História Only the truth (TomxTord) - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Eddsworld
Personagens Edd, Eduardo, Jon, Mark, Matt, Patryk, Paul ter Voorde, Personagens Originais, Tom, Tord
Visualizações 65
Palavras 1.098
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 11 - Capítulo Extra - I want to make you mine


- Me poupe de seu ciúmes Patryck. - Já no escritorio, Paul já havia perdido a paciência com Patryck gritando sobre quanto estava Puto da vida não o ajudava em nada.

- Ciúmes? Isso não é ciumes. - Patryck cruzou os braços - Puta que Pariu, vocês estavam quase se comendo, e eu estou com ciúmes. - Ironizou soltando uma risada.

- Chega! Eu já estou cansado, eu vou trabalhar. - Paul acionou sua válvula de escape fazendo Patryck ficar mais bravo ainda.

- Ah, vai lá. É só isso que você sabe fazer né? - Patryck deu de ombros.

- Espera aí? - Paul chamou atenção do maior. - Eu o que?

- Isso mesmo. - O outro apontou o dedo na cara de Paul. - Você só pensa em si mesmo. Já viu as coisas pelo meu lado? Eu estou 24 horas pensando em você. No que você gostaria que eu fizesse, enquanto você está trabalhando, ou talvez, curtindo com Scott. - Paul gargalhou.

- Você tá se ouvindo Patryck? Curtindo com Scott? Pensando só em mim? - Paul não acreditava no que o maior falava.

- Me faça pensar ao contrário. - Falando isso o menor o beijou.

- Tá aí. - Patryck incrédulo com a atitude não conseguia tirar os olhos arregalados de Paul, que possuía uma carranca e uma coloração vermelha em suas bochechas. - Para de me encarar assim. - Paul falou bravo lentamente fazendo Pat sorrir.

- Eu não entendi. - O maior fez uma cara de confuso. - Me explica de novo. - Paul estava muito corado.

- N-Não. - Paul cruzou os braços e virou para o lado então Patryck o beijou invadindo a boca de Paul com sua língua e logo estavam começando uma luta de espaço por suas bocas.

Patryck então dá vários beijos e mordidas pelo pescoço de Paul que da leves puxões no cabelo dele, então o maior fecha as cortinas do escritório e tranca a porta, voltando a beijar Paul e o deitando sobre a mesa.

O maior tirou a blusa do menor rapidamente e em um minuto suas roupas estavam espalhadas pelo chão, apenas suas roupas íntimas os separavam, que segundos depois foram removidas.

Com dificuldades, Paul saiu de baixo de Patryck, subindo em cima dele e rebolando, seus membros se chocavam o que fazia Paul gemer enlouquecendo o maior.

Patryck já podia ser considerado um insano ele estava ficando louco com o menor rebolando assim nele, ele levantou Paul e o fez ficar de costas para si empinando-o, um sorriso se formou em seus labios.

- Você me quer Paul? - Patryck perguntou sussurrando em seu ouvido, apenas encostando seu membro já ereto em sua entrada, Paul mordeu seu lábio inferior. - Você me quer?

- P-Para de enrolar. Merda - Paul já estava impaciente, ele queria sentir Patryck dentro dele.

- Então pede. - Patryck estava provocando Paul e isso o deixava muito bravo.

- Tsk. - Paul estalou a língua - P-Por - Patryck chegou mais pra frente. - P-Por favor - Paul suplicou e sem demora alguma Patryck entrou nele, dando estocadas e falando coisas desconexas em seu ouvido.

- P-P-Pat.

O maior aumentava a velocidade conforme o menor gemia, logo haviam trocado de posição outra vez onde Patryck estara sentado na mesa e Paul cavalgava em seu membro, em movimento de vai e vem. Pat pegou o íntimo de Paul e começou a massagear o masturbando devagar enquanto beijava e mordiscar a seu pescoço. Não demorou muito e os dois chegaram ao ápice.

Eles se vestiram, arrumaram o escritório e foram pra casa de Paul.

- Quer comer algo? - Paul perguntou abrindo a geladeira. Patryck ainda não estava saciado da sua vontade de Paul, ele não respondeu nada. - Tá surdo?

- Eu quero comer algo. - Pat deu um sorriso malicioso pegando Pat pelo braço, o empressando na porta da geladeira e o beijando fervorosamente. - Eu quero você de novo - beijou outra vez - e de novo  - beijou - quero que saibam pelas marcas, que você já tem dono. - Tirou sua blusa o fazendo sentar no mármore do balcão da cozinha - Quero te ouvir gemer meu nome. - Beijou seus labios outra vez, beijou seu pescoço e deu um chupão fazendo Paul gemer. - Quero que saiba que eu te amo. - Paul já estava totalmente excitado, ele queria Patryck essa noite, agora. O menor queria que o parceiro entrasse e saísse diversas vezes nele, queria que o maior lhe desse prazer.

Então foram até o quarto se beijando, eles nem se deram conta de suas roupas espalhadas pela casa. Paul empurrou Patryck em cima da cama e retirou sua última peça de roupa, observando seu membro já ereto e pulsante, em seguida abocanhou-o fazendo movimentos para cima e para baixo ouvindo os gemidos de Pat, como melodia para seus ouvidos. Ele sentiu que Pat estava quase chegando ao Auge e aumentou a velocidade.

- N-Não Paul. - Patryck não queria gozar agora, e entre gemidos suplicou.

Em vão, o maior havia ejaculado bem na boca de Paul que fez questão de engolir tudo, sentou em cima de Patryck para rebolar em cima dele, como no escritorio, mas o que estava por baixo girou seus corpos impedindo o movimento do parceiro, o maior segurou suas mãos por cima da cabeça e se posicionou em cima dele.

- Você anda muito desobediente. - Pat sussurrou no ouvido do menor. - Pessoas assim precisam ser punidas. - mordeu seu pescoço e soltando as mãos, adentrou o menor com um dedo, depois outro e assim três fazendo Paul gemer alto. Com a outra mão, bateu no glúteo do menor, diversas vezes, deixando marcas certinhas de sua mão. O maior o beijou mordendo o labio inferior do menor, que arfou diante disso.

- P-Pat... - Paul entre gemidos suplicava pelo parceiro. - P-Patryck, e-eu preciso de você. - Essa foi a gota d'água para Patryck, que sentindo-se sem sanidade alguma estocou forte dentro de Paul atingindo logo sua próstata o fazendo gritar, em movimentos rápidos de vai e vem não demorou muito para que Paul chegasse ao ápice, e Patryck também, o menor sentiu o quente líquido o preencher, O maior o beijou de língua e quando se separam o fio de saliva os conectavam.

Patryck caiu ao seu lado, cansado. Ambos estavam cansados, o maior passou um braço por cima de Paul e cobriu os dois com o Edredom.

- Eu te amo Paul. - Patryck falou selando seus labios novamente. 

- E-Eu também... - Corado Paul suspirou -  também te amo Pat. - E assim adormeceram juntos.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...