História Operação Onii-chan - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Seven Deadly Sins (Nanatsu no Taizai)
Personagens Elizabeth Liones
Tags Colegial, Incesto, Melizabeth, Nanatsu No Taizai, Romance, Shoujo
Exibições 134
Palavras 1.617
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 8 - Desastrada suprema.


"Estou ficando louca, talvez. A mamãe esta na sala o papai no quarto, e eu estou brincando e cuidando do meu pequeno irmãozinho, nada de mais"

                [Pov.Elizabeth]

Acordei e felizmente pude ficar na cama aproveitando o friozinho da manhã enrolada no meu cobertor quente e macio, no meu glorioso dia da preguiça chamado sábado... Falando em quente e macio me veio um flashback de ontem, meu deus, não sei onde enfiar minha cara quando eu topar com esse garoto pela casa.

Tudo bem que não aconteceu nada demais só ficamos nos beijos e nos esfrega que no final me deixaram molhadinha, mas não sei como devo reagir agora será que eu volto a ter nojo dele pelo fato dele ser uma criança, pensando bem eu não tenho mais nojo dele.

Eu queria ele aqui agora pra repetir a dose de ontem, não seria nada mau. DROGA, CLARO QUE SERIA MAU ELE É MEU IRMÃOZINHO.

Ate onde eu sei irmãs não podem catar irmãos ou podem se for escondido? Ninguém vai saber mesmo, então posso considerar como um "Sim"

– Tem uma pessoa que pode me dar uma resposta melhor do que meu subconsciente pervertido.- Peguei meu celular em baixo do travesseiro e mandei uma mensagem de texto pra Elaine pelo "Nanatsu Chat"

                  (Nanatsu Chat)
                            (On)

 
#Liz Baby: Oi vaca.

#Elaine Fada123: Fala pirua.

#Liz Baby: Eu queria ter uma conversa com você... Hum, tirar algumas duvidas.

#Elaine Fada123: Não vou sair da cama nem a pau no dia da preguiça.

#Liz Baby: Então vai aqui mesmo, é meio complicado, sabe espero que não pense merda.

#Elaine Fada123: Fala Logo porra.

#Liz Baby: Você tem um irmão, neh.

#Elaine Fada123: Sim, o King cuzão, por que?.

#Liz Baby: Vocês... Vocês já se pegaram.

#Elaine Fada123: Sim, todos os dias quase.

#Liz Baby: Ai meu deus sério?.

#Elaine Fada123: Sim, hoje eu peguei ele e dei uns tapa porque mexeu nas minhas coisas, ontem também peguei ele e joguei pela janela porque tava dando encima da Diane.

#Liz Baby: O-O não é pegar de bate, é pega de pega mesmo... Sabe.

#Elaine Fada123: Que nojo lógico que não, por que ta me perguntando isso?

#Liz Baby: Ah, nada só curiosidade.

#Elaine Fada123: Elizabeth se for oque eu estou pensando, juro que vou ai e te dou uma surra.

#Liz Baby: AAAA EU NÃO PEGUEI MEU IRMÃOZINHO DE 13 ANOS!!!! NÃO LIGA PRA POLÍCIA, TCHAU.

                   (Nanatsu Chat)
                            (Off)

Droga... Eu já mencionei que sou uma pessoa que consegue guardar segredo MUITO bem? Pois é, Elaine nem desconfiou.

Mentira, eu não sei guardar porra nenhuma, sou uma desastrada em tudo nessa merda de vida.

To fundida.

 

                       [Autora]

O loirinho entrou no quarto rosado da prateada sem bater, ele carregava uma bandeja com café da manhã toda decorada com frutas e uma florzinha branca no jarro pequena.

Elizabeth se encontrava com o rosto enfiado no travesseiro enrolada no Edredom roxo.

– Ellie...

A voz do garoto fez ela desperta e se levantar se sentando na cama... Ela soltou um sorriso de lado ao ver o loirinho de pijama azul com pantufas fofas segurando a bandeja.

