História Ookami to Kitsune. {{O lobo e a raposa}} - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags A Raposa, Adultério, Anime, Comedia, Drama, Gravidez Masculina, Hentai, Kirimo, Lemon, Nitsuki, O Lobo, Ookami To Kitsune, Romance, Sexo, Shonen-ai, Shoujo, Sobrenatural, Tortura, Violencia, Yaoi, Yuri
Visualizações 26
Palavras 4.188
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishounen, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Hentai, Lemon, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Genteeeeeeee milllllll perdões 😢😢😢 sério eu sinto muito ter demorado tanto! 😢 eu tinha escrevido e tava tudo perfeito ate que alguma coisa no universo conspirou contra mim e sem querer eu apaguei tudo que eu tinha escrito😑 ai tive que reescrever tudo novamente e tem mais! A bosta do meu celular bugou e nao quer me deixar escrever, to tendo que fazer mil e umas coisas pra conseguir postar esse cap 😓

Obs: a foto e da Kokoro ❤️

Mas e isso amores me descupem e curtam esse capítulo 😙❤️❤️
Obrigada por acompanharem!! Amo vocês 😍😍❤️

Capítulo 5 - Passado esquecido! Part.2


Fanfic / Fanfiction Ookami to Kitsune. {{O lobo e a raposa}} - Capítulo 5 - Passado esquecido! Part.2

  Pov. Narradora


 Kirimo voltou para o seu quarto e deitou em sua cama, mas não conseguiu dormir, seus pensamentos corriam soltos e pra passar o tempo ele pensou em colocar todos esses pensamentos no papel. E assim ele fez, foi ate sua mala, pegou seu caderno de poesias, pegou seu óculos, foi até uma mesinha e começou a escrever. Ficou ali sentado escrevendo por horas, ate cair no sono e dormir ali mesmo debruçado sobre a mesa.

>>>> Na manhã seguinte <<<<

– Kirimo! Kirimo! – o garoto abriu os olhos bem devagar vendo uma figura embaçada na sua frente – Kirimo! Acorde logo! – era sua mãe que o chamava.

– Mãe...? o que foi...? – disse em meio a bocejos – para que todo esse alvoroço?

– Já está quase na hora do almoço e você ainda está dormindo?! Lembre-se que você não está na sua casa, então haja mais adequadamente, vão pensar que meu filho é um preguiçoso...

– Tá bom... tá bom... amanhã eu acordo mais cedo, ta?

–Assim espero, ah e você está com uma babinha no canto da boca – Sorri – se apresse e desça…– Momo saiu e Kirimo continuo deitado em sua cama, olhando para o lustre no teto...  

–Ue... eu não lembro de vindo para cama... quem me colocou aqui...? – perguntou para si mesmo enquanto se espreguiçava – Ahh que sono... vou dormir so mais 5 minutos... 

...

– Kirimo-chan... Kirimo-chan…. por favor acorde... sua mãe está lhe chamando, ela esta um fera por você não ter descido... – Kirimo acordou e se sentou na cama.

– Hm... – bocejo – quanto tempo eu dormi, Kokoro-san...?  

– Pelo tempo que sua mãe  me disse... acho que uma hora ou mais...

– Eu estou morto! Tenho que me apressar... – Kirimo se levantou às pressas e foi até a sua mala pegar uma muda de roupa – obrigado Kokoro-san, você é a melhor!

– Não precisa agradecer... só fiz o meu trabalho — sorri – bom eu vou indo, quando acabar desça para comer, ok?

– Haii!
...

– E melhor eu chegar bem sorridente e inventar uma boa desculpa para minha mãe... – murmurava Kirimo enquanto descia as escadas rumo a sala de jantar, onde estava seu grande desafio. Ele foi até a porta e ficou parado ali em pé, o medo de morrer era grande... – que Kami-sama me proteja... – ele entrou e sua mãe estava com uma cara feliz... – Bom dia...

– Boa tarde não? – ironizou Kirito enquanto lia um jornal qualquer.

