História Opposites - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction, Zayn Malik
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Chloe Grace Moretz, Gemêas, Opposites, Revelaçoes
Visualizações 56
Palavras 2.588
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Luta, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Pessoal!!
A gente alcançou 110 favoritos <333 Ai meu coração! Felicidade, muita felicidade, alegria, um sorriso no rosto.
Um coração azul para todo mundo. ( obs: Minha cor favorita é azul) haushaush
Obrigada, agradeço a todos, os favoritos e quem comentam. Vocês que me cativam cada vez mais!

Mais um capitulo para vocês!
Desculpa, por qualquer erro ortográfico.

Capítulo 9 - Suspension


 

Observava atentamente cada uma daquelas garotas que corria pelo campo. Suando, fedendo pra caralho, e ainda, usavam aquele uniforme horrível molhando o corpo. Não, definitivamente eu nunca prestei para esportes.

Admiro os atletas, mas para mim, Carrie Edwards Junior, definitivamente, praticar esporte, nunca foi e nunca será a minha área.

Qual era a vantagem de ficar correndo atrás de uma miséria bola? Poupe-me, tinha coisas melhores para fazer na vida. E uma delas com certeza seria: Maratonar todas as temporadas de How I Met Your Mother, comendo aqueles enormes potes de sorvete  que tinha na geladeira de casa. 

Só de lembrar lambuzando-me dos potes de sorvete, me dava uma fome. E logo que foi sair dali, com certeza iria direto para a casa e comeria as deliciosas comidas de minha mãe.

Ainda olhando para o campo, acabei vendo o treinador Downey, correndo em minha direção. Já que, eu, estava na arquibancada sentada a espera dele.  O cabelo castanho do treinador estava molhado e colado no rosto, vestia roupas de ginastica, um boné azul na cabeça e ainda um apito ao redor do pescoço.

–Queria falar comigo Srta. Edwards? – Foi logo se sentando ao meu lado e encarando suas alunas, jogando futebol no campo.

–Sim, treinador. –Respondi. –Vou ser direta. Um dos seus alunos, do time masculino da escola veio falar comigo...

–Louis Tomlinson. –Interrompeu-me.

–Sim. –Assenti. –Acho que não será necessário ele me ajudar. –O encarei. – Pretendo melhorar. –Vi ele suspirar impaciente. –Treinador olha...

–Srta. Edwards estou cansado de suas desculpas. Não vem novamente, me dizer que pretende fazer apenas os trabalhos acadêmicos de um determinado esporte. Esse semestre pretendo fazer diferentes planos. E apenas Louis e Niall Horan ficaram dispostos a te ajudar.

– Niall?

–Sim. Mas, Louis insistia cada vez mais. –Aquilo não fazia sentido para mim. Louis? Desde quando Louis insistia em me ajudar em alguma coisa? Com certeza ele estava querendo algo em troca. –Vou fazer uma prova apenas à senhorita; tanto pratica e teórica. –Bufei irritada, não ficando nem um pouco satisfeita pelo rumo que aquela conversa estava dando. Aqueles não foram meus planos. –Não me olha desse jeito. Está decidido: Louis Tomlinson vai te ajudar e sua prova será marcado daqui duas semanas.

“Sei que não gosta de educação física, mas você nem a menos se esforça nas minhas aulas. Vou te dar todas as informações de como será as duas provas.”

Assim, seguido, o treinador levanta da arquibancada e assopra aquele apito.

Louis Tomlinson, novamente, aparecendo aonde não era chamado. Estragando todos os meus planos. Quem ele pensa que é? Além de minha mãe ter aceitado, o treinador, também. Qual foi a macumba que ele fez? Por que Senhor? Isso era algum tipo de castigo?

Irritadíssima, peguei a minha mochila brutalmente fui  entrando a dentro da escola, andando por aqueles corredores vazios. No momento que apareci na frente de uma máquina de lanches, tirei dois dólares da mochila querendo comprar uma barra de chocolate. Infelizmente, para piorar o meu humor aquele maldito pacote não caia. Com a mão bati naquela máquina estupida, entretanto não passava de uma atitude idiota de minha parte.

–Quer ajuda? –Olhei para trás assustada. Então, encarei um lindo garoto de olhos castanhos. Malik. Sorri para ele e assenti. Zayn foi até a máquina e com as duas mãos ficou chacoalhando. Assim, a barra caiu e ele pegou.

–Obrigada. –Agradeci, enquanto ele me entregava à mim. –O que está fazendo aqui? Não deveria estar na aula?

–Sim. –Respondeu colocando dinheiro na máquina. –Mas, estou de suspensão.

