História Only one robot - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, Suga
Tags Junkook, Sugakook, Sugakookie, Yoongi, Yoonkook
Exibições 44
Palavras 4.372
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Shonen-Ai, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oii, faz séculos que eu não volto, EU PROMETI UMA YOONKOOK!
PROMESSA FEITA! PROMESSA CUMPRIDA!
Espero que gostem de coração! <3
Nós vemos lá em baixo

Capítulo 1 - How long did it take for you to fall in love with me?


Fanfic / Fanfiction Only one robot - Capítulo 1 - How long did it take for you to fall in love with me?

"Me diverti sendo sua fonte de atração por um tempo, na verdade, eu nunca fui o que você queria, estava faltando muitos programas em mim.

Era estranho ver você naquele grande jaleco sujo, ajeitando a cada segundo os óculos redondos que escorregavam em seu rosto.

Ao meu ver, éramos perfeitamente felizes, mesmo eu não demonstrando nada desde que você havia atualizado um sistema velho em mim, que ainda me guardava rancor.

Você trabalhou duro, mas sempre se cansava rápido, saía destruindo tudo em seu laboratório que ficava ao topo de uma montanha aparentemente abandonada.

Eu apenas o acompanhava com os olhos, enquanto você gritava com você mesmo palavras que na época eram desconhecidas em meu sistema como;

"Estúpido, Perda de tempo, Desisto, Inútil" e entre essas outras mil palavras esquisitas.

Queria saber o do porque você reclamava tanto, já não havia me criado? O que estava faltando em mim? Talvez, eu tivesse um defeito de não saber como reagir á suas ações.

As vezes você se virava a mim, com o rosto vermelho de raiva e bagunçava seus cabelos pintados de cinza na época, e dizia;

_ Jeon Jeongguk, você ainda não entende?

Eu negava com a cabeça, e era possível escutar um suspiro de frustração saindo de sua boca, eu não fiquei surpreso com aquela reação, era normal e repetitiva.

A cada dia aumentava o número de computadores em sua sala, cada vez ficava mais difícil de compreender o que você tanto tentava fazer, era complicado ao meu ver.

Você vivia sentado á frente de uma grande tela, onde passava vários códigos, nos quais não os entendia mesmo sendo uma máquina criada por suas mãos.

A minha curiosidade foi ao ápice, me aproximei de você e lembro de ter tocado em seu ombro e ter dito;

_ O que você tenta tanto fazer?

Você se virou, dessa vez surpreso, olhou ao fundo de meus olhos, talvez era possível até ver meus sistemas de quão profundo você me olhava, e agarrou-me com seus braços sujos de graxa.

E do nada, tinha começado a rir, largou-me com um sorriso no rosto e perguntou-me;

_ Está começando a compreender as coisas a sua volta, sua curiosidade não deixou passar o que eu tento tanto fazer para você, não é, Jeon?

Após lembro-me de ter inclinado a cabeça para o lado e ter perguntado;

_ O que é curiosidade?

Você riu debochado, foi uma grande risada gostosa que fizera meus sistemas por dentro querer rir junto, mas a reação foi a mesma, continuei sério a frente de você.

Havia batido em meu ombro e dito;

_ Aparentemente é quando você não consegue esperar por alguma coisa, Jeon

Concordei com a cabeça, e você sorriu de canto e era possível escutar uma frase pequena e arrastada saindo de sua boca

_ Nem acredito que ele entendeu isso

Assim parei para pensar, o que havia de errado em mim? Eu era muito diferente de você né? Talvez fosse meus parafusos por todo corpo, assim pensava na época, mas percebi o quanto estava errado.

Era possível ver sua alegria por eu ter entendido finalmente uma palavra sua e ter feito uma ação para você.

Lembro que nesse dia você saiu de casa, disse que iria demorar pois iria na pequena cidade que havia em baixo da montanha onde morávamos.

Me abraçou forte, mas me largou rápido, eu nunca entendi isso em você, mas aos poucos fui compreendendo.

Você saiu com as chaves de casa em um jaleco novo, parecia alegre indo aquela cidade, me pergunto o que tanto você fez, pois nesse mesmo dia, você não havia voltado pra casa.

E eu? Apenas te esperava sentado no chão a frente da grande porta de madeira, que fora a porta que você saiu, e eu apenas te esperava voltar.

Passou-se aquele demorado dia, o relógio apenas continuava fazendo aquele barulho irritante de sempre.