– Por que demorou? hein?

– E... eu... tive que... responder uns e-mails...

– Um... demorou uma hora pra responder?

– E que eram muitos...

– Hum... acredito... anda logo e senta ai!

– Ok... – foi até seu pai e se sentou ao lado dele – cadê a Touka-chan?

– Foi pegar uma coisa no quarto, mas ja deve estar voltando! – quando Momo acabou de falar Touka apareceu na porta com uma espécie de álbum antigo nas mãos.

– Olha Momo-chan! Achei!

– Nossa! A quanto tempo não vejo esse álbum! Que nostálgico... – Touka se sentou ao lado de Momo e começou a folhear o álbum comentando sobre cada foto. Kirimo ficou observando as mulheres comentando e rindo das fotos antigas, enquanto Kirito apenas lia calmamente seu jornal. E assim foi até Kokoro servir a comida.

...

Depois de almoçar, Kirimo pediu licença e se retirou da mesa, foi andando pelos corredores para poder conhecer melhor a casa.

– Wow... essa casa é enorme... – comentava enquanto andava e olhava para os imensos pilares detalhados a mão – que porta é aquela? – ele viu uma porta com uma árvore morta desenhada nela, tinha um balanço e uma garotinha sentada nele. Era um tanto tenebrosa aquela porta, e ao invés de ignorar aquela porta estranha, e ir embora como qualquer pessoa normal faria, ele já foi até a porta e entrou.

Entrando na sala ele deu de cara com inúmeros quadros de um garoto. O menino aparentava ter uns 12 anos, com cabelos negros e curtos e com olhos da mesma cor, todos os quadros tinham o mesmo garoto em diversos lugares diferentes, na maioria dos quadros, ele estava com uma menina sem rosto em cima de um cavalo negro.

Kirimo foi até um quadro que lhe chamou mais atenção, nesse quadro o menino estava sentado em uma cadeira velha, seus braços e pernas estavam amarrados com uma corrente cheia de espinhos, e no chão tinha uma poça de sangue. Os olhos do menino estavam vazios, era como se sua alma tivesse ido embora deixando o corpo sem nada. Em sua boca estava uma máscara que tinha um sorriso diabólico desenhado nela.

– Que quadros estranhos! por que tem isso nessa casa...? Achei que eles não gostavam de terror... – murmurava enquanto caminhava lentamente, olhando cada quadro atentamente. Viu novamente um quadro diferente dos outros, neste havia um homem horrível, deformado e careca, Kirimo ia se aproximar do quadro, mas ouviu a porta se abrindo e parou, olhou para o lado e viu Kokoro com um balde e um esfregão na mão.

– Kirimo-chan o que faz aqui...? – perguntou deixando o balde no chão e o esfregão encostado na parede, e indo em direção ao menino.

– E-Eu? Nada só estava passando e resolvi entrar para ver o que tinha aqui dentro...

– Hm... você tem que tomar cuidado onde entra, tem lugares aqui que nem eu mesma posso entrar...

– Tá bom... mas o que tem nesses lugares proibidos?

– Nem me atrevi a perguntar, a Touka-sama só me disse para nunca entrar nesses lugares...

– Hm... e você sabe para que são esses quadros?

– Ah... esses quadros são da Touka-sama, ela mesma os pinta... eu acho que retrata ela no passado.

– Nossa ela é muito talentosa... sabe quem é aquele menino?

– Não... ela nunca comentou sobre esses quadros... só uma vez que ela me disse que o passado sempre iria acompanhá-la e que por isso ela pinta esses quadros...

– Entendo... ei Kokoro-san como está o Nitsu?!

– Ele está bem, um pouco eufórico para lhe ver mas bem – sorri – disse que não aguenta mais ficar lá esperando.

– Eu mal posso esperar pra ver ele e conversar sobre muitas coisas! Hoje eu poderei ir vê-lo, né?

– Acho que não será possível...

– Por que?!

