História One word, one poem - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor, Bangtan Boys, Bangtan Sonyeondan, Bts, Drama, Kim Taehyung, Romance, Taehyung, Taetae
Exibições 17
Palavras 872
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


VOLTEI! Fiquei fora por quase um mês (provas ;-;), mas agora prometo que não darei mais pausas na fanfic.

Capítulo 8 - You're my angel


Minhas pernas já estavam fracas de tanto correr. Hoje o turno era integral, então eu tive aula até às 18h30min. Mamãe havia me mandado parar em casa para largar meus materiais, alimentar-me e receber um belo sermão de uma hora sobre responsabilidade. Já estava escuro, era 22h30min. Já havia perguntado para ele se poderia ser amanhã, mas ele negou, dizendo que era muito importante.  Parei na frente de uma lanchonete e resolvi comprar uma água. Escrevi e enviei uma mensagem para Taehyung:

 

            Irei me atrasar um pouco, mais ou menos 10 minutos. Espere-me aí.

 

Retirei meus fones, entrando na pequena lanchonete. Pedi ao atendente uma água e ele prontamente me atendeu, estendendo-a com dois canudos. Paguei-o e agradeci. Saí com a garrafa em mãos, colocando meus fones de volta.

Após tomar todo o líquido, joguei a garrafa numa lixeira próxima e continuei andando. A música estava realmente alta, eu nem conseguia ouvir o ruído dos carros na estrada. Comecei a cantar. Depois notei que muitos passavam olhando-me. Parei, corando.

De repente, me deparei em uma rua deserta e sem nenhuma luz em volta. Engoli em seco e liguei a lanterna do meu celular. Era preciso passar por ela para chegar à casa de Tae, não havia nenhuma saída. Meus passos eram rápidos e cuidadosos, tentando não chamar a atenção de ninguém. Existiam pichações e laterais de prédios descascadas em minha volta. Minhas mãos suavam e tremiam. Eu realmente não era corajosa o suficiente. Está correto que no Brasil há mais perigo do que aqui em Daegu, mas tudo é possível. Tirei meus fones, no pensamento que iria prestar mais atenção no mundo à minha volta.

No momento em que passei ao lado de um beco sombrio à minha esquerda, duas mãos agarraram meu braço esquerdo e puxaram-me com força até o mesmo. Com minha mão livre, iluminei o rosto do idiota com o flash do meu celular.

Park Dohyeong. Aquele ridículo.

- O que você quer? – perguntei, com raiva, tentando soltar sua mão de meu braço.

- Quero você. – puxou-me para mais perto. Que nojo.

Eu estava com ânsia de vômito. O cheiro de bebida era insuportável. Provavelmente ele estava chapado e bêbado. Não sei como consegui envolver-me com esse merda. Quando namorávamos, mais precisamente há um ano, eu não sabia de seu obscuro passado – e até mesmo o seu presente. Ele tinha participação no tráfico de drogas, além de me trair com uma menina diferente a cada semana. Quando eu soube disso, cortei todas as relações com ele. Dohyeong não pareceu aceitar a decisão tão bem. Ele me ameaçava. Precisei me mudar de Ulsan para cá, na esperança de não encontrá-lo de novo. Bela escolha.

            - ME SOLTA, SEU... – gritei, tentando desvencilhar-me de sua mão, que cravava as unhas cada vez mais fundo.

Ele me virou de costas para ele, prensando meu corpo contra o dele. Sua mão direita fechava minha boca com força, enquanto a esquerda segurava meus pulsos. Ele estava de costas para a parede.

- A partir de hoje você será minha, querendo ou não. – falou, dando uma risadinha de deboche da minha situação.

Lágrimas corriam pelo meu rosto, de raiva e tristeza. O que eu fui fazer? Não havia nenhuma saída agora.

De repente, uma silhueta alta e masculina surgiu no beco, rápida demais, deferindo um soco contra Dohyeong, direto em seu nariz. Com a intensidade do soco, ele acabou me soltando, fazendo com que eu pudesse fugir. Corri deixando tudo para trás. Escondi-me atrás de uma grande lixeira – meio patético - e tentei avistar quem era o grande herói que havia me salvo.

Ouvi barulho de balas e de alguém correndo. Sem hesitar, disparei até o beco. Apalpei o chão até encontrar o meu celular, que continuava ali. Dohyeong havia fugido. Com sua luz, clareei o rosto do indivíduo deitado.

Uma sensação horrível percorreu meu corpo. Senti-me fraca, sem forças. Meu coração insinuava parar de bater. Ajoelhei-me ao seu lado. Havia manchas de sangue em sua cabeça e em sua barriga. Seus olhos fechados faziam com que lágrimas corressem pelo meu rosto. Nem me dei ao trabalho de secá-las.

Uma multidão formava-se atrás de nós, já chamando ambulâncias e um médico. Muitos chegavam ao meu lado e tentavam me confortar, sem sucesso. Eu só queria chorar.

Deitei-me em seu peito, sem me importar com as manchas. Felizmente, consegui ouvir o palpitar de seu coração. Mas isso não era suficiente para me fazer sentir-me aliviada. Não sabia por quanto tempo isso continuaria sem um médico vir.

A ambulância chegou. Eles pegaram o corpo e fizeram o procedimento necessário. Uma enfermeira percebeu minha tristeza e acariciou meu rosto, puxando-me para um abraço:

- Não se preocupe. Tudo ficará bem.

Eu acabei molhando seu avental, de tantas lágrimas. Olhei sua face e percebi que era a menina que Tae tinha saído aquele dia. Perguntei à ela, entre soluços:

- E-ele f-ficará b-bem?

- Claro. Farei com que Taehyung tenha sua recuperação o mais rápido possível.

Fizeram sinal para que ela entrasse na ambulância. Ela segurou minha mão e disse para eu ir junto. Assenti e sentei no banco da frente, ao lado do motorista.

Antes de entrar, vi de relance o rosto de Tae.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tomara que ele fique bem.


Notas Finais


Se gostarem da fic, indiquem para seus amigos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...