História One Shots Camren - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Exibições 585
Palavras 2.002
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Esporte, Famí­lia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Musical (Songfic), Orange, Romance e Novela, Shoujo-Ai, Sobrenatural, Violência, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Diretora


              Camila POV 


Eu odeio tanto essas pessoas que querem ser mais do que podem, gente estúpida, é por isso que só vivo indo pra diretoria, não tenho paciência pra patricinha. Pensando bem nem é tão ruim assim ir pra sala da diretora, ela é muito gostosa, do tipo muito gostosa mesmo, tem os cabelos pretos até os ombros, uma pele branquinha, intensos olhos verdes, uma boca bem convidativa, principalmente por causa daquele batom vermelho.

E lá se vai eu a caminho da diretoria pela terceira vez só essa semana, o que eu fiz ? Bom eu só joguei meu prato com gelatina no cabelo de uma garota que me chamou lésbica nojenta, mas eu bem sei que ela quer essa lésbica nojenta aqui, aquela tripa escorrida. Quando chego na frente da sala da diretora do três batidas e escuro um entra irritado. Nossa que maravilha. 

- Com licença - dei um sorriso amarelo para a mulher de cara amarrada na minha frente.

- Mais uma vez aprontando né senhorita cabello - me olha séria - me diga, o que aconteceu dessa vez?. 

- Olha eu tava numa boa conversando com minhas amigas quando aquela trip… Quando a Taylor veio me chamar de lésbica nojenta, tipo do nada, eu só me defendi - disse tudo em um fôlego só.

- E você acha que jogar comida nela resolve ? - pergunta e eu só dei de ombros - olha Camila, eu vou deixar passar dessa vez, só por favor pare de tentar resolver as coisas na violência, ou você vai sair prejudicada.

- Eu vou tentar - falo sem a menor vontade, até porque não ia rolar de eu ser menos agressiva com aquela puta.

- espero, agora volte para a sala, o professor já deve ter começado a aula.


Sem dizer mais nada me dirijo até a porta e saio, nossa pensava que ia me ferrar dessa vez. Quando chego na frente da sala, bate aquela preguiça, tô sem saco pra aula de matemática, resolvo dar uma volta pela escola, uma hora dessas os inspetores estão todos babando na sala dos professores.


Meus passos são a única coisa que se dá pra ouvir nos corredores, é bem emocionante matar aula, só que não. Quando chego perto da porta que dá pro terraço da escola olho para os lados pra ver se não tem nenhuma alma vigiando, abro a porta pesada e entro, já tendo que enfrentar um mar de escadas pela frente, busco coragem lá no núcleo do meu ser e começo a subir degrau por degrau, quando chego no topo parece que eu corri uma maratona.


Eu amo esse lugar, ele é meu favorito, eu de tanto que venho aqui já trouxe até uma rede, porque tem vezes que eu fico aqui por muito tempo, o que é o caso agora, já que vai ter dois horários de matemática. Pego a rede e armo a mesmo, vou descansar porque não sou obrigada.


Devo ter cochilado porque quando acordei já tava na hora de ir embora, droga, como diabos é que eu vou sair daqui sem ser vista? Obrigado preguiça, você ta sempre me ajudando. Guardo a rede e vou saindo do terraço,  desço as escadas rapidamente e abro a porta devagar, olho para os dois lados do corredor e vou saindo, quando me viro pra fechar a porta ouço um pigarrear forçado e me viro vendo a diretora gostosa na minha frente, só tenho uma coisa a dizer, fodeu.

- Para minha sala, agora - diz autoritária, e se vira pra caminhar a minha frente, o que agradeço, porque a visão daquela bunda naquela saia social apertada ta de matar - sente-se - disse quando já estamos dentro da sua sala.


Me sentei e fiquei a olhando pegar uns papéis e começou a escrever algo neles, senhor que ela não me expulse, por favor. Ela me olha e suspira.