– Ouvi que seus pais e a minha senhora irão jogar hoje a noite, então acho muito arriscado ir lá embaixo hoje... mas não se preocupe darei um jeito de você ir lá amanhã!

– Sério? Que pena... mas obrigado Kokoro-san, você sempre nos ajuda!

– Não é nada! Mas é melhor que você saia daqui antes que a Touka o veja.

– Ok, então até mais tarde Kokoro-san...

– Ate... – Kirimo saiu e foi novamente para o seu quarto.

....

Mais tarde depois do jantar… Kirimo foi dormir, Touka, Momo e Kirito foram para a sala de jogos como havia falado mais cedo e Kokoro ficou na cozinha.

A campainha tocou e Kokoro foi atender, abrindo a porta ela se assustou com quem viu.

– Boa noite Love! A quando tempo! Senti muita saudades da minha pessoa favorita! – disse um belo homem, alto, com um cabelo comprido loiro, lindos olhos esmeralda e um rosto fino e delicado, ele usava um grosso casaco de pele, com um pouco de neve caída sobre ele. 


– N-Niki-sama? O-Oque fazendo aqui?

– Como assim? Eu moro aqui! Ou já se esqueceu de mim amor?

– Por favor Niki-sama, não me chame assim!

– Ok! Amor... – sussurrou o homem sarcasticamente e depois entrou tirando o casaco e o jogando no canto – ah, lar doce lar... bom, onde está minha esposa?l

– Está na sala de jogos senhor!

– Ora, já falei para nao me chamar assim... e muito formal! Por que nao me chama de... de... querido! Como você chama o Nitsu, não é tao dificil...

– Prefiro manter a formalidade senhor!

– Ah, você é  tão mal... – ele fez uma cara triste de cachorrinho sem dono – por falar no Nitsu, cadê meu garoto?

– E-Ele? E... estava dormindo quando eu o vi...

– Ah que pena queria vê-lo, mas é melhor deixá-lo descansando... bom é melhor ir falar "oi" para a Touka.

– Ah tinha esquecido de lhe avisar que temos convidados senhor!

– Olha... que coisa surpreendente... Touka com convidados? Isso é novidade – risos – mas e então, quem sao esses "convidados"?

– Kirito e Momo, amigos de infância da Touka-sama...

– Hm... não sabia que a minha mulher tinha amigos... bem... vou lá cumprimentar eles!

– Ok... O homem andou até a sala, e encontrou os três jogando poker e bebendo vinho.

– Querida cheguei! Sentiu saudades?

– Niki? Que surpresa maravilhosa...  ela se levantou s foi até ele  por que veio tão de repente? Achei que estava na Rússia... 


– Estava com saudades e resolvi ver my family! Mas… parece que você se casou com outro em minha ausência... está com uma família nova – falou o loiro em um tom sarcástico e deu uma risadinha no final.

– Ha ha ha, muito engraçado... deixe de graça e venha os comprimentar! Bom.. este é meu marido Niki... – disse apontando para o mesmo – esta é Yuko Momo minha amiga de infância e este é  Yuko Kirito marido de Momo!

– Prazer em conhecê-lo Niki-san! – disse Momo indo até o homem e fazendo uma reverência com um belo sorriso.

– O prazer é todo meu bela dama… – Niki pegou na mão de Momo e deu um beijo como um verdadeiro cavalheiro, Momo ficou lisonjeada e Kirito só os observava com uma cara séria – se me permite dizer eis um homem de sorte Kirito-san!

– Obrigado... mas você também tem muita sorte, Touka e uma mulher incrível, além de ser belíssima – o moreno sorriu e tomou um gole do seu vinho.

– Bom, obrigada pelo elogio Kirito, me sinto honrada! – Touka sorriu e logo riu da situação, Momo logo começou a rir também – porque não continuamos o jogo?

– Posso me juntar a vocês? – perguntou Niki se sentando na mesa, Touka sentou-se ao seu lado e eles começaram o jogo.

...

