História ORBIS — Histórias de Dragões - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Como Treinar o seu Dragão
Personagens Personagens Originais
Visualizações 4
Palavras 895
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Universo Alternativo
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Quem É O Dragão de Pata Branca?


Bann era pai de Yasmin e chefe da Tribo do Norte. Era um homem forte de mãos ásperas, com olhos azuis e o cabelo que mais parecia um falcão eletrocutado.

Ele estava tirando um grande cochilo depois do almoço, no sol agradável do começo da tarde, quando foi rudemente acordado por dois guerreiros avisando sobre um incêndio na Campina Alta. E dizendo que os alunos do Programa de Iniciação em Dragões estava lá em cima.

Bann imediatamente saltou da rede. Ele normalmente não tinha uma natureza medrosa, mas seu sogro, o Velho Toffe, estava advertindo havia ANOS que Yasmin andava muito estranha.

Bann havia o ignorado, pois não era muito dado a ter com o que se preocupar. Mas depois de quase metade de sua vida, Yasmin de fato se metera em confusões quase inacreditáveis pelas razões mais bobas possíveis.

—CHAMEM A BRIGADA DE INCÊNDIO! —berrou Bann, vestindo a camisa e correndo para a porta, se esquecendo completamente de calçar os sapatos.

Quando se vive ao lado de dragões é preciso ter um sistema de Brigadas de Incêndio extremamente eficiente. Embora os dragões tentassem não cuspir fogo sem necessidade, sempre acontecia um acidente aqui e alí. E nesses momentos a Brigada de Incêndio podia chegar ao local em exatos dois minutos.

A Brigada de Incêndio consistia em um bando completo de Escalderíveis, treinados para carregar grandes volumes de água, guiados pelos Guerreiros do Fogo, vários vikings treinados no combate a incêndios. Naquela ocasião, foi preciso um pouco mais de dois minutos, pois a Campina Alta ficava um pouco distante da vila, mas não demorou muito até a Brigada chegar lá. Os Escalderíveis mergulhavam as cabeças na água dos barris e soltavam jatos sobre o fogo que se alastrava rápido.

Seus esforços eram inúteis, pois não era só a situação comum de um simples Terrível Terror cuspindo fogo a uma mesa de jantar, mas da encosta de uma montanha inteira ardendo.

—Yasmin? —gaguejou Bann, descendo de seu dragão de montaria e olhando em volta na esperança de que uma das crianças cobertas de fuligem pudesse ser sua filha. —ONDE ESTÁ YASMIN?

Com os olhos marejados, Daisy  apontou a cabeça para o gigantesco incêndio diante deles.

—NÃO! —gritou Bann, puxando os cabelos, olhando desesperado para a campina chamas.

Do fogo, saiu Yasmin, saltitando  coberta pelo manto de pele de dragão. Parou entre os alunos do Programa de Iniciação em Dragões que esperavam impacientes com seus dragões no colo, correram com tamanha velocidade que Yasmin pensou que fosse ser atropelada.

—Ela está viva! —berrou Bann, em surpreendente alegria.

—Como você sobreviveu? —foi a pergunta que Philip fez logo que a avistou.

Yasmin apontou para algo coçando as orelhas com a pata traseira um pouco atrás de si.

O Fúria da Noite de pata branca apertava os olhos azuis e sem brilho para Bann.

—Esse é o Flagelo! Ele é um Fúria da Noite! —disse Yasmin.

—COMO você foi salva por um Fúria da Noite?! —gaguejou Lizzie.

Yasmin mostrou a língua e correu para abraçar o pequeno dragão negro.

—Nós somos grandes amigos, sabe? Só EU tenho permissão para montar nas costas dele! —ela estufou o peito, orgulhosa de seu amigo escamoso.

—Toffe! Você deu esse dragão a ela?

—Bem, não. —disse o avô, franzindo a testa. —Um Fúria da Noite não é avistado a anos! E mesmo se eu lhe desse essa raça, seria um filhote, como todos os outros.

—O Velho Toffe tem razão, Yasmin! —observou Lizzie. —Ele já é adulto! Você não pode ficar com ele!

—É claro que posso! —retrucou Yasmin. —Ele VEIO até mim! Praticamente me escolheu! Posso ficar com Flagelo, não é, pai?

—É claro que sim! É um dos dragões mais fortes que eu já vi! —disse Bann, analisando o dragão e encarando assustados as mais de mil partes afiadas espalhadas por seu corpo. —Adorei o nome! Flagelo! Soa bem! Ele sabe fazer mais alguma coisa além de voar pelo fogo?

Elizabeth fechou a cara. Yasmin sabia que ela estava torcendo desde pequena para ganhar um dragão da classe Ataque, e ver Flagelo obedecer plenamente as suas ordens a fez explodir por dentro. Mas mesmo com a vitória, Yasmin sentia pena da pequena Pesadelo Monstruosa que Lizzie ganhou, até agora, a dragoazinha não tinha ganhado nem sequer um nome.

—Como você domou ele? —perguntou Thomas, se esquecendo de fazer qualquer comentário nada útil de tanto espanto.

—Ah, eu não "domei" ele! —disse Yasmin. Dessa vez ela estava realmente falando sério. —ELE veio até mim.

Os vikings ficaram muito confusos, mas, percebendo a multidão, Flagelo se aproximou:

Estão te incomodando, filhotinho? —ele disse, em dragonês.

Nah! Tá tudo bem! Obrigado, amigo!

—O que foi ISSO?! —exclamou Bann.

—Yasmin, você estava... FALANDO com o dragão? —perguntou Toffe.

Yasmin, sabendo que seria um longo discurso, subiu nas costas de Flagelo e falou para todos:

—Com todo o respeito, eu acho que TENHO o direito de entender meu próprio amigo! É falar dragonês não é nenhum crime! Eu acho...

—Legal, agora, além de agir como se não fosse humana, também fala com os bichos! Selvagem! —debochou Lizzie, acariciando a cabeça da pequena dragoa verde

Bann, orgulhoso de sua filha ter treinado sozinha um dragão tão poderoso como Flagelo, não queria a deixar triste e nem fazê-la se sentir inferior ou desfavorecida. Além disso, gostava da ideia de Yasmin andar por aí com Flagelo, pois faria sua reputação como futura-líder subir.

—Bom, já que não seria justo ter um dragão já treinado nas aulas do Programa, como Toffe me disse, —começou Bann. —Ele pode ser seu... Seu... GUARDA-COSTAS! Isso! Flagelo dará um ótimo guarda-costas!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...