História Orgulho e Preconceito. - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Elsword
Exibições 70
Palavras 1.561
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


A imagem do capítulo mostra o uniforme de nossa protagonista.

Primeiramente, obrigada pela paciência de todos quanto a demora do capitulo. Ando extremamente ocupada na escola e por isso, quase não tenho tempo para escrever os capítulos.

Então, este capítulo não foi muito revisado, então já peço perdão pelos meus erros ortográficos, independente de quais forem.

Obrigada, por seguir o desenvolvimeto desta história. Conto com você, meu querido leitor.

Peço que respondam novamente a pergunta no final, e muito obrigada por terem respondido a outra.

Este capítulo não foi comprido porque ele apenas serviu para dar continuidade na história.

Boa leitura.

Capítulo 2 - Capítulo Dois - Segredos.


Fanfic / Fanfiction Orgulho e Preconceito. - Capítulo 2 - Capítulo Dois - Segredos.

Olhava atentamente para o grisalho bebericando uma xícara de café, queria saber o que ele queria de uma vez, para que pudesse sair e voltar pra casa, ainda não tinha superado aquelas coisas que ele tinha lhe dito mais cedo, e certamente não seria breve que esqueceria. Bufou, batendo os pés impacientemente no chão, cruzou os braços e analisou a xícara de café que ele havia pedido para ela.

Seus olhos correram por toda a decoração daquele pequeno bistrô, que parecia ser um local calmo e especialista no que faziam. Passou as pontas dos dedos na mesa, a madeira refinada desta tinha uma textura extremamente boa. Voltou a olhar ao redor, ouvindo um clipe de música jazz ao fundo, enquanto poucas pessoas sentadas em mesas muito separadas aproveitavam seus quitutes diversos. Podia ver uma criança lambuzando-se com um sorvete de chocolate com calda de morango, derramando-o sobre suas roupas que pareciam ser extremamente caras. Suspirou e voltou a olhar para o grisalho, ele agora mexia levemente a colher sobre o líquido marrom claro. 

— Então... — o olhou, com a testa franzida. Podia sentir levemente o vapor do café tocar-lhe o rosto. Colocou uma mecha do cabelo atras da orelha e sentou-se direito no banco. — O que quer comigo, interesseiro? — assim como sua chefe normalmente fazia, ela não demonstrou expressão alguma, apenas pegou a xícara e bebeu um pouco, pode sentir o líquido quente queimar-lhe a língua e descer rasgando por sua garganta, afastou a xícara no mesmo momento, fazendo uma careta, sua boca agora ardia levemente.

— Huh? Não se pode mais convidar uma bela dama para tomar café? — perguntou, mostrando novamente mais um de seus sorrisos encantadores, moveu os dedos de leve e retirou a franja do seu olho. Largou a xícara sobre o pequeno pires na mesa, apoiou seus braços sobre esta e olhou-a. — Ou se sente incomodada com a minha presença? — desta vez, apoiou a cabeça sobre a mão, admirando a garota em sua frente. De fato, parecia que estava devorando-na com o olhar. Esta bufou e revirou os olhos, tentando não olhar para as íris que brilhavam.

— Quer que eu caia nessa? Você é engraçado. — deu uma gargalhada sarcástica e desviou o olhar por alguns segundos, bateu os dedos impacientemente na mesa e suspirou profundamente, voltou a analisa-lo.

Assim que virou seu rosto para sua direção, sentiu este queimar, a vermelhidão com certeza poderia ser vista na pele de suas bochechas. O rosto do grisalho estava bem próximo do seu, ele a olhava nos olhos, apoiando os braços firmemente na mesa. A garota engoliu o seco e respirou fundo, tentando acalmar-se diante de tal visão. Era realmente tentador ver os lábios rosados tão próximos dos seus, mas ela não podia ter esses pensamentos tão perversos com alguém que tinha acabado de conhecer. Encostou as costas no encosto do banco cor púrpura, seu coração pulava em seu peito, preferia não comentar nada sobre o que estava sentindo, parecia óbvio, mas não queria acreditar que estava sendo atraída pelo gostinho do garoto.

— Você.... — fez uma breve pausa, que fez a ruiva ficar atordoada, não gostava de suspense. Desfez-se do sorriso pela primeira vez, passando olhá-la por inteiro. — Está com medo de mim? — logo o sorriso voltou, junto a uma gargalhada debochada. 

Antes que a garota pudesse dizer qualquer coisa, ouviu-se o sino da porta principal, avisando que uma nova pessoa havia entrado no local.  Elesis direcionou o olhar para este, um sujeito vestido de um jeito parecido com o de Add. Ele tinha cabelos grisalhos longos que iam até o final de suas costas. Ele a olhou, a garota sentiu seu corpo estremecer da cabeça aos pés, ele parecia carregar uma aura sombria ao redor de si, isto deixava o clima no bistrô inteiro um pouco tenso. Engoliu o seco quando viu ele se aproximar, este colocou a mão sobre o ombro de Add, que pareceu entender o recado e se afastou dela rapidamente. Este suspirou e olhou para o garoto com uma estatura alta.

— Já...? — o mais alto assentiu, o grisalho em frente a ruiva suspirou e retirou de seu bolso algumas notas amassadas, bateu elas na mesa e levantou-se, um tanto irritado. A garota se assustou um pouco, encolhendo-se, nunca tinha o visto tão irritado. — Heh, não se assuste, ruivinha. — bagunçou seus cabelos cor sangue, seu rosto ficou ainda mais vermelho. Ele colocou as mãos nos bolsos da calça surrada e se retirou rapidamente. Ficou estática por um bom tempo, encarando o assento vazio em sua frente, notou que a presença do garoto fazia bastante falta, aquele bistrô já não parecia tão animado, parecia um tanto cinzento.  