– Ai que coisa linda.- Ela pegou a bandeja e colocou no colo, Meliodas se sentou ao lado dela na cama.– Foi você que fez?.

– Uhum.

– A mamãe deixou você entrar na cozinha?.- Ela riu encarando os olhos do menor enquanto pegava uma fruta.

– Ela não precisa saber.

– Garoto esperto, não vai comer comigo?.- Ela apontou para a bandeja e ele respondeu com um sorriso pegando uma torrado.– Hey só não vai esfarelar torrada na minha cama.

– Relaxa.

Elizabeth suspira e pega o copo com suco dando um gole.

– Crianças são tão desajeitadas comendo que da ate raiva.- Disse ela com firmeza nos olhos e no mesmo estante em que ela coloca o copo novamente na bandeja o copo escorrega e esparrama o líquido manchando o lençol da cama.

– Percebi.- Respondeu ele segurando pra não rir da situação enquanto mastigava a torrada.

– Palhaço.- Ela rosnou e chupou os dedos que estavam molhados de suco, sua lingua tocava de modo explícito as pontas dos dedos, ele mordeu os lábios vendo a cena.– O que foi?.- Ela perguntou confusa reparando na maneira estranha que ele começou a olha-la.

O loiro revirou os olhos.

– Nada, continua...

Em outro lugar se encontrava os pais dos garotos observando os dois pela pequena abertura da porta, eles prestavam atenção em cada movimento dos dois, enquanto ambos passavam o momento sozinhos tomando café no quarto.

– Parece que eles estão se dando muito bem, não acha?.- Disse a mãe com brilho nos olhos.

– Sim, ele realmente faz bem a Elizabeth no inicio era só uma questão de tempo ate ela se acustumar com ele.- Disse o pai de forma orgulhosa, também contente igual a mãe.

– É nós fizemos a escolha certa. Ontem os dois estavam conversando tão bem que não pude acreditar, eles ficaram brincando ate adormecerem no tapete do quarto da Elizabeth.- A mãe continuou sorrindo dessa vez vendo Meliodas dar uma uva na boca da prateada e logo em seguida eles riram juntos, ambos coravam intensamente depois do ato.

– É são melhores amigos.- Disse o pai puxando a mão da esposa.– Vem, vamos deixo-los um pouco.

      [2 horas depois]

                  (Pov.Meliodas)

Parece que Elizabeth é mais doida do que eu imaginava, ele criou um calendário próprio e colou na porta de geladeira. Em todos os sábados ela batizou de "Dia da preguiça" onde ela nem da cama saí, a não ser pra ir no banheiro que ficava do quarto dela mesmo.

Imaginei que ela com fome já que são mais de dez horas da manhã e ela não comeu nada... Eu deveria me preocupar com isso? Não sei, mas confesso que estou.

Levei o café da manhã pra ela, pelo jeito ela é um horror ate comendo e ainda por cima dando lição de moral, segurei a risada quando ela derramou todo o suco na cama, e segurei também a vontade de agarra-la ali mesmo enquanto chupava os dedos.

Ela só pode ta querendo me provocar! Não é possível ela ser desastrada e ao mesmo tempo tão... Sedutora.

– Ta vai vamos jogar um joguinho rápido, eu faço perguntas aleatórias e você me fala a primeira coisa que vem na sua cabeça.- Disse ela encostada no travesseiro, eu concordei deitando a cabeça em seu colo.– Hum... Medo?.- Perguntou.

– Não tenho.

– Um sonho?

– Morrer.

Pude ver ela arregalando os olhos, mas logo ignora.

– Uma qualidade?.

– Matar.

– Uma frustração?.

– Ficar preso.

– Um objetivo.

– Fugir.

– Um paixão?

Tentei buscar a resposta, mas tudo que me veio na cabeça foi a primeira vez que eu vi essa garota estranha de cabelo branco. Balancei a cabeça e respondi.

– Não tenho.

