História Orange Is The New Black - My Year in Litchfield - Capítulo 8


Escrita por: ~

Visualizações 43
Palavras 3.957
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Romance e Novela, Slash, Suspense, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 8 - The Chickening


Fanfic / Fanfiction Orange Is The New Black - My Year in Litchfield - Capítulo 8 - The Chickening

As manhãs de Domingo eram positivamente, as mais tranquilas na prisão, ninguém trabalhava, havia mais atividades para se fazer e a comida era sempre melhor que qualquer outro dia da semana. Niall percebeu aquilo com o pouco tempo que estava ali. Não poupou esforços para levantar cedo, cumprimentar Jason, tomar seu café da manhã e ligar para Demi antes que a fila do telefone ficasse enorme.

Resolveu pegar um de seus livros e preservar seu hábito de leitura no gramado da prisão, encostado em uma macieira que havia ali. Continuaria sua leitura calmamente e longe de confusões, se não visse uma galinha transitar bem ao seu lado.

Sim, uma galinha em uma prisão.

- Oh meu Deus! – Justin gemeu alto dessa vez, encostado no balcão da capela, enquanto sentava fortemente no membro do mais velho. O loiro cavalgava no colo de Liam e não poupava em dar gemidos altos na enorme capela da prisão.

- Isso! – Liam disse entre os gemidos de forma extremamente maliciosa – Venha para mim, Bieber! – Disse segurando nas coxas deste, que começou a se contorcer em seu colo e então chegou ao seu ápice ali mesmo, enquanto Liam vinha logo em seguida.

- Porra... – Justin se escorou no balcão, suspirando e retirando os cabelos colados de suor de sua testa. Imediatamente vestiu sua cueca branca.

- Você demorou vinte minutos para gozar – Liam falou saindo debaixo dele – Parece que alguém está gostando de transar comigo – Falou maliciosamente, pronto para iniciar novamente.

- Não Liam, definitivamente não – Justin falou colocando a sua camisa do uniforme da prisão – Vou ir tomar um bom banho e nada de você me seguir! – Apontou o dedo para o amigo, antes que ele falasse algo a respeito – E mais, precisamos acabar por isso. Não posso mais trair a Selena, minha consciência está pesando muito ultimamente.

- Selena nem sabe que você está aqui, Justin – Liam revirou os olhos e então se sentou ao lado dele – Você sempre está mais feliz quando fica ao meu lado e sabe que eu não estou mentindo – Segurou no queixo de Justin, que ficou paralisado admirando seu belo rosto.

O clima dos dois foi quebrado no mesmo instante quando ouviram a porta da capela se abrir. Ficaram em silêncio extremo quando ouviram a voz de Dylan no local, discutindo com a capelã Joanne, responsável pelos cultos e cerimônias no local. Dylan era conhecido por seu extremo fanatismo religioso, e sempre enchei a paciência de qualquer um com suas pregações, mas mesmo assim, tinha quem o seguia constantemente.

- Norman, prepare as velas, vamos realizar a missa agora – Joanne informou para o padre, que vinha logo atrás dela. Dylan revirou os olhos e cruzou os braços, encarando-a.

- Depois eu vou realizar a minha cerimônia – Dylan informou e então Norman o encarou – Está olhando o que? – Perguntou de forma grosseira. Não pode deixar de olhar Liam e Justin saindo às pressas de trás do balcão para a portinha de saída da capela. Desprezível aos olhos dele.

- Que seja – Norman subiu no palanque e foi até o balcão pegando alguns itens religiosos debaixo deste.

- O’Brien, espere o seu momento para se reunir – Falou Joanne tentando conter a insistência do detento, mas era impossível.

- Bom, pelo menos eu vou pendurar isso na parede. Vai ser útil para representar a minha fé – Dylan foi até o canto do palanque e pegou uma enorme cruz feita de madeira, papelão e outros materiais de artesanato – Eu mesmo fiz, o que acha? – Perguntou de forma extremamente orgulhosa de si, Joanne ficou um pouco chocada ao ver o enorme feito pelo detento. Norman apenas ficou em silêncio enquanto assistia tudo aquilo.