E se repetia 'tick tack' até a manhã chegar, eu não havia dormido, estava preocupado, você estava se divertindo sem mim?

Talvez, eu já não fosse tão interessante pra você, né? Assim eu pensei, me levantei daquele chão e me sentei em um sofá que ficava à frente de uma grande janela, e continuava a te esperar.

Pela manhã inteira você não apareceu, fiquei frustado sabia? Achava que você não iria voltar para mim.

Mas no final da tarde, você chegou com vários grandes sacos na sua mão e várias marcas em seu corpo. O que havia acontecido?

Você colocou os sacos em um canto e deixou a porta aberta, sem medo de ninguém entrar naquele momento, foi em direção a sala, com um rosto triste que logo colocou um sorriso falso.

Me levantei e fiquei a sua frente, e lembro que você disse;

_ Não estava me esperando...Ou estava?

Assim que ouvi aquilo, vi que a janela tinha algum tipo de recurso que não dava pra ver quem estava dentro do lado de fora, mas era possível ver quem estava do lado de fora.

_ Eu te esperei o dia todo ontem, sentado no chão da sala, mas você não apareceu

Você sorriu de canto, e saiu para pegar as sacolas e trancar a porta, separou três sacolas que haviam cabos, ferramentas e parafusos e colocou em seu laboratório.

Um pouco depois disso, você me trouxe uma sacola e disse baixo para eu abrir.

Ao abrir era possível ver um urso branco, me perguntava se você havia matado um urso pra fazê-lo, mas você logo me disse.

_ Logo que eu vi, lembrei de você. Então eu comprei para você

Não sei como, mas me senti tão bem ouvindo aquilo, que sorri de canto, e ao contrário de toda vez, você se animou ao ver que estava reagindo a tudo de novo, certo?

Peguei o pequeno urso em minhas mãos, e comecei a passar pelo urso, sentindo o pelo fofinho que o urso tinha.

Enquanto isso, você observava todo tipo de movimento que fazia, era fascinante ao seu ver que estava tendo consciência de novo né?

Olhei para você após explorar toda expansão do urso, e você sorria tímido, era extremamente fofo como você demonstrava que estava feliz por mim.

Apenas havia saído de minha boca um;

_ Eu amei

Você ficou surpreso, a surpresa tinha virado a emoção que estava mais viciada em você, e por incrível que pareça estava contente por isso.

Olhei em seu jaleco e havia um broche, estava escrito seu nome ali, lembro perfeitamente como foi difícil decora-lo, mas como eu amava aquele nome, foi extremamente complexo de esquecê-lo.

'Min Yoongi' estava escrito, olhei ao urso e via ao fundo dos botões pretos que ele se parecia com você, mesmo não tendo vida.

Lembro que disse baixo para você;

_ Irei chamá-lo de Yoon...-

Porém você havia me cortado, lembra? E logo depois pediu pra mim completar o nome que havia começado.

_ Yoongi - Assim eu disse, e você me abraçou, e dessa vez fora fraco e que nem sempre, havia me largado rápido.

Você sorriu de canto e me disse:

_ Então toda vez que eu sair, converse ou ame esse urso, como você faz comigo

E assim, virei novamente a cabeça a sua frente, e dessa vez você já estava rindo baixo, e internamente me perguntava o porque.

E perguntei baixo e envergonhado,

_ Min Yoongi, o que é amor?

Você se surpreendeu, e diferente das outras vezes você apenas me respondeu;

_ Isso é uma coisa que eu não posso te responder Jeon...

"Porque?" Perguntei curioso, achava que como cientista você sabia de tudo que acontecia a sua volta, principalmente sobre as palavras confusas que você dizia.

_ Sinceramente Jeon? Nem eu sei o que é direito... Eu praticamente perdi aquele que eu dizia que amava..Entende né?

Naquele momento eu apenas afirmei com a cabeça, eu não sabia que você estava falando de mim o tempo todo, e você respondeu baixo 'Ótimo' e foi andando para seu laboratório.

Estava ainda com aquele urso nos braços, com o tempo percebi o quão ele era macio e confortante quando eu queria falar com você porém não queria atrapalhar seus experimentos.

Era bem difícil nossa relação, mas nos momentos bons, éramos felizes juntos, e de vez em quando eu te arrancava sorrisos e vice-versa.

Era engraçado, eu como robô, não deveria ter sentimentos, certo? Mas eu era diferente, pelo menos com você.

