História Opposite - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens D.O, J-hope, Jimin, Jin, Kai, Suga
Tags Jihope, Mistério, Yaoi
Exibições 79
Palavras 1.357
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Mistério, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Quem é vivo sempre aparece não é mesmo.~Le ajoelha
Peço perdão pela demora, mas estou estudando até não aguentar mais para as provas do Sesi, espero que entendam
Como vcs estão depois desses tiros? Monsta, Bts, Got7, Shinee, Pentagon, solo do Lay, eu não tô nem um pouco bem
Quero dizer que esse capitulo e o próximo não vão ter ligação, esse é do Jimin, o próximo do J-Hope, pra vcs conhecerem um pouco os personagens e tals.
QUERO AGRADECER MUITO A MINHA NAMORADA POR ME AJUDAR E ME INCENTIVAR, sem ela acho que esse capitulo iria estar pior.
Peço-lhes perdão por esse lemon ridiculo, juro que tentarei melhorar.
Sem mais delongas, boa leitura

Capítulo 2 - Largado


Fanfic / Fanfiction Opposite - Capítulo 2 - Largado

Mais uma noite de sexta chegou e Jimin iria encontrar seu amor. Tudo sempre fora planejado, depois do sino tocar eles sairiam de suas casas e se encontrariam em um parque para de verem. Tudo sempre ocorrera bem, ninguém nunca desconfiou do romance dos dois garotos e eles sabiam o perigo se caso ouvesse alguma desconfiança.  Jimin conhecia seus pais e sabia que se eles soubessem que seu filho exemplar herdeiro da empresa fosse gay seria o fim, uma família tão centrada não poderia aceitar qualquer coisa fora do normal classificado pela humanidade, não que ser gay fosse uma coisa anormal, mas para sua família sim.

Como toda sexta-feira, classificado o dia do casal, eles se encontraram no parque a poucas quadras da mansão de Jimin, para ele era sempre fácil sair, com ₩50.000 qualquer funcionário ficava de bico calado, mas para seu namorado nem tanto, como era de família humilde, morava em um apartamento junto com seu pai e seu irmão e seu quarto era no fim do corredor, por isso tinha q sair de fininho e de vez em quando chegava atrasado para encontrar Jimin.

Sempre que saia pensava: "Ah como Jimin é  ingênuo, ainda não percebeu que eu o uso".

E Jimin realmente nunca percebera quando era usado, era um garoto realmente ingênuo, não via maldade em nada e em ninguém e nunca percebia quando era usado, nunca aprendeu a amar por sua família e então sempre que alguém dizia que o amava o mesmo de entregava de corpo e alma.

Jimin como sempre o esperava balançando em um dos balanços como uma criança, o pequeno não teve uma vida de uma criança comum, sempre fora preparado para comandar a empresa de seu pai e sempre se manteve preso dentro de sua casa ao redor de luxo e cuidado, então quando descobriu a liberdade fez tudo errado. Assim que teve idade para entrar em boates saia toda noite escondido e chegava bêbado ao ponto de não aguentar ficar mais em pé, o resultado vinha no dia seguinte, acordava com uma dor de cabeça insuportável e se lembrava de tudo que fizera na noite anterior.

Perdido em seus pensamentos sentiu uma mão quente em seu ombro, quando virou para trás viu o seu namorado o olhando como uma cobra olha sua presa antes de ataca-lá, Jimin nunca entendera o porquê daquele olhar tão profundo e faminto, mas ele sim, ele só queria foder com Jimin até arrumar um emprego na empresa do pai do menor e isso estava quase acontecendo, pois Jimin fazia tudo que seu amado pedia como um cachorrinho. O maior fiocu na frente de Jimin, o puxou para perto de seu corpo e o beijou com voracidade, assim que Jimin conseguiu tirar sua boca daquele beijo intenso, o olhou nos olhos e sorriu ingênuo.

- Hey, hey, calminha, isso tudo é saudade?

- Sim Jiminie.

- Você realmente sentiu a minha falta?

- Claro meu bem, você faz muita falta – mentiu.

- Também senti sua falta amor. Mas mudando de assunto, você comeu algo agora a noite?

- Não.

- Aigo, como assim não comeu? Vamos comprar algo.

- Mas eu nem trouxe dinheiro Jimin.

- Não tem problema, eu pago hyung.

- Jimin, não precisa gastar seu dinheiro comigo.

- Mas eu também estou com fome, vamos.

- Você não existe Jimin – disse selando seus lábios em um beijo calmo e rápido.

Assim que saíram do parque colocaram as máscaras e tomaram uma certa distância um do outro, não queriam ser reconhecidos e nem vistos como namorados na rua, isso poderia causar vários tumultos na vida de Jimin.