– Um objeto?.

– Uma espada.

– Um sentimento?

– Ódio.

– Um desejo?

– Vingança.

– Ok sua vez, você pergunta e eu respondo.- Ela me encarou e sorriu passando a mão nos fios de cabelo que caia no meu rosto.– Você é esquisito, hein.

– Um desejo?.- Perguntei.

– Não posso falar.

– Um vicio?.

– Nutella.

– Um sentimento?.- Percebi ela ocultando o rosto com a franja corando um pouco.

– Paixão.- Respondeu.

– Um objeto?.

– Ser Livre e aproveitar o maximo possível sem interrupções e pais me segurando.- Disse fechando os olhos como se pudesse sentir alguma brisa invisível, perdendo totalmente o rumo do jogo.

– Posso continuar?.

– Ah! Desculpa... Continua.

– Uma satisfação?.

– Diane.

– Quem é essa?.- Por que ela teria uma satisfação com nome de garota? E por que uma alguem teria uma satisfação com nome de uma pessoa?.

– Calma é minha amiga.

– Isso não faz sentido.- Resmunguei.

– As suas também não fizeram nenhum pouco de sentido e eu nenhuma vez  questionei.- deu um leve tapa na minha testa.

– Ela te satisfaz em que?.

– Bebê isso não é da sua conta.

– Ah! Onee-san que chato vamos fazer uma coisa mais divertida.- Puxei o cabelo dela fazendo, seu rosto chegar mais perto do meu ao ponto de nossa respiração se encontra.

– Tipo o que?.

– S.A.T.I.S.F.A.Ç.Ã.O

               

 

 

 

                     [Em outro lugar]

Uma mesa rodeada de homens importante s que serviam o governo do reino unido estavam em uma reunião com vários agentes segretos especializados, o líder se pos a frente de todos e pegou um microfone pequeno.

– Bom cavalheiros..peru um tempo atrás antes da nova lei a uns trinta a vinte anos atrás, havia um controle testes secreto em uma ilha fazendo fronteira com o peru, uma ilha totalmente desconhecida pelo mapa de hoje, lá era trasportados crianças recém-nascidas para testes horrendos com vários produtos químicos, poucos tinham a sorte de sobreviver depois várias substâncias químicas desconhecidas enjeitadas no sangue. As crianças que tiveram a sorte da vida, ganharam habilidades extraordinárias... O objetivo disso tudo era criar meta-humanos! Sim mutantes.

Todos na sala pareciam assustados, o homem arrumou a gravata e apontou para os agentes.

– Com o passar do tempo essas crianças se tornaram um problema para a sociedade, se infiltrando-se em varias casas como pessoas normais e depois cometendo barbaridades por não conseguir controlar as habilidades mortais... Por isso estamos aqui, para caçar essas pessoas e tranca-las em um lugar longe da sociedade... Por isso temos os caçadores de DEMÔNIOS!!!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"Tenho andado sem tempo
Algumas mulheres ao meu lado
Pecando na minha mente e bebendo vinho tinto
Estou sentado aqui por eras
Arrancando as páginas
Como eu fiquei tão acabado, como fiquei tão acabado

Oh, não, não me deixe sozinho agora
Se você me amava como nunca aprendeu a amar
Oh, a cor vermelha em meus olhos
Uma ou duas poderia libertar minha mente

É assim que termina
Sinto os produtos químicos queimarem em minha corrente sanguínea
Desfalecendo de novo
Sinto os produtos químicos queimarem em minha corrente sanguínea
Então me avise quando fizer efeito
Bem, me avise quando fizer efeito
Me avise quando fizer efeito"

                

 


Notas Finais


Hummmm Será que Meliodas é mesmo o ladrão criminoso que todos diziam no jornal?
Será?

Pensem bem... No anime todos também acham que ele era um criminoso mesmo sendo inocente.

Hahahaha reflitam e comente. 3


Titulo do próximo capítulo: "Os anjos tinham cabelos prateados"


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...