Eu aos poucos a minha máquina começou a desenvolver sentimentos por você, sabia disso Yoongi?

Mas você estava ocupado o suficiente para não perceber isso, estava criando e fazendo novos experimentos que era complexos e difíceis.

Naquele dia eu deveria ter aproveitado, ter perguntado os motivos das marcas roxas e algumas meio avermelhadas por todo seu pescoço e corpo.

Mas não te perguntei sobre, pensei que poderia te atrapalhar em outra criação estranha que era o comum que você fazia dentro do seu laboratório .

E foi ai que eu parei para pensar, o porque você me criou? O que foi feito para você me criar e cuidar de mim esse tempo todo?

As perguntas em minha cabeça, eram infelizmente em vão, nunca as fazia diretamente para você, por medo de me machucar com palavras grosseiras.

Lembra daquela vez? Que estava na sala sozinho e você veio me perguntar o que tanto olhava para janela a frente do sofá?

Lembro que eu te disse que estava observando os pássaros lá fora e pensando em algumas coisas, e foi ai, que sua curiosidade foi a tona.

Você havia bebido, estava mais energético que nunca, se sentou ao meu lado, e me perguntou;

_ O que você tanto pensa? ~ Jeonggukieee ~

 Lembro como sua voz saiu arrastada, estava totalmente alterado para mim, aos meus olhos você estava fora do normal, principalmente por estar sem seus óculos redondos em seu rosto.

Estava diferente, e sinceramente, totalmente mais atraente.

Eu apenas te encarei, internamente confuso mas fora estava totalmente sério, e lhe encarava sem mudar a expressão. Assim você se afastou um pouco, deu para pensar em como te responder, e assim suspirei e disse baixo;

_ Por qual motivo você me criou?

E assim, o silêncio permaneceu, você me olhava sério, não entendia o que havia de errado naquela pergunta. Apenas queria saber o porque você me criou, havia algo errado nisso?

Você se virou contra mim, deixando suas costas com o jaleco sujo de vinho a frente do meu rosto. Suspirou e disse baixo;

_ Jeon.... Está vendo mais alguém nesse laboratório?

Eu olhei ao redor e percebi, realmente não havia mais ninguém além de mim e de Yoongi naquela grande casa a cima da montanha. Era realmente vazio, solitário poderia assim dizer.

Ele me olhava sério, se eu tinha feito algo errado ou não eu não fazia ideia do que teria feito, éramos diferentes pelo simples fato de você ser uma ser humano cheio de sentimentos e eu ser uma máquina cheia porcas e parafusos.

As porcas e parafusos eram o que nós diferenciavam, eram o que me fazia ser especial pra você, certo Yoongi? Eu era apenas uma criação sua, não que eu não gostasse disso, mas eu era criado para preencher seu vazio até que você achasse alguém que gostasse de dividir sua solidão assim como eu.

_Sinto muito - Disse baixo para o de cabelos acinzentados que estava totalmente largado no sofá que sentávamos, você me olhou sério, era como se estivesse com raiva de mim naquele momento, e simplesmente disse;

_ Sente mesmo Jeon? Se tem uma coisa que eu tenho certeza é que você não sente nada - Disse tomando mais um gole do copo com um líquido estranho que tomava - _ Você é uma maquina, criada por mim, e que até hoje não sei como vou fazer para te dar suas memórias de volta.

'Memórias?' Assim pensei, eu não fazia ideia naquele momento de quem eu era, eu só tinha infelizmente a certeza de que eu era um mísero robô para você, e você nem sabe que isso me destruiu por inteiro naquele momento.

Você por um lado estava certo, não sentia dor, não sentia felicidade, mas sentia algo por você. Naquele momento, quando você disse essas palavras eu me sentia como se alguém tivesse cortado todos os tipos de fios que haviam dentro de mim, até agora eu não sabia o que era, mas hoje era tarde demais para eu te dizer isso.

_ Você está certo - Eu havia te respondido naquela mesma hora, e eu nunca tinha te visto tão confuso quanto naquela hora, virou-se para mim e logo me questionou;

_Estou certo é? Certo em que? - Afrontou-me com suas palavras que pareciam várias agulhas tentando me quebrar por inteiro.

_ Eu sou apenas uma máquina para você, não é como se eu fosse importante - Disse certeiro, você se aproximou de mim e logo sussurrou em meu pescoço, que naquele momento havia me dado certa agonia.