- Não pode colocar isso em nenhum lugar daqui – Joanne determinou – Irá violar a liberdade das outras religiões daqui.

- O que?! – Dylan perguntou incrédulo, colocando a cruz no seu ombro esquerdo.

- Dylan, não vai pendurar isso e ponto final. Não existe só o cristianismo nessa prisão – Joanne falou por fim, sem querer discutir com o rapaz. O’Brien pegou sua cruz e então saiu-a arrastando pelo corredor da capela, em direção a saída desta.

- Está do lado dos católicos, eu sei – Dylan murmurou enquanto se dirigia até a saída, segurando sua cruz – Minha fé está sendo perseguida e meu Deus poderoso está vendo tudo isso! – Olhou para o teto da capela, sussurrando algo indecifrável – Enquanto você leve o esposo do papa e os outros para passearam – Se referiu primeiramente a Norman – Eu estou aqui estou tendo minha fé ser testada.

- Prefiro ser chamado de ‘’amigo do papa’’ – Norman disse com um falso sorriso no rosto, colocando sua bíblia na mesa.

- Se você ao menos fizesse algo que fosse ligado a religião, te levaria para passear – Joanne disse tentando ser compressiva.

- Eu não quero ir passear! Me entendeu?! – Gritou grosseiramente na porta da saída – Você continua violando minha liberdade religiosa, mas isso não vai me impedir de pendurar essa droga dessa cruz na capela! – Continuou aos berros, deixando Joanne boquiaberta. O’Brien então saiu dali, mas ainda não havia desistido de fazer o que queria.

Quando a missa de Norman foi realizada, rapidamente a capela foi esvaziada no aguardo para a próxima cerimônia religiosa, e nesse meio tempo, foi o suficiente para que Dylan, acompanhado de Evan e Daniel entrassem no local, amarassem a cruz no cano do teto e então finalmente conseguirem deixa-la presa ali de uma vez por todas.

- Dylan! Isso não vai dar certo! – Evan disse segurando a corda o mais forte que conseguia, para que não derrubasse a cruz. Daniel estava bem atrás dele com a mesma dificuldade – Eu não quero voltar para a solitária de novo, cara! – Reclamou.

- Calma! – Dylan disse olhando como a cruz estava sendo posicionada – Quase lá e vamos conseguir – Olhou para trás e viu que Norman havia voltado para a capela – Merda – Bufou, revirando os olhos.

- O que estão fazendo? – Norman olhou um pouco assustado com a artimanha que estavam fazendo.

- Por que está aqui? Sua celebração acabou já! – Dylan disse irritado. Aquele dia não tinha como piorar.

- Vim pegar minha touca, não vou atrapalhar sua grande obra – Norman falou com ironia, o que irritou Dylan de certa forma. Parou no meio do caminho quando viu uma parte do suporte do teto cair e fazer um pequeno barulho – Vocês penduraram essa cruz no cano, ficaram malucos?! – Gritou ao ver o teto começar a rachar.

- Droga Dylan! Eu disse que não ia dar certo! – Evan disse, preocupado com o que estava prestes a acontecer – Porra! – Gritou ao ver que a cruz havia caído e atingido o balcão de celebrações, o destruindo por completo. Exceto Dylan, os três correram para o fundo da capela quando o teto acima do palanque começou a desabar, junto com o encanamento a fiação. Dylan apenas colocou a mão na boca e olhou para o teto como sempre fazia, balançando a cabeça negativamente com o que havia ocorrido.

Não demorou muito e Joe com uma cara nada agradável apareceu na capela, junto com Camila e Lionel, para avaliarem o estrago feito pelo desabamento do teto. Os quatro envolvidos ficaram sentados nos assentos de plástico do auditório da capela. Quem passou por perto dali na hora do incidente, como Kanye, Niall, Lil, Zayn, Liam e o Garoto Chorando, acabaram por se juntar a eles e ouvirem as reclamações que Joe havia feito.

- Nossa energia elétrica foi comprometida, há coco de rato por todo o lugar e também um cheiro de mofo que deve estar aqui faz uns cinquenta anos – Joe falou, andando sobre os destroços do teto, enquanto os detentos ouviam tudo o que ele dizia, sem ousar reclamar – E agora, Lionel, o que vai acontecer? – Perguntou para o guarda, que estava ao lado de Camila.