– Ora, Ora parece que a sorte está do meu lado hoje! Mais uma vitória – dizia Niki todo sorridente após vencer 10 partidas.

– Não é justo Niki-chan! Você está trapaceando! – Momo cruzou os braços e fez um bico, como uma criança mimada – não sei como mas está trapaceando!

– Eu nunca faria uma coisa dessas! Sou um homem de honra Momo-chan, se dúvidas prove o contrário! – ele deu um sorriso de canto, já que sabia que ela não teria como provar que ele estava trapaceando.

– Ta... você não trapaceou... MAS! Acho muito estranho você ganhar tantas vezes seguidas! – Momo o olhou com olhos semicerrados.

– Niki sempre foi bom no poker, nos jogamos com frequência quando ele estava em casa – Touka olhou para Niki e sorriu – bem, o'que faremos agora? Outros jogos? Ou iremos dormir? Já é quase meia-noite...

– Nossa o tempo voou...  melhor irmos dormir, amanhã quero acordar cedo para ir até o estábulo! Hoje a neve começou a derreter então amanhã poderemos cavalgar! – Momo estava com os olhos brilhando só por pensar em andar a cavalo, ela ama poder correr pelos campos e sentir o vento em seus cabelos, isso era como o paraíso para ela – o que acha Tou-chan?

– Que ótima ideia! Eu não cavalgo a séculos... será ótimo passear pelas colinas Mo-chan!

– Será maravilhoso! E... Tou-chan, e o Crow… ele ainda está aqui ou ele já morreu...?

– Infelizmente ele morreu... ele já estava com 15 anos quando aconteceu, ele aguentou muito para um cavalo...

– Ah... entendo... era de se esperar, ja faz tanto tempo... – Momo tentou disfarçar sua tristeza mas falhou – bom... pelo menos terei boas lembranças dele! Isso ja me deixa feliz!

– Vocês eram inseparáveis, não é? Quando você ia embora ele não ficava quieto, quase quebrava as portas do estábulo – Touka se apoiou na mesa e deu um sorriso de canto – ele era incrível saltando...

– Ele era o melhor cavalo...

– Que cavalo é esse Momo? Nunca me disse sobre isso? – indagou Kirito confuso. 


– Era meu cavalo, meu pai me deu ele de presente quando ele ainda era um potro. Ele era um puro sangue lindo, sua pelagem era completamente negra, não havia uma mancha branca sequer, sem duvida a coisa mais linda que eu já tinha visto, me apaixonei de imediato por ele e parecia que ele tinha se apaixonado por mim também, ele era perfeito! Eu ficava com ele o dia todo, tinha vezes que eu até dormia no estábulo, porque se eu saísse de lá ele começava a relinchar e não parava mais – sorri – com o tempo ele cresceu e virou um lindo garanhão, forte e veloz, eu e meu pai começamos a treiná-lo, não tinha passado muito tempo e eu já queria montar nele, meu pai me disse que ele ainda não estava pronto para isso, mas como eu era impaciente… o levei até o cercado, coloquei a cela nele e montei, no início ele não se mexeu muito, mas quando eu bati sem querer a espora em sua barriga ele começou a correr sem parar, eu me desesperei e me agarrei no seu pescoço e comecei a gritar por socorro, chegando no limite do cercado ele pulou a cerca e correu para colina meu pai escutou os gritos, pegou seu cavalo e foi atrás de mim. Crow correu para a floresta e foi até uma pequena cachoeira, parou na frente dela e ficou olhando a água cair eu me soltei do seu pescoço e levantei a cabeça lentamente e olhei para as águas cristalinas e era lindo, eu rapidamente entendi o porque de Crow ter me levado até lá, ele queria me mostrar aquela linda visão. Eu desci dele e fiquei parada ao seu lado sem tirar os olhos da cachoeira, o som das águas caindo e os passaros cantando, era magnífico tudo estava perfeito até meu pai chegar furioso comigo, por ter lhe desobedecido. Ele me levou de volta no cavalo dele, depois de me dar uma bronca e tanto, chegando em casa minha mãe estava me esperando quase morrendo de preocupação, ela me deu outra bronca e me proibiu de montar o Crow e falou para meu pai vende-lo, mas mesmo que meu pai estivesse bravo ele sabia como eu amava o Crow, e sabia também que não tinha como mudar a cabeça da minha mãe, então ele falou ter vendido o Crow, mas ao invés disso ele o deixou na casa do pai da Touka, que era um velho amigo, e como eu já ia sempre até a casa deles, passei a ir todos os dias ver o Crow e a Touka que se tornou minha melhor amiga! Fim...

