História Opostos: One-shots de Miraculous - Capítulo 6


Escrita por: ~

Visualizações 177
Palavras 1.048
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Fantasia, Ficção, Hentai, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Essa fanfic está mais para uma experiencia de escrita 📝, então opiniões serão bem-vindas😉!!!

Boa Leitura!📖

Capítulo 6 - Capítulo Único - Je t'aime


Fanfic / Fanfiction Opostos: One-shots de Miraculous - Capítulo 6 - Capítulo Único - Je t'aime

Cheguei em casa, exausta, fui para o banho, lavei meu cabelo e vesti uma camiseta comprida que me servia de camisola. Sentei na minha cadeira e vi Tikki dormindo entre os travesseiras do divã, subi o olhar, vi a janela redonda, lembrei da noite que ele entrou aqui, com os olhos faiscantes, com aquele sorriso debochado.

Desde então quase todas as noites ele tem me visitado, sempre com um humor diferente, sempre com as mesmas piadinhas idiotas... Mas já faz dois meses que ele não me visita... Será que aconteceu algo? Estou preocupada. Me encolho na cadeira, sentindo um vento frio entrar no meu quarto, vejo que o alçapão está aberto.

Subi as escadas afim de fecha-lo, quando de repente a luz apaga e eu dou um suspiro de susto.

- Um apagão?-Penso alto. Sinto uma mão de couro segurar a minha cintura, estava prestes a gritar quando outra mão tapou minha boca.

- Ei, Princesa, não vai querer acordar todo mundo?- Me acalmei ao ouvir que era a voz de dele.

- Chat! Onde você...

- Princesa, quero dizer, My Lady.- Arregalei os olhos, como ele sabe? Me puxou para sentarmos na cama, e ainda com o braço envolto na minha cintura, eu podia sentir a sua respiração no meu pescoço, hoje ele estava sério.- Sim, eu sei que você é a Ladybug, descobri isso a dois meses.- Por isso não vinha me visitar Chat?- Demorei um tempo para assimilar tudo. Como a joaninha que me apaixonei era a mesma menina que eu admirava? Depois percebi que fui cego e burro, as semelhanças, a mesma bondade, o mesmo caráter, a solidariedade, além dos cabelos negros azulados, os olhos azuis, a pele branca, e, é claro, o mesmo sorriso encantador. Aí eu percebi que estava feliz e ainda mais apaixonado por você.

- Chat eu...

- Mas eu sei, você já tinha me dito que estava apaixonada por um menino da sua sala.

- Chat...

- Eu não quero que você fique em dúvida por minha causa.

- Chat...

- Mas eu tinha que falar que te amo Marinette, amo tudo em você.

- Chat...

- E também tem o fato de eu só conseguir ser eu mesmo com a máscara.

- Chat...

- Você com certeza ira se decepcionar quando encontrar o que tem por baixo dessa máscara.

- Chat!- Me virei para ele e coloquei as mãos no seu rosto.- Sim! Eu era apaixonada por um menino da minha sala, até que um dia um gato entrou na minha janela, ele veio com brincadeiras, mas logo se mostrou alguém gentil, sim eu ainda gosto do garoto da sala, mas toda vez que me deparo um esse gato preto, meus sentimentos ficam em dúvida, ou melhor, ficam entregues a esse gato, e eu só me dei conta disso depois de você ficar longe. Então decidi dar chance a esse sentimento. Quanto ao que tem debaixo dessa máscara... Eu não me importo, conheço quem é você de verdade, e sei que, não vai ser uma decepção, porque confio em você, porque eu o ama Chat, e quero dar uma chance para o que temos.

Estávamos tão felizes que não demorou muito para expressarmos nossos sentimentos em forma de carinho, o que era simples afagadas no rosto se tornaram abraços calorosos, que se tornou um beijo, dois beijos. Quando dei por mim, nossa mãos e bocas estavam explorando cada canto dos nossos corpos.

E assim que ficávamos ofegantes nos separávamos e logo voltávamos com os amassos. Chat já estava quase tirando minha camiseta.

- Mari, você quer isso? Porque se eu continuar, vai ser difícil parar.

- Quero!- O puxei para baixo, agora estávamos deitados na cama.

Continuamos nos beijando de forma tão intensa, que precisei empurra-lo para respirar. Quando fiz isso Chat finalmente tirou minha camiseta e começou a dar chupões no meu pescoço.

Eu comecei a gemer baixinho, o que o fez intensificar os beijos, e percebi que o gato estava todo atrapalhado tentando tirar meu sutiã, ri daquela situação, sentei na cama, para ajudá-lo, mas logo fui levada a deitar por ele, que agora estava mordiscando e beijando meus seios.

- Ah... Chat...- Disse entre gemidos.

- M'Lady.- Ele respondeu ofegante e nem me olhou, continuou a beijar o meu peito.

- Chat...- Dessa vez o conduzi com a mão para perto do meu rosto e vermelha disse.- Minha vez.

O apalpei, senti que já estava excitado, fazendo-o gemer de leve, subi a mão, e peguei em seu sino, e desci novamente, mostrando o peitoral bem definido dele. Em um giro, fiquei por cima, agora podia beija-lo, e assim o fiz, tirando quase toda parte de cima do macacão dele.

- Espera!- Ele disse.

- O que?

- Eles não precisar ver, nem sentir isso.- Apontou para o anel, tinha razão, isso seria muito constrangedor.

Tirei meus brincos e os coloquei na prateleira em cima da cama. Chat respirou fundo e com receio tirou o anel... Eu, não acredito! É Adrien, eu só podia estar em um sonho! Eu não precisava mais esquecer ele, isso só me fez amá-lo mais.

- Tenho certeza que não esperava... Desculpe Mari.- Essa não, eu estava chorando, e ele interpretou mal esse choro.

- Não.- O abracei forte.- Estou mais feliz ainda, pôs você é por quem me apaixonei, naquele dia de chuva.

Nossa felicidade não podia ser dita, apenas mostrada. Outro giro na cama, agora ele estava encima de mim, ambos nus, e beijávamos ferozmente. Senti algo entre as minhas coxas.

- Adrien...- Gemia.- Seja gentil.- Ele só assentiu com a cabeça.

Eu estava pronta para recebê-lo, senti uma dor que logo se transformou em prazer. E esses meus gemidos de dor e prazer foram abafados pela boca de Adrien que também estava gemendo. Logo tudo era somente prazer e doçura de um amor jovem, eu e ele estávamos uma sintonia de desejos.

Eu podia senti-lo, pulsando, enquanto suas mãos apalpavam meu corpo e sua boca deixava marcas no meu pescoço e abafava os gemidos. Estávamos em êxtase. Quando tudo terminou, nos sentíamos mais próximos e ao mesmo tempo exaustos.

Deitados, Adrien acariciava meus cabelos, enquanto me aconchegava em seu peito.

- Je t'aime, My Princess, My Lady.

- Je t'aime, My Prince, My Chaton.

E ali adormecemos.

-FIM-



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...