–O que você fez? –Perguntei curiosa. Porém, percebi que a pergunta soou ridícula. Um dos olhos de Zayn estava roxo, deduzi que, ele mesmo, tinha entrado numa briga.

–Briguei com um cara. –Respondeu, pegando um saquinho de Doritos. –Ele falou coisas ruins de uma pessoa que gosto muito. –“Pessoas que gosto muito” aquela frase rodeou por um tempo na minha cabeça. Não queria confessar, mas senti um pequeno ciúmes dessa tal pessoa misteriosa, de que meu amigo esteja gostando. 

Minha vontade foi perguntar quem era, entretanto, estava conversando com o Zayn foda Malik, ele adorava um drama e suspense, deixando as pessoas curiosas. Por fim, não adiantaria perguntar.

–Bem, vou indo. Te vejo amanhã. –Ele estava prestes a sair perto de mim...

–Posso de acompanhar? –Perguntei. Fiquei até um pouco surpresa com a minha própria atitude.

Os olhos castanhos de Zayn, me encarava de baixo para cima. O que por um certo momento, senti minhas pernas ficarem bambas. Suspirei pesadamente e ele, por fim, sorriu, mostrando aqueles dentes perfeitamente brancos.

–Tudo bem. –Assentiu. Abti a embalagem do chocolate e fui comendo. –Sabe, Carrie ainda não desisti da ideia do boliche, podemos marcar amanhã à noite, você, Niall e eu.

–Eu adoraria. –Ele sorriu. –Mas, é o aniversário de Noah, meu irmão caçula amanhã. Ele vai completar quatro anos e minha mãe pretende fazer uma festa de criança a noite.  Niall vai, você pode ir! –Falei um pouco nervosa.

–Você realmente está me convidando para uma festa de criança? –Perguntou ainda rindo. Forcei um sorrindo, mesmo ficando um pouco desconfortável. –Ok, eu vou. Me manda mensagem a hora da festa.

Achei que Zayn iria recusar. Fiquei feliz quando vi que ele fez o oposto do que pensei. 

Ainda o acompanhava até a sala de detenção. E assim que chegamos na porta, ele se despediu de mim me dando um beijo na bochecha. Abriu a porta e foi logo se sentando em um dos lugares vagos. Lamentavelmente, meu sorriso de desfez na hora que vi, “ele” entre outros quatros. Louis. Seus olhos azuis me fitaram com um olhar raivoso, como se a qualquer momento estivesse pronto pra me matar. 

Respirei pesadamente, quando vi o lado esquerdo do olho dele, as orbitas daquele olhar ameaçador de Tomlinson, estavam roxas. Além de alguns curativos. Ao me encarar, ele escreveu alguma coisa no papel em branco do caderno e depois mostrou para mim e o dedo do meio: “Eu sei a verdade”. Merda! Merda! Merda! Já disse merda? Merda!

Sai dos meus pensamentos, quando ouvi o sinal e um garota gótica apareceu em minha frente, me encarando.

–Também está de suspensão? – Perguntou e apenas neguei com a cabeça.

Ela fechou a porta e fui caminhando na direção do portão da escola, ainda atordoada, incomodada, surpresa e... Medo. Como Louis descobriu?

Como? Como? Nenhuma resposta via à nota. O que explica aquele olho roxo? Aquilo tem haver por ter descoberto? Oh, Deus! Eu só faço merda, uma atrás da outra.

Fui na direção do carro de Niall, entretanto ele  não estava entrando, ou colocando a mochila a dentro. O que de mim, rendeu um olhar curioso. Niall fechou o carro, ainda com a mochila nas costas e todo mal humorado.

–Vamos? –Perguntei baixo, um pouco desconfiada.

–Eu vou embora mais tarde. –Levantei uma das sobrancelhas. –Estou de suspensão, por uma semana.

–Você também? –Acabei falando alto. –O que está acontecendo? Fiquei sabendo há pouco tempo que Zayn está de suspensão. Vi Louis lá, todo machucado, me encarando com um olhar ameaçador. E agora, você. Mas que porra Horan! Eu odeio isso. Você sabe disso: Odeio ser a ultima a saber das coisas. Conta, caralho! –Estourei. Algumas pessoas que estavam indo embora, pararam um instante me encarando assustados.

–Uma hora, você acabaria descobrindo de qualquer jeito. –Disse passando por mim, direcionando até o portão, voltando para dentro.

–Descobrir o que? –Coloquei minha mão no ombro dele, o impedindo de dar qualquer passo para distanciar de mim. –Fala logo porra!

–Louis descobriu a verdade. –Ele foi direto, cruzei o meu braço. Me diz algo que não saiba Niall.