– Wow... que História... já pensou em fazer um livro Momo-chan? – Niki sorriu gentilmente.

– Não sabia de nada disso... eu sinto muito querida, você deve sentir muita falta dele...

– Tudo bem amor, isso já faz muito tempo! E bom... vamos indo?

– Vamos... – respondeu Kirito sonolento – boa noite!

– Boa noite Kirito, Momo! Amanhã será um ótimo dia – Touka sorriu "gentilmente" e os dois saíram.

– E então querida vamos também ? – perguntou Niki sorrindo

– Vamos...

– Ah, quase esqueci! Terei que ir até o meu escritório, tenho que preparar uma coisa... até mais tarde… – disse Niki saindo e acenando com a mão.

– Ok, vou indo pro quarto, não demore tá...

Niki foi em direção ao seu escritório, mas no caminho ouviu um barulho vindo da cozinha e foi até lá averiguar o que era.

– O que está fazendo, Love? – Kokoro estava pegando uma panela que havia caído no chão.

– Vim beber água e acabei derrubando essa panela senhor...

– Hm. Mas quando é que você vai parar de me chamar de senhor?! Já falei que não gosto! Mas… e essa roupa...? Não está sexy demais...? – Kokoro estava usando um vestido vermelho florido com um decote nos seios e com um rasgo na perna – está querendo provocar alguém?

– Não senhor, isso é apenas um vestido velho de dormir, só isso...

– Oh querida Kokoro, essa roupa serve para fazer outra coisa além de dormir... – Niki sorriu maliciosamente.

– E-Eu vou dormir, boa noite Niki-sama! –  Kokoro foi andando apressadamente, mas foi forçada a parar ao sentir sua mão sendo agarrada com força.

– Onde pensa que vai? Não vai me deixar sozinho aqui não é?

– Niki-sama o senhor não po... – Kokoro foi interrompida por um beijo suave e doce que a fez corar fortemente, Kokoro o empurrou para longe e limpou a boca – o senhor é  casado! Como pode fazer isso comigo?

– Por que eu te amo, my Love! Você sabe disso...

– Não! Isto é por pura satisfação... você ama sua mulher... ela é linda, refinada, rica, gentil... você nunca trocaria ela por uma simples empregada como eu...

– Sim ela é linda, refinada e gentil, mas você é mais que linda você é maravilhosa, olhar em seus olhos e  como olhar para a pureza em si, seu sorriso é  perfeito, ele transmite paz, alegria, amor e tudo que há de bom nesse mundo! tocar sua pele é simplesmente como tocar uma seda tecida por Deus! Kokoro você é perfeita e eu não pude evitar de te amar... eu sei que é errado, mas é inevitável, eu me casei por causa de meus pais, não  por amor... mas aí você apareceu e me mostrou o que é uma vida com amor e eu sou capaz de abandonar tudo pra ficar com você! – Niki a abraçou

– Niki-sama... eu– Niki a interrompeu novamente com um beijo, mas dessa vez ela não o rejeitou, e sim retribuiu. Enquanto eles se beijavam as mãos de Niki deslizavam pelo corpo de Kokoro, acariciando cada parte, ele a pegou no colo e a colocou sob o balcão. Enquanto ela tirava a camisa dele, ele lentamente estava tirando seu vestido e beijando sua pele macia e sedosa, a cada beijo ela estremecia e soltava leves gemidos.