- Vai levar algumas semanas para concertar, ou mais – Lionel disse cruzando os braços, estava completamente desinteressado naquilo – De qualquer jeito uma hora esse teto iria desabar na cabeça de vocês por causa da umidade que ele tem, então conseguiram prevenir uma tragédia antes da hora.

- Parabéns – Camila disse ironicamente.

- Obrigado – Dylan falou achando que aquilo havia sido realmente um agradecimento.

- Meu Deus... – Joe riu com Dylan e então foi até ele – Além de destruir a porra do teto, consegue ser tão burro como eu pensava. Como você sobreviveu a infância?

- Minha mãe morreu e meu pai me... – Começou a falar sem problema algum, até que Joe começou a gritar.

- FOI UMA PERGUNTA RETÓRICA, CARALHO! – Gritou e então Dylan virou o rosto, tentando desviar dos cuspes que saiam de sua boca. Enquanto continuava a repreender Dylan, Zayn fazia de tudo para segurar o riso.

- Dá para fazer silêncio? – Niall se virou e encarou Zayn, irritado com suas risadinhas debochadas – Você é desagradável.

- O que? – Zayn falou e dessa vez começou a rir sem ter medo de levar uma ocorrência – Essa porra é engraçada pra caralho.

- Como você é desagradável, por que não estou me surpreendendo, Zayn? – Niall perguntou, olhando entediado para o ex-namorado – Parece que você não mudou nada.

- Te digo o mesmo – Zayn cruzou os braços – Continua sendo o mesmo loiro que reclama o dia todo e se diz politicamente correto, mas no fundo está sentindo saudades do meu pau – Falou de uma forma que fez Niall se arrepiar. Liam ficou boquiaberto enquanto assistia a a DR que os estavam tendo no meio do caos que estava naquela capela.

- Com licença – Niall levantou a mão esquerda, chamando por qualquer guarda ali. Joe parou de gritar e então deu a devida atenção ao loiro.

- O que você quer agora? – Joe perguntou colocando as mãos na cintura.

- Posso ir ao banheiro? O mofo está me fazendo ficar enjoado – Niall disse fazendo uma cara de repulsa e Zayn cerrou os olhos para ele, observando aquele lado manipulativo que o loiro conseguia ter – Vai ser horrível ser eu vomitar e... – Niall fez intenção que iria botar tudo para fora ali mesmo.

- Se ele vomitar em mim alguém vai ser responsabilizado por isso – Disse Kanye bem ao lado de Niall – É melhor deixar ele ir logo.

- Cai fora daqui – Joe disse e então Niall se levantou e foi embora da capela, sem antes de dar uma encarada bruta em Zayn – Quem ficou, vai ajudar a recolher o entulho. Há muito trabalho para ser feito hoje – Falou com seu sorriso tenebroso, pronto para a abusar da boa vontade dos detentos ali, que é claro, não pouparam reclamações – Agora!

- Loiro safado – Zayn cruzou os braços. Estava perspicaz por Niall ter se safado daquele trabalho – Você não é nenhum anjo Niall, eu sei muito bem quem você é – Disse, encarando a porta que Niall havia acabado de passar, antes de levantar e ter que ser obrigado a carregar todo aquele entulho.

 

 

Niall estava no apartamento de Zayn em Madrid. Já haviam viajado por toda a Europa naquelas férias e tudo estava seguindo de modo perfeito, se não fosse por Niall com sua paranoia após o desembarque em Bruxelas semanas atrás. Zayn estava cansado de toda aquela preocupação que o namorado estava tendo, até sentindo que ela estava começando a afetá-lo.

Enquanto passava a maior parte do tempo no cartel e Niall ficava no apartamento se recusando a sair nas ruas com medo de ser preso, acabou por ter problemas com o chefe do comando e agora era obrigado a fazer a última coisa que queria: Envolver Niall novamente na jogada para se safar de mais um de vários problemas que estava tendo, mas com o risco de ganhar outro. Era um beco completamente sem saída.