Ao ter esses pensamentos, pode ouvir os sons de gotículas caindo no asfalto encardido da rua. Também molhava o painel de vidro ao seu lado. Apoiou-se sobre seu braço, olhando para o céu escuro enquanto degustava aquele líquido amarronzado presente em sua xícara. O som daquele local apareceu se esvair completamente, o café já estava frio, e pareceu um pouco mais doce. Pensou naqueles olhos brilhando abaixo da luz da lua, eram hipnotizantes e pareciam pedras preciosas. Suspirou assim que notou que o líquido havia acabado, pegou sua bolsa e retirou-se do local. 

Enquanto caminhava pelas ruas escuras, uma certa sombra lhe seguia lentamente, observando cada movimento seu, independente de qual fosse.  A garota não percebeu que estava lá, foi andando para casa normalmente. No meio do caminho, encontrou uma figura de cabelos loiros andando desesperadamente. Ela o reconheceu, era Chung, que estava com um semblante assustado. A garota estranhou, resolveu acelerar o passo para alcançar o amigo, mas se arrependeu após alguns segundos, percebendo que seu amigo estava com uma expressão horrenda.

— Elesis? Que esta fazendo nas ruas tão tarde?! — agarrou seus ombros, a chacoalhando um pouco. Ele estava realmente assustado, e a garota podia sentir suas mãos tremendo quando ele lhe segurou com toda a "delicadeza do mundo". Ela suspirou e se afastou, pensou se deveria contar para seu amigo que tinha ido tomar café com o amante de sua chefe, mas e se Chung contasse e alguém descobrisse? Não, ela não podia correr esse risco. — Sabe o quão perigoso isso é?! 

— Eu peguei o ônibus errado. — mentiu descaradamente, ele não pareceu acreditar. Bagunçou os cabelos, nervoso. A garota estava um tanto curiosa e assustada com o que o garoto tanto temia. Nunca tinha visto o loiro daquele modo, somente em um dia que sua mestra estava furiosa e estava planejando não dar salário para nenhum dos seus empregados, com as contas um tanto atrasadas, ele realmente estava nervoso.

— De qualquer maneira, temos que sair daqui. — disse a agarrou o pulso da ruiva, tomando extremo cuidado para não machucar sua pele delicada. Ele sempre foi cuidadoso com a amiga, mas desta vez, preferiu deixar os modos de lado. Antes que ela pudesse responder qualquer coisa, ele a puxou para um beco e colocou a mão sobre a sua. — Eles estão vindo. Fique aqui e só saía quando eu te chamar. — ela estava completamente confusa, mas temia que algo terrível acontecesse com ela caso não obedecesse, então apenas assentiu e encolheu-se em um canto, atrás de milhares de caixas de papelão que estavam cheias de sacolas de lixo, aquele cheiro estava fazendo o estômago da ruiva revirar, mas ela preferiu permanecer quieta.

Foi possível ouvir sons agudos, parecidos com tiros, ecoavam por toda a rua vazia, como se batessem por todos os prédios até se esvaírem pelo ar. Chung não se moveu, e logo, um grupo de pessoas ficou ao seu redor. Todos eles carregavam consigo armas que supostamente eram proibidas naquele local. Eles vestiam roupas que pareciam ser caras, mas estavam um tanto desgastadas e surradas. Encolheu-se mais, com medo que algo acontecesse.

— Quem era a gracinha que tava com você, anão? — um homem moreno com um corpo bem definido e bem alto falou com Chung como se fosse seu superior. A ruiva achou isso extremamente desagradável, mas preferiu não se meter. Ele agarrou o loiro pega gola da blusa e o levantou um pouco. — Está guardando ela pra mim? — sorriu assustadoramente, seus cabelos eram espetados e ele supostamente era de uma gangue. Mas o que ele queria com Chung? Elesis nunca pensou que ele teria algum tipo de relação com eles.

— Uma amiga, não está reservada. Você sabe onde a sua está, não a incomode. — o loiro respondeu no mesmo tom, confrontando-o. O mais velho deu um sorriso maldoso e o colocou no chão, passando um braço ao redor de seu pescoço. — Você sabe que eu nunca desobedeço uma ordem, então, não a machuque.

— Heh, deve estar apaixonado pra dizer isso. — brincou com os cabelos e fez um sinal para todos os membros do grupo, que rapidamente saíram de lá, entrando em uma enorme van que tinha desenhos um tanto obscuros. Elesis se inclinou para enxergar melhor o que eles iriam fazer com Chung, arrastaram-no para a van e saíram. Antes do garoto ir, ela viu este olhar pra ela e dar um sorriso brilhante, aqueles que ele sempre dava quando queria passar segurança em momentos muito difíceis. A garota arregalou os olhos, mas antes que pudesse sair de trás das caixas para ajudar o amigo, a van saiu em disparada, era possível escutar o som da borracha dos pneus arranhando o chão e deixando marcas borradas por todo o asfalto. Suspirou.

"O que o Chung tem com eles?"


Notas Finais


Pergunta:
"O que você acha que o Chung tem a ver com eles?"
Obrigada por sua resposta, gosto de saber a opinião de meus leitores.
<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...