com os olhos. Incapaz de dizer alguma palavra, Hyorin tateou a parede atrás de si procurando a porta do quarto. Saiu dali correndo o mais rápido que podia. Preferiu pagar uma noite no hotel velho e embolorado da cidade ao dormir no conforto da mansão com aqueles dois malucos. No dia seguinte, pegaria o primeiro ônibus para Seul.

Lee deixou sua risada tomar conta da casa quando Hyorin saiu correndo. Kwon riu da risada esganiçada do mais novo, colocando as costas da mão sobre a testa. Ficaram rindo ali por um tempo, até pararem e se encararem, calados. Nenhum barulho se fez presente enquanto eles olhavam em seus olhos intensamente.

-Obrigado. - Kwon quebrou o silêncio.

-Pelo quê? - Lee sorriu. - Por te ajudar com uma noiva stalker?

-Também, também. - ele sorriu ao se lembrar do que acabara de ocorrer. - Mas, por me dizer como se sente em relação ao que minha família fez para você.

-Mas eu disse a verdade, apenas. A culpa não foi sua, hyung, foi do seu pai. E eu já esqueci isso, então, pare de se culpar.

-Mesmo assim, obrigado. E eu te amo. - Kwon saiu do quarto ao dizer isso, deixando um Lee corado para trás. - Ah! - ele voltou em um pulo. - Adorei ouvir o “Jiyong oppa” quando eu estava te chupando. Quase perco a minha sanidade. Você foi salvo pela Hyorin, porque eu ia te torturar a noite toda.

-Ia?

-Ia. Agora não tô mais com vontade.

-MAS VOCÊ É OITO OU OITENTA, HEIN! HAJA PACIÊNCIA, KWON JIYONG! SAI, EU QUERO DORMIR! - Lee expulsou Jiyong empurrando-o para fora. Desligou a luz e deitou no futon, sem emitir mais nenhum barulho.

-Mas… você ficou bravo? Eu posso voltar a ficar excitado e nós…

-CALA A BOCA E VAI TOMAR BANHO!

-É, ele ficou bravo. - Kwon riu indo para o banheiro. - Ele fica muito fofo bravo.

----------------------------------------------------------------

Choi e Dong estavam parados em frente à um prédio de médio porte, destinado à moradia. A pintura estava velha e possuía várias rachaduras.

-É sério. - Dong se pronunciou, brincando com os pés, com as mãos nos bolsos da jaqueta. - Não precisava ter me acompanhado até aqui. Mesmo assim, obrigada. Eu já vou indo. Boa noite.

-Espere! - Choi o segurou pelo braço. - Posso vir te visitar amanhã e domingo?

-Porque você me visitaria? - Dong o encarou, confuso.

-Não tenho muitos amigos… e eu me dei bem com você. Por favor. - Choi fez aquela cara de criança birrenta e pidona, a qual Dong odiava. Mas o homem à sua frente fora tão gentil contigo ao pagar sua janta e ao conversar com ele que Youngbae não podia recusar.

-Está bem. Nos vemos amanhã.

Os olhos de Choi brilharam e ele sorriu, radiante. Era tanto brilho que podia cegar qualquer um.

-Eu passo aqui 9h30. Esteja pronto! Boa noite, Dong-ah! - deu as costas e saiu dali quase saltitando. Dong apenas balançou a cabeça, sorrindo, e começou a subir as escadas do prédio para ir para casa.

----------------------------------------------------------------

Lee passou o sábado e o domingo evitando Kwon. Não pelo o que ele disse ou o que havia ocorrido na sexta, mas, pelo sonho que teve. De sexta para sábado, Lee sonhou com Kwon. Mas fora um sonho erótico. Seung-hyun nunca gemera tanto quanto naquele sonho. O pior era que o loiro pôde sentir os toques do ruivo. Pôde sentir quando Jiyong masturbou, fazendo movimentos de vai vem lentos e torturantes, de vez em quando massageando a ponta da glande, proferindo círculos na área com certa pressão. Pôde sentir quando Jiyong massageou suas bolas, apertando-as delicadamente, levando-as de um lado para o outro, fazendo-as roçar uma na outra. Pôde sentir Jiyong penetrar dois dedos em si, fazendo movimentos de tesoura para prepará-lo para seu falo, e movimentos em forma de oito, hora ou outra atingindo sua próstata.

Foi só um maldito sonho, Lee Seung-hyun! A merda de um maldito sonho!

Mas… foi tão real…

Lee balançou a cabeça, tentando afastar aquele pensamento de sua mente antes que ficasse duro. E, obviamente, não deu muito certo. Seung virava de um lado para o outro no futon, tentando ao máximo evitar que suas coxas definidas tocassem seu membro, duro. Geralmente, era só respirar fundo e relaxar que passava. Porém, dessa vez, não estava dando certo. Sua ereção se intensificava cada vez que ele pensava que tinha que se acalmar. Kwon estava no quarto ao lado e, como as paredes eram de um tecido fino, Lee não podia se aliviar ali. Levantou-se e foi até a sala, o cômodo mais longe, para se aliviar. Mal conseguia andar.