_ Eu nunca disse que você não era importante - Se afastou de mim e foi em direção a cozinha, onde provavelmente pegaria mais daquele líquido estranho que hoje finalmente sei que era um vinho adocicado que você adorava tomar quando estava em momentos ruins por conta de experimentos falhos.

Eu havia passado minha mão diversas vezes no local onde você havia sussurrado, era estranho pra mim naquela hoje, mas hoje, aquilo nunca fez tanto sentido como faz agora.

Enquanto passava a mão ali pensando no que você havia acabado de fazer, eu te vi passando para seu quarto, você havia dado um leve sorriso para mim, com um olhar satisfatório, como se aquilo realmente fosse o que você quisesse fazer.

Estava tudo estranho, me sentia fora da programação, olhava atentamente para a minha mão que tinha passado no pescoço, era como se estivesse milhões de variações de configurações em minha cabeça, e eu, como um tolo, fui te dizer isso, pois querendo ou não, eu era seu experimento.

_ Ei Yoongi... - Te chamei baixinho, enquanto você estava tacado na cama, com uma calça branca com algumas manchar pretas, seu jaleco já estava pendurado em um cabide que estava na porta de seu armário, então você apenas vestia uma camisa preta meio rasgada nas pontas, com seu braço tampando seus olhos, como se estivesse chorando ou apenas pensando, que era o que você geralmente fazia, que no caso era pensar.

_ Hm? - Você murmurou sem tirar o braço do seu rosto, me aproximei e sentei na beirada de sua cama, a afundando um pouco, você me sentiu perto de você, porém não havia tirado seu braço daquele mesmo lugar.

_ Sinto-me estranho - Disse passando novamente em meu pescoço lentamente, quando você do nada se levantou e logo disse alto em meu ouvido;

_ Estranho como Jeon? Você se lembra de algo? Me fala o que você ta sentindo talvez... - Você parou de falar quando viu que eu estava com uma expressão confusa, você pegou em minha mão e começou a acaricia-la, respirando fundo, esperando pela minha resposta.

_ Sinto muito te decepcionar, mas infelizmente eu não lembro de nada - Você automaticamente soltou minha mão e suspirou fundo e me perguntou como eu estava me sentindo novamente, mas dessa vez com certa ignorância.

_ Quando você se aproximou de mim, eu me senti estranho, isso é ruim? - Perguntei inocente;

_ Jeon...- Você disse acariciando meus cabelos pretos - _ Isso é uma coisa boa, sentiu mais alguma coisa? - Perguntou-me delicadamente, com medo de me machucar, mas ele mal sabia que ele já havia me machucado.

_ Ah.. Como posso te dizer? Me senti especial? - Disse meio questionando o que havia acabado de dizer e logo deu para ver um sorriso de canto seu, e foi ai que eu percebi que havia algo de errado aqui.

_ Ei... Você é especial Jeon, não se esqueça disso... - Ficou um silencio mínimo até você se dirigir a mim novamente - _ Agora saia daqui ok? eu vou me trocar e tomar um banho pois eu estou fedendo a álcool, se eu desço pra cidade assim sou espancado.

_ Vai descer de novo para cidade? Vai me deixar sozinho de novo? - Sim, naquele dia, eu fiz um drama imenso mas você me cortou de novo, como sempre fazia...

_ Sozinho VÍRGULA Jeon Jeongguk! Você acha que eu te dei o urso átoa? Em? - Perguntou agressivamente a mim, enquanto dava ênfase em algumas palavras, quando você aumentou seu tom de voz eu me encolhi e fui para o quarto do quarto, apenas fiquei abaixado lá tampando os ouvidos com medo que você gritasse mais uma vez comigo, mas não você se abaixou e passou a mão na minha cabeça e sussurrou;

_ Ggukie... Desculpa, eu me esqueci que você tem medo quando eu falo assim, perdoe seu Hyung ok? Agora irei pro banho, coloque outra roupa ok? Irei te levar a cidade como você sempre pediu - Levantou bagunçando um pouco os meus cabelos e logo foi em direção ao banheiro e se trancou lá dentro, dava pra escutar que logo após ter trancado a porta ele encostou a cabeça na mesma, como se estivesse arrependido do que tinha feita, e hoje, eu sei que ele estava.