- O que porra está fazendo? – Zayn jogou sua mochila no chão ao entrar no apartamento, vendo que Niall jogava várias de suas roupas em uma mala preta – Niall, estou falando com você caralho! – O moreno gritou pedindo uma satisfação daquilo.

- Estou indo embora – Niall disse diretamente, sem criar mais delongas como sempre fazia – Preciso voltar para minha casa e ver meus pais, sinto falta deles – Olhou para o namorado – Zayn, o problema não é com você, eu te juro... – Zayn imediatamente ficou à frente dele e o segurou.

- Não pode ir agora, preciso que fique aqui comigo – Zayn disse tentando fazer Niall mudar de ideia, mas não estava conseguindo – Niall, escuta, você precisa ficar, senão eu vou ter problemas. Há mais uma mala de dinheiro para ser transportada e eu não posso fazer isso por que... – Tentou continuar a falar, mas Niall o empurrou.

- Vai me fazer virar sua mula de carga de novo? Hã? – Niall vociferou para Zayn, numa raiva que o moreno nunca havia visto, o deixando assustado – Não vou me meter nessa porra de novo! Você me colocou numa cilada na primeira vez, mas não vai ter uma segunda!

- Escuta aqui, você não é nenhuma criança – Zayn disse mais irritado ainda, se aproximando de Niall novamente, que o ignorou e voltou a arrumar suas coisas na mala – Estava fazendo as coisas sabendo do risco que corria! Não venha dizer que eu sou o único culpado nessa história.

- Me enganei com essa viagem, completamente – Niall disse pegando seu celular e o colocando no bolso – Eu me envolvi com a porra de um traficante. Pior, eu ajudei um – Pegou sua mala e então rumou para a porta. Zayn sentiu seus olhos se encherem de lágrimas, Niall estava indo embora e ele não tinha coragem e fazer nada.

- Niall, por favor... – Implorou uma última vez, tendo um resquício de esperança. O loiro parou e ouviu o choro de Malik, mas não voltou atrás, deu um suspiro pesado e então saiu dali, deixando-o para trás.

Zayn se sentou na cama e ficou inerte. O ambiente era havia ficado muito vazio sem a presença do loiro, e ele estava indo embora para os Estados Unidos sem ao menos ter uma passagem comprada.

Permaneceu deitado durante muito tempo até receber uma mensagem em seu celular, a princípio achou que era de Niall e imediatamente a abriu. Estava errado em pensar que a mensagem de Niall, mas ela não deixava de ser importante, ao lê-la, teve uma das piores notícias daquela noite, tão ruim além de ser abandonado pelo próprio namorado.

O pai de Zayn havia morrido.

 

 

Niall entrou na sala de televisão e encontrou Jared e Jensen sentados em uma mesa, e Justin em outra, assistindo a um programa de variedades que só passava no domingo. Jesse estava em uma mesa do canto comendo uma barra de chocolate e dessa vez não prestou tanta atenção no loiro, já que estava mais focado no programa de televisão quanto Justin.

- Como está sendo o seu domingo, Horan? – Justin perguntou entediado.

- Nada demais – Niall disse, apesar de estar aliviado por ter escapado da capela – Muitas coisas acontecendo e muita falta de perspectiva – Disse, dando os ombros. Jared suspirou irritado, tentando se concentrar no seu trabalho artesanal. Pelo menos o outono aqui é bonito.

- Pois é – Justin disse, passando a mão na mesa aleatoriamente –  Fui preso para ver o outono em Litchfield, muito legal.

- Mas o outono é realmente agradável – Niall falou animado – Hoje a manhã estava bem fresquinha no jardins próximo do pátio, até vi uma galinha perto da macieira – Ao falar aquilo, Justin se ergueu da cadeira em que estava e ficou ereto, Jensen e Jared pararam o que estavam fazendo e até mesmo Jesse parou de comer sua barra de chocolate.

- Espera aí... – Justin o interrompeu antes que continuasse o falatório – Está dizendo que viu uma galinha?

- Exatamente, ela era bem gordinha – Niall riu se lembrando da possível ave que havia avistado a algumas horas. Jared e Jesse se levantaram da mesa em que estavam e imediatamente saíram da sala de televisão, Jesse continuou ali tentando ter mais informações, mas não conseguiu, pois Justin havia puxado Niall dali para a cozinha.