Chegando na sala, ele se encostou de costas na parede. A luz da lua lhe dava uma ótima visão do seu pênis duro e necessitado. Abaixou o elástico do shorts do pijama juntamente com o elástico da box. Gemeu baixo quando sua glande, inchada e vermelha, ficou exposta. Envolveu o membro com as mãos, delicadamente. Grunhiu baixo ao fazer o primeiro movimento para baixo. Lembrou-se que havia muito tempo que ele não se masturbava. E era o único que sabia seus pontos fracos e quais movimentos lhe davam mais prazer. Acelerou a mão, levando a outra ao seu testículo, massageando-o como Jiyong fizera no sonho. Descobriu um imenso prazer naquilo e adicionou à lista de o que fazer quando se masturbar.

Lembrou-se do sonho, do rosto de Kwon ao vê-lo se contorcer de prazer e isso o deixou ainda mais excitado. Seu membro se mexeu em sua mão, claramente pedindo para que acelerasse os movimentos. Mas, estava ficando cada vez mais frágil, pois estava cada vez mais perto do orgasmo. Cerrou os olhos, para lembrar nitidamente do sonho é acabar logo com aquilo. Viu Jiyong massagear a ponta de sua glande em sua.mente e fez o mesmo, se contorcendo de prazer. Era uma área sensível. De repente, quando estava quase perto do orgasmo, sente uma mão alheia agarrar seu pênis, apertando-o. Lee abriu os olhos com o toque dolorido e se deparou com Kwon, lhe encarando maliciosamente.

-Safadinho, você. Para que eu não escutasse, veio se tocar na sala. - ele passou a língua nos lábios. - Mas, falhou tão miseravelmente em gemer baixo que eu escutei. E decidi que não podia ficar de fora. E então, o que acha disso?

-Eu… ah, hyung…! - Seung gemeu sob o movimento de vai vem que Kwon fez em seu pênis, devagar e pressionado, com o polegar acompanhando a linha vertical do membro. - Eu… sonhei com você…

-É mesmo? - mais uma descida vagarosa de sua mão. - E como foi? - Kwon enfiou uma perna entre as de Seung, apoiando-o ali. Prensou-o na parede, aproximando seus corpos. Lee sentiu a ereção do mais velho em sua coxa. Ele estava muito duro para quem apenas ouvia os gemidos.

-Você me tocava… ah…! - mais um movimento vagaroso para baixo e para cima. - Me fez gozar tantas vezes que eu perdi a conta…

Puta merda!

Puta merda!

Puta merda!

Eu vou perder meu controle totalmente!

Kwon soltou um grunhido ao ouvir aquilo. Trincou os dentes, contendo-se.

-E o que mais? - indagou, parando os movimentos para massagear a glande do mais novo. Lee abriu a boca em um gemido mudo e se agarrou ao ombro de Jiyong, buscando mais proximidade. - É bom quando eu toco aqui?

-Sim…! Ah, meu Deus, como é bom…! - Lee gemia alto, o que não era um problema, já que estava no meio do mato. - Jiyong…! Jiyong…! - ele gemia o nome do homem à sua frente, sentindo os espasmos do orgasmo tomarem conta de seu corpo. - Eu vou…!

-Nada disso. - Kwon apertou a ponta do membro de Lee, impedindo-o de gozar. Seung bufou, frustrado. - Conte-me sobre o sonho. Sem gozar até o fim.

-Depois… eu te conto… - Lee estava ofegante. - Por favor, hyung!

Hyung.

Aquela palavra entrou pelos ouvidos de Kwon e causou tremores pelo seu corpo, já excitado. Sua sanidade estava sendo sustentada por um fio de cabelo.

-Não. Conte o que aconteceu. Deve ter sido muito bom para você…

Lee interrompeu a fala do ruivo roubando seus lábios desesperadamente. Sua língua era nervosa e sedenta na confusa e não menos sedenta de Kwon. Seung sugou e mordiscou o lábio inferior de Jiyong, causando-lhe arrepios até onde ele não imaginava que pudesse ter.

-Me fode. - Lee falou em alto e bom tom, sem gaguejar nem gemer, olhando com desejo fixamente nos olhos arregalados de um pequeno mafioso à sua frente, que sorriu maliciosamente.

Era o que eu queria ouvir.

-Com prazer, Lee Seung-hyun.


Notas Finais


MA OE! Achei melhor deixar o lemon para um capítulo só, onde eu posso detalhar bastante hehehehe não briguem comigo, eu amo vcs 💕 até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...