–Isso eu soube. –Niall levantou uma das sobrancelhas, parecia surpreso. –Estava acompanhando Zayn até a sala de suspensão. Louis estava lá e escreveu em um papel que tinha descoberto. –       Meu amigo me encarava atento. –Agora, como. Como ele descobriu?

Niall suspirou pesadamente. Olhou para a tela do celular e depois desviou para mim.

–Liam. –Respondeu. Minha raiva aumentou cada vez mais. Aquele moleque, se intrometendo aonde não era chamado. –No dia em que nós fomos “acabar” o encontro de Louis e de Clarisse. Esquecemos que ele estava lá. O filho da puta assim que descobriu o que fizemos com sua irmã, tirou uma foto de nós dois. Cinco dias seguidos, falou a verdade ao Louis. Hoje Louis veio começar uma discussão comigo, e Zayn, como estava andando ao meu lado ouvindo toda aquela baderna, foi para cima de  dele, então, ambas começaram a brigar no meio do corredor. O vice-diretor suspendeu nós três. 

Niall meio que fez um resumo de tudo. Não falei mais nada, estava surpresa.

 

Eu e Niall sabíamos que Louis e Zayn não se davam muito bem desde o inicio do énsino médio. Pelo que me lembro, eles eram muito amigos no ensino fundamental ( disse, Niall. Pois, eu tinha chego naquele colégio apenas no primeiro ano). Meu amigo me contou, que Zayn namorava uma garota chamada Raquel, uma ruiva de olhos castanhos, entretanto, parecia que numa festa ela estava acompanhada pelo Louis. Não tendo uma simples conversa, digamos de “amigos” os dois oram flagrados aos pegas. Assim que Zayn soube, começou uma discussão e uma briga de alagou. Todos viram.

 

No meio do ano seguinte, eu e Clarisse chegamos a uma nova escola. Estava na aula de artes plásticas, desenhando em uma tela branca, foi ai que conheci Horan, ele tinha ido elogiar meu trabalho. Como devem ter percebido, viramos amigos, e desde então, conversávamos assuntos aleatórios sobre a vida de cada um. Foi assim, que Niall acabou entrando na minha vida dramática. O irônico, é que quando Niall foi pela terceira vez em minha casa, Clarisse chegou toda animada falando que tinha uma “ótima” notícia. Ótimo porra nenhuma. Nesse dia que conheci Louis. Clarisse tinha o apresentado a família, como seu namorado. Naquele ano não o conhecia, como cunhada fui simpática e o tentei conhece-lo melhor. Infelizmente, o conhecer melhor foi a pior coisa que fiz. Com o tempo ele se mostrou o seu verdadeiro caráter. Um garoto rude e orgulhoso, chego de ego. A minha raiva aumentava à cada momento, por ele. 

–Tenho que ir. –Olhei para Niall. –Estou dez minutos atrasado. –Apenas assenti com a cabeça.

–Niall, pera. –O chamei mais uma vez e ele se virou. –Onde o Liam mora? –Perguntei. 

 

(...)

 

Toquei na campainha de uma enorme casa. Ela era muito bonita; uma tintura branca, duas arvores pela frente e um gramado. A porta à frente fora aberta, então, meu olhar se debateu com de uma mulher mais velha. Loira de olhos castanhos.

–É... Aqui mora Liam Payne? –Perguntei um pouco tímida.  A mulher em seguida, deu um sorriso fraco.

–O que você é dele?

–Amiga da escola. –Menti. Eu não era nada de Liam, mas queria resolver alguns assuntos pendentes com aquele filho de uma puta.

–Desculpa, informa-la. Mas, Liam não está nesse instante em casa. –Respondeu. A mulher usava uma calça jequi cinza, assim, como a camisa e uma blusa preta por cima. –Quanta falsa de educação a minha. Qual é o seu nome querida? 

–Carrie.

–Sou Marie, mãe de Liam. –Sorriu para mim. –Meu filho nesse instante está na casa do meu namorado.

–Namorado?

–Sim. Está sendo complicado para mim e meu marido, não é tão fácil aceitar que o filho da gente... –Ela foi dizendo. Não podia estar mais que confusa. O que aquela mulher estava querendo dizer? –Esquece. –Disse, por fim. –Posso passar recado a Liam, que você esteve aqui.

–Não vai ser preciso. Poderia me passar o endereço onde ele está nesse instante? O que preciso conversar com ele é algo de extrema importância, e tem que ser com urgência. –Ela me encarou curiosa. Parecia que não iria ceder. –Por favor!

–Olha, eu não conheço a senhorita. Não devo fazer esse tipo de coisa, mas como é algo de extrema urgência vou passar o endereço. Espera por alguns minutos aqui fora. –Fechou a porta na minha cara, me assustando. Não tinha dado nem dois minutos, quando fora aberta novamente. – O endereço é esse. –Estendeu um pequeno papel branco, escrito com caneta azul. –Prazer em conhecê-la, Carrie.