Fiz como ele havia mandado, levantei, e passei a mão pelo rosto, onde dava pra ver que estava molhado, o que era estranho, isso raramente acontecia, Yoongi tinha me dito uma vez, que só chorávamos quando estamos machucados, mas eu não estava machucado, nem ao menos quebrado porém eu havia me machucado internamente e não sabia.

Naquela hora eu apenas peguei uma toalha que havia na cômoda ao lado de sua cama e sequei lentamente meu rosto, enquanto com a outra mão eu abria o armário pegando um grande moletom cinza, e uma calça preta que estava rasgada por minha causa, porém nunca se quer a costurei.

Me troquei rapidamente, apenas fui pra sala, sentei-me e apoiei meus braços em meus joelhos, eu pensava em tudo que estava acontecendo a minha volta, tudo era muito novo, mesmo que Yoongi vivesse me perguntando se eu me lembrava de algo, naquela época, eu não fazia ideia do que ele estava falando, se ao menos eu tivesse descoberto antes quem eu realmente era, talvez eu não estaria tão arrependido como estou hoje.

Logo que tinha saído do, você havia vindo em minha direção, tocado levemente meu ombro, onde eu levantei apenas a minha cabeça que estava apoiada minutos antes em meus joelhos, dava pra ver o quanto você estava arrumado, e aquilo doía como o inferno, naquele momento eu sabia que você estava arrumado pra qualquer pessoa, eu só não fazia ideia que era pra mim o tempo todo.

Eu me levantei enquanto ele ia pegar as chaves, tudo que eu conseguia pensar naquele momento era como você extremamente atraente fora de seus jalecos e óculos redondos no rosto, se direcionou a porta e acenou com a cabeça para que eu fosse em sua direção, e eu como sempre segui seus comandos, mas como um péssimo brinquedo as vezes errava nos meus próprios passos.

Iríamos descer a montanha e dava pra ver em sua feição o quanto você estava assustado descendo para aquela imensa cidade que havia de baixo de nossos pés, você olhou-me profundamente e sussurrou perante a mim;

_ Segure minha mão para descer essa ladeira imensa

Eu te olhei confuso, nunca foi o de me proteger, em momento algum, mas hoje, com minhas memórias em dia, eu sei o quanto eu era precioso para você, eu era como o diamante nas mãos de um minerador, mas se eu caísse, me quebraria em imensos pedaços.

_ Por que? - Naquela hora, perguntei confuso

_ Apenas faça o que eu mandei - Disse agressivo para mim novamente

E assim fiz, levei meu braço ao seu e entrelacei meus dedos aos seus, e você apenas observava a cena, em seu rosto dava ora ver um sorriso tímido como se eu já tivesse feito aquilo diversas vezes, logo após do meu ato, você apertou forte nossas mãos e algo que jamais tinha visto apareceu em sua feição, um sorriso, mas não um sorriso comum, um sorriso enorme de felicidade, e hoje eu entendo tudo completamente.

Naquela hora eu só conseguia encara-lo com um pequeno sorriso no rosto, quando você olhou para minha face de novo, eu senti a minha face queimar, era uma sensação nova no sistema e você? riu baixo, estava feliz naquele momento, tinha percebido que as coisas estavam começando a se encaixar em mim novamente, as coisas estavam voltando, você não poderia estar mais feliz.

_ Vamos, tome cuidado - Você disse andando devagar, com muito cuidado para não me puxar e acabar caindo daquela enorme ladeira.

Fomos andando, foram uns 7 minutos andando para descer aquilo tudo, me impressionava quanto você frequentemente descia e subia aquilo, como se fosse apenas uma ladeirinha.

Você me contava enquanto nós levava para a cafeteria, que você tanto me dizia que iria me levar, que a cidade era muito mais bonita a noite, davam para ver as luzes do prédio, os carros brilhando e se desse sorte, dava pra ver as luzes dos grandes shows que rolavam por toda cidade.

Era encantador, em momento algum você havia soltado a sua mão, que nem eu, eu nunca soltava a sua, que nem eu não solto agora. Você me guiava por todo o canto até que chegamos em tal cafeteria.

Você me olhou, esperava fortemente que eu me lembrasse daquele lugar, mesmo você sabendo que naquela hora eu não iria me lembrar de nada, você apenas sorriu e me perguntou;

_ Gostou daqui?

