História Oops... Mark Tuan - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens Mark
Tags Drama, Got7, Mark Tuan, Romance
Visualizações 84
Palavras 952
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 13 - Capítulo 12


— Trovões te assustam?

Abri meus olhos ao ouvir sua voz. Eu estava de frente ao seu peito, com meus braços por volta da sua cintura e a testa encostada um pouco abaixo do seu ombro. Eu havia o abraçado?!

— Huh? É... — Me afastei do seu corpo, retirando meus braços da sua cintura. — D-Desculpe, eu... Não queria abraça-lo... — Desci meu olhar, fitando o carpete de camurça cinza.

Eu não pretendia abraça-lo, mas foi algo por impulso. Eu realmente tinha me assustado com aquele trovão e recorri à primeira coisa que vi na minha frente para tentar me proteger. E Mark foi o meu alvo. O ato tão inesperado acabou surtindo efeito sobre mim. Havia sido aprazível abraça-lo.

Estava um silêncio entre a gente. O meu olhar baixo, encarando o carpete e a sensação de ter algo me observando. Olhei de relance para Mark, e o vi me observar compassadamente. Por que ele estava me olhando sem reação? Esperava eu falar algo, ou...

O vi morder seu lábio inferior e umedecendo-os um pouco. O que ele estava fazendo? Por que ele estava mordendo o lábio inferior? Será que ele não podia agir naturalmente, sem deixar uma mostra do seu ato, causar-me uma sensação diferente?

— É... — Como forma de tentar interromper aquela sua ação que estava me causando arrepios, tentei falar alguma coisa. — Água! — Disse aleatório. —... É. Vou beber água!

Falei e sai quase correndo da sala e indo até a cozinha. Eu tinha certeza que não iria conseguir ficar se quer mais nenhum segundo perto dele. A sua aproximação da minha estava causando-me uma explosão de sensações. Abraça-lo, de fato, tinha sido uma experiência e tanto, mas logo pensamentos inúmeros vieram a minha cabeça.

Ele é o filho dos meus chefes. Ele é o filho dos meus chefes...

Eu repetia essa frase várias vezes em minha cabeça. Ele por certo, era filho do Sr. Tuan. Sentir ou imaginar algo considerado incorreto com ele seria um desrespeito.

As luzes do apartamento apagaram-se inesperadamente. Parecia que aquela tempestade havia causado um apagão. Oh Deus. Estava tudo no escuro, e eu mal podia enxergar algo, a não serem os reflexos dos relâmpagos que invadiam o apartamento pelas janelas de vidro. Caminhei em passos lentos até a saída da cozinha — com medo de esbarrar em algo — até a sala, procurando por meu celular. Estava tudo silencioso, apenas o barulho da chuva caindo e os rápidos trovões ouvidos.

Eu não sabia onde estava Mark. Talvez tivesse ido dormir. Peguei o meu celular sobre o sofá e o liguei, a procura do flash de luz.

Senti meu braço ser puxado, e logo me vi presa contra a parede. Nossas respirações estavam aceleradas, tornando-se apenas uma. Seu corpo estava quase colado ao meu. Seus braços estavam cada um de um lado da parede, me impossibilitando de me mover. Mas mesmo que eu quisesse, eu não conseguiria. Eu estava sem reação, com o coração acelerado.

— O-O que está fazendo?

Sussurrei ao ver a sua ação. Olhei em seus olhos, descendo o meu olhar para os seus lábios assim que os vejo movimentar-se. 

— Shh...

Ele morde o seu lábio inferior e aproxima ainda mais os nossos rostos, deixando apenas centímetros de distancia.

— Mark...

Ele desliza seus dedos por minha face, acariciando uma de minhas bochechas. As pontas de seus dedos gélidos desceram até o meu pescoço, causando-me arrepios.

— Não diga nada.

Sussurrou, retirando uma mecha de meu cabelo do meu rosto e colocando-a atrás de minha orelha.

—... Não podemos...

— Ninguém precisa saber...

Olhei em seus olhos e o vi aproximar os seus lábios dos meus.

Outro trovão estrondeou pelo apartamento, me fazendo acordar um pouco atordoada.

Olhei ao redor e vi que tudo estava claro e que eu tinha acabado dormindo no sofá. Olhei a tela do meu celular e vi que já era literalmente tarde. Soltei um suspiro e apertei os olhos ao lembrar que tudo que havia acontecido... Não se passou de um sonho. O que tinha dado em mim? Por que eu tinha sonhado com o filho do Sr. Tuan? Talvez eu estivesse ficando louca por estar no mesmo apartamento que um cara da mesma idade que eu, e que acima de tudo... É alguém interessante.

Levantei-me do sofá e caminhei até a cozinha. Acendi a luz e me direcionei até a geladeira, pegando uma jarra de água e um copo. Escorei-me no balcão, de costas para a entrada da cozinha e comecei a tomar água, tentando amenizar a confusão que estava na minha cabeça, devido o sonho quase real.

— Ainda está acordada?

Engasgo com a água ao ouvir a voz de Mark de repente.

— Huh? — Tusso um pouco e me viro para ele. — U-Uhum. — Sorri forçado, me virando de costas novamente.

Como eu iria conseguir encarar ele de novo, após lembrar-me que tive um sonho um pouco... Intimo com ele?

— Você tem certeza que quer dormir no sofá? — Perguntou, fazendo-me arregalar os olhos. — Tem espaço no quarto.

— N-Não. O sofá tá bom pra mim! — Tento controlar a minha respiração acelerada. 

Eu não iria ficar no mesmo quarto que ele. Se ficar somente perto dele estava sendo difícil, ficar no mesmo quarto seria ainda mais.

— Ok.

Respondeu e caminhou até próximo a mim, para pegar a jarra de água ao meu lado. Recuei ao ver sua aproximação e olhei vagamente em direção à sala, tentando parecer que nada me incomodava.

— O que foi? — Perguntou.

— Huh?

— Você está parecendo perdida. — Disse.

— Ah... N-Não... É só impressão sua... — Sorri um pouco nervosa.

— Ah. — Colocou o copo sobre o balcão. — Deve ter sido por causa do apagão. Ele mexeu muito com a gente.

Um sorriso de canto de boca transparece em seus lábios, antes de virar-se para a saída da cozinha e sair. 


Notas Finais


Gente... O formato dos capítulos no Spirit não saem da mesma forma que os originais :')
Desculpe se em algumas partes ficar bugadinho kskkkssks
ENFIM. MUITO OBRIGADA AO APOIO DE VCS. SÉRIO. OBRIGADA A TODOS QUE ESTÃO FAVORITANDO, COMENTANDO E ACOMPANHANDO A FIC. FICO MUITO MUITO GRATA ❤❤❤❤
BJIN '3'
❤❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...