Em meio a tantos beijos e toques eles ficaram completamente sem roupa. Então niki a abraçou bem forte e a deitou no balcão... Seus corpos estavam em sincronia um com o outro, e Kokoro sentia as mãos do loiro apalpar toda a extensão de seu corpo, entre movimentos enlouquecedores e prazerosos, os dois ja haviam se esquecido do mundo, era somente eles e uma longa noite de prazer...

E entre suspiros e gemidos, os dois não perceberam a presença de alguém nas sombras... Essa pessoa observava calmamente aquela cena, ate que se cansou de ver aquilo e saiu. 

[....]

– Nitsuki! Acorde! – Dizia Touka abrindo a porta da cela – vamos acorde!

– O.. ka-sama...? O-O que faz aqui a essa hora...? – perguntou confuso enquanto esfregava os olhos tentando acordar totalmente, se sentou a beira da cama e olhou com medo para a mulher, já que quando ela vinha ali não era para trazer lanche...

– Sabe... hoje eu tive um dia HORRÍVEL, um dos piores dias da minha vida! Primeiro tive que aturar aqueles dois idiotas chatos lembrar do passado... depois chegou o Niki...

– Meu pai está aqui?! – Nitsu a interrompeu um tanto surpreso.

– Está! Agora cale a boca e escute! Como dizia o Niki chegou, estragando meus planos... e depois sabe o que aconteceu? Fui caçar meu marido para falar uma coisa que havia esquecido e o pego com a empregada! O que ele vê naquela empregada? Sério ela é tão sonsa e sem graça...

– Não fale assim da Kokoro!

– Uia! Parece que alguém está bravinho... venha saia daí! Vou me desestressar com você hoje!

– O que você vai fazer..?

–  Bom eu comprei um brinquedinho novo e estava pensando em usar hoje... – ela pegou um chicote trançado e sorriu maliciosamente – o que acha?

–  Por favor – não faça isso...

–  Por que não? Não vai doer... bom não muito... vamos tire a camisa, e pegue uma corda no armário!

– Aqui... – disse lhe entregando uma corda – o que irá fazer?

– Você verá... me dê as mãos – ela começou a amarrar as mãos do pequeno, depois o virou de costas e o encostou na parede – vou ser boazinha e não vou usar a mordaça, ok? Então não grite... – ela deu uma uma chicotada nas costas do garoto que o fez tremer de dor, mas ele se segurou para não gritar – ótimo... eu quero que você fique assim... – ela deu mais duas chicotadas mas dessa vez com mais força, Nitsuki soltou um pequeno grito de dor, e Touka fez uma cara de reprovação – Ah, não... você estava indo tão bem...

– Por… que...?

– Por que, o que?

– Por que você faz isso comigo?! O que eu fiz pra você?! Onde eu errei para que você fizesse isso comigo?! – falou/gritou Nitsu e seu virou ficando de frente com a mulher, que estranhou a atitude do menino – anda! Fala! Eu quero que você me fale POR QUE?!