Eu pulei de felicidade naquele momento, acabei me abraçando em você e você ficou sem reação e por incrível que pareça, você correspondeu enquanto eu lhe falava;

_ Esse lugar é incrível hyung, é como eu sempre imagine, você é o melhor

Logo quando tinha dito aquilo você me empurrou, estava com o rosto em geral bem vermelho, era adorável ver com mesmo anos se passando você ainda sentia aquele mesmo sentimento que você tinha por mim há anos atrás.

Sentamo-nos e logo você pediu um macchiato, era seu café favorito, e pra mim você logo me pediu um frappuccino de morango, nem tinha me perguntado o que eu queria, você já sabia que era meu favorito, naquele momento eu só estava confuso, mais do que nunca, mas estava confuso.

Quando chegou nosso cafés apenas ficamos conversando sobre as coisas que você fazia aqui na cidade, você dizia que ia em várias feiras de cientistas, que você ia em varias festas de gente importante e dizia que as vezes voltava no outro dia pra casa por conta delas.

Foram horas conversando ali, levantamos e você pagou a conta enquanto eu te esperava fora daquele grande estabelecimento. Lembra? Foi bem naquela hora que tudo aconteceu, você saiu mais apressado do que nunca e eu tive que seguir seus passos, como um inútil robô, acabei atrapalhando no meio da travessia, logo quando você virou pra mim e veio correndo, foi ai que minhas memórias voltaram á tona, eu tinha me lembrado de tudo e apenas dava pra escutar seu tom de voz gritando meu nome.

Eu fui empurrado e o carro que vinha em nossa direção acabou lhe atingindo, te causando machucados graves, enquanto eu só pude ligar com o seu celular que estava espatifado no chão para a emergência mais próxima. Quando chegou os paramédicos, eles me olharam profundamente vendo que estava em prantos vendo aquela cena, e apenas disseram que você estava respirando.

O caminho de ida ao hospital era maçante, o meu sistema que tinha lembrado recentemente que era meu coração doía eternamente, essa era a sensação que eu sempre desejei?

E agora eu estou aqui, lhe contanto essa historia meu amado Yoongi, eu ainda me pergunto, o porque você se tacou na frente desse carro para me salvar, você fica muito sem cor nessa cama enquanto você não pode sair para nenhum lugar, não com aquele seu robô, e sim comigo, Jeon Jeongguk, seu namorado que havia perdido metade de seus movimentos em um acidente, onde foi para te salvar pelo mesmo motivo, logo quando havíamos saído de sua cafeteria favorita, onde minhas partes que não tinham circulação foram substituídas por peças de metal, assim me criando novamente, porém você ficou anos né Yoongi? Anos tentando acertar as memórias que haviam em mim e que me custavam a lembrar, e agora que as tenho, só me resta lhe contar tudo para não se esquecer do meu tom de voz"

Assim Jeon parou de contar a história, de mãos dadas com Yoongi enquanto ele ainda estava em coma pós a grande tragédia que teve;

_ Eu falhei hyung, me desculpe - Jeon baixou sua cabeça, a levando a mão de Yoongi, onde o mesmo se lamentava, achava que tinha perdido seu hyung, aquele que dizia que amava muito estava sem o responder, era uma dor imensa.

Naquele momento, o grande computador ao lado de Yoongi começará a apitar, ele estava acordando, e nem Jeon pode acontece que aquilo estava acontecendo, saiu correndo do quarto onde estava gritando pela ajuda dos médicos.

Ele foram atender Yoongi, enquanto Jeon, nervoso do lado de fora do quarto, estava andando para um lado e para o outro, até que um dos médicos que estava lá dentro, saiu do quarto e disse;

_ Ele quer ter ver Sr.Jeon

Jeon entrou na sala, e apenas conseguiu ver Yoongi sentado na maca onde minutos atrás estava inconsciente, olhando pela janela enquanto seus cabelos eram bagunçados pelo vento.

Ele foi devagar para atrás dos grisalhos que chamava de namorado, e o abraçou devagar, Yoongi levou sua mão ao encontro com a mão de Jeon e sussurrou baixinho:

_ Achei que você iria me deixar

Yoongi suspirou e riu baixo e logo argumentou para o moreno;

_Se eu não te deixei ir uma vez, não é agora que eu irei te deixar partir de novo, e finalmente, com suas memórias de volta

Jeon se largou de Yoongi, onde o mais velho virou seu rosto e sorriu para o mesmo e o disse:

_ Bem vindo de volta, Kookie.


Notas Finais


O que acharam? DEMOREI SÉCULOS TA BOM?
Beijo
Vejo vocês daqui a duzentos anos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...