É claro que aquilo havia chego no ouvido de Jeffrey mais rápido que raio atingindo o solo.

- Olha ele aí – Jared cruzou os braços ao ver Niall entrar na cozinha junto com Justin. Jeffrey interrompeu seu trabalho imediatamente, querendo saber de notícias da tal galinha que andava circulando a prisão.

- Que história é essa da galinha? – Jeffrey perguntou jogando a colher de madeira no balcão – Tem certeza mesmo que a viu? – Perguntou como se aquilo fosse a coisa mais importante da face da terra.

- É claro que eu vi, por acham que eu estaria mentindo?! – Niall disse, ficando incomodado com todo aquele burburinho.

- Não era um faisão? – Jensen perguntou.

- Não.

- Uma galinha d’angola? – Dessa vez foi Jared.

- Posso ter certeza que não.

- Um peru? – Até Justin se atreveu.

- Olha, eu sei muito bem como é uma galinha – Niall afirmou – Ela estava lá fora circulando numa boa. Não sabia que uma galinha causaria tanto rebuliço!

- Não é uma simples galinha – Jeffrey disse se sentindo ofendido com Niall.

- Há muito tempo havia uma fazenda aqui cheia de galinhas – Jared começou a contar a história – E em uma noite, todas as galinhas foram mortas, exceto uma, que fugiu e ninguém nunca a viu. Não há galinhas aqui na cidade, apenas essa – Disse olhando para todos ali, fazendo um grande suspense – E ela esconde algo dentro dela.

- Ele está mentindo – Jensen disse encarando Niall – Só quer atenção.

- Não, ele está falando a verdade – Jeffrey disse acreditando pela primeira vez em Niall – Eu sonhei com a galinha essa noite, ela estava vestindo um avental de cozinheiro e um chapeuzinho preto na cabeça, pronta para ser assada – Falou e Niall achou aquilo muito bizarro, mas ficou quieto escutando tudo aquilo – Ela estava pronta para ser devorada. Pode ter certeza que ela está aqui – Jeffrey disse colocando seus óculos no rosto – Não é tão inútil como eu pensei – Olhou Niall de cima a baixo – Quem encontrar a galinha primeiro para mim, irá ganhar um engradado de refrigerantes – Ao anunciar a recompensa quase todo mundo na cozinha saiu correndo para o pátio, inclusive Justin, Jensen e Jared.

- Eu também posso participar? – Niall perguntou, esperançoso por uns refrigerantes.

- É claro, por que não iria? – Jeffrey sorriu para Niall, que então entrou na caçada como todos os outros.

O que era para envolver apenas a família de Jeffrey, envolveu quase metade da prisão. Todo o Gueto estava em grupos pelo pátio procurando a galinha, uma vez que Jesse havia espalhado para todo mundo que havia dinheiro dentro do animal. Por outro lado, apenas os espanhóis não haviam entrado naquela disputa, por enquanto.

- Olha isso – Brandon disse enquanto colocava seus dominós na mesa. Austin estava bem ao seu lado anotando a pontuação. Só haviam voltado a se falar por que Austin já não tinha tantas alternativas e estava um saco ficar sozinho, ao menos podia ficar agora com os outros de seu dormitório – Parecem malucos atrás de um animal estúpido – Revirou os olhos.

- Essa prisão não me surpreende mais – Alfonso riu, sendo o próximo a jogar.

- Disseram que há drogas dentro da galinha – Lucas disse para Maluma, enquanto jogavam em dupla.

- Como eles colocam drogas dentro de uma galinha? – Maluma perguntou um pouco confuso com aquilo.

- Parece que colocam em uma bolsinha e fazem ela engolir. É mais fácil em pombos – Afirmou – Ou também eles enfiam no...

- Eu sei como funciona essa parada – Maluma ficou enojado. Brandon revirou os olhos com tanta babaquice – Mas não é só pelas drogas. Dizem que elas valem mais de mil dólares – Lucas falou e então Maluma levantou as sobrancelhas. Os dois colocaram todos os seus dominós na mesa e então saíram da mesa, correndo para o pátio atrás da galinha.