- Eu lhe mandei ir pra sala srta. Cabello, e você simplismente pouco se fodeu pro que eu falei, olha eu tentei ok? Mas você não quer mudar, continua essa adolescente rebelde desde o primeiro ano, eu não quero esses tipos de alunos aqui na minha escola, então vou ter que te expulsar - falou séria e decidida.

- Diretora, por favor não faz isso - falo desesperada - eu não posso ser expulsa, por favor, eu faço qualquer coisa.

- Não você não faz - fala se levantando e parando na minha frente - eu já te dei muitas chances de mudar e você não quis.

- Me da só mais essa chance, eu juro que vou mudar, não posso ser expulsa - imploro - por favor.


Ela suspira e me olha, parecendo pensar bastante no que vai fazer logo em seguida, já estou me borrando, eu não posso ser expulsa deus, senão minha mãe me mata. Ela me pedi pra ficar de pé, o que eu faço sem exitar, e se aproxima ainda me olhando, vejo uma coisa diferente em seus olhos, eles estão mais escuros e com… desejo?

- o que você vai fazer? - pergunto, ela só sorrir de lado e se aproxima mais até invadir meu espaço pessoal.

- eu vou te foder - fala e eu a olho assustada - calma, você não disse que faria de tudo? Pois é eu quero te foder e você vai ficar quietinha, depois quem sabe eu não deixo você tentar de novo - falou maliciosa - em? Você vai deixar eu te foder - me puxar pela cintura, fazendo meu corpo se colidir com o seu, arfo.

- E-eu er.. - exito, não vai ser tão ruim né, ela é bem gostosa - deixo sim - falo baixinho e ela abre um sorrisinho de lado.

- Ótima escolha.


Ela leva a boca até meu pescoço e roça a boca no mesmo, fecho os olhos com o arrepio que corre meu corpo, ela vai subindo e chega ao lóbulo da minha orelha, chupando o mesmo, arfo baixinho com a sensação, ela passa o nariz por minha bochecha esquerda até chegar na minha boca, onde morde bem no cantinho da mesma, enrosco meus dedos em seus cabelos e tento avançar para poder iniciar um beijo, só que Lauren não deixa, ela solta uma risadinha e nega com a cabeça. Ela desce novamente para o meu pescoço e começa a maltratá-lo, passa a língua quente e macia por todo meu pescoço e da uma mordida um pouco forte, certamente deixando uma bela marca, Lauren vai me empurrando até que eu caia sentada na cadeira onde eu estava sentada antes.

- Será que você é tão gostosa quanto aparenta ser? - pergunta sr ajoelhando à minha frente - mas.. - faz uma pausa e abre minhas pernas, subindo a saia que eu estava usando, fazendo com que minha calcinha apareça - só que não pode gozar ouviu? Só o faça quando eu deixar - fala levando as mãos até minhas coxas as apertando.


Eu só aceno com a cabeça e ela vai aproximando sua mão da minha intimidade, abro mais as pernas ansiando pelo seu toque, ela passa dois dedos bem em cima do meu clitóris, me fazendo morder o lábio, ela começa a estimular meu sexo, o fazendo ficar mais molhado do que já tá. Lauren enrola os indicadores na barra da minha calcinha e tira a mesma expondo meu sexo vergonhosamente molhado, ela leva o tecido fino da minha calcinha até o nariz e fecha os olhos sentindo o cheiro da mesma, minha boceta se contrai na mesma hora, senhor dai-me força. Ela me olha e vai se abaixando até ficar com o rosto na frente da minha boceta, onde puxa o ar com força pelo nariz e o solta com a boca diretamente no meu clitóris.