Chegando na loja de conveniência mais próxima foram para a seção aonde ficam os lámem, pegaram um para cada, pagaram e foram no micro-ondas no fundo da loja para preparar. Jimin antes de se relacionar com aquele hyung nunca tinha comido lámem, como seus antigos companheiros sempre foram de classes mais altas, eles se encontravam em um dos apartamentos de Jimin e simplesmente pedia comidas caras, mas mesmo aquele gostando de dinheiro, não gostava do luxo que Jimin poderia proporcionar, preferia encontrar o menor às escondidas naquele parque dentro de uma barraca, para ele trazia mais emoção.

Depois que o lámem ficou pronto os dois seguiram o caminho de volta para o parque, aonde comeriam sentado em um dos bancos, montariam a barraca e ali ficariam até o amanhecer.

 

(***)

 

O mais novo rebolava em cima do membro do maior com uma maestria inacreditável, de vez em quando cavalgando, sempre gemendo rouco o nome do mesmo. Seu namorado gemia o nome de Jimin em um tom alto, sem se importar se alguém ia ouvir, pois dentro daquela barraca a única coisa que importava era o prazer.

Assim que o maior viu que Jimin estava ficando cansado de tanto cavalgar trocou de posição ficando encima do menor e investindo em entocadas fortes e beijos em suas costas, enquanto Jimin deixava marcas em suas costas largas e brancas.

Jimin adorava aquelas noites de sexo e prazer intenso, para ele não tinha nada melhor e seu parceiro aproveitava, sabia que Jimin era bom na cama e sempre que se encontravam, transavam sem piedade.

Jimin sentia um grande incômodo por causa da camisinha e sua vontade era parar tudo, tirar e voltar, mas seu parceiro era muito certinho e não queria que seu Jiminie pegasse alguma doença, Jimin então simplesmente concordava, sabia que o maior estava o protegendo.

Saindo de seus pensamentos, Jimin pegou a mão de seu parceiro e colocou em seu membro já esquecido, o maior o masturbou com uma agilidade enorme, assim que Jimin estava chegando a seu limite, parou e investiu mais na entocadas rápidas e ágeis, querendo chegar ao ápice junto ao seu parceiro. Logo depois que Jimin chegou ao seu ponto o seu parceiro soltou o jato dentro da camisinha, já caindo deitado tentando recuperar o fôlego. Tirou a camisinha, a amarrou e jogou no canto da barraca para assim que levantasse a jogasse fora.

 

(***)

 

3 sextas se passaram e Jimin não teve noticia de seu namorado, não respondia as mensagens, não atendia as ligações, absolutamente nada. Jimin já sabia o que tinha acontecido, seu amor tinha o deixado para ficar com um melhor. Ele se sentia mal, se sentia culpado, então pegou aquela mesma barraca, colocou em sua mochila e foi para o mesmo parque.

Antes de ir ao parque, passou na mesma loja de conveniência, comprou um lámem e uma garrafa de whisky e seguiu o caminho para o parque.

 

(***)

 

Jimin já tinha comido o lámem e bebido metade da garrafa, estava chorando abraçado com uma camisa que o mesmo tinha deixado com ele meses atrás, olhava as estrelas pelo visor e assim adormeceu.

***Seu coração estava acelerando cada vez mais, a respiração falha, a cabeça rodava, os olhos iam de um lado para o outro. Pensou o pior, sabia que iria morrer, mas não ali, não olhando as estrelas, não sendo morto pelo seu amor, não no dia do casal, e chorou sentindo aquelas mãos, que várias vezes já fez caricias em seu rosto, pegando um punhal e o preparando para mata-lo, começou a chorar, não sabia mais o que fazer a não ser chorar, não sabia o porque seria morto, então perguntou: “Hyung, por que irá me matar?” “Porque você não fez o necessário, não me deu prazer o suficiente, não me deu dinheiro o suficiente, não me arrumou um emprego, você merece morrer por isso e isso que irei fazer agora.” Ele pegou o punhal, o posicionou em cima de seu coração e aperou...***

Jimin acordou desesperado com a mão aonde o punhal havia tocado, estava assustado e com frio, não sabia aonde estava, só que estava com uma dor de cabeça enorme, já estava quase amanhecendo e sabia que se não voltasse para a casa imediatamente seria pego pelos pais e teria que contar aonde estava. Levantou rapidamente, se sentindo muito tonto, saiu da barrada, a desmontou, colocou na mochila e seguiu para casa o mais rápido que pôde, não queria ser visto por ninguém.


Notas Finais


Olha só, coloquei um nome mais decente na fanfic, gostaram?
Juro que tentarei atualizar toda semana, ou até com um prazo menor, tudo vai depender da minha criatividade, fiquem bem e até a próxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...