- Espera, você também? – Brandon perguntou, vendo Alfonso de pé atrás da dupla dinâmica.

- Eu não sou burro, só vou ficar de olho nos dois burros – Respondeu, saindo dali. Brandon não havia mais com quem jogar e então se virou para Austin, percebendo que ele escrevia em cima da pontuação.

- Que porra está fazendo? – Brandon perguntou e Austin não respondeu. Não demorou muito para perceber que era para a guarda todas aquelas palavras que não entendia muito bem – Está perdendo tempo atrás de guardas. Elas vêm e voltam. Se eu fosse você eu iria atrás de um daqueles tipo o Lionel, se ele tocasse em você, seria esperto e o denunciaria e ganharia uma bolada do governo – Falou e Austin ficou furioso.

- Eu não estou interessado no dinheiro dos outros – Austin disse perplexo – Como você é insensível! – Se levantou da mesa, deixando Brandon sozinho.

- E no que está interessado? Amor? – Falou debochadamente e então pegou a folha da pontuação, lendo tudo o que Austin havia escrito.

Não tão longe dali, Niall apareceu novamente no pátio depois de uma pequena descansada, e então percebeu o caos que havia criado no que era para ser um dia calmo de domingo. Só percebeu que estava encrencado quando Jeffrey apareceu na frente, acompanhado de Jensen e Jared.

- Por que abriu a boca para o pessoal do Gueto? – Jeffrey perguntou irritado com a desvantagem que estava tendo – Agora todos estão achando que há drogas dentro da galinha.

- Espera, por que eu não falaria isso para eles? – Perguntou, confuso.

- Por que eu achei que você tinha bom senso! – Jeffrey disse de forma rude – Eu apenas queria preparar a galinha com os meus legumes e finalmente absorver o seu poder – Falou de forma dramática, olhando para uma nuvem no céu – Mas você estragou tudo – Jeffrey disse e então se sujeitou a voltar para dentro do prédio.

- Então vai desistir apenas por um pouquinho de competição? – Niall falou de forma persuasiva e então Jeffrey se virou para ele, bem como Jared e Jensen.

- Do que está falando? – Jeffrey perguntou, olhando Niall como se ele fosse uma ameba.

- Jeffrey, eles não têm um propósito com aquela galinha, mas você tem – Niall disse com um sorriso maléfico em seu rosto – Somente você tem os melhores produtos e o melhor jeito de preparar um prato digno com a carne daquele animal – Aquelas palavras transformavam a cabeça de Jeffrey de forma assustadora – Você nasceu para comer aquela galinha, Jeffrey. Vai desistir apenas por causa de um pouquinho de diversão? – Cruzou os braços e arqueou a sobrancelha. No mesmo instante, uma gritaria começou no pátio, alegando que haviam visto o animal.

- É minha! – Jeffrey gritou bem alto e então correu para o meio da muvuca – A galinha é minha! – Saiu que nem um completo maluco de volta para o pátio.

Não demorou muito e o alarme da prisão começar a ser tocado e Joe aparecer, colocando todos os envolvidos naquele tumulto, deitados no chão da quadra de basquete.

- Não sabia que estavam treinando para a olímpiada dos retardados – Joe falou se certificando que todos permaneciam ali deitados – Há guardas nas torres armados e prontos para atirarem. Se quiserem se matar é só começarem essa palhaçada de novo – Disse passando por Niall e Jeffrey.

- Me lembre de nunca mais ouvir você – Olhou rispidamente para Niall, que engoliu a própria saliva.

- A próxima vez que acontecer isso, teremos que ampliar a nossa solitária. O recado está dado, agora entrem e não ousem dar um pio – Avisou uma última vez e então os liberou, fazendo-os voltar para dentro do prédio. Todos entraram em silêncio e sem mais badernas, antes que Andrew aparecesse e aí sim tivesse problemas maiores.

- Não pode ser... – Niall sussurrou ao ver a galinha para fora das cercas da prisão, circulando em liberdade. Com a aparição daquele animal na prisão, Niall começou a pensar nele mesmo, perguntando a si a próprio se a sua sanidade estava indo embora naquele lugar. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...