Levo minhas mãos até seu cabelo macio e a forço em minha direção, eu já não to aguentando, minha boceta chega a dor de tanto que está se contraindo, meu deus isso é judiação, ela da uma mordidinha leve bem no meu clitóris, me fazendo estremecer, Lauren se ajeita melhor e põe uma das minhas pernas no seu ombro me expondo mais ainda pra ela, com a maior calma do mundo Lauren passa a língua por minha intimidade, desde a entrada até meu nervo inchado, solto uma alto gemido me agarrando a seus cabelos e a forçando ainda mais contra mim, ela ta praticamente dando um beijo de língua na minha boceta, ela prendeu meu clitóris entre os lábios e passa a língua pelo mesmo várias vezes me fazendo jogar a cabeça pra trás e gemer, sinto o orgasmo já se formando no meu ventre e cravo as unhas no seu couro cabeludo com força a fazendo gemer com o desconforto, isso provoca uma vibração que me faz estremecer e gemer manhosa, ela cobre minha intimidade com a boca e dá fortes sugadas para logo meter dois dedos da minha entrada me fazendo arquear as costas e me abrir mais pra ela. Céus ela é muito boa no que faz, com a língua ela estimula meu clitóris, aviso que vou gozar e ela para na mesma hora, se levantando e me levando junto, olho pra ela indignada, não acredito que ela parou, eu tava quase gozando.


Ela me faz sentar de novo, só que agora na sua mesa, abre novamente minhas pernas e me penetra com dois dedos abraçando minha cintura e me puxando mais pra ela, abraço seus ombros e círculo sua cintura com as pernas, ela aumenta a velocidade dos dedos e eu aumento a intensidade dos meus gemidos, Lauren começa a chupar novamente meu pescoço e com o quadril separa ainda mais minhas coxas, começo a rebolar sem pausa nos seus dedos em busca do meu tão desejado orgasmo, Lauren dessa vez não o interrompe e com o polegar ela massageia meu clitóris, sinto aquele formigamento nos dedos do pé e gemo ainda mais alto, quase gritando.


Arrasto minhas unhas pelas suas costas, e arqueio as minhas, tava tão gostoso que eu podia passar o resto da minha vida sendo fodida por essa mulher, quando o orgasmo chega, eu solto um grito, foi um orgasmo intenso, abraço mais forte os ombros dela e escondo o rosto no seu pescoço sentindo as sensações do orgasmo ainda me percorrer, Lauren ainda mexe seus dedos preguiçosamente dentro de mim, me fazendo choramingar por estar sensível. Ela para e tira os dedos, os levando em direção a sua boca e os chupa fechando os olhos ao sentir meu gosto, mordo o lábio com a cena, ela é tão sexy.

- você é uma delícia cabello - fala baixinho e olha pra minha boca - mas antes de você ir embora, eu quero que você mantenha o que aconteceu aqui em silêncio ok? Ai quem sabe talvez nois possamos repetir - fala me dando um beijo na bochecha.

- claro, ninguém vai saber o que aconteceu aqui - digo me levantando da sua mesa, caçando minha calcinha para poder a vestir, quando a achei vesti rapidamente e ajeitei minha saia - eu já vou indo - falo me virando para ir embora, só sou impedida por um puxão e pela sua boca na minha, ela puxa meu lábio inferior entre os dentes e adentra minha boca com sua língua habilidosa, que vai com fome de encontro a minha, nossas línguas lutam pelo domínio que é facilmente perdido por mim, nosso beijo é lento e gostoso, ela controla meus movimentos com a mão em meus cabelos da nuca, já sinto meus pulmões reclamando pela falta de oxigênio, mas não quero acabar com esse beijo, que ta pra lá de gostoso, só que ela não pensa como eu e cortou o beijo com uma chupada na minha língua me arrancando um gemido baixo.

- te vejo amanhã srta. Cabello - fala me guiando até a porta e me dando um selinho e fechando a porta logo em seguida.


Pego minhas coisas na sala e vou embora daquela escola, hoje o dia foi mais proveitoso do que imaginei, parece que esse último ano vai ser o melhor de todos, quer dizer já está sendo.


Notas Finais


Espero que tenham gostado... 😉

Beijinhos!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...