–Obrigada.

Sai da frente e fui caminhando pelas ruas de Brooklyn. Foi enquanto andava de ônibus, senti o vibra do meu celular, peguei ele, que estava guardado no bolso da calça jeans e vi a foto de Niall. Desliguei a ligação e apenas enviei mensagens, pelo WhatsApp.

Eu: Oi

Eu: Fui na casa de Liam.

Niall: E ai? O que deu com esse fdp?

Eu: Ele não estava em casa.

Niall: Que bosta!

Eu: Qualquer coisa te aviso.

Desbloqueei a tela e biquei sentada até chegar a um lugar mais perto, do endereço anotado. Sai quando o ônibus parou num ponto, desci e caminhei por pequenos segundos. Até chegar ao endereço. Achei estranho um pouco o lugar. As paredes eram todas pixadas de desenhos coloridos, cada um dava um numero diferente: 325 e 327, e o que estava anotado no papel era 326. Fiquei observando, um tanto confusa. Mas que merda!

Enquanto observava o local, vi que no meio das duas paredes com números diferentes, alguém abrindo um pequeno portão barra de ferro e uma escada a cima. Fui até lá, abrindo e subindo uma escada. Olhei para trás e vi o telhado de algumas casas. Em seguida, desviei o olhar para onde estava, um enorme corredor, foi quando fui surpreendida, com uma mulher de cabelo curto moreno e de olhos puxados. Deduzi que fosse um japonês ou coreano, pois falava uma linga estranha e fazia referencias como se estivesse com raiva.

Apontava o tempo todo para mim, como se estivesse me expulsando.

Parecia um apartamento velho.

–Eu preciso falar com alguém. –Falei lentamente. E ela me olhou cruzando os braços. –Pode me dizer onde mora Liam Payne?

–Olha aqui pequena garota, minha descendia é japonesa, mas sou americana. Não precisava falar dessa maneira comigo.

–Oh! Me desculpa, não tive a intensão de ofende-la.

–Tudo bem. O que deseja pequena garota?

–Quero falar com Liam Payne.

–Conheço esse rapaz, mas ele não mora aqui.

–Sabe onde ele está?

–Sei sim. –Ela apontou um dedo a uma enorme porta de ferro extremamente pixada.

–Obrigada.

Agradeci e fui até a enorme porta. Olhando todos os cantos, para onde podia ficar a campainha, mas nada, por fim, resolvi bater minhas mãos. Tentando chamar atenção. Foi quando me surpreendi com a porta sendo aberta por um lado e encarei um rapaz, alto, tatuagens nos braços, cabelo castanho e olhos verdes.

Abri a minha boca, para dizer algo, mas o rapaz foi mais rápido.

–Eu te conheço? –Perguntou.

–Liam Payne? –Falei baixinho.

–LIAM! –Berrou, me assustando. –Tem uma garota aqui fora querendo falar com você. –Gritou olhando para dentro. –Entra.

O encarei de baixo para cima, ainda um pouco assustada.

Ele me deu passagem para entrar, suspirei e fui entrando dentro daquela casa. Havia vários quadros artísticos, potes de tintas abertas, vários jornais espalhados todos coloridos. A sala era junto com a cozinha, não tinha muita coisa.

O garoto pelo qual abriu a porta para mim, vestia um roupão, o próprio, foi atrás do balcão e abriu a geladeira tirando uma jarra de leite. Eu, observava cada movimento dele.

–Quem é Harry? –Olhei para trás e encarei Liam. Ao olhar para mim, ficou extremamente surpreso. E nós dois ficamos nos encarando por aqueles longos segundos, em silêncio.

Entretanto, deixamos de nos encarar, quando aquele garoto, pelo qual, se chamava Harry me tirou dos pensamentos.

–Eu em, que clima tenso.

–Harry, por que você deixou essa garota entrar? 


Notas Finais


Se alguém leu com atenção esse capitulo, quem percebeu uma referencia que eu botei ;)???

O Harry finalmenteee apareceu. Já estava mais que na hora, não é pessoal? Mas e ai gostaram? Odiaram? Amaram? Opiniões, quero saber da opiniões de vocês!! Deixem nos comentários!
Estou escrevendo uma nova, fic pessoa. Ela já é com o Harry Styles: https://spiritfanfics.com/historia/colors-9746490

Meu Twitter, me seguem lá: https://twitter.com/Carolin40111972

Recomendam a fic, com o Zayn Malik: https://spiritfanfics.com/historia/barbaridade-9969194


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...