– Ora, ora... parece que alguém resolveu se rebelar... você acha que oque eu faço com você é ruim? Pois bem, vou lhe contar uma história...
"Era uma vez uma menina de 7 anos que tinha tudo, ela tinha ótimos pais, muitos brinquedos e muitos amigos, ela tinha uma vida maravilhosa era o sonho de qualquer criança mas, um dia, essa menina estava brincando normalmente em seu quarto rosa cheio de ursinhos e frufrus, quando ouviu vozes altas vindo da sala, ela como era inocente, desceu as escadas, foi até a porta da sala e abriu somente uma brecha, viu sua mãe e seu pai brigando sobre algo desconhecido. Sua mãe gritava furiosa até que ela disse essas três palavras:"Eu quero divórcio!", quando o pai da menina escutou isso se encheu de fúria e sacou um revólver que estava em uma gaveta atrás dele, apontou para sua mulher, que suplicava para ele não fazer aquilo, mas ele já não a escutava mais, e disparou. A mulher caiu morta no chão e a garotinha atrás da porta se desesperou e correu até sua mãe, a garotinha não sabia o que fazer, só conseguia chorar com sua mãe ao seu lado. O pai da menina apenas olhou para ela e guardou o revólver, a menina gritava "Por que...? Por que papai...? e ele apenas respondeu "ela estava mal disciplinada."
Depois disso a garotinha teve que se mudar com seu pai para outra cidade, deixando seus amigos e sua mãe para trás, seu pai havia ficado louco, sempre bebendo e sempre brigando com a garotinha. Ele a fazia de empregada, ela tinha que lavar, passar, cozinhar e etc... mas um dia quando ela completou 11 anos, ela se enraiveceu e falou " Por que você virou isso? Você é um maluco! Eu não vou mais viver com você, eu vou embora!", e o pai da garotinha apenas disse "Você precisa ser disciplinada..." e assim ele fez... todos os dias ele a disciplinava, cada dia de um jeito diferente, com chicotes, choque, cortes e o principal ele a violava! Agora pense uma garotinha pura de 11 anos, sendo estuprada todos os dias pelo seu próprio pai! Isso era pior que a morte pra ela, inúmeras vezes ela tentou parar de viver, mas sempre que tentava, algo a impedia. Mas um dia quando ela já estava com 13 anos, ela viu que a culpa não devia cair sobre si e sim sobre seu pai. E com esse pensamento ela pegou um sonífero e colocou no copo de whisky de seu pai, que apagou em cima da mesa, ela aproveitou esse tempo e o amarrou na cadeira, o amordaçou e esperou ele acordar, quando ele despertou começou a se sacudir em tentativa de se soltar mais ela tinha se certificado de que ele não sairia dali. O homem a olhava com um certo medo, e ela apenas sorria e dizia "Você está mal disciplinado papai...", com isso ela começou a discipliná-lo, começou com pequenos cortes e foi cada vez mais fundo, até ele morrer por perda de sangue, ela cortou o dedo mindinho de seu pai e guardou em um pequeno baú, que serviria de recordação daquele momento.
Com isso a garotinha jogou gasolina na casa e ateou fogo, fazendo parecer que seu pai havia morrido em um trágico acidente e ela era apenas uma vítima da vida...
Depois disso a garotinha foi parar em um orfanato, e foi adotada por um lindo casal que a amava muito, mas ela nunca pode retribuir esse amor, já que sua alma havia sido corrompida pela maldade. Nessa nova vida ela fez novas amizades e novas memórias mas nunca esqueceu seu terrível passado. Com o tempo ela teve um casamento arranjado e logo descobriu que não podia ter filhos, já que seu pai havia estragado seu útero, assim a menininha que já era grande, resolveu adotar uma criança, e adotou um pequeno menino de cabelos negros, e com o decorrer do  tempo a maldade em seu coração a fez ser o que ela mais odiava em sua vida, a doce e pura menina se transformou em uma mulher cruel e sem sentimentos... fim!" Eai ainda acha sua vida ruim?

– Se você o odiava, por que faz as mesmas coisas que ele fazia?

– Por que? Não sei... às vezes você se torna aquilo que mais odeia...

– Mas por que você não me mata de uma vez por todas?!

– Por que um dia você irá me matar! Esse é o ciclo... você me mata e se torna igual a mim!

– Eu nunca vou me tornar uma pessoa assim! Nem que eu morra... nunca faria isso!

– Nunca diga nunca... – sorriu perversamente – bom vamos continuar? Acho que já falei de mais...

– Você... é um monstro e sempre vai viver sozinha!

– Eu só estou seguindo o ciclo...


To be continued...





Notas Finais


Eu sei ficou o lixo dos lixos ne? Mas me perdoem eu to sofrendo muito esses dias com:meu cell, meus pais, bad, minha existência e por ai vai 😂❤
Mas foi isso amores amo vocês!❤❤ obrigada por lerem ❤ E Beijos de uva❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...